– O Padre DJ das baladas católicas!

DJ Zeton ou Padre José Antonio?

As novas formas de evangelização são necessárias, e dentro deste espírito missionário, compartilho essa interessante matéria, abaixo,

Em: https://epoca.globo.com/sociedade/quem-o-padre-dj-que-viralizou-nas-redes-sociais-1-24809550

QUEM É O PADRE DJ QUE VIRALIZOU NAS REDES SOCIAIS

Após performance que rompeu a bolha dos jovens católicos, viralizou e gerou memes, DJ Zeton fará nova apresentação neste dia 25

DJ Zeton viralizou nas redes sociais Foto: DIVULGAÇÃO/DJ ZETON
DJ Zeton viralizou nas redes sociais Foto: DIVULGAÇÃO/DJ ZETON
BBC topo (Foto: BBC)

Mesmo os católicos que frequentam a Paróquia Nossa Senhora das Graças, no Jardim Reimberg, zona sul de São Paulo, teriam dificuldade para saber quem é José Antônio da Silva Coelho. Mas basta falar em padre DJ Zeton, como ele é conhecido, e pronto: todo mundo sabe quem é.

No último dia 11, por conta de uma live promovida pelo canal católico de televisão Rede Vida em prol da Fazenda da Esperança, centro de recuperação de dependentes químicos em Guaratinguetá, interior paulista, esse insólito padre DJ ganhou as redes sociais.

“E você agora está aqui na Fazenda da Esperança com a balada santa”, disse ele, no evento. “E é um momento para ninguém ficar parado. É para todo mundo dançar. Descontração de Cristo. Balada santa!”

E assim teve início o putz-putz techno, com o padre no comando das pick-ups.

Ele abriu o set fazendo uma versão eletrônica da tradicional canção católica Reunidos Aqui — que fez muito sucesso na adaptação de padre Marcelo Rossi, lançada em 1998. Na plateia, freiras, outros padres e cantores cristãos que também se apresentaram na live batiam palmas. Visivelmente empolgado, Zeton emendou com uma releitura do hit Erguei as Mãos.

“Balada santa agita jovens do mundo inteiro dançando para Deus”, comentou ele. Sua performance evangelizadora rompeu a bolha dos jovens católicos, viralizou e gerou memes.

'Viralizou. Viralizou. Repercutiu bastante, foi para meios não cristãos também', diz Zeton Foto: Divulgação
‘Viralizou. Viralizou. Repercutiu bastante, foi para meios não cristãos também’, diz Zeton Foto: Divulgação

À BBC News Brasil, o sacerdote conta que, quando o evento estava sendo preparado, cerca de um mês antes, estava “um pouco preocupado” sobre como seria sua participação. “Jamais imaginava que na hora que eu tocasse ia dar toda a reverberação que aconteceu”, afirma.

“Viralizou. Viralizou. Repercutiu bastante, foi para meios não cristãos também”, avalia Zeton. “Mas houve muita receptividade. Achei louvável o grau de receptividade. Lógico que sempre surgem críticas, zoação… Surgiram memes e eu lido muito bem com isso. Acho engraçado, dou risada.”

Entre os memes que mais bombaram, há montagens como se o padre estivesse discotecando hits de Pabllo Vittar e a música ‘Judas’, de Lady Gaga.

“Observei um rapaz, um garoto que estava falando [nas redes sociais] muita zoação com o vídeo porque colocaram uma música secular e ficou muito engraçado. Mas quando ele viu o vídeo original, ele disse que se arrependia de ter zoado tanto, que era tão bonito, ‘que padre ungido é esse’, ‘que coisa linda’, ‘eu me apaixonei por essa igreja'”, relata.

“Então é assim: evangeliza mesmo. E o intuito é esse”, prossegue. “Ir além das fronteiras, para evangelizar. A gente fica feliz por isso, vê que nosso trabalho está chegando ali onde está precisando chegar. E acredito que sim, que evangeliza até aqueles que não são do meio católico. A semente é lançada, às vezes a pessoa ri, mas depois fica curiosa e vai ver quem é esse padre.”

E ele faz questão de frisar que é um padre como qualquer outro. “Vivo minha vida sacerdotal com muito esmero e dedicação, celebro missa. Sou pároco”, explica.

O sucesso foi tanto que o DJ tem outra apresentação marcada para o próximo dia 25, no Natal, às 20h30, em mais uma live em prol da Fazenda da Esperança.

Antes de ingressar no seminário, José Antônio da Silva Coelho atendia pelo nome artístico de DJ Tony Simple Foto: Divulgação
Antes de ingressar no seminário, José Antônio da Silva Coelho atendia pelo nome artístico de DJ Tony Simple Foto: Divulgação

Das boates do Rio para a balada santa

Antes de ingressar no seminário, José Antônio da Silva Coelho atendia pelo nome artístico de DJ Tony Simple. Nascido em Campos dos Goytacazes, no interior do Rio, ele começou a discotecar aos 16 anos — hoje ele tem 49 anos.

“Foi por curiosidade. Gostava de música eletrônica e era uma época em que nem existia direito computador nem nada”, recorda.

“Mas uma banda fazia uma música toda cheia de efeito, muito bem dançante, era a Sigue Sigue Sputnik [grupo britânico new wave criado em 1984]. Eu me atraí muito por aquele ritmo e tudo. Quando lá por fins dos anos 1980 foram surgindo músicas mais voltadas para esse ritmo, eu fui me encaixando ali, fui aprendendo a fazer mixagem, ouvindo programas de rádio…”

A estreia profissional foi numa boate de sua cidade natal. Ele passou a comandar o som nas domingueiras, como eram conhecidas as baladas de domingo.

“Acabou que engendrei uma carreira que perdurou uns nove, dez anos, até minha entrada no seminário”, diz ele. “Toquei em todas as boates famosas da cidade, algumas boates fora da cidade também, alguns lugares no Rio de Janeiro. Muitas festas, aniversários, casamentos, formaturas, festas particulares, festas temáticas. É, a gente badalou bastante, por longos períodos.”

Autodidata, ele comenta que aprendeu a ser DJ “perguntando aqui, perguntando ali” e “vendo como os outros faziam”.

José Antônio decidiu se tornar padre em 1999 Foto: Divulgação
José Antônio decidiu se tornar padre em 1999 Foto: Divulgação

Em 1999, decidiu se tornar padre. “Decisão, não”, corrige ele. “É uma vocação. Foi um grande chamado de Deus.”

Mudou-se para São Paulo e ingressou então no seminário da Fraternidade Jesus Salvador, na diocese de Santo Amaro. Ele conta que, nesse processo de conversão, achou por bem deixar todo o passado como DJ para trás.

“Abandonei tudo, larguei tudo: materiais, discos, tudo. Dei tudo e fui para o seminário”, lembra.

Mas o passado parecia persegui-lo. Logo no primeiro ano como seminarista, começou a trabalhar com jovens em uma paróquia da região. Nas conversas, eles comentaram que gostariam de ter uma discoteca na igreja.

“Já existiam músicas eletrônicas católicas. E aí eles descobriram que eu já tinha sido DJ. Pediram para eu tocar”, conta o padre.

Segundo ele, foi um evento bastante precário. Colocaram uma iluminação mambembe, conseguiram um aparelho de discotecagem “bem velhinho”. Para a molecada, funcionou — a festa começou à 19h30 e durou até meia-noite.

“Eu me senti numa situação muito complicada”, relembra Zeton. “Achava tudo muito parecido com o que eu tinha largado porque havia me convertido. Fiquei com muito medo. Medo de estar voltando para aquela vida, mesmo que tocando música cristã. Fui ficando com medo.”

Mas o sucesso da “cristoteca” foi grande e, estimulado pelos jovens e com sinal verde de seus superiores no seminário, não teve jeito: no ano seguinte os eventos passaram a ser encarados como um projeto evangelizador. Se já não era mais DJ Tony Simple há algum tempo, José Antônio da Silva Coelho agora estava se tornando o padre DJ Zeton.

'Decisão, não', corrige ele. 'É uma vocação. Foi um grande chamado de Deus' Foto: Divulgação
‘Decisão, não’, corrige ele. ‘É uma vocação. Foi um grande chamado de Deus’ Foto: Divulgação

“Chamamos o projeto de balada santa e passamos a realizá-la de dois em dois meses. Eu ainda tinha uma briga interior muito grande sobre se deveria tocar ou não tocar, se isso era de Deus. Mas tinha o aval do meu reitor de seminário e isso foi se encorpando”, conta.

“No carnaval daquele ano, fizemos a balada santa dentro do retiro que promovemos para os jovens. Eu tinha medo, estava decidindo não fazer. Afinal, tinha entrado no seminário para me tornar padre, não para continuar como DJ.”

Ele conta que naquela época as baladas eram feitas no improviso, com “uns CDzinhos de algumas músicas que eu conseguia na época” e “até fita cassete”.

E as dúvidas sobre seguir ou não discotecando foram dissipadas ao mesmo tempo em que o sucesso vinha. Para Zeton, foi um sinal de Deus, que “queria mesmo que eu fosse para esse caminho”, quando numa noite ele viu na pista uma “dança muito sadia”.

“Eram velhinhas, freiras, seminaristas, padres, jovens, pais, crianças, todo mundo entrou na dança, em clima de muita paz, tranquilidade. Decidimos usar música eletrônica para evangelizar e isso deu muito certo”, entusiasma-se.

Zeton acredita que é possível usar seu talento musical para 'atrair os jovens para a Igreja' Foto: Divulgação
Zeton acredita que é possível usar seu talento musical para ‘atrair os jovens para a Igreja’ Foto: Divulgação

Nova evangelização

Zeton lembra os apelos do antigo papa João Paulo 2º (1920-2005) para justificar seu método diferente de evangelização. “Quando tudo começou, eram jovens querendo algo assim para se divertir, mas que fosse sadio. Eles não queriam ir para uma balada que tivesse drogas, bebidas. Queriam um lugar para dançar música conversando com Deus, mesmo que dançando. E ali eu fui enxergando que Deus queria isso”, afirma o padre.

“Até que me encontrei com a pregação do papa João Paulo 2º, que dizia que a gente deveria evangelizar com novos métodos, nova linguagem”, comenta. Cunhado pelo papa Paulo 6º (1897-1978) em exortação apostólica de 1975, o termo “nova evangelização” acabou sendo popularizado mesmo por João Paulo 2º.

“A evangelização ganhará toda sua energia se for um compromisso, não de reevangelizar, mas uma nova evangelização. Nova em seu ardor, métodos e expressão”, afirmou o papa em discurso a bispos latino-americanos em 1983.

Apelos semelhantes apareceriam em outros documentos de seu pontificado, como a encíclica ‘Redemptoris Missio’, de 1990, e a carta apostólica Tertio Millennio Adveniente, preparada para celebrar a chegada do ano 2000.

Zeton passou a acreditar que seria possível usar seu talento musical para “atrair os jovens para a Igreja”. “Isso não resolve a vida deles, mas começa a resolver”, afirma. “O feedback é muito grande, recebo muitos testemunhos.” Ele enumera casos de ex-dependentes químicos que hoje são músicos católicos e jovens que acabaram se tornando seminaristas. “Muitos gostam, muitos mesmo”, garante. “São tantas coisas boas, tantos fluidos bons que eu vejo que vem de cada jovem.”

De sua parte, ele diz que gosta de deixar claro que está na festa sempre como um sacerdote. Por isso não abre mão de vestir batina nesses eventos, “para passar mesmo que é um padre que está ali tocando e evangelizando”.

Legião

Na vida pessoal não são só hits cristãos que tocam no fone de ouvido do padre. Ele conta que é “bem eclético” na hora de relaxar. “Mesclo muito músicas católicas, mas gosto também de músicas seculares, como a gente chama. Músicas dance e flashback: sou apaixonado por músicas dos anos 80. Vivi muito essa época, foi toda a minha adolescência e juventude. Curto de tudo um pouco”, revela.

“Gosto de MPB, de um sambinha de raiz, gosto de música que tenha letra para refletir, que passe alguma mensagem”, conta. “Gosto do rock brasileiro dos anos 80. Sou apaixonado pela banda Legião Urbana. Curto Paralamas [do Sucesso], Titãs, Engenheiros do Hawaii, Biquini Cavadão, Capital Inicial, Barão Vermelho, curto tudo isso e escuto muito. Roupa Nova também. Gosto de Michael Jackson, essas coisas sadias de se ouvir. U2, Information Society… Gosto muito de música clássica, muito mesmo. Sou bem versátil no que escuto.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.