– A preferência de vagas para determinados grupos e a polêmica do LinkedIn.

Dias atrás, o LinkedIn se envolveu em uma polêmica a respeito de excluir uma vaga preferencial (um anúncio que priorizava negros e indígenas), alegando que não poderia existir privilégios aos candidatos. Depois, voltou atrás (vide matéria abaixo, de duas semanas atrás).

A questão é: antes, se pedia “candidatos de boa aparência”, e isso foi proibido. Depois, curriculum com foto (proibido também). A justificativa é que você, em tese, poderia discriminar algum candidato pelo rosto. Nos nossos dias, isso mudou: muitas empresas dão preferência para a contratação de pessoas dos outrora chamados “grupos minoritários” ou de histórica vivência em meio ao preconceito (por exemplo,  o Magazine Luiza e a contratação de negros para cargos de gerência, ocorrido no ano passado).

Aqui existirão várias discussões: um branco heterossexual se sentirá ofendido pois lê-se muitas vezes a preferência para inclusão de candidatos vítimas de homofobia, e reclamará: é meritocracia ou preferência sexual o determinante para a vaga? Mesma coisa com branco ao ver vaga para negro, homem em relação à mulher e tantos outros exemplos.

As queixas se fazem verdadeiras para quem perdeu a vaga. Mas, por outro lado, há uma parcela da população que sofre com preconceito e que, na livre concorrência, não teria oportunidade. Portanto, contemplemos a todos e usemos o bom senso.

Por fim, imaginemos que tudo isso não existiria se tivéssemos o mundo ideal: sem racismo, homofobia, preconceito de idade ou qualquer outra coisa. Entretanto, não é assim que caminha a humanidade…

A matéria citada, abaixo, extraída de: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/03/29/apos-acao-diretor-do-linkedin-diz-que-rede-vai-permitir-vagas-afirmativas.htm

LINKEDIN VOLTA ATRÁS E PERMITE ANÚNCIOS DE VAGAS PARA NEGROS E ÍNDIOS

O LinkedIn voltou atrás hoje e atualizou sua política de divulgação de vagas para permitir anúncios que priorizem grupos historicamente desfavorecidos, como negros, indígenas, mulheres, pessoas com deficiência e LGBTQIA+.

“Agradecemos o feedback que recebemos da nossa comunidade no Brasil. Fazer a coisa certa é importante e estamos comprometidos em continuar aprendendo e melhorando”, disse a empresa em nota.

A decisão da rede social acontece após a exclusão de uma vaga que dava prioridade a candidatos negros e indígenas. Na ocasião, a plataforma se justificou dizendo que a política de uso não permitia vagas que dessem preferência a quaisquer características.

A derrubada do anúncio motivou uma notificação pelo Procon-SP e uma ação que pede R$ 10 milhões em danos morais e coletivos, movida pelas organizações Educafro, Frente Nacional Antirracista e Centro Santo Dias de Direitos Humanos.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o diretor-geral do LinkedIn para a América Latina, Milton Beck, afirmou que este é um passo importante. “É um processo de evolução. A gente não opera somente no Brasil. Reconhecemos que é um passo importante para permitir que grupos menos favorecidos possam ter uma inclusão maior no mercado de trabalho, mas é um processo que demanda um nível maior de complexidade”, disse.

Na entrevista, Beck disse que a nova política da empresa só vai valer para grupos historicamente subrrepresentados.

“A nossa política diz que ‘o LinkedIn proíbe a discriminação em anúncios de emprego com base em características protegidas, como idade, sexo, deficiência, etnia, raça e orientação sexual’. No entanto, em uma jurisdição onde isso seja legalmente aceito, o LinkedIn pode permitir anúncios cuja linguagem expressa preferência por pessoas e grupos historicamente desfavorecidos”, declarou.

LinkedIn excluiu anúncio de vagas que dava preferência a candidatos negros e indígenas - Getty Images

LinkedIn excluiu anúncio de vagas que dava preferência a candidatos negros e indígenas. Imagem: Getty Images

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.