– A Inovação não pode ser algo que remeta a medo!

Inove! Não tenha medo. Siga o conselho:

– Análise da Arbitragem de Botafogo 2×1 Red Bull Bragantino.

Não gostei da arbitragem de Dyorgines José Padovani de Andrade – ES. Fez um primeiro tempo razoável (embora errou na não-marcação de um tiro livre indireto, que virou um escanteio e na sequência saiu o gol carioca). No segundo tempo, cansou (bebeu água nos squeezes de todo mundo, impressionante) e cometeu erros técnicos evitáveis.

As nossas anotações durante a transmissão do jogo explicam bem. Abaixo:

10m: Adryelson (BFR) comete uma falta por imprudência em Popó (RBB), entrelaçando suas pernas no atacante, e ele não marcou. Era na entrada da área, errou.

16m: Tiquinho Soares (BFR) ergue o pé e de “sola” rouba a bola que seria dominada pelo goleiro Clayton (RBB), e só não vai para o gol porque Kevin Lomónaco (RBB) consegue colocar para escanteio.. Lance irregular, seria Tiro Livre Indireto ao Massa Bruta. E na cobrança de escanteio surge uma sequência de ataque onde resultou no gol do Fogão.
Veja que curioso: se o Kevin Lomónaco não salvasse a bola, ela iria para o gol e fatalmente o VAR observaria o claro “pé-alto” e anularia o tento. Mas como foi escanteio, o Protocolo não permite essa revisão.

27m: Correto Cartão Amarelo ao Kevin Lomónaco (RBB), por falta na entrada da área em Tiquinho Soares (BFR).

34m: Cartão Amarelo para Gabriel Pires (BFR), corretamente aplicado.

92m: Carlos Eduardo é atropelado pelo seu marcador, e o árbitro não sabia se marcava falta ou escanteio (cansou bastante no fim do jogo). Aí consultou o bandeira, e ambos ficaram vacilando (e olha que o assistente 1 é o experiente Alessandro Matos..). erraram ao dar escanteio, pois era falta e cartão amarelo.

Botafogo x Bragantino: veja onde assistir, escalações, desfalques e arbitragem | brasileirão série a | ge

Imagem extraída de GE.com

– Como não ser enganado ao comprar um produto “Saudável”

Compartilho esse ótimo artigo do blog “Rezenhando” (de Felipe Calabrez). Você realmente confia nos produtos que está consumindo?

Vale a leitura. Abaixo:

A alternância de assuntos aqui é constante, e hoje achei oportuno falar sobre algo que já aconteceu comigo e provavelmente com você. Quem nunca comprou algo para comer ou beber julgando pelo rótulo…

Texto Fonte (continue clicando no link): Como não ser enganado ao comprar um produto “Saudável”

bomba.jpg

– Colaboração Criativa nas Empresas.

Olha que interessante: como as empresas podem, em 5 passos fáceis, inovar! Ainda: 5 passos simples do empreendedor (com inovação, claro, pois é uma condição sine qua non).

São conselhos do especialista em empreendedorismo Michael O’Neil Bedward, extraído de: Época negócios, Ed 44, pg 30:

5 PASSOS PARA AS EMPRESAS INOVAREM

  • 1.  tempo para o funcionário inovar. Crie ambientes propícios para novas ideias;
  • 2. Reduza os níveis hierárquicos na tomada de decisões. Isso confere agilidade;
  • 3. Aprove as inovações. Não restrinja a criatividade ao discurso formal;
  • 4. Estruture um departamento para gerir a inovação;
  • 5. Compre ideias criativas ou pequenas empresas com protótipos ou projetos inovadores.

5 PASSOS PARA OS EMPREENDEDORES SURGIREM

  • 1. Atue por um tempo numa companhia criativa, para ganhar experiência e autoconfiança;
  • 2. Monte um pequeno negócio (bedroom business) e comece a trabalhar em casa;
  • 3. Construa uma rede de relacionamento no mundo real e na internet;
  • 4. Faça um portfólio e convença um empresário que admira a ser seu mentor;
  • 5. Encontre um sócio que entenda de finanças e marketing e que se apaixone por sua idéia.

bomba.jpg

Imagem extraída da Internet.

– Endrick e os torcedores rivais: algo mais do que simbólico.

Endrick está fazendo história. Parece ser daqueles fenômenos que arrastam multidões. E quando torcedores rivais aplaudem um jogador, é sinal de que algo diferente ele tem. Foi assim com Ronaldinho Gaúcho sendo aplaudido pela torcida do Real Madrid. Foi assim para Pelé em 1958 pelos suecos. E guardadas as proporções, está sendo assim com Endrick (cuja carreira profissional começou a 10 dias!).

O que ele se tornará? Estamos vendo nascer mais um momento marcante da história do futebol? Ou nada disso?

Mais do que o futebol apresentado, o que me agrada no garoto são: o comportamento correto e as lúcidas entrevistas. 

Pé no chão e coração no céu. Voa, rapaz!

Imagem: Print de tela, do vídeo de GE.com. Torcida do Athletico pedindo foto com Endrick, que gentilmente atende.

– A Autossabotagem na Administração de Empresas.

Quer pressão maior do que essa?

Robson Viturino e Álvaro Oppermann, da Revista Época Negócios, Ed fevereiro/32, pg 60, escreveram sobre como a própria pressão e erros de conduta podem “autossabotar” um administrador.

Abaixo:

O FANTASMA QUER TE PEGAR

A autossabotagem é hoje o principal inimigo da área de risco. Saiba como tirar esse esqueleto do armário antes dos outros.

A história de Tony Hayward ainda assombra os executivos. O caso do ex-CEO da BP, derrubado pelo desastre no Golfo do México, Estados Unidos, é emblemático de como carreiras brilhantes podem ser abruptamente interrompidas ou sofrer sérios arranhões em consequência de eventos que não estavam no script. Segundo Joseph W. Koletar, ex-diretor de Fraudes e Investigações da consultoria Ernst & Young, histórias como a de Hayward estão muito longe de ser uma exceção. Elas se repetem de tempos em tempos e mostram que, a despeito dos avanços tecnológicos e do aperfeiçoamento das práticas de gestão, as companhias seguem despreparadas para gerenciar riscos. “As empresas infelizmente sofrem com muitas falhas nos sistemas de avaliação”, diz Koletar. No recente Rethinking Risk – How Companies Sabotage Themselves and What They Must Do Differently (“Repensando o risco – como as empresas se sabotam e o que se deve fazer diferente sobre isso”), Koletar também afirma que os dirigentes geralmente contam com informações incompletas ou equivocadas para monitorar as ameaças. “Eles supõem que os dados que lhes são apresentados são precisos. Mas muitas vezes não são”, diz. De acordo com o seu livro, os CEOs precisam lidar com três problemas para gerenciar riscos nas corporações. Saiba quais são eles.

PÉ NO ACELERADOR_ O CEO vive o dilema descrito pelo ex-piloto de Fórmula 1 Mario Andretti: “Se você está em segurança e sob controle, não está correndo suficientemente rápido”. O mercado exige velocidade frenética dos executivos e aplaude aqueles que “pisam fundo”. No entanto, os mecanismos de proteção das empresas, de acordo com Koletar, não são seguros como os carros de F1 do século 21 – mas antiquados como os carros do tempo de Andretti, dos anos 70 e 80. Um exemplo disso está nas vistas grossas com que muitos executivos encaram os processos de auditoria que antecipam as fusões e aquisições. “O temor é de que uma auditoria mais detalhada acabe com o negócio”, diz Koletar. O maior receio não é a descoberta de esqueletos no armário, mas que uma negociação demorada jogue para baixo o preço das ações, tirando o impacto do negócio e atrasando o cronograma de execução das fusões. Como resolver a questão? Nesse caso, as principais defesas de uma companhia estão na sua cultura e no seu nível de governança. Ou seja, os conselheiros, diretores e acionistas devem aprender a ser mais rigorosos.

LABIRINTO_ As empresas estão travando uma guerra contra a complexidade estrutural, simplificando organogramas, eliminando cargos redundantes e horizontalizando a gestão. No entanto, alerta Koletar, ainda há muito a ser feito para que os riscos sejam de fato mitigados. É preciso melhorar a coordenação e o tráfego de informação entre o CEO, o jurídico, o financeiro, o operacional e o setor de TI. Sem isso, a empresa pode se ver desamparada diante de uma crise. “Na maior parte das empresas, não existe sequer um plano de gestão claramente desenhado e articulado”, afirma o especialista.

MEDO E PARANÓIA_ Essa é a pior postura. Sucede que é mais frequente do que se admite. “O risco deve motivar o CEO a desenvolver um sistema coerente e prático para lidar com crises e problemas”, diz Koletar. Sua recomendação: esqueça políticas duras, do tipo “tolerância zero”. Nas empresas, um estado policialesco costuma fomentar culturas pouco abertas, em que somente os espertalhões prosperam. Uma boa gestão nasce da cultura transparente: “Beba no conhecimento dos seus funcionários, pois eles são a mais rica fonte de informação com relação ao risco”.

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– 159 anos de Futebol e 11 curiosidades.

Em 26 de outubro de 1863, findava em Londres uma vitoriosa campanha encabeçada por universitários e pelo jornalista John Cartwright: a da padronização das diversas práticas de ‘football’.

Como o esporte era jogado sob a orientação dos diversos colégios e associações esportivas, não haviam regras únicas para o futebol. Há mais de um século e meio, na Freemason’s Tavern, dessa união de esforços nasceu a “The Football Association” (a FA é a ‘CBF inglesa’), que visava, como mote maior, divulgar um único conjunto de medidas para que o jogo de futebol fosse disputado uniformemente em toda a Grã-Bretanha.

Nascia assim o livro The Simplest Play, que nada mais eram as Regras do Jogo de Futebol, com 14 capítulos.

Vamos a algumas curiosidades? Selecionei 11 itens, já que em 1870 o futebol passou a ser jogado com esse número de atletas, definido pela regra 3 até hoje.

1) As traves (Regra 1) eram compostas apenas por postes; o travessão (ou seja, a parte de cima da meta) só surgiu 2 anos mais tarde, tamanha era a confusão para se determinar se os chutes muito altos tinham sido gol ou não;

2) Infrações (Regra 12) eram resumidas como: são proibidas rasteiras, caneladas e cotoveladas, bem como golpear ou segurar a bola com a mão; simples assim!

3) Não existia a figura do árbitro (Regra 5), que só surgiu em 1868, e ficava sentado numa cadeira, na sombra, servindo para tirar as dúvidas dos capitães das equipes (que eram as pessoas que decidiam se havia alguma falta ou não em comum acordo). Somente em 1878 é que surgiu o apito, mas ainda não servia para marcar faltas, mas para avisar sobre o começo e término dos jogos. Em 1881, enfim o árbitro entrou em campo e começou a decidir sobre infrações sem a consulta de capitães, fazendo parte da regra.

4) O tempo de jogo (Regra 7) é definido em 90 minutos (1893), com intervalo e acréscimos. Antes, se desse o tempo, encerrava a partida imediatamente, quer a bola esteja no ataque ou não.

5) O pênalti (Regra 14) surge em 1891. Até então, nas faltas próximas ao gol, os jogadores se aglomeravam em cima da linha de meta e formavam um muro sobre ela.

6) Diversas infrações poderiam deixar de serem marcadas, caso a equipe que sofresse a falta achasse que não importava a marcação. Ou seja, nascia em 1903 a “lei da vantagem” (não era o árbitro quem determinava se seguia ou não o lance).

7) O goleiro podia segurar a bola com a mão por toda a sua metade do campo. Em 1907, radicalizou-se e o arqueiro só podia colocar as mãos dentro da grande área. Mas somente em 1921 alguém teve a idéia de que eles deveriam usar roupas diferentes dos jogadores de linha, para não confundir as pessoas.

8) Preocupada com a saúde dos atletas, decidiu-se em 1924 que, se o árbitro considerasse que um jogador estivesse contundido, deveria parar o jogo para que ele fosse atendido. Antes, o lesionado deveria se arranjar sozinho para deixar o campo e o jogo não deveria ser interrompido.

9) Uma revolução aconteceu em 1925: o impedimento (Regra 11) passou a exigir que ao menos 2 atletas (antes, eram 3) estivessem dando condição para que o jogo prosseguisse.

10) Em 1938, numa ‘reengenharia’ esportiva, definiu-se as 17 regras do futebol que persistem até hoje, com algumas alterações ao longo do século.

11) Somente em 1970 permitiu-se substituições de atletas universalmente (Regra 3). Antes (desde 1966), eram permitidas somente em partidas que envolvessem clubes. Também temos a adoção dos cartões amarelos e vermelhos (Regra 12).

É claro que ao longo do século XX outras tantas modificações surgiram, como o tempo de 6 segundos da posse do goleiro com a bola nas mãos, mesma linha deixar de ser impedimento, 3ª substituição, área técnica, entre outras. E no século XXI, o VAR.

E você, teria alguma sugestão para mudanças de Regra do Futebol, no dia do seu aniversário de 159 anos?

Deixe seu comentário:

Conheça todas as regras para jogar futebol

Imagem extraída de: https://regrasdoesporte.com.br/conheca-todas-as-regras-para-jogar-futebol.html

– O clique bonito da manhã foi…

E esse aqui foi o clique bacana da quarta-feira, em Bragança Paulista: um amanhecer bonito, à beira do lago do Taboão.

É o amigo sol que nos anima…

Imagem

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#morning #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress

– Playlists católicas de boa qualidade.

Quando estou correndo na esteira, vira e mexe escolho algumas músicas para cantarolar enquanto corro.

Aqui, 3 seleções de canções católicas, que julgo agradar os amigos que leem essa postagem:

1 – https://youtu.be/sXg4hbY_tBo

2 – https://youtu.be/V3giQOdacyU

3 – https://youtu.be/tkAMtKZ0ujU

– Explicando os erros da arbitragem de Flamengo 3×2 Santos.

Para explicar o ocorrido em Flamengo x Santos, leve em consideração o seguinte:

  • A arbitragem brasileira está em péssima fase, e há poucos nomes bons. Seneme escala os FIFAs, aí precisa vetá-los (como Daronco devido ao problema do Avaí) ou escalá-los mesmo sem confiança na regularidade (vide Flávio R Souza que apitou bem Palmeiras x São Paulo, mas foi mal em Santos x Corinthians).
  • Por carência de talentos, escala os aspirantes, como Ramon Abatti Abel e Paulo Zanovelli, que estavam indo bem, mas já começam a sentir a pressão (esses, jovens demais com 32 anos).
  • Socorre-se por fim aos mais experientes, os quase “cinquentões”, que já deram o que tinha que dar (É o caso de André Luiz de Freitas Castro, com 48 anos), ou Dyorgines Andrade (que apitará Botafogo x Bragantino) ou ainda Vuaden (que está no jogo do Corinthians). A justificativa é: são veteranos e têm rodagem, mas… esse é o futuro da arbitragem?

Dito isso, no Maracanã, foram dois pênaltis claros: o de Matheusinho (FLA) em Camacho (SFC), indiscutível, onde o árbitro não marca e o VAR Adriano Milczvisk não considera erro crasso e nem o ajuda. Talvez, por perceberem o erro durante o intervalo, não tiveram “peito” de marcar o de Bauermann (SFC) em Cebolinha (CRF) – a chamada “média / compensação”, uma corriqueira e infeliz situação da arbitragem brasileira.

A repercussão maior e óbvia é do pênalti não-marcado para o Santos, pois o Peixe vinha de um prejuízo no jogo contra o Corinthians (clique aqui: https://wp.me/p55Mu0-379), e, estando 0x0, poderia fazer o 0x1. Na sequência do pênalti não marcado, o Mengo faz 1×0.

A FIFA tem pedido “tempo de bola rolando”, e Seneme quer que os árbitros não marquem as faltinhas forçadas, cavadas, duvidosas (o estilo Vuaden de antigamente). Entretanto, os árbitros brasileiros não conseguem fazer isso e deixam de marcar as faltas reais (como a ocorrida em Camacho), e no final do jogo, cansados (veja a idade do árbitro), acabam amarrando a partida com um sem-número de infrações.

E o que fazer?

Talvez importarmos uma Comissão de Arbitragem e um quadro inteiro de árbitros. André vai para o PADA, programa de “reeducação do árbitro”, e receberá boas orientações do ex-árbitro Ricardo Marques Ribeiro, entre outros.

Aliás, olhe que estrutura “enxuta”: https://professorrafaelporcari.com/2022/06/22/a-nova-comissao-de-arbitros-da-cbf/

No mundo ideal, tanto Santos e Flamengo iriam à CBF manifestar em conjunto, pelos erros onde foram prejudicados e favorecidos. Mas isso é utopia, só se queixa quando há prejuízo.

Flamengo x Santos: veja onde assistir, escalações, desfalques e arbitragem | brasileirão série a | ge

Imagem: GE.com

– Inspirando a manhã.

A bela paisagem de um lindo amanhecer: como eu gosto de céus coloridos!

Sendo a fotografia um grande hobby, vale a pena registrá-los. Como esse, de dias atrás, em Jundiaí. Veja:

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– O preconceito contra as doenças da mente.

Não é triste imaginar que pessoas sofredoras de depressão, ansiedade, Síndrome do Pânico e tantos outros males da mente, sofrem preconceito?

Desde “frescura” à “loucura”, o paciente é criticado por aqueles que nem imaginam o que sejam essas doenças. Lamentável tal insensibilidade.

Se você sofre do coração, vai a um cardiologista. De dores no joelho, a um ortopedista. Qual o receio de procurar ajuda para enfermidades emocionais, junto a psiquiatras e psicólogos?

Paciência…

Depressão

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Sol e Flores.

Nosso florido amanhecer caipira: como não se inspirar?

Que a natureza nos motive para a jornada!

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #flowers #rosa

– Pequeno Exorcismo de São Bento:

A Cruz Sagrada é nossa luz, nosso norte, nossa guia, pois ela representa a vitória do Salvador!

“Crux Sacra Sit Mihi Lux.
Non Draco Sit Mihi Dux.
Vade Retro Satana! Nunquam Suade Mihi Vana.
Sunt Mala Quae Libas. Ipse Venena Bibas.”

Em Jesus, tudo pode ser mudado – pela força da oração!

– Corra que faz bem!

5,05 k – E mais um treino finalizado hoje, controlando os batimentos cardíacos.

Correr faz muito bem, traz equilíbrio para o corpo, para a alma e para a mente! E meus outros motivos para correr eu explicito aqui: https://professorrafaelporcari.com/2020/06/13/bom-dia-sabado-explicando-uma-historia-sobre-animo-e-mobgrafia-em-cores-e-cliques/

– Bom dia, 4ª feira (4 de 4).

🌅 05h – Desperte, Bragança Paulista.

Que a quarta-feira possa valer a pena.

(E há de valer – creiamos nisso).

🍃🙌🏻 📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#clouds #nuvens #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia

– Bom dia, 4ª feira (3 de 4).

🌺 Fim de cooper! Valeu o treino (além do esforço).

Estou suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da natureza. Hoje, com essas delicadas plantas: rosas amarelas.

Curta flores! Elas nos desestressam e aliviam a mente.

🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento