– A Adulteração não tem limites

Muitos temem abastecer seus carros com produtos adulterados. Mas o “batismo” dos combustíveis parece não ter limites: até o Posto Extra foi flagrado! É a primeira atuação em um supermercado.

É por isso que se torna importante o cliente ter confiança no posto que abastece (modéstia a parte, recomendamos o Auto Posto Harmoniaservimos qualidade, completamos satisfação) e verificar se o estabelecimento faz o teste de qualidade, na chegada do produto e descarregamento nos tanques de armazenamento.

Extraído do Agora São Paulo, pg 05, ed 22/04/2009:

Um posto de combustíveis do supermercado Extra, na zona leste, foi interditado ontem por fiscais da ANP (Agência Nacional do Petróleo) por vender gasolina adulterada. O combustível do posto, que fica na estrada Itaquera Guaianazes, 2.671, continha 30% de álcool, quando o permitido é 25%.

De acordo com o coordenador de fiscalização da ANP em São Paulo, Alcides Amazonas, este é o primeiro posto de combustíveis de uma rede de supermercado que é interditado na capital. O posto recebeu a visita da ANP depois de amostras do produto terem sido coletadas e analisadas em outra ocasião.

Como ocorre com os outros postos, esse ficará fechado até provar que o combustível adulterado foi reprocessado ou jogado fora. A ANP sempre orienta os consumidores a guardarem as notas fiscais ao abastecer e sempre procurar os mesmos postos.

O Extra informou que instaurou uma sindicância interna e com a distribuidora para apurar responsabilidades e adotar medidas para que o fato não ocorra mais. 

– Falecimento do amigo Maurício de Oliveira

É com pesar que registro o falecimento do ex-aluno, mas eterno amigo Maurício de Oliveira.

Sua luta contra a doença foi testemunhada por todos. Batalhou demais na vida, no trabalho, na família. Na faculdade, mesmo em licença, esforçou-se ao máximo como bom aluno que sempre foi, orgulhando a nós professores e a seus colegas.

Não há nada a questionar; apenas respirar fundo, ter seu exemplo de perseverança na memória e as lembranças dos momentos felizes. Que Deus possa confortar a família neste triste momento.

Descanse em paz, guerreiro!

No alto, da direita para esquerda, segunda fileira, quinto formando, nosso amigo Maurício na sua Colação de Grau.

(Formatura da UniSant’Anna em 16/01/2009. Pelo carinho dos alunos, tive a honra de ser paraninfo. Foto tirada quando da execução do Hino Nacional. )

– Schincariol derruba Ronaldo e Bhrama

Em tempos de propaganda politicamente correta, a Schincariol alegou que o jogador Ronaldo (garoto propaganda da Ambev) é um ídolo das crianças, e ao fazer publicidade para sua cervejaria concorrente, a Bhrama, estava prestando um desserviço a sociedade, associando álcool com o sucesso. Conclusão: Ronaldo não poderá mais ostentar um copo de cerveja nas telas da TV.

Extraído de: http://br.invertia.com/noticias/noticia.aspx?idNoticia=200904231335_RED_78014935

 

 

O Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária (Conar) aceitou na última segunda-feira uma denúncia feita pela cervejaria Schincariol contra propaganda veiculada pela rival Brahma com o atacante Ronaldo, que iria contra o código de ética do mercado publicitário brasileiro.

De acordo com a denúncia, a campanha vincularia o sucesso do jogador ao consumo de cerveja e o forte apelo de Ronaldo com o público infantil impossibilitaria sua aparição em anúncios deste tipo. Além disso, o código do Conar veta associação de atletas com uniforme de esportes olímpicos em propagandas de bebidas alcoólicas.

Segundo informações do órgão regulador, os representantes do conselho de ética devem julgar o caso em 20 ou 30 dias. O criador da campanha, Eduardo Martins, da agência África, é membro do conselho, mas não poderá votar neste caso, por ser uma das partes interessadas.

A assessoria da Ambev, grupo da marca Brahma, afirmou nesta quinta-feira que ainda não foi notificada da denúncia. No entanto, alguns ajustes já foram feitos no comercial, como a substituição da fala de Ronaldo “eu sou brahmeiro” por “eu sou guerreiro”. A nova peça é veiculada desde o último domingo. 

– A Farra das Passagens, agora com “Impublicações”

Estou apenas fazendo alusão as palavras mal-educadas de Ciro Gomes. Reclamando que o uso das passagens aéreas era legalizado, sem se importando com a imoralidade das viagens descabidas, o político desafiou a impressa e soltou vários xingamentos. E ele acha que está certo!

Pisou na bola, e ainda por cima dá impressão de que todos somos bobos…

 

Veja de desrespeito aos eleitores, extraído de:

http://congressoemfoco.ig.com.br/noticia.asp?cod_canal=1&cod_publicacao=27925

 

Com palavrões, Ciro contesta informações sobre viagem da mãe

Deputado do Ceará afirma que bilhete para Nova York foi pago com recursos próprios. Em conversa com jornalistas, xingou responsáveis pela lista de usuários das cotas parlamentares

O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) contestou hoje (22) a informação de que cedeu passagens da cota parlamentar para a mãe dele, Maria José, viajar ao exterior. Em nota à imprensa, o parlamentar confirmou a viagem, mas disse que ela pagou o bilhete. Numa conversa com jornalistas, Ciro usou expressões como “filho da puta” e “caralho” ao ser perguntado sobre as passagens.

As contestações sobre a viagem da mãe começaram num discurso no plenário. “Uma mentira grosseira, leviana, envolvendo o nome da minha mãe octogenária. No meu gabinete só quem usa cota para passagens sou eu”, afirmou.

No discurso, o deputado citou o Congresso em Foco entre os veículos que noticiaram a emissão de passagens para a mãe dele. Em determinado momento, questionou se a imprensa estava trabalhando contra a democracia.

Depois de terminar o discurso, Ciro entrou na sala do cafezinho. A reportagem do site o seguiu para pedir mais detalhes sobre a cota de passagens parlamentar. Aos berros, o deputado disse querer saber quem era o “filho da puta” que havia envolvido o nome dele no escândalo.

“Só eu viajo com a cota, e agora me vejo jogado numa lista? Quem fez essa lista?” Uma repórter da Folha de S. Paulo disse que o levantamento era do Ministério Público, e o deputado gritou: “Ministério Público é o caralho. Pode escrever aí. Ciro diz: Ministério Público é o caralho”.

Quando o deputado parecia mais calmo, a repórter do Congresso em Foco tentou obter mais explicações sobre as passagens. Ciro olhou o crachá da jornalista e perguntou: “Você é do Congresso em Foco?”. Ao ouvir a resposta afirmativa, o deputado cearense disse que respeitava o site pelo acompanhamento das atividades do Congresso.

A repórter agradeceu, mas Ciro repeliu o gesto. “Eu não disse que respeito você. Eu disse que respeito o site. Você eu não conheço, nunca a vi aqui. Respeito você porque tenho que respeitar, como respeito a qualquer um”.

Contatos

Antes de publicar a lista dos usuários das cotas parlamentares, o site procurou o deputado Ciro Gomes e sua assessoria durante dois dias. No domingo, tentou o contato por telefone, com os assessores, e encaminhou e-mail. Na segunda-feira, novo contato com o gabinete.

A assessora parlamentar Marina Moura disse que, em resposta, encaminharia ao site uma justificativa que o deputado havia dado antes à Folha de S. Paulo. O e-mail, no entanto, não chegou. A reportagem tentou vários contatos no celular da assessora, mas não houve retorno. (…)

 

 

– Liquidação de Clubes de Futebol no Brasil

Deu no Jornal “O Globo” de ontem: o ex-lateral esquerdo Leonardo, do SPFC, Flamengo e  Seleção Brasileira, disse ao jornalista Fabio Juppa: Vendam o Flamengo !

Durante a entrevista, Juppa questionava como resolver a dívida do Flamengo e as administrações amadoras. E o ex-jogador, que agora é manager no Milan, não titubeou na solução: disse que os dirigentes têm que vender o Flamengo.

É claro que não estamos acostumados a clubes-empresa no Brasil. Só pequenos clubes de empresários conseguem sobreviver, e clubes-empresa médios precisam de parceria sustentável. Na Itália, os clubes são todos propriedade privada: A Fiorentina era da produtora de Cinema Miramar, o Milan é do primeiro ministro Silvio Berlusconi, a Juventus de Turim da Fiat, e assim por diante.

Confesso que estamos a anos-luz de imaginar, por exemplo, o Corinthians ou o Flamengo nas mãos da iniciativa privada. A torcida não deixaria. Sinceramente, acho que isso não seria bom. O modelo de clubes de futebol, como é hoje, se for administrado com competência pode ter mais sucesso do que outros. Vide Internacional-RS e SPFC.

– Assédio Moral que, cá entre nós, compensa. Ou não?

Sabemos que qualquer forma de Assédio Moral é condenável. Seja por insultos ou discriminação (assédios mais freqüentes), qualquer ação não causa nenhum tipo de alegria ao que sofre tal inibição. Mas, cá entre nós, será que R$ 1,3 milhão recebido por um ex-gerente gay do Bradesco não valeriam à pena?

É claro que o texto é provocativo, mas vale uma reflexão. Entenda essa história:

 

(Extraído da Folha de São Paulo, ed 23/04/2009, pg E1-E3)

 

Depois de 22 anos de trabalho no Baneb (Banco do Estado da Bahia) e mais cinco anos no Bradesco, que incorporou o banco estatal, o então gerente geral de agência Antonio Ferreira dos Santos, 47, foi demitido por justa causa. No entanto, no período em que passou pelo banco privado, de 1999 e 2004, Santos diz ter sido vítima de homofobia. Na semana passada, o TST (Tribunal Superior do Trabalho) acatou os argumentos da defesa do ex-gerente e condenou o Bradesco a indenizar a vítima por assédio moral, discriminação e dano material. O valor da indenização pode chegar a R$ 1,3 milhão.

 

Homossexual assumido, Santos diz que era chamado de “bicha” e de “veado” por seu gerente regional, que chegava a dizer que ele deveria usar o banheiro feminino. “Ele não pegava na minha mão. Achava que minha homossexualidade ‘passaria’ pelo suor”, disse o ex-gerente.Os advogados de Santos conseguiram com que o TST aplicasse ao caso a lei 9.029, de 1995, que proíbe a dispensa do trabalho discriminatória, ou seja, por motivo de sexo, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade.

“As pessoas interpretavam a palavra sexo da lei como sendo só aspecto de gênero, como, por exemplo, privilegiar homens. Mas fizemos uma interpretação extensiva de que, na verdade, a palavra sexo se reporta como a sexualidade como um todo. A orientação sexual do trabalhador não pode servir de pretexto para que ele venha a ser demitido. Fizemos uma análise constitucional da dignidade da pessoa humana, do preceito da igualdade”, afirmou o advogado Bruno Galiano, que representa Santos na ação.

 

 


De acordo com o advogado, o ex-gerente não poderia ser demitido sem justa causa porque possuía uma estabilidade, adquirida por ter sido incorporado do Baneb.”Ele sofreu esse assédio e arranjaram uma forma de dizer que estava demitido por justa causa, quando na verdade o motivo da demissão era a homofobia”, disse Galiano.

Inicialmente, na decisão em primeira instância, a Vara do Trabalho de Salvador condenou o banco a indenizar Santos em R$ 916 mil por dano moral e material. O TST reformou essa decisão e diminuiu o valor para R$ 200 mil.

 

 


Como a defesa conseguiu aplicar a lei 9.029, a legislação tem duas opções de aplicação de pena. Se constatada a discriminação, o empregador, nesse caso o banco, deve reintegrar o demitido à empresa ou pagar a ele o dobro do seus salários até quando a decisão não couber mais recurso.


Segundo o advogado de Santos, a juíza da primeira instância identificou que não havia mais clima para que o ex-gerente fosse reintegrado ao banco, por isso, ela determinou que ele receba os vencimentos em dobro, desde 2004, quando foi demitido, até quando o Bradesco não puder mais recorrer.


Como Santos recebia R$ 5.000, o valor de cada salário passaria para R$ 10 mil. “Chega a esse valor alto porque, de 2004 até 2009 dá 60 meses aproximadamente, o que daria R$ 600 mil de vencimentos, mais R$ 200 mil de indenização que dá R$ 800 mil. Com a correção aproximadamente, nós ‘colocamos’ R$ 1 milhão e com mais um prazo de dois anos até trânsito e julgado [fim dos recursos] do processo mais R$ 300 mil. Foi o cálculo estimado que fizemos”, disse o advogado.


Galiano disse não acreditar que a Justiça mude a sentença do caso. Ele admitiu a hipótese de que o valor pode sofrer reformas, no entanto, disse acreditar que as provas são concretas.


“Existe o distanciamento geográfico e de tempo, isso aconteceu entre 1999 e 2004 lá na Bahia. Dificilmente um ministro vai reformar algo que foi definido nos fatos apurados no Estado da Bahia. Isso nos dá uma segurança de que dificilmente vai haver uma reforma no julgado, mas há a possibilidade. Todo o recurso tem possibilidade de reformar”, afirmou o advogado.


Por meio da assessoria de imprensa o Bradesco disse que vai recorrer da decisão e que não comenta assuntos que ainda estão sob a esfera judicial.


Artigo 482


Santos disse que recebeu uma carta de demissão lacônica, que dizia somente que ele estava sendo desligado da empresa por infringir o artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). O artigo lista 12 motivos para a justa causa na demissão, entre eles atos de improbidade, má conduta, condenação por crime e trabalhar embriagado.


No entanto, o ex-gerente alega que era um funcionário exemplar e que sua agência ultrapassava as metas determinadas pelo banco.


“O que me levava a estar no banco era as metas que eu cumpria. Ele [gerente regional] não tinha como me derrubar porque eu era um cumpridor de metas. Eu me superava. Quando o Bradesco dizia quero cem eu fazia 500. A única maneira de continuar na empresa era me superando”, afirmou Santos.


Diferente do que informou seu advogado, ele afirma que não tinha estabilidade, mas não tinha como ser demitido por justa causa porque a agência que gerenciava ultrapassava todas as outras em metas.


“Eu cumpria com facilidade as metas, mas meus colegas me ligavam e diziam “parem de ficar produzindo porque não to conseguindo cumprir aqui’ Também chegavam a dizer “Aquele veado cumpre as metas, porque não posso cumprir?’. Até nisso eu sofria. Meu colega ficava contra mim, porque ele os jogava contra mim”, disse Santos.


Em 2004, quando o gerente regional assumiu temporariamente o cargo de diretor, demitiu Santos por justa causa.


“Além de ser demitido, me tiraram a possibilidade de conseguir emprego [devido à justa causa]. Eu não consegui emprego em lugar nenhum. Eu me vi com meus direitos tirados e sem a possibilidade de conseguir outro trabalho porque ninguém me dava emprego. Hoje montei corretora e sobrevivo vendendo seguro porque o mercado fechou para mim. O Bradesco ele não queria me demitir, queria me matar, porque só conseguir sobreviver porque tive amigos e parentes que me bancaram”, afirmou o ex-gerente.


Para provar o assédio que sofria no Bradesco, Santos conseguiu encontrar várias testemunhas que comprovaram a situação vexatória a qual era submetido. “Essa causa não é minha. As empresas têm de pensar duas vezes antes de fazer uma desgraça dessa com uma pessoa”.

 

Depois da sua análise, minha opinião pessoal: É claro que a dignidade humana não tem preço. Agora, cada um sabe o seu valor…

– Alunos do ProUni que dirigem Pajero

O Tribunal de Contas da União – TCU, descobriu que 30 mil bolsistas do ProUni são estudantes que possuem muita renda. Criado para atender a classe média/baixa, o ProUni, segundo a Folha de São Paulo desta 5ª. Feira, Caderno Cotidiano, atende a alunos que possuem “Pajero”, “Ford Fusion”, e “Cherokee”.

Imagino que a revolta maior não é a nossa, mas sim a dos estudantes que economizam nas cantinas das universidades por falta de dinheiro.

Mais detalhes, da Agência Brasil: http://jbonline.terra.com.br/pextra/2009/04/23/e230422537.asp

 

TCU revela que bolsistas do ProUni têm carros de luxo

 

BRASÍLIA – Ao cruzar os dados de bolsistas do ProUni, programa do governo de financiamento educacional, e do Renavam, que reúne os registros de proprietários de automóveis no país, os auditores do Tribunal de Contas da União (TCU) descobriram que cerca de mil jovens são proprietários de veículos de luxo. A renda máxima para obter o benefício deveria de ser de R$ 697,50, por membro da família. As informações são do jornal Folha de S.Paulo desta quinta-feira.

Também foram constatados outros tipos de irregularidades envolvendo mais de 30 mil bolsistas, cerca de 8% do total de beneficiários.

As constatações foram aprovadas pelo Ministério da Educação que pediu maior rigor na averiguação das informações fornecidas pelos candidatos.