– Subindo em árvores!

Uma das nossas brincadeiras preferidas: subir em árvores!

Aliás, “subir é fácil”, segundo a Teté. O problema é descer kk.

Crianças e diversão: existe algo melhor?

Imagem

#carinho

– O Dr Felicidade e as dicas para ser feliz!

Já pensou existir um PhD em Felicidade, e que trabalha numa das principais universidades do mundo?

Ele existe e nos dá uma boa dica para evitar a infelicidade, os vícios! E alerta: “O maior vício do mundo atual não é o álcool, as drogas nem o jogo: é a tela do celular.”

Extraído de: https://www.metrojornal.com.br/colunistas/2018/12/17/tal-ben-shahar-o-professor-de-harvard-que-ensina-ser-feliz.html

TAL BEN-SHAHAR, O PROFESSOR DE HARVARD QUE ENSINA A SER FELIZ!

por Angélica Banhara

Ele se formou em Psicologia e Filosofia pela Universidade de Harvard (EUA) e lá conduziu seus estudos até se tornar PhD. Mas a fama veio mesmo quando seu curso de Psicologia Positiva passou a figurar entre os mais concorridos de Harvard. O israelense Tal Ben-Shahar esteve dias atrás no Brasil para palestrar no workshop Positive Experience, organizado pela Sociedade Brasileira de Coaching. Autor de vários livros sobre positividade e felicidade, inclusive o best-seller do The New York Times Seja Mais Feliz, Ben-Shahar dá algumas dicas para serem colocadas em prática hoje.

1. Deixe a infelicidade entrar

Se permita ser real, humano. Você não precisa estar feliz o tempo todo. “Quando negamos as emoções dolorosas e negativas — que são naturais, elas se intensificam”, diz Ben-Shahar. Os sentimentos — raiva, angústia, ansiedade — existem independentemente da nossa vontade. Aceitar esses sentimentos não significa se resignar, pois nós decidimos que atitude tomar a partir dessas emoções.

“Coragem não significa não ter medo. Significa ter medo e seguir em frente apesar disso”, conclui.

Dica de Ben-Sahar: “Precisamos ter uma espaço na nossa vida para sermos autênticos e realistas, deixando que as emoções ‘passem’. Do contrário, acabamos comprometendo nossa felicidade, saúde e corremos o risco de um ‘burnout’ (crise de esgotamento físico e mental)”.

2. Aprenda a lidar com o estresse

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), vivemos uma pandemia de estresse no mundo todo. O estresse prejudica a criatividade e a produtividade no trabalho e desencadeia doenças crônicas, como problemas cardíacos, hipertensão, diabetes e até câncer.

Por que o estresse está aumentando tanto? Estamos sobrecarregados, tentando fazer um malabarismo, acumulando muitas coisas ao mesmo tempo.
Ben-Shahar aponta que a descoberta mais relevante dos últimos 20 anos é que: o estresse não é o problema. Ele tem um potencial positivo e faz parte do sistema de defesa do nosso organismo.

O problema é a falta de tempo de recuperação entre os momentos de estresse — fundamental para o equilíbrio físico e mental.

O ser humano tem total capacidade de lidar com o estresse, desde que ele seja intercalado pelos momentos de recuperação.

“ As pessoas mais bem sucedidas, mais saudáveis e mais felizes experimentam o estresse como todos nós, mas encaixam momentos para recuperação na rotina estressante. Esses intervalos entre as situações estressantes têm a função de reenergizar a nossa vida”, afirma o professor.

Há 3 níveis de “recuperação” do estresse:

A – Nível micro

Tirar de 10 a 15 minutos para meditar, tomar um café ou apenas caminhar.

Ir à academia com regularidade.

Sair com amigos ou com a família. Nessas situações, o celular deve ficar na bolsa (nada de ficar olhando ou digitando).

(Dica: durante o expediente, a cada 2 horas, pare por um minuto e respire lenta e profundamente. Inspire contando até 5 e expire no mesmo tempo.)

B- Nível intermediário

Ter uma boa noite de sono. Para quem sofre com insônia: só o fato de estar na cama, deitado e relaxado, já tem efeito positivo na recuperação.

Aproveitar o fim de semana para descansar, viajar ou fazer programas com a família ou amigos.

