– As Mais Lucrativas Faculdades

Compartilho interessante matéria sobre universidades que conseguiram potencializar suas receitas graças a classe C. Leia e conclua: negócio lucrativo ou não?

Extraído de: http://is.gd/ewETZm

UM NEGÓCIO NOTA 10

Impulsionadas pela classe C, empresas do setor de educação batem recordes de lucros e veem o preço de suas ações disparar na bolsa de valores

por Mariana Queiroz Barboza

O primeiro semestre foi especialmente nervoso para os investidores da Bolsa de Valores de São Paulo. Pressionada pela piora do cenário externo e fortemente influenciada pela crise na zona do euro e pela desaceleração da economia brasileira, a BM&FBovespa amarga um dos quatro piores desempenhos do mundo. De janeiro a junho, o principal índice da bolsa, Ibovespa, apresentou queda de 4,2%, enquanto a rentabilidade das empresas listadas despencou. Os resultados negativos da bolsa paulista tornam ainda mais impressionante a performance das companhias do setor de educação, que viram suas ações disparar, em alguns casos, quase 100%. Se há muito tempo o País discute a necessidade de melhorar a qualidade de seu ensino, no campo financeiro os gigantes que controlam esse mercado jamais ganharam tanto dinheiro. “Não fomos afetados pelo baixo crescimento da economia”, diz Ricardo Scavazza, presidente da Anhanguera Educacional, conglomerado paulista avaliado hoje em R$ 4,7 bilhões – é mais do que uma companhia aérea como a Gol e praticamente o mesmo do que uma TAM (sem a LAN). “A tendência é que o setor continue crescendo acima de dois dígitos nos próximos cinco anos, porque há uma defasagem histórica no acesso ao ensino superior no Brasil”, completa Scavazza. Segundo o empresário, 2012 será o melhor ano em uma década para instituições como a sua.

Os bilhões gerados nas salas de aula resultaram em números espantosos. Na mineira Kroton, dona das Faculdades Pitágoras, o lucro avançou 408,8% no acumulado até 30 de junho. Depois que adquiriu a Unirondon por R$ 22 milhões em abril e o grupo Uniasselvi por R$ 510 milhões em maio, a rede expandiu sua base de alunos, principalmente no ensino à distância, grande aposta para a manutenção dos resultados no futuro, segundo o presidente Ricardo Galindo. Os números positivos se repetem em outras empresas. No primeiro semestre, a Anhanguera fez seu lucro líquido crescer 59% em relação ao mesmo período do ano passado. A carioca Estácio também aumentou seus ganhos acima de 50%. “O sucesso de agora é consequência de um plano de investimentos de quatro anos”, diz Rogério Melzi, presidente da Estácio.

A estratégia de atender os consumidores da ascendente classe C é comum à Anhanguera, Estácio e Kroton desde o início do processo de profissionalização, em 2000. “A nova classe média passou a usar seu poder aquisitivo maior não só para comprar eletrodomésticos, carro e casa própria, mas para realizar o sonho de ter os filhos com diploma”, diz Carlos Monteiro, presidente da CM Consultoria, especializada em educação. Com o surgimento de grandes instituições, o ensino superior foi submetido a uma certa uniformização e assim o preço das mensalidades passou a ser o principal fator de competição. De olho na demanda doméstica, as três companhias registraram ganhos muito acima dos setores de varejo e transportes, por exemplo, apesar da alta no nível de endividamento das famílias. “A educação é vista mais como investimento do que como consumo”, afirma Bruno Giardino, analista de educação do Santander.

Nesse cenário, a consolidação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), programa do governo federal que oferece crédito para o pagamento de mensalidades do ensino superior, caiu como uma luva. “Essa é uma dívida boa porque está atrelada à expectativa de aumento no patamar de renda do indivíduo”, afirma Giardino. Desde 2010, os juros pagos no programa caíram de 9% para 3,4% ao ano. Segundo o presidente da Anhanguera, o fundo é o elemento que faltava para ampliar o acesso das classes ascendentes ao ensino superior. “O número de alunos nossos que hoje utiliza o Fies triplicou em relação ao início de 2012”, diz Scavazza, do grupo Anhanguera. A perspectiva da Anhanguera é que essa proporção, hoje em 30%, ultrapasse em breve os 50%. Na Estácio, são 30 mil estudantes que recorrem ao Fies, o equivalente a 15% da base de alunos. Segundo especialistas, essas universidades têm o mérito de abrir as portas para pessoas que, até pouco tempo atrás, não tinham acesso à vida universitária. Para um país como o Brasil, não é pouca coisa.

IEpag100e101_educacao-2.jpg

– Intolerância Motivada pela Burrice

O Sabath é o dia de guarda aos judeus; o Domingo aos cristãos; e hoje, Sexta-feira, é o do mundo islâmico. E protestos acontecerão por todo Oriente Médio contra o infeliz filme “Inocência dos muçulmanos” (já abordado no blog) e também em relação às caricaturas irônicas de Maomé por parte de uma revista francesa.

É sabido que os árabes não gostam de retratar em gravuras o seu profeta. Fazê-lo de forma jocosa, e ainda inventar um filme insinuando-o como pedófilo e homossexual, não é “mexer num vespeiro?

Por culpa dos idiotas que fizeram o filme as gravuras, os governos dos EUA e França estão tendo trabalho mundo afora. Polêmicas claramente evitáveis…