– Uma doce lembrança…

Que coisa maravilhosa: 3 fotos da década de 70, envolvendo casamentos de pessoas queridas!

1Minha mãe (a “Cida da Nória”), pronta para entrar na Igreja (16 de fevereiro de 1974): 

2. Nessa outra foto, meu pai (Milton “Lili” Porcari) e minha mãe casando. À esquerda da foto, como padrinhos paternos, tio Adalberto e tia Neuza. À direita, como padrinhos maternos, meu padrinho de Batismo Milton “Barroca” de Oliveira e a Minha Madrinha Clotilde. 

3. E nessa última foto, no casamento da tia Neuza e tio Adalberto (casal ao centro), tio Nelson e tia Malvina + meu pai Milton e minha mãe Cida.

Recordar é viver! Só gente bonita, honesta e boníssima!!! E, neste dia 07 de dezembro, seria aniversário da minha mãe. Ô saudade…

– A Marvel de antigamente e os Desenhos mais “Toscos”

Olha que curioso: o UOL Cinema trouxe uma matéria muito bacana dos desenhos mais “antigos e supostamente fracassados” da Marvel!

Quem gosta de desenhos dos anos 60 e 70, vai se deliciar!

Clique em: https://cinema.uol.com.br/listas/flintstones-e-a-coisa-os-desenhos-toscos-da-marvel-nos-anos-60-e-70.htm

Aqui uma pérola (as demais no link acima): CLUBE MARVEL, que hoje conhecemos como Vingadores, em: https://www.youtube.com/watch?v=3peTODrEpws

– Deixar que Crianças se Sujem pode ser bom! A Vitamina S

Interessante essa matéria da Revista Veja, pg 122, no. 2143, por Nathália Butti, que fala da importância das crianças em tomarem Vitamina S, ou seja, “sujeira”. A ideia é de que as crianças que brincam e têm contato com sujeira ganham mais imunidade.

SUJINHA E SAUDÁVEL

Pesquisas confirmam que não se deve levar a extremos os cuidados com a higiene das crianças, sob pena de expô-las a alergias e infecções

Muitas mães de crianças pequenas levam as mãos à cabeça quando as veem atropelar as regras básicas de higiene. Comer a bala que caiu no chão, chapinhar em poças, esfregar as mãos na calçada – cenas como essas parecem representar um risco enorme de contrair doenças por meio de bactérias associadas à sujeira. Uma série de pesquisas feitas desde o fim dos anos 80, porém, leva os cientistas a acreditar que muitas vezes o inimigo está no excesso de higiene, e não na falta dela. Segundo esses estudos, o exagero no esforço de manter a criança afastada das bactérias com que ela depara no seu dia a dia pode minar as resistências do organismo e abrir caminho para as doenças que se quer evitar. A mais recente dessas pesquisas, desenvolvida pela Universidade da Califórnia e divulgada há três semanas, conclui que as moléculas do Staphylococcus epidermidis, uma bactéria já bem conhecida e inofensiva presente na superfície da pele humana, agem sobre as células da epiderme para bloquear os processos inflamatórios. Essa ação evita que pequenos ferimentos infeccionem. Ocorre que as bactérias Staphylococcus epidermidis são destruídas por desinfetantes, detergentes e sabões.

A secretária gaúcha Andréia Garcia acredita que as mães de hoje são excessivamente preocupadas com a higiene das crianças. Seu filho Guilherme, de 4 anos, adora andar descalço e brincar na terra até ficar encardido, mas nunca leva bronca. “Acho que um pouco de vitamina S, de sujeira, reforça as defesas do organismo”, ela diz. A pesquisa americana confirma a teoria batizada pelos cientistas de hipótese da higiene. Segundo ela, até os 5 anos de idade, quando o sistema imunológico da criança está em fase de amadurecimento, o contato com bactérias traz dois benefícios: prepara o corpo contra alergias e previne doenças autoimunes. A expressão hipótese da higiene foi cunhada em 1989, quando o epidemiologista inglês David Strachan apresentou os resultados de sua pesquisa com um grupo de 17 400 recém-nascidos que haviam sido acompanhados até os 23 anos. Ele observou que as crianças com um ou mais irmãos mais velhos tinham menor incidência de alergias ao crescer. Isso porque a convivência constante com outras crianças fizera com que elas se expusessem a mais infecções. Na ação dos linfócitos do sistema imunológico humano, os processos infecciosos fazem diminuir a incidência de processos alérgicos.

Os defensores da hipótese da higiene acreditam que a limpeza corporal em excesso pode facilitar o desenvolvimento de doenças autoimunes. Um sistema imunológico sem o costume de combater bactérias pode atacar células do corpo. “Nosso organismo precisa treinar a tolerância aos agentes externos”, diz o imunologista Victor Nudelman, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo. A técnica em radiologia Marilia Mercer, de Londrina, atribui a saúde dos filhos Mateus, de 10 anos, e Gabriel, de 2, à liberdade que têm para brincar, mesmo que isso signifique se sujar na terra. “Deixo as crianças livres. Se elas caem ou ingerem algo que não devem, não me desespero”, ela diz. A alergista pediátrica Renata Cocco, da Universidade Federal de São Paulo, resume a questão da higiene infantil: “Sem machucados nem doenças de pele que facilitem a absorção de bactérias pela corrente sanguínea, as crianças podem se sujar sem receio nas brincadeiras”.

– Será que é simples assim?

Ao ler essas dicas para ter uma vida mais leve, me deparei com alguns dilemas: todos esses aconselhamentos funcionam mesmo? São praticáveis? Permissíveis incondicionalmente?

Abaixo:

Será que tudo que tenho vontade, eu posso fazer?

Não é bem assim… mas seria bom que fosse!

– Pensamento de Santo Ambrósio em seu Dia!

Vivemos numa era onde o equilíbrio emocional, espiritual, físico e financeiro precisam estar cada vez mais em sinergia. E sinceramente, penso que isto não é bom. Este equilíbrio, honestamente, é necessário, pois verdadeiramente bom seria que simplesmente vivêssemos em paz. Mas como hoje é dia de Santo Ambrósio, um santo alemão do século 3, compartilho uma reflexão maravilhosa do mesmo e que se faz necessária neste mundo tão ferido dos dias de hoje, onde o conforto das pessoas, às vezes, se baseia na vingança; onde alardeia-se o sucesso às custas do insucesso profissional de outros; ou, ainda, que neste mundo capitalista tão competitivo, nem todos têm espaço. Tudo isso pode ser verdade, mas não deveria.

Assim, lembremo-nos do pensamento ambrosiano:

Ninguém cura a si mesmo ferindo os outros”.

O amor, a oportunidade e a presteza podem ter lugar num mundo cada vez mais vazio e contraditoriamente repleto de anseios.

Resultado de imagem para Santo Ambrosio

– Os ciclos que o mundo do futebol dá… Sobre Diniz!

Fernando Diniz, treinador do São Paulo, é o exemplo da passionalidade que existe no mundo da bola: quando eliminado pelo Mirassol no Paulistão, queriam a sua cabeça a qualquer custo. Hoje, líder do Brasileirão, exaltam seu trabalho.

Quem mudou: Diniz, os atletas ou os seus críticos?

O Zé Boca-de-Bagre, um amigo, indagou sobre duas hipóteses: quando acabar o Brasileirão, quem criticava Diniz vai fazer um mea culpa e pedir desculpas para o treinador (caso o Tricolor seja Campeão de 2020) ou se alegrará pelo time não ter “batido campeão” e dirá que sempre criticou ele por nunca ter vencido nada importante (na hipótese de morrer na praia)?

Enfim: o SPFC de hoje é bem melhor do que o SPFC do início do Brasileirão, ou é apenas uma ótima fase?

Fernando Diniz pode ganhar 'reforço inesperado' no São Paulo em retorno do futebol - WSCOM

– O perigo que os “mais jovens” sofrem ao consumirem bebidas alcoólicas.

Uma pertinente reportagem do Jornal da Região sobre “álcool e adolescência” mostra o quão perigosa é essa combinação. Na matéria, a Dra Mônica Franco de Oliveira aborda com muita propriedade as consequências da bebida nesta idade de tanta transformação.

Sobre a reportagem citada, abaixo, extraído de: https://jr.jor.br/2020/12/05/medica-fala-dos-riscos-de-consumo-de-alcool-pelos-adolescentes/amp/

MÉDICA FALA DOS RISCOS DE CONSUMO DE ÁLCOOL PELOS ADOLESCENTES

Que os adolescentes estão bebendo mais é fato. No Brasil, pesquisas apontam que 26,8% dos jovens com idade entre 15 e 19 anos relataram consumo de álcool, o que é um fator de risco para acidentes, violências e doenças. De cada dez pessoas que começam a beber antes dos 15 anos, seis fazem isso em festas ou por influência dos amigos. Pesquisa feita pelo IBGE com dez mil estudantes de ambos os sexos entre 13 e 17 anos mostra que um a cada quatro entrevistados já sabia o que era ficar bêbado.

Esse índice pode até não parecer alto, mas qualquer quantidade ingerida nessa faixa etária pode comprometer as funções neurológicas do adolescente, além de antecipar o surgimento de doenças relacionadas ao consumo do álcool, como diabetes, cirrose e insuficiência cardíaca.

Segundo a pediatra do Hospital Universitário, Mônica Franco, os adolescentes que se expõem em doses excessivas de álcool podem ter sequelas neuroquímicas emocionais, déficit de memória, perda de rendimento escolar, retardo de desenvolvimento e habilidades, entre outros. “O uso de álcool na adolescência pode comprometer as funções neurológicas do paciente, principalmente os pacientes que já possuem algum transtorno psiquiátrico como, por exemplo, depressão e transtorno bipolar”, explica dra Mônica.

Danos do álcool para o organismo do adolescente são maiores do que para o adulto, porque, até os 21 anos, o cérebro ainda se encontra em processo de amadurecimento. Além de afetar o desenvolvimento do organismo e das funções cerebrais, a ingestão de álcool por adolescentes pode aumentar as chances de dependência da droga. Jovens que começam a beber mais cedo têm mais chances de se tornarem dependentes do álcool quando adultos.

O início precoce do consumo aumenta o risco de lesões corporais, o envolvimento em acidentes com veículos. Eleva também a vulnerabilidade a riscos, como gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis. Mulheres e meninas, como sempre, são as principais vítimas. De acordo com a Dra. Mônica, muitas doenças podem ser desencadeadas como desnutrição, hepatite alcoólica, cirrose, tumores, doenças emocionais como a depressão e demência alcoólica.

O ambiente familiar influencia muito, tanto negativamente quanto positivamente. Existe um risco genético para o alcoolismo, filhos de pais alcoólatras têm quatro vezes mais chance de desenvolver a dependência do que os demais. O exemplo dos pais é fundamental, lares nos quais a bebida alcoólica faz parte do dia a dia ou onde os filhos presenciem com frequência seus parentes embriagados geram jovens mais susceptíveis a repetirem estes comportamentos. “O envolvimento dos pais e responsáveis na vida dos jovens é essencial na prevenção e diminuição desses casos. Os pais devem ficar atentos ao comportamento de seu filho e servir de exemplo. Devem conhecer as atividades e ciclo de amizade dos filhos, manter uma boa conversa, impor regras e explicar as consequências do álcool e estabelecer relação afetuosa e de confiança”, reforça a doutora.

Portanto a prevenção do uso do álcool na adolescência deve começar dentro de casa, desde a primeira infância. Atitudes como o estímulo aos esportes e às atividades sociais são benéficas, assim como o reforço positivo, que gera autoestima elevada e a vontade de ser alguém na vida.

– Boa semana, pessoal!

👊🏻 Bom dia. Uma nova #semana começando! Vamos aproveitá-lá para resolver todas as nossas pendências?
Para ter energia a fim de enfrentá-la, s’imbora para um bom #cooper!
🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #training #corrida #sport #esporte #running #endorfina #nike #underarmour
Clique 1:

🙏🏻 Correndo e Meditando:
Ó #NossaSenhoraDaPiedade, rogai por nós que recorremos a vós. #Amém.”
⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #Maria #NossaSenhora #Piedade #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade
Clique 2:

🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da #natureza. Hoje, com essas delicadas #lantanas.
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento
Clique 3:

🌅 Desperte, #InteriorPaulista, repleto de #nuvens! Clique do #horizonte com #fotografia abstrata.
Que a #SegundaFeira possa valer a pena!
🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia
Clique 4:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Você tem a consciência de que, na vida, precisamos aprender SEMPRE?

Vivemos a necessidade de aprendizado contínuo, não só para o emprego em si, mas para a atualização profissional e pessoal.

Você se considera um “lifelong learner”?

Saiba mais sobre esse conceito em: https://www.youtube.com/watch?v=x4YHY1aHoIo