Tirar um dia de folga de vez em quando.

     (“As pesquisas mostram que quem tira um dia de folga ou tem uma boa noite de sono fica mais criativo, produtivo e feliz”, diz Ben-Sahar).

C – Nível macro

Viajar de férias, pelo menos por uma semana.

      (“São nesses momentos de descanso que atingimos nosso potencial de saúde e felicidade.”)

3. Valorize os relacionamentos

“Este é o indicador número 1 da felicidade e da saúde: as pessoas que investem em seus relacionamentos são mais saudáveis e mais felizes”, declara Ben-Shahar.
E vale todo tipo relacionamento: romântico, familiar, de amizade, profissional…

O professor afirma que, com o surgimento das mídias sociais, o relacionamento entre as pessoas acabou prejudicado. O problema não são as mídias em si, mas seu uso excessivo.

“O maior vício do mundo atual não é o álcool, as drogas nem o jogo: é a tela do celular.”

Os relacionamentos virtuais não substituem o olho no olho, os relacionamentos pessoais.
Quando não desgrudamos do celular, deixamos de aprimorar nosso foco, engajamento e empatia, qualidades fundamentais tanto na vida pessoal como na profissional.

E conclui citando um estudo realizado em parceria pelas universidades de Harvard e Columbia que mostra que, quando fazemos algo bom para o outro, isso traz benefícios para nós mesmos e para todos ao nosso redor.

No estudo foram selecionados dois grupos de participantes: ambos tiveram seus níveis de felicidade mensurados.

O grupo 1 recebeu uma quantia em dinheiro para ser gasto com qualquer coisa que desejassem: um presente para si mesmo. Depois das compras, os níveis de felicidade foram mensurados e tinham aumentado.
No dia seguinte, essas pessoas foram novamente avaliadas. Os níveis de felicidade voltaram para os anteriores à compra.

Na segunda parte da pesquisa, o grupo 2 recebeu a mesma quantia de dinheiro que o primeiro grupo, mas foi orientado a gastar com os outros doando para uma instituição de caridade, comprando presentes para amigos e familiares… Depois das compras, os níveis de felicidade foram mensurados e tinham aumentado tanto quanto os do primeiro grupo.

A diferença foi que, no dia seguinte, quando essas pessoas foram novamente avaliadas, os níveis de felicidade tinham diminuído um pouco, mas estavam significantemente maiores do que os do grupo 1. Conclusão: doar é receber…

Coluna AngélicaO professor Ben-Shahar e eu durante sua passagem por São Paulo

– O País do Jeitinho vale a pena?

Me revolto com a história de querer levar vantagem em tudo. O tal do “jeitinho brasileiro”, a “Lei de Gérson” ou de qualquer outra coisa que o valha são nefastas e deviam ser desincentivadas.

Gostei desse pensamento que compartilho:

17911_389149164499570_664126789_n.jpg

– O Domingo da Alegria (ou Domingo Gaudete)


Estamos no 3o domingo do tempo do Advento, à espera do Natal do Senhor Jesus.

Para quem foi à Missa, verá que das 4 velas que compõe a Coroa desse período litúrgico, 3 são roxas (simbolizando dia mais sérios, introspectivos) e que a de hoje é lilás (para diferenciar dos demais).

Em si, a liturgia nos mostra que é tempo de Esperança, de Espera, dAquele que já veio mas recordaremos a data de que há de vir; é o chamado “Domingo da Alegria”.

Especialmente hoje, lembremo-nos da Palavra de Deus:

“Alegrai-vos; alegrai-vos sempre no Senhor”.

Assim, alegremo-nos em Cristo Jesus hoje e sempre!

Resultado de imagem para Domingo da Alegria

– De novo, Caio Max? Sobre Internacional 2×1 Botafogo.

Dias atrás, o árbitro Caio Max Augusto Vieira foi muitíssimo criticado pela sua atuação em Corinthians 0x0 Grêmio (relembre em: https://wp.me/p4RTuC-siZ). Agora, no Beira Rio, outra polêmica atuação.

Antes de falarmos do gol decisivo do Colorado, há uma reclamação quanto a um cartão amarelo não aplicado a Rodinei (INT), que seria a 2a Advertência e consequentemente Vermelho. Acontece que nem todo lance de mão na bola é para Cartão Amarelo. Uma jogada na lateral, que não mate um contra-ataque, é simplesmente para marcar o tiro livre direto, sem advertir. Acertou o árbitro.

No lance capital da partida, o Fogão tem uma falta a seu favor no campo de defesa. Kevin cobra ela com displicência recuando para o goleiro Diego Cavalieri. Yuri Alberto (Internacional) estava atento e a interceptou, fazendo o gol.

Porém… o árbitro estava de costas! No be-a-bá da arbitragem, nunca você deve reiniciar o jogo sem estar de frente para a jogada. Caio Max nada viu, e mediante a confusão, anulou o gol. Pelo VAR, depois de muita demora, voltou atrás e validou.

Apesar da lambança, acertou o árbitro. O Botafogo reclama que a falta não foi cobrada pois Kevin estava dando a bola para Cavalieri cobrá-la. Pelas imagens, não dá para afirmar isso e as condições permitem que se entenda a execução do reinício com Kevin (até mesmo porque ali – naquele momento – não precisa de apito).

Tudo seria evitado se o juizão estivesse de frente, orientando o local da cobrança e agilizando a execução.

– Acrescente um pouco mais de kms na sua rotina!

Leio interessante matéria da Revista Runner’s (edição 15, Janeiro/2010, pg 76), sobre os excessivos alimentos que alguns atletas comem.

Na verdade, há um quadro retratando o quanto se deve correr para poder comer algumas guloseimas a mais. Se você quiser tomar 1 garrafa de cerveja, corra mais 16 minutos, por exemplo.

Abaixo, a matéria e as Quantidades/Km:

MELHOR SOMAR MAIS 1 KM

Você precisa de uma dieta balanceada e dos nutrientes e calorias (energia) dos alimentos para render nos treinos de corrida e se recuperar. Mas, ao ingerir mais calorias do que gasta, você pode ganhar peso. Para ter uma ideia de quanto precisa correr para queimar as calorias de certos alimentos, confira a tabela abaixo. Todos os cálculos se baseiam em uma pessoa de 70 kg que corra em ritmo de 7 minutos por quilômetro.

1 banana -> 13 minutos

1/2 xícara de cereal + 1 copo de iogurte desnatado -> 15 minutos

1 cerveja long neck -> 16 minutos

1 bolinho Ana Maria sabor chocolate -> 18 minutos

1 pão francês + geleia -> 20 minutos

1 copo de leite + nescau -> 21 minutos

1 croissant com manteiga -> 28 minutos

1 barra de chocolate Suflair -> 29 minutos

1 wap grill do McDonald’s -> 36 minutos

2 fatias de pizza do Pizza Hut -> 58 minutos

1 cheeseburger com batata frita -> 2 horas

bomba.jpg

– Dia de Santa Luzia, Padroeira dos Olhos…

… e esperança dos deficientes visuais.

Hoje, pela tradição católica, é dia festivo a Santa Luzia, protetora da visão. Que ela possa nos ajudar a ver o Cristo na figura do próximo, enxergar o amor no coração das pessoas para que sejamos a luz que clareia o mundo!

– Santa Luzia, rogai por nós.

Santa Luzia (ou Santa Lúcia)

ORAÇÃO DE SANTA LUZIA

Ó Santa Luzia, que não perdestes a fé e a confiança em Deus, mesmo passando pelo grande sofrimento de lhe vazarem e arrancarem os olhos, ajudai-me a não duvidar da proteção divina, defendei-me da cegueira não somente física, mas principalmente da cegueira espiritual.
Atendei a este meu pedido (fazer o pedido).
Conservai a luz dos meus olhos para que eu tenha a coragem de tê-los sempre abertos para a verdade e a justiça, possa contemplar as maravilhas da criação, o brilho do sol e o sorriso das crianças. Ó minha querida Santa Luzia, eu vos agradeço por terdes ouvido a minha súplica.
Por Jesus Cristo, nosso amigo e irmão, na unidade do Espírito Santo. Amém.
– Santa Luzia, rogai por nós.

– Mancini e Diniz, Corinthians x São Paulo e o “algo em comum”.

Algumas curiosidades pré-Majestoso: Vágner Mancini e Fernando Diniz, técnicos de Corinthians e São Paulo, têm uma relação em comum com o Paulista de Jundiaí.

Ambos foram campeões pelo Galo da Japi: Mancini da Copa do Brasil; Diniz pela Copa Paulista. Fernando Diniz, a propósito, foi treinado por Vágner Mancini por duas temporadas parciais.

Compartilho, extraído de: https://www.esportejundiai.com/2020/12/em-jundiai-fernando-diniz-jogou-19.html

FERNANDO DINIZ JOGOU 19 VEZES SENDO DIRIGIDO POR MANCINI

Neste domingo, Fernando Diniz e Vagner Mancini se enfrentam como treinadores pelo Campeonato Brasileiro dirigindo respectivamente São Paulo e Corinthians, às 18h15, no estádio corintiano, em São Paulo. Ambos foram companheiros de clube, só que em funções diferentes. Mancini já era treinador do Paulista e teve Diniz como seu atleta no meio-campo entre o segundo semestre de 2006 e o primeiro semestre de 2007.

Em Jundiaí, Diniz jogou 19 vezes sob o comando de Mancini, entre Série B do Brasileirão e Série A1 do Paulistão. Foram dois gols – na vitória por 3 a 0 sobre o Marília, fora de casa, na Série B de 2006; e 3 a 1 sobre o Rio Branco, no estádio Jayme Cintra, no Paulistão de 2007.

Só que o “estressadinho” Diniz que vemos como treinador, já era como jogador. Na sua passagem como atleta em Jundiaí, ao lado de Vagner Mancini foram seis amarelos e um cartão vermelho – contra o Grêmio Barueri, no Paulistão de 2007, quando se envolveu em uma confusão logo no começo do primeiro tempo com Anderson Marques.

Terceiro encontro em 14 meses

Mancini e Diniz já se enfrentaram uma vez este ano como treinador. Quando Vagner ainda dirigia o Atlético Goianiense, ele enfrentou o São Paulo de Diniz e perdeu por 3 a 0, no Morumbi pela 14ª rodada. Brenner – duas vezes e Gabriel Sara marcaram os gols do jogo.

Em outubro do ano passado, Diniz já comandava o São Paulo e duelou com Mancini, quando este dirigia o Atlético Mineiro. Pela 28ª rodada, o Tricolor venceu por 2 a 0 – gols de Igor Gomes e Vitor Bueno.

Mancini já venceu Diniz como treinador: foi na Série B de 2015, na 15ª rodada, quando Vagner comandava o Vitória, que venceu o Paraná Clube, de Diniz, em Curitiba, por 1 a 0 – gol de David.

Por Thiago Batista de Olim – Foto: Divulgação

– O Preço do Contrabando na Amazônia Legal

Dados da Revista Superinteressante, em uma edição antiga (Dezembro/2012, pg 28-29), me assustam: sobre os preços de bens da Natureza extraídos na Floresta Amazônica.

Uma Arara Vermelha é vendida lá pelos nativos por R$ 200,00, e revendida por R$ 12.000,00;

Um Tucano Toco, por qualquer caixinha. Mas na revenda, vai para R$ 4.000,00.

Um Cocar Kayapó, de R$ 70,00 vira R$ 15.000,00.

Açaí? Lá, R$ 1,70/ quilo, mas se revende por R$ 20,00.

Produtos mais raros: a Arraia-de-Água-Doce é retirada por R$ 50,00 e repassada por R$ 60.000,00.

Até os menores custam caro: uma borboleta azul custa R$ 0,10, mas os intermediários chegam a pedir R$ 400,00.

O maior disparate? Uma aranha-marrom, vendida por R$ 2,00 e a grama do seu veneno extraído por R$ 49.000,00!

Custo baixo para a compra, lucros absurdos!

Tudo que você precisa saber antes de comprar uma arara - Dicas - iGimgres.jpg

– Um motivante domingo!

Bom dia! S’imbora correr?

Inspirando a corrida no clique 1:

Imagem

Durante o treino, conversando com Deus. Já foi à Missa hoje?

Meditando no clique 2:

Imagem

Pós-treino, alongando entre as flores do jardim.

Contemplando no clique 3:

Imagem

Despertando um novo dia!

Admirando o céu amarelo no clique 4:

Imagem

Ótimo domingo a todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOHobby