– Entardecer…

Com a pausa da chuva desta tarde, eis que veio a bela paisagem do final desta 3a feira. Despeçamo-nos deste dia e aguardemos um ótimo amanhã.

Boa noite com a bonita foto de hoje:

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– As consequências do bullying nas notas das crianças!

Um alerta para os pais: como o bullying está cada vez mais frequente nas escolas e como isso reflete no rendimento dos pequenos.

Extraído de Revista Veja, ed 2516, pg 84-85.

ALERTA: O BULLYING PROVOCA NOTA BAIXA

Estudo realizado ao longo de 25 anos comprova que agressões sofridas na escola prejudicam o rendimento acadêmico das vítimas

Por Filipe Vilicic, Talissa Monteiro

O bullying já foi apontado como causa de depressão, ansiedade, obesidade e sentimento de solidão em crianças. Ainda que o termo, cunhado nos anos 70 pelo psicólogo sueco Dan Olweus, descreva qualquer ataque que use a força ou a coerção para intimidar e ameaçar alguém, ele é frequentemente associado aos “valentões” que humilham meninos e meninas na escola. Gagueira, uso de óculos com lentes grossas, características físicas ou mesmo (ironia que a inveja pode explicar) um desempenho escolar acima da média costumam motivar as agressões — verbais em 77% das situações, físicas no restante. Estudos realizados pela Associação Americana de Medicina chegaram a revelar que o trauma pode ser tão grave que as vítimas têm até três vezes mais risco de pensar em suicídio. Uma nova pesquisa, da Associação Americana de Psicologia, divulgada na última semana, descobriu outro efeito preocupante do bullying: as vítimas tendem a se sair pior em provas escolares e a odiar experiências acadêmicas. A conclusão veio de um estudo conduzido ao longo de 25 anos por psicólogos da Universidade do Estado do Arizona.

Desde 1992 os cientistas têm seguido a vida de 190 meninos e 193 meninas, do jardim de infância ao ingresso em um curso superior ou ao abandono dos estudos. A cada ano, os participantes respondiam a questionários e realizavam entrevistas, por meio das quais os pesquisadores conseguiam detectar experiências de abusos verbais e físicos. A frequência do bullying era, então, medida em uma escala que ia de 1 (quando a prática “quase nunca” ocorria) a 5 (“sempre”). Cerca de metade das crianças nesse ranking ficou nos níveis mais baixos de incidência. Contudo, o trabalho identificou que 20% dos alunos estudados em algum momento se viram vítimas de ataques crônicos e severos. Ao final, chegou-se a um resultado alarmante: um em cada quatro jovens que foram alvo de bullying apresentou desempenho acadêmico decrescente e se revelou menos engajado nasatividades escolares. Pelos relatos das crianças aos pesquisadores, evidenciou-se a relação direta entre os ataques e a desmotivação com o aprendizado.

Disse a VEJA a psicóloga americana Becky Kochenderfer-Ladd, a principal autora do estudo: “Já tínhamos indícios da ligação entre o bullying e a perda de motivação acadêmica. Faltava, porém, um acompanhamento prolongado da vida desses jovens.”  Segundo os psicólogos por trás da
pesquisa, ao contrário do que aponta o senso comum, o problema é recorrente entre os que estão na idade de frequentar o que no Brasil se chama ensino fundamental, e não no ensino médio. A porcentagem de casos severos caiu de 20% em crianças para 7% entre adolescentes. “Isso nos traz esperança, pois indica que alguns conseguem enfrentar e vencer esse mal ao longo da vida”, afirmou o psicólogo americano Gary Ladd, também autor da pesquisa.
Sim, a maldade, direcionada ao próximo — em geral alguém “diferente” do agressor e da maioria —, existe desde sempre, em todos os lugares.

Mas a internet serviu tanto para escancarar a questão como para fazer surgir uma modalidade nova e de enorme potencial: o cyberbullying.

Em 2011, por exemplo, um vídeo postado no YouTube deixou clara a dimensão que o assunto havia tomado. Nele, o estudante australiano Casey Heynes, então com 15 anos, aparecia sendo atacado pelos colegas de colégio por causa de sua obesidade. Naquele dia, ele resolveu reagir e agrediu os que o atacavam. Desde então, o vídeo foi visto quase 30 milhões de vezes e o caso se transformou em símbolo do problema. A história de Heynes, apesar de ter sido exposta na rede, ainda se enquadra na categoria mais comum de bullying: aquele cometido no colégio. Mesmo na era digital, é duas vezes maior o risco de uma criança ser agredida na escola do que na Web – por exemplo, por comentários maldosos no Facebook.

bomba.jpg

– A ótima recomendação da FIFA às homenagens para George Floyd

Gostei da FIFA! É sabido que as Regras do Jogo punem manifestações políticas, religiosas, sociais ou de qualquer outra natureza no campo de jogo (vide, principalmente, nos momentos de comemoração de gol).

