– Quando uma publicidade pode ser desagrável

Certas promoções e publicidades podem ser desagradáveis e apelativas. Um bar na Inglaterra usou a imagem do falecido Papa João Paulo II, segurando uma garrafa de cerveja na mão e abraçado a uma garota. Após protestos, a campanha foi retirada.

Em: http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI3676451-EI8142,00-Banido+anuncio+britanico+que+mostra+Joao+Paulo+II+com+garota.html

Banido anúncio britânico que mostra João Paulo II com garota

Uma organização responsável pela padronização de anúncios publicitários do Reino Unido classificou de ofensivo um flyer (espécie de panfleto) de uma casa noturna de Ipswich no qual o papa João Paulo II aparece com uma garrafa de bebida na mão e acompanhado de uma garota dançando com um vestido curto.

Segundo o jornal The Telegraph, o material causou manifestações de raiva entre as comunidades católica e polonesa. O flyer da festa “Berserk” foi distribuído pela boate Club Fire. Sheila Soltysik, secretária do clube polonês de Ipswich, se manifestou contra o material. “Foi extremamente ofensivo”, disse.

“Infelizmente essas ações baseadas em idéias insensatas de marketing deixaram a comunidade polonesa e católica consternadas. Talvez para algumas pessoas a desconstrução dos padrões morais tenha uma conotação inocente, mas para a maioria das pessoas sensíveis foi lamentável”, acrescentou.

“Eles não estão autorizados a fazer coisas desse tipo. Eu penso que o material foi retirado a tempo”. Para o diretor do Conselho de Sulfolk para a Igualdade Racial, Jane Basham, a descrição de João Paulo II na foto foi claramente ofensiva. “Eu tenho esperança que a condenação do flyer seja uma mensagem importante para a comunidade”.

– Ele é o Cara!

Hoje, durante a reunião dos G-20 (países ricos + convidados), que está sendo realizada na Inglaterra, o presidente Lula mostrou que está sobrando e não está prosa. O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que “Lula é o cara“, e que o brasileiro “é o presidente mais popular do mundo“.

Extraído de: http://jovempan.uol.com.br/noticia/obama+lula+e+o+politico+mais+popular+na+terra-157590,,0

(Publicado Por: Mariana Riscala)

Obama: Lula é ‘o político mais popular na Terra’

Norte-americano fez o comentário sobre o brasileiro em uma roda de líderes antes de reunião do G-20

Em uma roda de líderes pouco antes do início da reunião do G-20, que acontece nesta quinta-feira em Londres, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que o presidente Lula é o “político mais popular da Terra”. Um vídeo da rede de notícias BBC registrou a cena em que os dois se cumprimentam.Obama troca um aperto de mãos com o presidente brasileiro, olha para o primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, e diz, apontando para Lula: “Esse é o cara! Eu adoro esse cara!”. Em seguida, enquanto Lula cumprimenta Rudd, Obama diz “esse é o político mais popular da Terra” apontando para Lula.

Rudd aproveita a deixa e brinca: “O mais popular político de longo mandato”. E o norte-americano ainda acrescentou:

“É porque ele é boa pinta”.

– Como a Puma se transformou de Marca Esportiva em Grife de luxo

Abaixo, como a Puma se reinventou. Desde o seu sucesso com Pelé usando a “Puma King” na Copa de 70, até a baixa concorrencial nos anos 90 e seu ressurgimento. Um belo case a ser discutido:

Extraído de: IstoÉ Dinheiro

O homem que reinventou a Puma
Como o alemão Jochen Zeitz transformou a marca esportiva em sinônimo de estilo

O jamaicano Usain Bolt se agacha, olha para a frente concentrado na linha final e dispara ao som do tiro de largada. Nove segundos e 69 centésimos depois, o atleta de 22 anos abre os braços e se consagra como o homem mais rápido do mundo – mais de um metro à frente dos rivais. Antes mesmo de comemorar, saca a bandeira da Jamaica e, como se estivesse segurando um troféu, carrega suas sapatilhas douradas, uma em cada mão, e as alça para o alto.

A cena, acompanhada por 1,2 bilhão de pessoas em todo o mundo, aconteceu no dia 16 de agosto de 2008, durante os Jogos Olímpicos de Pequim, e ainda traz dividendos para a empresa, que ganhou tanto quanto Bolt – dono de três medalhas de ouro nos jogos. “Apostamos no atleta bem antes de ele ser conhecido”, disse à DINHEIRO Jochen Zeitz, o CEO da Puma. Agora, a marca alemã colhe os louros. Aos 45 anos de idade, o executivo parece estar acostumado a apostar com precisão. Desde 1993, quando assumiu a Puma, com a imagem combalida e dívidas de US$ 100 milhões, ele bate recordes atrás de recordes. “Nós reinventamos a empresa e criamos um novo segmento de mercado”, diz Zeitz (acompanhe entrevista abaixo).

A Puma nasceu, em 1948, da briga entre os Irmãos Rudolf e Ari, que possuíam uma pequena fábrica de calçados na cidade de Herzogenaurach, na Alemanha. Rudolf criou a Puma e Ari fundou a Adidas. Até hoje as empresas são rivais e as sedes de ambas ficam na mesma rua, frente a frente, separadas por alguns metros de distância. Durante décadas, a Puma inovou e esteve associada às maiores estrelas do esporte. Pelé foi garoto-propaganda da grife, Maradona disputou sua primeira Copa do Mundo, em 1982, com chuteiras da marca e, em 1985, Boris Becker venceu Wimbledon com tênis da marca. No fim da década de 90, ela já não era mais a mesma. “Não tínhamos mais impacto no mercado porque havíamos perdido apelo junto ao consumidor e estávamos fora de forma”, diz Zeitz.

O executivo, então com 30 anos e recém- nomeado presidente da empresa, iniciou um grande processo de reestruturação e, depois de deixar a companhia no azul, partiu para a estratégia que, definitivamente, reconstruiu a imagem da Puma. “Apresentamos a Puma do modo mais poderoso aos consumidores, mas fizemos isso basicamente mudando as tradicionais fórmulas de sucesso usadas por nossos rivais”, explica Zeitz. O que ela fez de diferente? Inaugurou o casamento entre a moda e o esporte, criando a imagem de grife de lifestyle, e inaugurou lojas próprias que identificassem o universo Puma. “Para os atacadistas vendemos produtos ligados ao esporte e nas nossas lojas temos mais o lado fashion”, diz João de Castro, presidente da Puma no Brasil – subsidiária que faturou R$ 200 milhões em 2008, R$ 60 milhões a mais do que em 2007.

– Mais uma Couve colhida!

Repito um dito antigo, não usado mais:

Hoje colho mais uma couve na horta da vida! Para ser preciso, 33!

Como era bom esperar os 18… demorou tanto! Agora, é tudo muito rapidinho.

Obrigado pelas manifestações que já recebi antecipadamente. Que esse ano seja melhor do que o anterior e pior que o posterior.