– Valorizemos o Teatro.

Muito legal!

Estivemos prestigiando a Peça Teatral “As Cigarras e as Formigas”, com esses jovens maravilhosos!

Valorizemos a arte dos nossos estudantes!

🎭 #cultura

– Obrigado, Mauro Cézar!

Puxa, me senti envaidecido pelas palavras elogiosas do Mauro Cezar Pereira há pouco, em seu canal. Muitíssimo obrigado, apenas fiz meu humilde trabalho tentando contribuir com as explicações didáticas de Corinthians 0x0 Flamengo 🙂.

É muito bom quando algo assim vem de gente competente!

– Em preto e branco, também é bonito!

Um bucólico entardecer em Bragança Paulista, com as nuvens escuras chegando aos poucos.

Em preto-e-branco, o click também é bonito!

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#entardecer #sunset #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– Para quê perguntar a sexualidade do empregado?

Respeitosamente, mas é algo que eu não consigo deixar de observar: uma universidade me mandou um questionário de entrevista para oferta de emprego, e com ele vieram as perguntas sobre orientação sexual.
Pra quê?
Tal dado de foro íntimo deveria ser irrelevante para a meritocracia e contração de um professor qualificado na área de Empreendedorismo. Além disso, a sexualidade da pessoa nunca deveria ser motivo de vantagem e/ou desvantagempara um cargo como esse….
Imagem

– Os “tipos de dólares argentinos”!

Além dos diversos câmbios que nossos vizinhos argentinos já tem, agora o Governo criou o “Dólar Catar” e o “Dólar Coldplay”! E eles já tinham até “Dólar Netflix”…

Veja só, extraído de: https://www.infomoney.com.br/mercados/argentina-anuncia-criacao-do-dolar-coldplay-e-do-dolar-qatar-para-controlar-divisas-em-meio-a-crise/

ARGENTINA ANUNCIA CRIAÇÃO DO DÓLAR COLDPLAY E DO DÓLAR QATAR PARA CONTROLAR DIVISAS EM MEIO A CRISE

Novas modalidades têm como objetivo auxiliar setor cultural e evitar saídas de divisas do país

O governo da Argentina anunciou, na última terça-feira (11), a criação de mais duas novas “versões” do dólar, de modo a controlar a circulação de divisas em meio à persistente crise econômica. Tratam-se dos chamados “dólar Coldplay”, de forma a auxiliar o setor cultural, e o “dólar Qatar“, para evitar a saída de divisas do país.

A primeira “modalidade” da divisa americana foi batizada com esse nome em homenagem à banda britânica que em breve fará 10 shows no país. Ela é parte de um acordo com o setor cultural, que poderá ter acesso à moeda estrangeira a um preço mais baixo, de forma a incentivar a ida de artistas internacionais.

Cotado ao redor de 200 pesos, o “dólar Coldplay” tem um valor menor que o cerca de 280 pesos do conhecido dólar “blue”, considerado a “versão clandestina” do dólar ofici

A paridade estabelecida tem como objetivo permitir que os empresários do setor cultural sigam com suas atividades e movimentam a máquina de empregos do segmento.

Por outro lado, a segunda modalidade (dólar Qatar) recebeu esse nome em referência ao país-sede da Copa do Mundo de 2022 e leva em conta as projeções de maiores gastos dos viajantes argentinos no exterior, sendo enquadrado na categoria de “dólar para turistas”.

Ele será aplicado ao consumo acima de US$ 300 em cartões de crédito e débito, a uma taxa de 300 pesos por dólar. O governo encareceu as taxas do cartão para uso fora do país ao aplicar uma taxa de 45% para compra no estrangeiro. Para compras de artigos de luxo, haverá um acréscimo de 25%.

A ideia com a oneração dos pagamentos com cartão de crédito é fazer com que os argentinos que viajam usem cédulas de dólar (que muitos mantêm em casa ou em cofres). Assim, evitam que os turistas busquem o Banco Central para comprar moeda para viajar, o que diminui a reserva em dólar do país.

“Tomamos esta medida porque recebemos reclamações de setores da economia e porque queremos cuidar das reservas para a produção e a geração de emprego. Para isso, precisamos evitar a fuga de divisas”, disse Carlos Castagneto, titular da Afip (a Receita Federal argentina) em entrevista na véspera. E complementou: “Não estamos proibindo a compra de bens ou de pacotes turísticos, apenas encarecendo o valor do dólar para proteger nossas reservas”.

A medida, de acordo com projeções do governo, terá impacto sobre 200 mil pessoas que fazem uso regular do cartão de crédito em viagens ao exterior. A medida já começa a valer para compras realizadas nesta quarta (12).

Agora, a Argentina tem 14 tipos de dólar em vigor oficialmente, como o “dólar Netflix”, o “dólar cripto”, entre outros.

O país sul-americano tem sofrido recorrentemente com a alta da inflação (a uma taxa anualizada de 78%) e escassez de reserva internacional em dólar. A diferença entre a cotação oficial do peso argentino, de cerca de 150 pesos, e do dólar conhecidos como “blue” (cerca de 282 pesos), é de quase 90%.

A Argentina tem uma política de restrição de compra de dólares em vigor desde 2018, sendo que poucos setores da economia (geralmente ligados a bens de capital e de insumos industriais) têm acesso ao dólar pela cotação oficial.

Os setores privados e a população geral podem comprar o dólar a valores oficiais em um limite de US$ 200 por mês.

Argentina encarece em 25% o dólar turismo e atinge viagens de argentinos ao  Brasil - 12/10/2022 - UOL Nossa

Imagem extraída de: Getty Images, em: https://www.uol.com.br/nossa/noticias/rfi/2022/10/12/argentina-encarece-em-25-o-dolar-turismo-e-atinge-viagens-de-argentinos-ao-brasil.htm

– Cuidado com o “Golpe do Cheiro” do Uber e da 99.

Atenção: mais um (infelizmente) crime na praça: o de bandidos disfarçados de motoristas de aplicativos.

Abaixo, extraído de: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2022/10/13/golpe-do-cheiro-da-uber-como-as-investigacoes-falharam-com-as-vitimas.htm

GOLPE DO CHEIRO EM UBER E 99: O QUE É E O QUE DIZEM AS VÍTIMAS

Há duas semanas, Fernanda* repetiu o mesmo ritual de todas as manhãs e pediu um Uber para levá-la de casa até a academia. Era uma segunda-feira de chuva em São Paulo, e o trajeto era curto, cerca de 2 km. Ela já tinha ouvido falar do tal “golpe do cheiro”, mas não pensou nisso, achou que nessa situação nada poderia acontecer. Porém, quando estava mais ou menos próxima do destino, entendeu que algo estava fora do normal na viagem.

“Comecei a sentir um cheiro forte, de arder o rosto, sabe? Então, senti meu corpo formigar, ficar dormente. Quando olhei para a janela do motorista, ela estava aberta, e a minha, fechada. Me liguei no que estava acontecendo. Como ela era elétrica, pedi a ele que abrisse a minha. Coloquei o rosto para fora, meu corpo totalmente dormente. Entrei em pânico, tentei abrir a porta e comecei a gritar: ‘Me tira daqui, me deixa descer, estou passando mal'”, contou, em entrevista a Universa.

De acordo com ela, o condutor não se mostrou surpreso e não ofereceu assistência, simplesmente parou o carro. Quando desceu do veículo, Fernanda caiu no chão. “Nessa hora, comecei a ter vários espasmos no meu corpo, na perna, no braço, na mão. Não estava tremendo de nervoso, eu estava com espasmos e não tinha nenhuma força para levantar.” Conseguiu pedir ajuda a uma pessoa na rua para anotar a placa do carro. Fez o protocolo sugerido pela Uber: reportou o caso no aplicativo. Além disso, por orientação de um advogado, registrou um boletim de ocorrência online. Mais tarde, percebeu que o motorista estava cadastrado havia um dia no app.

Segundo Fernanda, a Uber foi rápida e, assim que chegou em casa, entrou em contato com ela para se dizer ciente do ocorrido, que sentia muito e garantir que ela não pegaria mais corrida com aquele motorista. “Eu falei: ‘Pelo amor de Deus, o cara precisa sair da base de motoristas, vocês já sabem que isso está acontecendo, foi horrível! Se eu não tivesse me tocado a tempo, poderia estar desmaiada e vai saber o que pode ter acontecido lá'”, argumentou. Não adiantou: o atendente disse que não poder fazer mais nada.

Na sexta-feira da mesma semana, ainda traumatizada, decidiu pedir um Uber de novo. O percurso e o horário eram os mesmos. Para seu choque, o carro e o motorista também. “O nome do cara era outro, a foto diferente. Pensei ser só uma coincidência, mas era o mesmo cara, o mesmo carro, a mesma placa! Quando entrei, tive a certeza. A gente andou 50 metros, abri a porta do carro em movimento e saí.”

Casos se multiplicam

A história de Fernanda não é um caso isolado. Nos últimos meses, o chamado “golpe do cheiro” (também conhecido como “golpe do gás” ou “golpe do spray”) instaurou um clima de medo entre mulheres que usam de carros de aplicativo como Uber e 99.

São dezenas de relatos nas redes sociais e denúncias de que motoristas estariam tentando intoxicar passageiras. Segundo as vítimas, o padrão é bastante parecido: vidros da parte traseira dos carros fechados e, após um tempo de corrida, um odor invade o ambiente.

“Eu estava de máscara, mas, mesmo assim, passei a sentir um cheiro bem forte, como se fosse um solvente. Logo, começou uma dormência no meu rosto, que rapidamente passou para as pernas”, relata a musicista Irina Bertolucci, que também passou pelo golpe.

De acordo com a delegada Jamila Jorge Ferrari, coordenadora das Delegacias de Defesa à Mulher do estado de São Paulo, de março a junho deste ano, foram mais de 60 boletins de ocorrência registrados no estado e todos os casos aconteceram em veículos da Uber. Segundo ela, até o momento, os inquéritos concluídos no estado de São Paulo não encontraram evidências de contaminação toxicológica nas vítimas ou nos automóveis que foram periciados.

“Isso significa que não houve o que elas estão falando? Não necessariamente. É muito difícil dizer: ‘O golpe não existe’, porque você está desacreditando aquela vítima, o que ela de fato sentiu”, diz a delegada. Ela continua: “E por que [a vítima] sentiu? Porque talvez jogaram nas redes sociais? E aí as pessoas ficaram de alguma forma em pânico e começaram a sentir algo que é muito mais psicológico do que efetivamente real. E isso não é a polícia quem vai responder. O que a polícia consegue responder é que em todos os casos em que foram instaurados inquéritos, a vítima não estava intoxicada”, finaliza.

O que a psicologia diz

Até o momento, nenhum exame deu positivo para “substâncias entorpecentes”. Mas as investigações deveriam tratar um assunto tão delicado e que envolve uma relação de poder, no caso entre motorista e passageira, de uma forma tão protocolar? Para Beatriz Brambilla, doutora em psicologia social, docente e supervisora da estágios do curso de psicologia da PUC-SP, o caso não está sendo tratado com a seriedade e as nuances que merece.

De acordo com ela, o modelo de investigação precisa assegurar uma dimensão que não seja apenas confirmar se a vítima foi intoxicada ou não, mas entender todo o contexto daquela viagem. “Quais foram os antecedentes do ponto de vista da violência psicológica que estava ocorrendo naquela situação em que as mulheres nararram esse ataque, essa violência no carro do aplicativo?”, questiona.

Ela continua: “Há uma relação de poder na medida que você pega um carro com um homem —pensando na questão do machismo, do sexismo e da cultura de estupro e de violência que a gente vive. Quando as mulheres entram no carro, elas já entram preocupadas com o que pode acontecer. […] O motorista tem controle da situação. Ele pode coagir a pessoa que está ali. Daí, a gente está falando de uma violência que ocorre, seja ela pelo olhar, seja por uma palavra, por algum gesto, seja pelo modo como esse motorista vai dirigir. Tudo isso vai produzindo medo, vai produzindo emoções. E isso é uma violência, não importa o que ocorra. Faz com que a gente sinta medo, faz com que a gente se sinta torturada de alguma forma.”

Segundo Silvia Cazenave, toxicologista, docente da PUC-Campinas, perita criminal e ex-Superintendente de Toxicologia da Anvisa, os sintomas narrados pelas vítimas seriam de intoxicações agudas, que deveriam ser acusadas nos exames toxicológicos. Apesar disso, ela concorda com Beatriz: “Acontece realmente de a pessoa perceber um cheiro distinto e ficar ansiosa, ficar com medo. Mulheres estão sujeitas a muitas investidas criminosas e isso cria tensão. Tudo isso pode afetar a percepção”.

Sobre a questão levantada pela delegada Jamila, de que poderia existir um pânico inflado pelos relatos nas redes sociais, Beatriz refuta: “É como no caso do homem que assediou mais de 70 psicólogas. Se uma não tivesse aparecido e falado sobre isso, muito provavelmente as outras não teriam se expressado”.

De acordo com ela, essas situações precisam ser legitimadas, do contrário, são ocultadas do cotidiano, e as pessoas vão sofrendo sozinhas.

Ser mulher é ter medo

Todos os pontos colocados pelas especialistas são ancorados por dados, já que as mulheres brasileiras são percebidas como o grupo mais vulnerável à violência durante o percurso de ida ou volta para casa.

81% delas já sofreram algum tipo de violência em seus deslocamentos pela cidade, segundo o relatório da pesquisa “Percepções sobre segurança das mulheres nos deslocamentos pela cidade”, divulgado no ano passado pelos institutos Locomotiva e Patrícia Galvão.

Além disso, o Brasil registra um estupro a cada dez minutos e um feminicídio a cada sete horas, de acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022, relativos à violência letal e sexual de meninas e mulheres no Brasil.

“A discussão sobre mobilidade urbana e gênero é uma questão muito séria e, não por acaso, a gente tem uma lei de importunação sexual para falar sobre transporte público. O fato é que a violência contra as mulheres em transportes públicos acontece”, diz Beatriz.

Para ela, empresas como a Uber precisam ser responsabilizadas e criar políticas específicas para as mulheres que assegurem a segurança delas de uma forma geral e não somente nesse caso do golpe.

“Se as mulheres fossem doidas, você concorda que a gente não teria uma política de importunação sexual em transporte público? Que não teríamos em vários lugares do mundo vagões de trem e metrô especiais para as mulheres? Que a gente não teria a política de que o ônibus para em qualquer lugar para as mulheres poderem descer? Hoje, o transporte por aplicativo é tão utilizado quando o transporte público, principalmente nas grandes cidades”, justifica.

Monica de Melo, Defensora Pública do Estado de São Paulo, também acredita que é preciso cobrar as empresas de aplicativo – e não somente a polícia – e que elas são coniventes com o que está acontecendo: “A empresa tem todo o discurso de que o motorista não é empregado, mas dizer que a empresa tem zero responsabilidade? A empresa fez uma plataforma? Você só encontrou aquele motorista através dessa empresa, você não encontrou esse motorista ali na rua, do nada? E justamente por você não ter encontrado na rua, no nada, você pegou em uma empresa justamente porque você acha que pegando o motorista de uma empresa você estaria mais segura”.

Alice*, que também foi vítima do golpe, concorda: Eu não estou com raiva [do que aconteceu]. Eu estou com raiva da gente, mulher, ter que pensar nisso [nossa segurança] o tempo todo. Geralmente quando estou na rua com meu celular, estou insegura. Quando chega o meu Uber e eu entro, é quando eu falo, nossa, eu estou em casa, estou segura. E não, é um serviço que deveria oferecer segurança para você, mas tem oferecido mais medo do que segurança”.

Do lado da Uber, a empresa se diz preocupada e recentemente até criou uma mesa de discussão só para debater o assunto no 16º Encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O painel “Golpe do gás na Uber: o aumento da sensação de insegurança a partir da desinformação”, tinha o intuito de tentar tranquilizar a sociedade e reforçar que nada está acontecendo e nada foi provado.

Já a empresa 99, em nota, informou que ao receber os relatos realiza a apuração junto aos times internos “para garantir a segurança das usuárias da plataforma e colaborar com o poder público, se necessário”. A empresa, assim como a Uber, reforça que é imprescindível que as eventuais vítimas reportem o ocorrido nas centrais de ajuda dos apps.

*Nome trocado a pedido da entrevistada

– Respire fundo na hora do aperto…

Todos nós temos dias bons e dias ruins. Dias de sol e dias de tempestade.

Quando somos nós os afetados, tentamos contornar. Quando são pessoas que amamos, sofremos mais e demais.

Sempre gosto de pensar: tudo é cíclico, tudo passa… mas manter a calma e ter paciência, cá entre nós, é complicado.

Um dia por vez, vencendo as dores, respirando fundo e buscando superar. Mas atenção: tendo muiiiiita resiliência.

E deixe a vida seguir. Não é fácil, mas Deus ajudará.

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– A beleza do Orfeu.

A beleza do Orfeu!

Uma foto panorâmica do Lago tão bonito do Jardim Europa (Bragança Paulista), nesta tarde de 6ª feira.

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– Conselhos Ecumênicos do Rabino.

Há 5 anos…

Nesses tempos em que as tradicionais religiões observam a formação de novas igrejas, seitas e fanáticos religiosos, cada vez mais é importante o diálogo inter-religioso e a necessidade de estar nas semelhanças em comunhão com Deus. Eis que assisti uma entrevista do sapientíssimo rabino David Weitman, que disse sobre o matrimônio:

“O Casamento é uma união triangular do homem, da mulher e de Deus”.

Gostei! Independente das outras religiões, não há como negar tal verdade.

Além dessa afirmação, o rabino traz uma mensagem de paz muito interessante. Aliás, me surpreendi com sua facilidade em explicar as características culturais e religiosas do povo judeu de uma maneira bem didática.

Claro, no Judaísmo há diferenças diferenças de entendimento sofre outros conceitos em relação ao Cristianismo e o Islamismo, como o Inferno (uma espécie de purgatório cristão, pois eles não creem num local de sofrimento onde foi lançado Lúcifer – por obviedade, já que eles não tem como Jesus um Deus ao qual o Diabo não quis aceitar) e outras características próprias como reencarnação em casos singulares.

Se você ficou curioso, vale assistir!

bomba.jpg

– O Palmeiras é o melhor time do mundo, e o São Paulo o 12º?

Eles são incríveis! Os clubes brasileiros estão à frente de gigantes como Bayern de Munique e Real Madrid, ou de emergentes como o PSG de Neymar, Messi e Mbappé! Ao menos, para a IFFHS...

A “Federação de História e Estatística de Futebol Internacional” (uma entidade que não costuma ser levada à sério), divulgou seu ranking mundial de clubes. Nele, o Palmeiras (pelo 5º mês seguido) é eleito o melhor time de futebol do planeta, seguido pelo Flamengo, Real Madrid, Manchester City e Liverpool. O Athletico Paranaense é o 7º, o Atlético Mineiro o 9º, e o São Paulo, mesmo em 12º colocado na tabela do Brasileirão, é o 12º do mundo!

Quem festejou foi a FPF, que publicou com pompa o ranking. Abaixo, os 15 da lista:

– Lavando Roupa Suja na Internet: a Durabilidade dos Conflitos que são expostos nas Mídias Sociais

Walcyr Carrasco, jornalista e autor de novelas e peças de teatro, escreveu uma interessante coluna na Época (Ed 2811) sobre a exposição de conflitos e brigas entre casais, quando estes caem na Internet. 

E quando eles próprios fazem questão de expor?

Na rede, os conflitos de qualquer natureza costumam se eternizar. Sobre essa situação, Walcyr lembrou que

O amor acaba. A raiva diminui. O tempo alivia os corações. Mas a Internet pode durar sempre

Eu concordo, e você? Abaixo, o texto na íntegra:

ROUPA SUJA NA INTERNET

É de lascar. Antes, quando as pessoas brigavam, no máximo a fofoca corria solta entre amigos. Hoje a guerra explode na internet. Em casos de amor é pior. O risco de alguém ter a cor de suas cuecas divulgada na web é imenso. Bem… a cor das cuecas seria pouco diante do que ocorreu com um amigo. É um ator famoso da Globo. Casado, pai de filho, teve um breve romance com uma atriz. Acabou quando ela descobriu a existência de uma terceira. Irritadíssima, não deixou por menos. Sabe-se lá como, conseguiu uma foto dele e da nova rival, pelados, na cama. Eu a recebi, assim como todo nosso grupo de amigos. Um desastre. Salvou-se porque a esposa, cuidando do bebê em casa, não é ligada em tecnologia. Nem sequer desconfiava dos pulinhos do cônjuge. Liguei para a autora do e-mail:

– Você vai destruir a vida dele!

– Tomara!

Mas ele tem bons amigos que resolveram deletar a foto. Por sorte, a história aconteceu há um ano, e a imagem, para minha surpresa, passou batida. E não estourou nas revistas de celebridades. Fotos da atriz Scarlett Johansson nua bombaram na web não faz muito tempo. Ela mesma as enviara pelo próprio smartphone a seu então marido e atual ex, Ryan Reynolds. Suspeitou-se que o próprio Reynolds, no calor da separação, as houvesse disseminado. Para aplacar o escândalo, Scarlett afirmou ter sido vítima de um hacker. Conseguiu retirá-las dos sites onde era exibidas. As fotos haviam sido batidas pela própria atriz no auge da paixão. Na revista Vanity Fair, ela se saiu com uma explicação bem-humorada:

– Eu conheço meus melhores ângulos.

Diante de mico tamanho, dizer o quê?

Quando a fofoca fica restrita a uma lista de amigos, é possível segurar o estrago. Mas e quando os ex-pombinhos se bicam pelo Twitter e pelo Facebook? Recentemente, um casal gay que nem conheço pessoalmente separou-se. Apavorado, o primeiro, com quem sempre converso no Twitter, pediu-me um conselho. O outro havia entrado em seu Facebook e adicionado sua tia. E revelou o caso em detalhes à velha senhora, que contou tudo para a família. Ocorre que o rapaz pretendia manter em segredo suas preferências.

– Meus pais são evangélicos, queria ficar no armário!

– Seu armário está com cupim – alertei.

Além da tia, o outro também mandou mensagens ao grupo de amigos da net. Segundo contou, conhecera o primeiro na rua, fazendo programa. Endividara-se com os gastos exagerados do parceiro. Pelo Twitter, o primeiro descobriu que trocávamos mensagens. Não teve dúvidas: denunciou o ex como pedófilo, também pela web, em texto aberto a quem quisesse ler. Era baixaria demais. Bloqueei ambos no Twitter. Reapareceram em meu Facebook. Arrependidos, que surpresa!

– Exagerei, ele nunca fez programa.

– Pedófilo ele não é. Só caloteiro.

Adoro uma boa história. Permaneci em silêncio, mas desbloqueei os dois. E descobri que… estão fazendo as pazes! Inacreditável!

Pior é o caso de uma amiga, personal trainer. No auge da paixão, fez uns vídeos bem íntimos com o namorado. Falta de juízo? O amor é assim, quando está rolando ninguém pensa no perigo. Brigaram. Ele quer voltar, ela não. O rapaz já ameaçou botar tudo na web, como fez, há anos, o ex de Paris Hilton. (Alguém lembra? Na época foi um barulhão. Hoje sabemos que foi um ato de pioneirismo.) Minha amiga está desesperada. Voltar não quer. Nem pode, com tal chantagista mau caráter. A lavagem de roupa suja pode acabar com sua carreira. Pouco se fala no assunto, mas hoje em dia muitas empresas entram no Google para pesquisar o passado do funcionário. Academias não contratam uma personal trainer que apareça nua em qualquer site ou em situação ainda mais explícita.

– Que mulher vai querer o marido treinando com uma piriguete? – disse-me o gerente de uma delas.

Intimidade e internet não fazem uma boa parceria. Quando casais se separam, acusações explodem. No auge da fúria, ex-parceiros dizem coisas horríveis um ao outro. Normal. Mas, quando desembocam na internet, intimidades podem ser compartilhadas por um número incalculável de pessoas. Qual é a saída? Talvez seja bloquear o acusador no primeiro e-mail, tweet ou mensagem pelo Facebook. Quem briga quer reação e quem sabe desista. Mas a fúria também pode aumentar exponencialmente.

A lavagem de roupa suja pelas redes sociais está crescendo. Para quem quer brigar, é melhor pensar bem. O amor acaba. A raiva diminui. O tempo alivia os corações. Mas a internet pode durar para sempre.

Logotipo do Internet foto editorial. Ilustração de projeto - 64514541

Imagem extraída de: https://pt.dreamstime.com/foto-editorial-logotipo-do-internet-image64514541

– Não use uma oração pura para um propósito político!

Está circulando pelas Redes Sociais uma belíssima oração que a Princesa Isabel fez à Nossa Senhora, feita às vésperas da Família Real perder o Trono e o Império do Brasil cair, passando para República.

Nela, a princesa humildemente pede para a Padroeira que, independente de quem for o novo mandatário do país, que fosse do agrado dela e que ela, Maria, reinasse a nossa Pátria.

Porém, em alguns vídeos e montagens, estão deturpando a oração com acréscimos que envolvem as Eleições atuais! A oração original, abaixo, extraído numa busca refinada na Web:

– Como eu a amo…!

Como não ter um bom dia de vida?

Ao abrir minha tela no Facebook, eis que aparece minha querida filha Marina, bem novinha, num dia de passeio de bike.

Ok, sou pai-coruja. Mas fala sério: essa menina não é linda? E além de tudo, inteligente e carinhosa!

Ganhei meu dia com essa recordação… Aquela manhã foi divertidíssima.

#Família #Family

– O exagero e a “forçação de barra” para justificar um pênalti (que não houve) em Corinthians 0x0 Flamengo.

Falamos à exaustão sobre o lance de Léo Pereira em Corinthians x Flamengo. Houve acerto em não marcar pênalti (mesmo que por “linhas tortas”), e sobre isso abordamos em: https://wp.me/p4RTuC-H6X.

Porém, algo observado pelas Redes Sociais: o número impressionante de pessoas que, de profissionais a torcedores, divergem da decisão da arbitragem não pelos argumentos racionais, mas pela emoção!

Cartolas corintianos repudiando a não-marcação, pessoas da imprensa usando termos como “decisão manchada” ou outras expressões semelhantes, além de “caçadores de cliques profissionais” surgiram aos montes.

Interpretações diferentes devem ser respeitadas, mas forçar situações ou desmerecer o racional não é inteligente…

Coisas de um país apaixonado por futebol (e muitas vezes, por que não, desonesto). Há de se ter equilíbrio e responsabilidade nos comentários e pronunciamentos. Claro, também na dosagem certa para não se hiper-dimensionar uma situação.

CURIOSIDADE – A arrecadação dos bilhetes vendidos foi de R$ 4.665.153,00, mas o Corinthians ficou com R$ 3.007.999,34 devido às despesas. Algumas delas: taxa da FPF (R$ 233.257,65), Taxas de Arbitragem (R$ 53.354,45), Transporte dos Árbitros (R$ 64.036,25 – maior que o serviço em si), Impostos dos Árbitros (R$ 10.670,89). Confira todos os lançamentos em: https://conteudo.cbf.com.br/sumulas/2022/424121b.pdf

Imagem extraída da Web.

– Michael J. Fox e Christopher Lloyd, 37 anos depois!

A trilogia “De Volta para o Futuro” é um dos grandes marcos da minha infância! Talvez eu adore tanto viajar nos cinemas devido a esses filmes incríveis de Michael J. Fox e Christopher Lloyd.

É sabido que Michael J. Fox (Marty McFly) está com Mal de Parkinson, e, agora, além do estado avançado da doença, está com Alzheimer!

Eles se reencontraram em um evento em NY nessa semana. Vejam como eles estão:

A foto foi extraída do link em: https://mag.sapo.pt/cinema/atualidade-cinema/artigos/regresso-ao-futuro-37-anos-depois-abraco-de-michael-j-fox-e-christopher-lloyd-emociona-fas, e nele você pode ler a matéria completa, além do vídeo de onde foi flagrado esse abraço.

– Brilhe, amigo sol.

Discretamente surgiu o sol no horizonte. Reluzente, quente, ardente.

Que nos ilumine para uma boa jornada!

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds