– O Papa e a Paternidade Responsável

Surpreendente: o Papa Francisco declarou que 3 seria um número ideal de filhos hoje a qualquer casal, a fim de contrabalancear a baixa natalidade dos países europeus, onde a população envelhece e os “casais resistem a engravidar”.

Na mesma declaração, criticou aqueles que tem filhos demais sem se preocupar em como criá-los, tomados pelo desejo, “procriando-se como coelhos” (segundo palavras do Pontífice), sendo paternidade / maternidade irresponsável.

Abaixo, extraído de: http://is.gd/Dvjiqt

PATERNIDADE E MATERNIDADE RESPONSÁVEIS

Ao falar de contracepção, papa defende paternidade responsável

A contracepção foi um dos temas que os jornalistas abordaram com o Papa Francisco na coletiva que aconteceu no voo de Manila para a Roma nesta segunda-feira, 19. A resposta do Santo Padre reiterou o que a Igreja defende: uma paternidade responsável, de forma que os cristãos não precisam ser como coelhos, tendo filhos em série.

O Santo Padre contou que, há alguns meses, repreendeu uma mulher que estava grávida do oitavo filho, após sete cesáreas. “Esta é uma irresponsabilidade. ‘Não, eu confio em Deus’. ‘Mas, veja, Deus te dá os meios, seja responsável’. Alguns acreditam que – desculpem a palavra – para ser bons católicos devemos ser como coelhos. Não. Paternidade Responsável”.

A abordagem feita ao Papa foi ligando a contracepção ao mito de que os cristãos devem ter muitos filhos.  Francisco recordou que a Igreja sempre promoveu o princípio da paternidade e maternidade responsáveis, contido na encíclica Humanae vitae, de Paulo VI.

Ele lembrou que a abertura à vida é condição do Sacramento do matrimônio. Recordou também que Paulo VI estudou essa questão da abertura à vida com uma comissão, como fazer para ajudar tantos casos, tantos problemas. Mas Paulo VI não se deteve apenas aos problemas pessoais.

“Ele olhava para o neo-malthusianismo universal que estava em andamento (…) E como se chama este novo malthusianismo? É o menos de 1% do nível dos nascimentos na Itália, o mesmo na Espanha. Aquele neo-malthusianismo que procurava um controle da humanidade pelas potências. Isso não significa que o cristão deve fazer filhos em série”.

O Santo Padre acredita que três filhos é um número bom para a família a fim de manter a população, pois menos que isso ocasiona o outro extremo, que tem a Itália como exemplo: diz-se que em 2024 não haverá dinheiro para pagar os aposentados do país. Novamente, a palavra-chave é “paternidade responsável”, que se faz com diálogo.

Francisco destacou como curiosidade o outro aspecto dessa questão: o fato de que, para os mais pobres, um filho é um tesouro e Deus sabe como ajudá-los. “Talvez alguns não são prudentes nisso, é verdade. Paternidade responsável. Mas é preciso olhar também para a generosidade daquele pai e daquela mãe que veem em cada filho um tesouro”.

bomba.jpg

– Eurico estava sóbrio ao falar do Cariocão?

Enquanto o Brasil rediscute o calendário do futebol e critica cada vez mais os Estaduais (em especial, os grandes clubes que desejam dedicação aos torneios nacionais e internacionais), Eurico Miranda vai na contramão, declarando nessa semana ao jornal Extra que:

O Carioca é muito mais importante que o Brasileiro ou a Libertadores. A sede do Vasco é no Rio de Janeiro, minha maior rivalidade é no Rio de Janeiro. Eu faço questão de prestigiar. O Carioca é a minha prioridade nesse ano.

Que mentalidade dos nossos dirigentes! Vasco da Gama x Duque de Caxias seria mais glamoroso e rentável que Vasco da Gama x Boca Juniors? A Copa do Brasil (criada pelo próprio Eurico nos anos 90 enquanto dirigente da CBF) leva à Libertadores que leva ao Mundial de Clubes. O Campeonato Carioca leva ao quê? Não vale dizer que à Copa do Brasil, pois os clubes grandes já estão previamente classificados para ela…

Discordo totalmente do cartola. E você?

bomba.jpg

– Pastoral Fé e Política Diocesana inicia atividades de 2015

por Reinaldo Oliveira

Com a reunião ordinária realizada no dia 17 de janeiro na paróquia São José Operário, do Bairro do Retiro, a Pastoral Fé e Política da Diocese de Jundiaí iniciou as atividades de 2015.

Ela que teve intenso trabalho no ano de 2014, como os Encontros com Políticos das 11 cidades da área da Diocese, da Apresentação dos Candidatos a Deputados, Caminhada dos Martires, participação no Plebiscito Popular e outros, tem boa programação para 2015.

De acordo com Claudio Nascimento – ccordenador diocesano da Pastoral, o trabalho de 2014 foi bastante exitoso e que 2015 será melhor ainda. Ele informou que por conta disso a Pastoral vai atuar mais na articulação com as paróquias da diocese.

Também estão previstos mais palestras de formação para os agentes das pastorais, no sentido de capacitação de visão crítica com vistas à cidadania. Fato de destaque a participação de novas pessoas, novas energias já presentes na primeira reunião do ano.

De acordo também com novas formas de atuação, Reinaldo Oliveira que na Pastoral atua na comunicação, até pelo paralelo de trabalhos em parceria com outras entidades da sociedade civil organizada, acredita ser positiva este avanço na maneira da Pastoral atuar.

“É necessário um maior envolvimento, uma atuação mais propositiva com relação ao acompanhamento do momento político, tanto do Legislativo como no Executivo, e para isto é preciso capacitar os agentes de pastorais. É um avanço importante e significativo.”.

Outra novidade será a descentralização das reuniões. Visitando as cidades da área da diocese, abre espaço para novas pessoas das cidades participarem. Por este motivo a próxima reunião ordinária da Pastoral será no dia 21 de fevereiro na cidade de Louveira.

bomba.jpg