Com a repercussão do triste episódio envolvendo George Floyd, o negro absurdamente assassinado pela ação desumana de um policial (leia em: https://wp.me/p4RTuC-pZ5), a entidade pediu aos árbitros e organizadores bom senso para não se punir qualquer tipo de homenagem ao falecido.

Parece algo lógico (quem poderia ser a favor do racismo?), mas quem milita no futebol sabe que os Cartões Amarelos e as multas por tais atos de manifestações citadas acima são acontecidos com frequência. 

Palmas para a razoabilidade! Cite-se, inclusive, que a própria entidade quer fazer uma homenagem a ele.

George Floyd é homenageado por jogadores da Bundesliga - Onefootball

Jogadores da Bundesliga em atos anti-racistas.

– O egoísta e vaidoso Lula!

Se a crítica ao birrento Bolsonaro de que ele “é vaidoso e não aceita críticas” tem sentindo em ser verdadeira (e concordo com ela), diga-se o mesmo do corrupto Lula, que deu uma vergonhosa demonstração de egoísmo nas Redes Sociais.

Basicamente, criticou o movimento suprapartidário de oposição ao presidente, dizendo que o “PT tem experiência” e, acreditem, “fez uma ótima gestão pública”. Falou também que não se sente à vontade com os manifestantes atuais, pois alguns votaram contra a Dilma no impeachment.

O Brasil deveria esquecer definitivamente esse “lobo em pele de ovelhas”. Se a crítica é dele, vale. Se é de adversário político, não vale.

Meu Deus… o poder fica grudado na pele e na mente do sujeito, e não sai mais! Diga-se o mesmo de Bolsonaro, que na campanha era contra a Reeleição e agora não é mais.

Extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/06/lula-critica-manifestos-suprapartidarios-e-diz-nao-ter-idade-para-ser-maria-vai-com-as-outras.shtml

LULA CRITICA MANIFESTOS SUPRAPARTIDÁRIOS E DIZ NÃO TER IDADE PARA SER “MARIA VAI COM AS OUTRAS”.

(texto disponível na Web para assinantes).

Lula versus Bolsonaro - Diário do Comércio

– A alegria de ver um recomeço no Exterior e a preocupação com o Brasil!

Enquanto pessoas e autoridades dão mal exemplo no Brasil no combate ao Covid-19 (seja aglomerando-se ou não dando a devida importância ao exemplo da prevenção), a Espanha, que levou a sério os cuidados contra o Covid-19 quando os números dispararam, não registrou nenhuma morte ontem. Museus na Itália e demais pontos turísticos reabrindo. Futebol na Alemanha retornando (sem público). Na China, preocupando-se com uma “segunda onda”, algumas coisas passaram a ser restritivas. Mas no Brasil…

Estando no pico (ou próximo de), registra-se congestionamento de trânsito em São Paulo. No Rio de Janeiro, praias liberadas. E por aí vai…

Quem levou a sério os inúmeros cuidados, está voltando ao normal (ou, como gostam de falar, “novo normal”). Aqui, querem voltar antes do que se devia sem se prevenir como poderia. Não é bom sinal…

Alex Manente propõe que dinheiro recuperado pela Lava Jato seja ...

– Lidando com gente difícil no cotidiano!

Um artigo bacana publicado no Caderno “Inteligência”, na Época Negócios: como se relacionar com gente de personalidade forte, instável ou antissocial. Dicas que extrapolam a Administração de Empresas e vão ao cotidiano da sociedade.

Abaixo, extraído de: http://epocanegocios.globo.com/Inteligencia/noticia/2012/06/gente-e-problema.html

GENTE É PROBLEMA

E você tem que saber lidar com os tipos.

O primeiro é o colega “Mel Gibson”, o tipo hostil, que leva tudo para o lado pessoal quando é contrariado; o segundo é o colega “Marilyn Monroe”, suscetível à rejeição, preocupado com a desaprovação alheia, real ou imaginária; o terceiro é o “Woody Allen”, neurótico, que faz uma tempestade diante de qualquer conflito; por fim, há o colega “Paris Hilton”, o egoísta que só enxerga o próprio umbigo. Sim, são estereótipos. Mas cada vez mais encontrados no mundo do trabalho, segundo a revista Psychology Today.

Lidar com eles é uma habilidade necessária. Para fazer isso, mantenha as interações curtas e objetivas. A comunicação deve ser lógica, pois é infrutífero – e perigoso – tentar fazer uma comunicação emocional com o interlocutor emblemático. Outra dica: mantenha o foco na conversa nele, não em você. É a forma mais segura para que, mais tarde, suas palavras não acabem distorcidas. Não tente convencê-los de seu ponto de vista. Também pare de sonhar que algum dia essas pessoas poderão ser tratadas normalmente. Aceite-as como são!

Com um colega difícil, é salutar evitar assuntos espinhosos. Quando isso for necessário, faça-o a portas fechadas (…).

COMO-LIDAR-COM-PESSOAS-POSSESSIVAS.jpg

– Como o craque português Cristiano Ronaldo não sofreu um aborto da mãe!

Respost de 2 anos:

Você conhece a história da dona Dolores Aveiro?

Ela é mãe de Cristiano Ronaldo, o craque português que por várias vezes foi eleito o melhor do mundo. E veja que curioso: CR7 era o 4º filho de uma gravidez indesejada, e dona Dolores tomou vários chás para abortar!

Quando foi ao médico, ela foi repreendida por ele e dessa forma decidiu levar até o fim a gestação. Assim que Cristiano nasceu, “houve um arrependimento profundo, um remorso, uma vontade de apagar tudo o que aconteceu ao ver aquele bebezinho indefeso e maravilhoso”, como diz em seu livro (abaixo).

Reflita: quantas pessoas talentosas de bem, que poderiam ajudar a humanidade com sua inteligência na promoção social, na descoberta de medicamentos ou na luta pacífica engajada por um mundo melhor, não nasceram por conta do aborto desejado de suas mães?

(Extraído de: https://esporte.uol.com.br/futebol/copa-do-mundo/2018/noticias/2018/05/22/mae-de-cristiano-ronaldo-diz-por-que-pensou-em-aborto-e-desistiu-da-ideia.htm)

MÃE DE CRISTIANO RONALDO DIZ POR QUE PENSOU EM ABORTO E DESISTIU DA IDEIA

Quando Maria Dolores dos Santos Aveiro, 63, assiste a um lance como a fabulosa bicicleta que Cristiano Ronaldo acertou contra a Juventus, se enche de orgulho. Afinal, é seu filho. Mas também bate uma grata sensação de surpresa, não importando quantos títulos e recordes o craque já tenha acumulado. Por mais que soubesse que, desde muito cedo, o garoto da ilha da Madeira só queria saber de futebol, ela admite que jamais imaginava que a vida deles desembocaria aqui.

Aqui, no caso, vale para São Paulo, onde, nesta terça-feira (22), Dolores Aveiro vai lançar no Brasil sua biografia. “Mãe Coragem” é o título, escrito em parceria com Paulo Sousa Costa. Mas também pode valer para Gramado (RS), a atraente cidade turística em que, por iniciativa de uma das irmãs do astro, Katia, a família prepara o lançamento de um restaurante. O estabelecimento será aberto em julho, com a Copa em andamento, chamado “Dona Dolores”. Não só pelo fato de a matriarca ser a cozinheira oficial do clã, mas também para homenagear uma trajetória ainda mais sinuosa que a do prodígio.

Órfã de mãe aos 6 anos, foi abandonada pelo pai em sequência, educada em rigoroso orfanato e, na volta para casa, acabou submetida a condições ainda mais inóspitas para uma criança. Quando deu o próximo passo, casada com José Dinis Alveiro, teve os dois primeiros filhos e viu o marido ser chamado às pressas para uma guerra em Angola. Quando voltou, era outro homem, tomado pelo alcoolismo. Com dificuldades financeiras e afetivas, considerou seriamente o aborto daquele que seria seu quarto filho, Cristiano Ronaldo, cujo talento causaria reviravolta na vida da família 17 anos depois.

“Contamos o que senti na minha vida, para dar um exemplo às mulheres”, disse ao UOL. “Não foi um livro para criar fama. Até vamos ajudar algumas instituições, com as quais já havia colaborado. Tem uma para câncer de mama, uma cirurgia que fiz nas duas. Também quero ajudar instituições de meninos deficientes e órfãos, desprezados como fui. Não quero ser conhecida como a mãe de Ronaldo, mas pelo que sinto de coração e me faz bem.”

Hoje um fenômeno no Instagram, com 1,4 milhão de seguidores (@doloresaveiroofficial), ela dá autógrafos por onde quer que passe. Seu neto, Cristiano Ronaldo Júnior, o Cristianinho, 7, até brinca sobre quem seria o membro mais famoso da família. “Estou orgulhosa porque noto que têm um carinho especial por mim. Tento responder algumas coisas porque não consigo com todas. Estou muito consciente de ser a mãe de quem sou, mas, para mim, o Ronaldo é como outro filho qualquer. É diferente para o mundo, mas para mim é igual aos outros”, disse.

Aos 30 anos, Dolores Aveiro engravidou pela quarta vez, e não estava nos planos. A família vivia em condições precárias em Funchal, e ela chegou a procurar um médico para forçar um aborto, depois de ter tomado chás e ou até mesmo cerveja preta, que a crença local dizia facilitar a eliminação do feto:

Cristiano Ronaldo realmente mudaria a vida da família. Mas demoraria um pouco. Aos seis anos, só queria saber de futebol, recusando qualquer presente que não fosse uma bola. Era um sinal do que estava por vir, embora mal suspeitassem:

Aos 11, Cristiano Ronaldo foi liberado pela mãe para deixar a Madeira rumo a Lisboa, fisgado pelos olheiros do Sporting. Não que fosse uma decisão fácil, assim como foi difícil a adaptação do filho à capital portuguesa:

Em 20 de agosto de 2003, Cristiano Ronaldo estreou pela seleção portuguesa contra o Cazaquistão, aos 18, para deleite dos pais. Cinco anos depois, seria eleito o melhor do mundo pela primeira vez. Mas o pai já não estava mais lá para ver, tendo morrido em 2005 por complicações hepáticas e renais:

Agora dando nome a restaurante em Gramado, Dolores Aveiro assegura que lá será servido o prato preferido de Cristiano Ronaldo, um craque também de garfo e faca na mão.

bomba.jpg
Maria Dolores dos Santos Alveiro, mãe de Cristiano Ronaldo Imagem: Juliana Fumero/UOL

– O perigo da dependência virtual das crianças hiper conectadas!

Um risco dos tempos modernos: crianças reféns da tecnologia, que se tornam viciadas em tablets e smartphones. Uma “overdose” virtual segundo especialista!

Extraído de: Revista Isto É, ed 2427, página 51, por Luldmilla Amaral

OS RISCOS DA INFÂNCIA NA REDE

Livro discute o uso da tecnologia pelas crianças e alerta para os perigos da dependência virtual

Especialistas em comportamento digital apontam que as crianças brasileiras são mais ativas do que a média mundial na internet, o que as tornam perigosamente dependentes dos ambientes virtuais. Celulares e tablets são cada vez mais usados para entreter os pequenos em situações de estresse, como refeições em restaurantes, por exemplo. Perfis em redes sociais também são criados muito precocemente. Diante deste cenário, já imaginou o que aconteceria se, de um dia para outro, todos os aparelhos eletrônicos deixassem de funcionar?  Essa é a proposta de Juliana Grasso, no recém-lançado livro “Amanhã, como será?”, da Tempo Editora.

Com foco no público infanto-juvenil, a publicação conta a história de Gabriel, um garoto de 11 anos dependente de computadores, tablets e smartphones que se vê completamente perdido após uma tempestade destruir todos os seus aparelhos eletrônicos. Com o acidente, o menino, que usava os dispositivos para estudar, se comunicar e brincar, precisa redescobrir as brincadeiras e alegrias de uma infância sem tecnologia. A autora  se inspirou nas experiências cotidianas para escrever o livro.

“A tecnologia está super disponível, tanto para adultos, quanto para crianças. Hoje, mesmo muito novinhas, elas assistem a vídeos pelo celular na hora de comer, o que faz muito mal”, diz Juliana. “É possível retomar as formas antigas de contato, aprendizado e recreação.” Para ela, essa overdose de tecnologia na infância pode transformar meninas e meninos em adultos antissociais e dependentes. Pesquisa “Kids of Today and Tomorrow – Um olhar Bem Próximo Sobre Essa Geração”, da Viacom Internacional Media Networks, valida essa afirmação. Ela indicou que, apesar de o cenário ser sombrio em praticamente todos os países desenvolvidos, as crianças brasileiras têm uma predisposição maior ao vício virtual.

“É possível retomar as formas antigas de contato, aprendizado e recreação”

Juliana Grasso

bomba.jpg

– Bom dia, 3a feira! Em 4 cliques motivacionais:

👊🏻 Bom dia!
Temperatura agradável (em relação ao frio dos últimos dias). Que tal um bom cooper para animar a alma e esquentar o coração?
🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #training #corrida #sport #esporte #running #nike #adidas #health
Clique 1:

🙏🏻 Correndo e Meditando:
Ó #SãoJoséMariaEscrivá, rogai por nós que recorremos a vós e fazei-nos operários de #Deus. #Amém.
⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade
Clique 2:

🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da #natureza. Nossa #flor (clicada ontem) dando o tom do seu encanto.
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flower #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento
Clique 3:

🌅 Desperte, #Jundiaí, com o #sol e as #nuvens do #amanhecer.
Que a #TerçaFeira possa valer a pena!
🍃🙌🏻 #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #mobgraphy #mobgrafia
Clique 4:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby