– O Calvário da CBF em Emplacar um Árbitro na Copa de 2014

Com a reprovação de Wilson Luís Seneme e Leandro Pedro Vuaden, o Brasil corre risco de não ter árbitro na Copa do Mundo em 2014. Já imaginaram o Brasil ficar sem um representante da arbitragem no Mundial realizado em seu próprio território?

Seria vexatório. Entretanto, um possível fiasco pode ser evitado ao acionar o plano C (confesso que nos últimos anos não me lembro da FIFA dar a oportunidade de um país indicar um 3o nome durante a preparação). E qual é ele?

Desde a Copa de 2010 apitada por Carlos Eugênio Simon, a CBF vem trabalhando seu plano A: o paulista Wilson Luís Seneme. O trabalho da Comissão de Árbitros da FIFA começa antecipadamente, selecionando árbitros com potencial para que no período de 4 anos sejam preparados fisicamente e com cursos de aprimoramento técnico.

Seneme tem sido o melhor árbitro do quadro nacional nos últimos anos. O que pesa contra ele é o FIFA Test, a prova que exige demais do condicionamento físico (e que ele vem falhando, já que suas lesões tem sido um sério problema).

Sálvio Spínola (que encerrou a carreira no ano passado), Wilson Seneme e Leandro Pedro Vuaden foram os árbitros brasileiros mais requisitados pela Conmebol / FIFA nas últimas temporadas, em jogos da Copa América, Libertadores e Eliminatórias Sulamericanas. Assim, Seneme se tornou o plano A e Vuaden o plano B. Como principal nome, todas as fichas foram apostadas no árbitro da FPF.

Em setembro, num dos encontros preparatórios para 2014, na cidade de Zurich, Seneme sentiu dores no joelho e reprovou. A CBF chamou emergencialmente Vuaden e ambos árbitros treinaram com afinco na Granja Comary. Porém, no último teste físico, 5a feira passada em Assunção, tanto Seneme e Vuaden  reprovaram. Por isso, Sandro Meira Ricci foi convocado as pressas, a fim de tentar suprir a ausência de um nome nacional na Copa do Mundo.

Imagine o desgaste da Comissão de Árbitros da CBF junto à FIFA, ao ver seus principais árbitros falharem e metade do tempo de preparação ter sido em vão, já que estamos entrando em 2013?

Conceitualmente, o nosso país é um dos gigantes do apito para a entidade. Brasil, México, Itália e Alemanha são os países que possuem o número máximo de árbitros FIFA: 10. Na sequência: Inglaterra e  França com 9, seguidos por Argentina, Espanha e Rússia, com 8 árbitros cada.

O problema em si não é a quantidade, mas a qualidade e o aproveitamento dos árbitros brasileiros que compõe a lista.

Na relação dos árbitros FIFA/Brasil, por ordem de entrada no quadro internacional, temos:

1999 – Paulo César de Oliveira

2002 – Heber Roberto Lopes

2006 – Wilson Luís Seneme

2008 – Marcelo de Lima Henrique

2009 – Leandro Pedro Vuaden

2009 – Evandro Rogério Roman

2009 – Ricardo Marques Ribeiro

2010 – Péricles Bassols

2011 – Sandro Meira Ricci

2012 – Francisco Carlos Nascimento

Analisando os nomes disponíveis:

  • PC: o mais experiente de todos, foi preterido quando nos melhores anos de sua carreira. Não creio que a CBF o prestigiaria agora.
  • Heber: se tornou o plano D, o reserva de Ricci, e irá com o mesmo para Mendonza (Argentina), no próximo evento da FIFA, em Janeiro.
  • Seneme: era o bola da vez, mas com a reprovação, até a manutenção do próprio escudo FIFA corre riscos. Será que o estado de SP perderá esse nome?
  • Marcelo de Lima: subaproveitado na Libertadores e Eliminatórias, chances mínimas.
  • Vuaden: perdeu a chance de substituir Seneme na Copa.
  • Roman: anunciou que abandonou a carreira recentemente.
  • Ricardo Marques: ironizado pelos próprios colegas de arbitragem por suas atuações, seu currículo fraco não ajuda.
  • Péricles Bassols: nenhuma chance, nunca fez por merecer.
  • Sandro Ricci: provável árbitro brasileiro para 2014, teve excelente participação no Brasileirão em 2010 apitando os jogos decisivos, mas surpreendentemente perdendo a indicação para compor o quadro FIFA para o carioca Péricles Bassols. Em 2011, manteve as boas atuações e se tornou membro da relação internacional. Em 2012 teve um ano turbulento, mudando sua locação do DF para PE, com apresentações irregulares. Muitos o acusam de ser bem relacionado politicamente, por isso estar no quadro de elite. Discordo desses críticos, Sandro mostrou competência em campo.
  • Francisco Carlos Nascimento: péssimas atuações no Brasileirão 2012, entrou no quadro FIFA de maneira incompreensível aos especialistas em arbitragem (tecnicamente se falando).

Diante de tudo isso, fica a preocupação: na prática, nosso quadro de árbitros FIFA representa o que há de melhor no quadro nacional? Teoricamente, um árbitro FIFA é aquele que tem condições de apitar qualquer jogo em qualquer lugar do mundo. Os nossos realmente se encaixam nesse quesito? Aliás: ainda podemos almejar 10 vagas na FIFA?

Aqui, outra observação: o trabalho realizado pelas Comissões de Arbitragem ficou a desejar, não revelando nomes que trariam unanimidade, nem planejando com sucesso a longo prazo. Afinal, quem frutificou das últimas administrações?

A própria FIFA é culpada por tal situação, já que os Testes Físicos são demasiadamente rigorosos. Um árbitro é mais exigido fisicamente pela FIFA do que um jogador pelo seu clube. Assim, muitos árbitros acabam sofrendo overtraining e não conseguem se recuperar a contento, ocasionando lesões crônicas. Abandonou-se o critério técnico e se sobrepôs o físico. Assim, podemos imaginar um triste cenário sem árbitro brasileiro na Copa, mas com árbitros “corredores / velocistas” atuando. Querem um exemplo? O trio formado pelo árbitro Norbert Hauata (Tahiti) com os bandeiras Mark Rule (Nova Zelândia) e Tevita Makasini (Tonga), que embora de países futebolisticamente inexpressivos, estão pré-selecionados a frente do que o representante brasileiro!

Em tempo: Será que Marco Polo Del Nero, presidente da FPF, vice-presidente da CBF, membro da Conmebol e da FIFA, conseguirá com sua influência que a Comissão de Árbitros abra uma exceção e Seneme receba novas oportunidades para obter a indicação ao Mundial de 14? Talvez Sandro Meira Ricci não deva se iludir…

Observação: Nas 19 edições da Copa do Mundo, apenas em 3 oportunidades não tivemos representantes (34, 38 e 58). Nas demais, os representantes foram indicados da FMF (1 vez), FERJ (9 vezes), FGF (4 vezes, sendo que elas ocorreram entre as 5 últimas edições) e apenas 2 vezes pela Federação Paulista de Futebol, com Romualdo Arppi Filho e João Etzel Filho.

No placar final, o RJ está com 9 Copas, RS 4 recentes, SP 2 e MG 1.

Nesta 20ª Copa do Mundo, quem irá nos representar?

A relação completa:

  • 1930 – Gilberto de Almeida Rego-RJ (árbitro, com 49 anos)
  • 1934 – nenhum
  • 1938 – nenhum
  • 1950 – Mário Vianna-RJ (árbitro, com 42 anos), Alberto da Gama Malcher e Mário Gardelli (auxiliares)
  • 1954 – Mário Vianna-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1958 – nenhum
  • 1962 – João Etzel Filho-SP (árbitro, com 46 anos)
  • 1966 – Armando Marques-RJ (árbitro, com 36 anos)
  • 1970 – Ayrton Vieira de Moraes-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1974 – Armando Marques-RJ (árbitro, com 44 anos)
  • 1978 – Arnaldo Cézar Coelho-RJ (árbitro, com 35 anos)
  • 1982 – Arnaldo Cézar Coelho-RJ (árbitro, com 39 anos)
  • 1986 – Romualdo Arppi Filho-SP (árbitro, com 47 anos)
  • 1990 – José Roberto Wright-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1994 – Renato Marsiglia-RS (árbitro, com 43 anos) e Paulo Jorge Alves (auxiliar)
  • 1998 – Márcio Rezende de Freitas-MG (árbitro, com 38 anos) e Arnaldo Pinto (auxiliar)
  • 2002 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 37 anos) e Jorge Paulo Gomes (auxiliar)
  • 2006 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 41 anos), Aristeu L Tavares e Ednilson Corona (auxiliares)
  • 2010 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 45 anos), Altemir Haussman e Roberto Braatz (auxiliares).
  • 2014 – a definir

imgres.jpg

– Qual Brasileiro Apitará a Copa de 2014?

Com a reprovação de Wilson Luís Seneme e Leandro Pedro Vuaden, o Brasil corre risco de não ter árbitro na Copa do Mundo em 2014. Já imaginaram o Brasil ficar sem um representante da arbitragem no Mundial realizado em seu próprio território?

Seria vexatório. Entretanto, um possível fiasco pode ser evitado ao acionar o plano C (confesso que nos últimos anos não me lembro da FIFA dar a oportunidade de um país indicar um 3o nome durante a preparação). E qual é ele?

Desde a Copa de 2010 apitada por Carlos Eugênio Simon, a CBF vem trabalhando seu plano A: o paulista Wilson Luís Seneme. O trabalho da Comissão de Árbitros da FIFA começa antecipadamente, selecionando árbitros com potencial para que no período de 4 anos sejam preparados fisicamente e com cursos de aprimoramento técnico.

Seneme tem sido o melhor árbitro do quadro nacional nos últimos anos. O que pesa contra ele é oFIFA Test, a prova que exige demais do condicionamento físico (e que ele vem falhando, já que suas lesões tem sido um sério problema).

Sálvio Spínola (que encerrou a carreira no ano passado), Wilson Seneme e Leandro Pedro Vuaden foram os árbitros brasileiros mais requisitados pela Conmebol / FIFA nas últimas temporadas, em jogos da Copa América, Libertadores e Eliminatórias Sulamericanas. Assim, Seneme se tornou o plano A e Vuaden o plano B. Como principal nome, todas as fichas foram apostadas no árbitro da FPF.

Em setembro, num dos encontros preparatórios para 2014, na cidade de Zurich, Seneme sentiu dores no joelho e reprovou. A CBF chamou emergencialmente Vuaden e ambos árbitros treinaram com afinco na Granja Comary. Porém, no último teste físico, 5a feira passada em Assunção, tanto Seneme e Vuaden  reprovaram. Por isso, Sandro Meira Ricci foi convocado as pressas, a fim de tentar suprir a ausência de um nome nacional na Copa do Mundo.

Imagine o desgaste da Comissão de Árbitros da CBF junto à FIFA, ao ver seus principais árbitros falharem e metade do tempo de preparação ter sido em vão, já que estamos entrando em 2013?

Conceitualmente, o nosso país é um dos gigantes do apito para a entidade. Brasil, México, Itália e Alemanha são os países que possuem o número máximo de árbitros FIFA: 10. Na sequência: Inglaterra e  França com 9, seguidos por Argentina, Espanha e Rússia, com 8 árbitros cada.

O problema em si não é a quantidade, mas a qualidade e o aproveitamento dos árbitros brasileiros que compõe a lista.

Na relação dos árbitros FIFA/Brasil, por ordem de entrada no quadro internacional, temos:

1999 – Paulo César de Oliveira

2002 – Heber Roberto Lopes

2006 – Wilson Luís Seneme

2008 – Marcelo de Lima Henrique

2009 – Leandro Pedro Vuaden

2009 – Evandro Rogério Roman

2009 – Ricardo Marques Ribeiro

2010 – Péricles Bassols

2011 – Sandro Meira Ricci

2012 – Francisco Carlos Nascimento

Analisando os nomes disponíveis:

  • – PC: o mais experiente de todos, foi preterido quando nos melhores anos de sua carreira. Não creio que a CBF o prestigiaria agora.
  • – Heber: se tornou o plano D, o reserva de Ricci, e irá com o mesmo para Mendonza (Argentina), no próximo evento da FIFA, em Janeiro.
  • – Seneme: era o bola da vez, mas com a reprovação, até a manutenção do próprio escudo FIFA corre riscos. Será que o estado de SP perderá esse nome?
  • – Marcelo de Lima: subaproveitado na Libertadores e Eliminatórias, chances mínimas.
  • – Vuaden: perdeu a chance de substituir Seneme na Copa.
  • – Roman: anunciou que abandonou a carreira recentemente.
  • – Ricardo Marques: ironizado pelos próprios colegas de arbitragem por suas atuações, seu currículo fraco não ajuda.
  • – Péricles Bassols: nenhuma chance, nunca fez por merecer.
  • – Sandro Ricci: provável árbitro brasileiro para 2014, teve excelente participação no Brasileirão em 2010 apitando os jogos decisivos, mas surpreendentemente perdendo a indicação para compor o quadro FIFA para o carioca Péricles Bassols. Em 2011, manteve as boas atuações e se tornou membro da relação internacional. Em 2012 teve um ano turbulento, mudando sua locação do DF para PE, com apresentações irregulares. Muitos o acusam de ser bem relacionado politicamente, por isso estar no quadro de elite. Discordo desses críticos, Sandro mostrou competência em campo.
  • – Francisco Carlos Nascimento: péssimas atuações no Brasileirão 2012, entrou no quadro FIFA de maneira incompreensível aos especialistas em arbitragem (tecnicamente se falando).

Diante de tudo isso, fica a preocupação: na prática, nosso quadro de árbitros FIFA representa o que há de melhor no quadro nacional? Teoricamente, um árbitro FIFA é aquele que tem condições de apitar qualquer jogo em qualquer lugar do mundo. Os nossos realmente se encaixam nesse quesito? Aliás: ainda podemos almejar 10 vagas na FIFA?

Aqui, outra observação: o trabalho realizado pelas Comissões de Arbitragem ficou a desejar, não revelando nomes que trariam unanimidade, nem planejando com sucesso a longo prazo. Afinal, quem frutificou das últimas administrações?

A própria FIFA é culpada por tal situação, já que os Testes Físicos são demasiadamente rigorosos. Um árbitro é mais exigido fisicamente pela FIFA do que um jogador pelo seu clube. Assim, muitos árbitros acabam sofrendo overtraining e não conseguem se recuperar a contento, ocasionando lesões crônicas. Abandonou-se o critério técnico e se sobrepôs o físico. Assim, podemos imaginar um triste cenário sem árbitro brasileiro na Copa, mas com árbitros “corredores / velocistas” atuando. Querem um exemplo? O trio formado pelo árbitro Norbert Hauata (Tahiti) com os bandeiras Mark Rule (Nova Zelândia) e Tevita Makasini (Tonga), que embora de países futebolisticamente inexpressivos, estão pré-selecionados a frente do que o representante brasileiro!

Em tempo: Será que Marco Polo Del Nero, presidente da FPF, vice-presidente da CBF, membro da Conmebol e da FIFA, conseguirá com sua influência que a Comissão de Árbitros abra uma exceção e Seneme receba novas oportunidades para obter a indicação ao Mundial de 14? Talvez Sandro Meira Ricci não deva se iludir…

Observação: Nas 19 edições da Copa do Mundo, apenas em 3 oportunidades não tivemos representantes (34, 38 e 58). Nas demais, os representantes foram indicados da FMF (1 vez), FERJ (9 vezes), FGF (4 vezes, sendo que elas ocorreram entre as 5 últimas edições) e apenas 2 vezes pela Federação Paulista de Futebol, com Romualdo Arppi Filho e João Etzel Filho.

No placar final, o RJ está com 9 Copas, RS 4 recentes, SP 2 e MG 1.

Nesta 20ª Copa do Mundo, quem irá nos representar?

A relação completa:

  • 1930 – Gilberto de Almeida Rego-RJ (árbitro, com 49 anos)
  • 1934 – nenhum
  • 1938 – nenhum
  • 1950 – Mário Vianna-RJ (árbitro, com 42 anos), Alberto da Gama Malcher e Mário Gardelli (auxiliares)
  • 1954 – Mário Vianna-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1958 – nenhum
  • 1962 – João Etzel Filho-SP (árbitro, com 46 anos)
  • 1966 – Armando Marques-RJ (árbitro, com 36 anos)
  • 1970 – Ayrton Vieira de Moraes-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1974 – Armando Marques-RJ (árbitro, com 44 anos)
  • 1978 – Arnaldo Cézar Coelho-RJ (árbitro, com 35 anos)
  • 1982 – Arnaldo Cézar Coelho-RJ (árbitro, com 39 anos)
  • 1986 – Romualdo Arppi Filho-SP (árbitro, com 47 anos)
  • 1990 – José Roberto Wright-RJ (árbitro, com 46 anos)
  • 1994 – Renato Marsiglia-RS (árbitro, com 43 anos) e Paulo Jorge Alves (auxiliar)
  • 1998 – Márcio Rezende de Freitas-MG (árbitro, com 38 anos) e Arnaldo Pinto (auxiliar)
  • 2002 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 37 anos) e Jorge Paulo Gomes (auxiliar)
  • 2006 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 41 anos), Aristeu L Tavares e Ednilson Corona (auxiliares)
  • 2010 – Carlos Eugênio Simon-RS (árbitro, com 45 anos), Altemir Haussman e Roberto Braatz (auxiliares).
  • 2014 – a definir

– Aprovado o aumento no subsídio dos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito de Itupeva

por Reinaldo Oliveira

Em sessão extraordinária realizada no dia 14 de dezembro, com início às 10h e encerada às 10h26, foi aprovado por 5 votos favoráveis e 4 contrários, o aumento no subsídio dos vereadores, prefeito e vice-prefeito para a gestão 2013. Com a aprovação o subsídio de vereador que atualmente é de R$ 3.715 passará a ser R$ 6.200 e o do prefeito que é de R$ 10.800 passará para R$ 15 mil.

TRIBUNAL DE CONTAS. Após o final da sessão, em conversa da reportagem com vereadores da atual legislatura e que foram reeleitos mas votaram contra o aumento, eles informaram que após a aprovação o projeto vai para o Tribunal de Contas, que no entendimento deles vetará o aumento, pois a votação desta matéria deveria ter sido feita antes da eleição, para que a população pudesse conhecer o impacto que esse aumento teria nas finanças do município, bem como evitaria dos vereadores votarem em causa própria. É importante lembrar que em gestão anterior da Câmara Municipal de Itupeva, houve aprovação de aumento que extrapolou o índice permitido e o Tribunal de Contas, após julgar a matéria obrigou os vereadores a devolverem o valor recebido de forma irregular. Eles também informaram que caso o Tribunal de Contas julgue como irregular esta aprovação, ele determina que o subsídio dos vereadores para os próximos quatro anos seja o valor pago atualmente, ou seja, R$ 3.715.

imgres.jpg

– A Crise dos Combustíveis no Brasil

Dados assustadores: Segundo Alexandre Versignassi e Rodrigo Rezende (http//is.gd/dxfgertg), o consumo de Gasolina no Brasil subiu 50%, e o de Etanol caiu pela metade, nos últimos 3 anos. Em litros: de 22,8 bilhões em 2009 para 10,7 bi no ano passado.

Pior: as refinarias não dão conta da produção de Gasolina, sacrificam a de Diesel e, como não é tão interessante a de Etanol, faz com que importemos os 3 produtos!

Cadê o nosso Pré-Sal?

imgres.jpg

– Gafes de Grandes Organizações via Twitter

Muitas empresas investem bastante no microblog Twitter. A ferramenta virou uma necessidade para melhorar a interação entre organizações e consumidores. Porém, muitas vezes a ideia de se tornar amigo do seguidor não dá certo e gafes surgem…

Extraído da Revista Superinteressante, ed Dezembro/2012, pg 16.

QUANDO O TUÍTE SAI PELA CULATRA

As empresas vivem tentando inventar novos jeitos de usar o Twitter para divulgar suas marcas e produtos. Mas isso nem sempre dá certo.

Por Manuela Macagnan

ERA UMA VEZ UMA UNHA – McDonald’s

Criou a hastag #McDstories, convidando o público dos EUA a contar as boas lembranças que tem na lanchonete. Mas os consumidores resolveram fazer o contrário – e só contar histórias ruins, da pessoa que diz ter encontrado uma unha no BigMac atee casos de infecção alimentar. O McDonald’s não pode fazer nada, a não ser esperar que as pessoas se cansassem da brincadeira.

SUÉCIA DE PEITO ABERTO – Governo da Suécia

Decidiu colocar cidadãos comuns para comandar seu Twitter. O objetivo era mostrar o país sob diferentes pontos de vista e estimular o turismo. Atee que a blogueira Sonja Abrahmsson, 27, foi a escolhida e barbarizou: postou mensagens homofóbicas e antissemitas e uma foto de si mesma sem blusa. O governo lamentou o ocorrido, mas não apagou os comentários – alegando que o objetivo do projeto é mostrar todos os lados da sociedade sueca.

CAMBADA DE BARBEIROS – Chrysler

Exibiu uma campanha publicitária na TV se orgulhando de sua cidade natal, Detroit. Até ue apareceu a seguinte mensagem no Twitter da empresa:” É irônico Detroit ser conhecida como a cidade do carro, porque aqui todo mundo é barbeiro para c****ho”. A Chrysler disse que sua conta havia sido invadida e apagou o tuíte.

imgres.jpg

– Dinheiro para a Educacão não há, mas para Estádio de Futebol…

Sempre fui contra a Copa do Mundo em nosso país. Creio que temos outras prioridades do que a construção de estádios e gastos com exigências da FIFA, que é a entidade quem realmente lucra.

Agora, leio que a capital potiguar, Natal, não tem dinheiro para a Educação, e que as crianças do Ensino Fundamental encerraram o ano letivo sem a quantidade necessária de aulas!

Ora, para construir a Arena das Dunas, não falta grana. Mas para pagar professores…

Ridículo.

Extraído do UOL (em: http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/12/14/sem-dinheiro-natal-diz-nao-ter-como-concluir-ano-letivo-de-40-mil-alunos-do-fundamental.htm)

SEM DINHEIRO, NATAL DIZ NÃO TER COMO CONCLUIR ANO LETIVO DE 40 MIL ALUNOS DO FUNDAMENTAL

Por Carlos Madeiro

Em meio ao caos administrativo vivido pelo município de Natal, o ano letivo dos de 40 mil alunos do ensino fundamental rede pública será ser encerrado nesta sexta-feira (14), sem o cumprimento dos 200 dias-aula como manda a LDB (Lei de Diretrizes e Bases). O encerramento precoce foi decidido pelos professores e atinge também os 11 mil alunos da educação infantil e 4,8 mil que estudam em escolas conveniadas ao município. O município alega não ter recursos para retomar as aulas este mês. Para o MP (Ministério Público Estadual), o encerramento do ano letivo não poderá ocorrer.

Segundo a Secretaria de Educação de Natal, 72 escolas compõem a rede municipal. Dessas, 58 deveriam terminar o ano letivo em 21 de dezembro, enquanto outras 14, mais atrasadas, deveriam encerrar as aulas apenas em janeiro. Nenhuma cumpriu ainda o ano letivo regulamentar. As aulas nas escolas municipais foram suspensas no dia 30 de novembro, por decisão do Conselho Municipal de Educação.

A suspensão das aulas no final de novembro por falta de estrutura nas escolas e atraso de três meses no pagamento de professores e funcionários terceirizados. Como a situação não foi resolvida este mês, nem houve qualquer sinalização de solução, os professores se reuniram e decidiram encerrar precocemente o ano.

“Nós fizemos uma ampla discussão com a categoria, com participação de diversos segmentos da comunidade escolar, fomos à Secretaria de Educação, falamos com as promotoras da área, e informamos que não há como funcionar o ano letivo. Não temos nenhuma condição de funcionamento, e não adianta fingir que tem. O ano letivo será encerrado antecipadamente”, disse o coordenador geral do Sintern (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte), José Teixeira.

Caos

Segundo apurou o UOL, a situação das escolas é de caos. Faltam até botijões de gás para cozinhar a merenda das crianças. As escolas estão abandonadas, já que os vigias são terceirizados e não estão indo ao serviço.

“A prefeitura deveria ter decretado calamidade, como fez com a saúde, mas não tomou essa medida e infelizmente e o ano está morrendo por inanição. Existem umas 10 ou 12 escolas que têm condições de se manterem abertas até o dia 21. As demais, não”, explica Fátima Cardoso, integrante do Conselho Municipal de Educação.

Segundo resolução encaminhada aos professores pelo Conselho Municipal de Educação, os educadores devem registrar nos diários de classe , para encerrar o ano, “em que condições foram suspensas as aulas presenciais no dia 30 de novembro.” Além disso, órgão também orientou que “os dias de suspensão das aulas serão computados como dias letivos.” “Os professores deverão computar o total de aulas correspondentes aos trabalhos orientados aos alunos e anotar a frequência nos diários de classe”, finaliza a resolução.

Segundo Cardoso, o ano foi de caos em toda rede municipal, e o encerramento precoce das aulas vem apenas para ratificar o “péssimo ano” para a educação pública da capital potiguar. “O ano letivo já estava no prejuízo desde o início do ano. O ano de aprendizagem está prejudicado. Essa questão dos 200 dias-aula é muito mais burocrática. Você pode ter 200 dias e não ter um bom aproveitamento, e pode ter 100 com bom aprendizados. A precaridade da rede não propicia um bom ensino”, afirmou.

Mãos atadas

Procurado pelo UOL, o secretário de educação de Natal, Walter Fonseca, não escondeu que a situação é crítica e admite não ter como voltar com as aulas ainda este ano.

“Infelizmente a secretaria não tem instrumento para impedir que o ano letivo seja encerrado. Não temos como exigir a continuidade. A única coisa a fazer é ficar esperando que a prefeitura tenha condições, na próxima gestão, de continuar com esse ano letivo. Daqui para o fim do ano estar descartado. Estamos com os terceirizados parados, com mais de três meses sem salário, e não podemos abrir as escolas sem porteiro, sem auxiliar de secretaria, sem merendeira, sem vigia”, desabafou.

Segundo Fonseca, o problema é causado pela falta de recursos do tesouro municipal para a educação. “Nós continuamos na mesma situação: não houve bloqueio judicial de recurso, que inicialmente fora deferido pelo juiz da 2ª Vara da Infância e Juventude, mas foi derrubado por uma decisão monocrática do desembargador Virgílio Fernandes [do Tribunal de Justiça]. Ou seja, voltamos à estaca zero. A educação não tem um centavo de recurso”, contou.

Apesar de ser crítico da gestão municipal, o secretário diz estar com uma “extrema tristeza”. “É preciso que a próxima gestão sane esse problema, ocorrido por falta de recursos da atual gestão. Enquanto secretário, minha sensação é de falha, mas de impotência. [Concluir o ano] é uma obrigação legal, moral e ética, que deveria cumprir, mas o município não deu condições”, disse Fonseca, citando que chegou a entregar o cargo “várias vezes”. “Eles não aceitaram e fizeram várias pedidos para que permanecesse. Pois se estava ruim comigo, iria piorar.”

Ações

Segundo a promotora do MP na área da educação, Zenilde Ferreira Alves, o ano letivo não poderá ser encerrado, em nenhuma hipótese, antes dos 200 dias-aula. “Não há nenhuma orientação nesse sentido. Isso é a intenção de algumas pessoas, mas nem a secretaria, nem o Conselho Municipal se posicionou nesse sentido. Não existe ordem para encerrar, tanto que podemos entrar no ano de 2013 com o ano letivo de 2012. Isso está na lei, e os professores não tem poder dessa decisão”, explicou.

Segundo Alves, a prefeitura deixou de repassar, desde 2009, R$ 151 milhões para a educação. No mês passado, MP entrou com uma ação civil pública pedindo o bloqueio de R$ 12 milhões, em duas parcelas, das contas municipais, que chegou a ser acatado pelo juiz da 2ª Vara da Infância e Juventude, mas acabou sendo revertido pela prefeitura no TJ.

“Na verdade esse problema não veio estourar agora, ele existe desde 2010. A gente identificou que falta de repasse integral feito pela então prefeita [Micarla de Souza]. A lei determina que 25% da receita deve ser obrigatoriamente investido em educação, mas isso não foi cumprido. Em julho de 2011 um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) foi assinado, mas só cumpriram um mês”, disse a promotora, que espera agora uma solução do próximo gestor. “Caberá a nova gestão definir um calendário, que terá de começar com a reposição dos dias perdidos.”

Afastamento

A prefeitura de Natal passa por problemas de ordem administrativa. Acusada de participação em um esquema de desvio de recursos na área da saúde, a prefeita de Natal, Micarla de Souza (PV), está afastada do poder desde o dia 31 de outubro. Além do afastamento, a prefeita tem a avaliação de popularidade mais baixa entre todos os prefeitos de capitais brasileiras, com 92% de rejeição. Por conta disso, sequer tentou se candidatar à reeleição, como tinha direito. A baixa popularidade fez com que nenhum dos candidatos a prefeito aceitasse o apoio de Sousa durante a campanha.

dunas.jpg

– Guia-Mestre parece estar se perdendo!

Se você pegar os jornais internacionais nesse final de semana, a observação deles é de que Mr Silva (Lula), inevitavelmente, terá que depor sobre os inúmeros casos de corrupção que estão sendo levantados em seus 8 anos de administração.

Confesso: dava a impressão de que mesmo com tantos escândalos, o ex-presidente estava inabalável. Agora, pelo volume e importância dos casos, parece que está se tonando um homem comum.

O que me incomoda é a mania do presidente do seu partido, Rui Falcão, em dizer que “a culpa é da imprensa”! Ora, quer enganar a quem? Que desculpa insistente e típica de ditador!

imgres.jpg

– A Construção de um Novo País

por Cláudio Nascimento

Toda vez que a sociedade organizada se dispõe a mudar uma realidade política e social, o êxito é quase certo. Principalmente porque são pessoas que conhecem os problemas na íntegra, e na maioria das vezes, são vítimas desses problemas. Aspectos dessas vitórias, muitas delas esquecidas, são a união e a mobilização. Quando o assunto é “lutar” por direitos ou melhorias, eles esquecem suas preferências políticas e buscam sempre estar com outras pessoas, encontrando fatos que os unem. Outro aspecto é a presença dos movimentos sociais, sindicatos e pastorais sociais, que, junto com outras organizações sociais, valorizam a representação, e não o individualismo: Lutam pelo que é bom para todos, pelo bem comum, e não por uma reivindicação pessoal, “que é bom para mim”.  Foi assim na ditadura militar, quando em uma situação de total falta de respeito aos direitos do cidadão eles conseguiram se organizar e protestar contra o sistema. Sabemos que muitos deles, até perderam a vida nesta luta. Depois veio a luta pela Constituição, para que os direitos fossem assegurados de maneira oficial. A luta pelas eleições diretas, a famosa “Diretas já”, e enfim a luta para eleger um representante das classes populares. Não há como negar todas as conquistas deste grupo, e temos que enaltecer a grandiosidade delas para o crescimento do país, do ponto de vista da cidadania. Por outro lado também não há como negar, que para toda ação há uma reação, se antes era explícita, com ações violentas e até mortes, hoje a pressão é intelectual, com mensagens subliminares, mídia e falta de investimento em educação, que deixou grande parte da população alheia aos problemas sociais. A reação foi tão significativa que muitos direitos conquistados são ameaçados por reformas institucionais na política. Porém, nesta segunda década do novo século, renasce a esperança. O “drible” ao controle da comunicação social e da imprensa acontece através da internet, que mesmo com o avanço dos grupos privilegiados, a sociedade organizada consegue se expressar livremente. A conseqüência positiva disto é tão grande, que vários exemplos despontam em nossa região. Em Jundiaí, o tradicional Movimento “Voto Consciente”, que já tem experiência veterana; em Salto a recém surgida idéia do grupo “Vereadores Virtuais”, em Piracicaba, houve o lançamento do Portal “Observatório Cidadão”; que são apenas alguns exemplos, mas podemos ter idéia do que está acontecendo por este Brasil afora. Ainda há, mais uma vez, a presença da Igreja nestes novos modelos de manifestação democrática, em parceria com outras organizações, lembrando que a Igreja está nos três exemplos citados. Não podemos deixar de citar também o debate em torno da “5ª Semana Social Brasileira”, muito intenso em nossa diocese; afinal, toda vez que “deixarem” a Igreja se manifestar politicamente, junto com seus parceiros históricos, a mudança será radical em prol da sociedade. Isso nos dá a certeza de que desta vez não será diferente, pois o “Estado que temos”, não é o “Estado que queremos”, e enquanto não conseguirem garantir a cidadania, os direitos humanos, a dignidade da pessoa humana e a plenitude da vida, o povo continuará lutando, mesmo sabendo que ainda há muito trabalho.  Os adversários podem se fortalecer, mas, mais uma vez a união será o diferencial para a vitória; e a busca pelo bem comum, será o ponto que favorecerá está união.  Em 2013, voltados para o “Ano da Fé”, baseado no “Concílio Vaticano Segundo”, não há dúvida, que será o ano do povo de Deus, como numa imensa lavoura, onde será plantado no coração da humanidade, o amor, para a construção de uma nova sociedade. (* É coordenador da Pastoral Fé e Política da Diocese de Jundiaí e jornalista/diretor do Portal Comunicação Popular).

imgres.jpg