– Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

Hoje, 6 de dezembro é uma data que tem o objetivo de sensibilizar os homens na lutar pelo fim da violência de gênero. Nessa mesma data houve uma …

Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

– Os reais Zumbis do Haiti! Walking Dead de verdade…

Você sabe como se “faz” um Zumbi?

Ou melhor: você acredita na existência de Zumbis?

Ouvi o jornalista Cláudio Tognoli no Programa Morning Show da Rádio Jovem Pan falando sobre a assunto. E me impressionei! Ele contou sobre uma toxina encontrada em uma espécie de sapo somente existente no Haiti (bufo marinos), que se aplicada em uma pessoa ela fica em estado catatônico, com os olhos virados para trás, drogada por ser uma substância “narco-epilética”, transformando a pessoa em um escravo obediente – totalmente fora de si!

Assustou?

Eu também. E essa história pode ser conferida em: https://www.megacurioso.com.br/zumbis/39595-o-caso-do-haitiano-zumbi-que-voltou-para-casa-21-anos-depois-de-morto.htm

O CASO DO HAITIANO ZUMBI QUE VOLTOU PARA CASA 21 ANOS DEPOIS DE MORTO

Por Daiana Geremias

Zumbis existem de verdade? Nem tente bancar o cientificamente correto aqui e dizer que eles não existem, porque a história que vamos contar para você a seguir pode mudar suas convicções. Portanto, antes de qualquer coisa, abra a cabeça – não precisa ser literalmente.

O haitiano Clairvius Narcisse ficou muito doente em 1962, tendo vivido momentos de febre, dor intensa e relatado a sensação de mosquitos perfurando sua pele. Isso sem falar na extrema dificuldade que sentia para respirar. Ele então foi levado ao hospital, onde foi atendido por dois médicos, mas, pouco tempo depois, foi declarado morto. O velório foi breve e o enterro foi logo realizado.

Narcisse, no entanto, disse nunca ter morrido de verdade. O que aconteceu foi que ele acordou, meio perturbado, dentro de um caixão e enterrado. O haitiano acredita que foi envenenado e vítima de algum tipo de feitiço. Na noite seguinte, ele foi exumado por um shaman vudu e levado a um lugar desconhecido. Detalhe: ele recebeu uma mistura que o deixava em estado de zumbi.

Depois disso, Narcisse afirma ter se tornado um escravo, sendo forçado a trabalhar dia e noite em uma plantação de cana-de-açúcar – todos os dias, ele e os outros presos recebiam a mesma mistura que os transformavam em trabalhadores-zumbis. Seria esse o plano mais macabro de todos os tempos?

O fato é que os presos foram liberados em determinado momento e Narcisse afirma ter passado 18 anos vagando pelas ruas, procurando sua família, que a essa altura tinha absoluta certeza de sua morte. Em 1981, enquanto vagava por um vilarejo, Narcisse reconheceu sua irmã e ela também o reconheceu – pelo menos foi isso o que deu para entender pelos gritos assustados e altos que ela deu. Ele convenceu a irmã de que era ele quando usou um apelido que apenas a família conhecia.

Os vizinhos também reconheceram Narcisse e logo um médico psiquiatra foi chamado para ajudar a entender o acontecido. O haitiano respondia a todas as perguntas pessoais e da família sem o menor problema. Quando todos confirmaram mesmo que Narcisse era Narcisse, a imprensa internacional logo apareceu para cobrir a história mais do que bizarra.

Além do médico e da imprensa, um pesquisador de Harvard, Wade Davis, demonstrou muito interesse em estudar o caso. Davis, um especialista no uso de plantas por seres humanos, afirmou que o haitiano poderia mesmo ter sido obrigado a usar alguma substância que o deixasse sedado e subordinado.

O pesquisador explicou ainda que uma toxina conhecida como TTX pode deixar o corpo de uma pessoa em estado de morte – quando alguém ingere essa toxina, fica catatônico e com pouquíssimos sinais vitais. No Haiti, o TTX pode ser encontrado em uma espécie de sapo.

Davis acredita que a substância responsável por deixar Narcisse alucinado e trabalhando como escravo por tanto tempo é uma toxina conhecida como Datura stramonium.

E aí, o que você acha dessa história completamente maluca? O caso nunca foi completamente desvendado.

bomba.jpg
Narcisse e seu próprio túmulo

– As faixas provocativas no Brasileirão

Foi o “sábado das faixas provocativas” no Brasileirão: em Santos, o Peixe provocando o Palmeiras com indiretas de 2a divisão e no Rio de Janeiro, o Fogão fazendo menção sobre a Tragédia do Ninho do Urubu.

Brincadeiras de rebaixamento seriam para torcedorespenso que não para clubes. E sobre a morte dos garotos flamenguistas, pareceu mais um momento oportunista-político do que empático para com as vítimas.

Eu sei que tem a galera que dirá: “é muito ‘mi-mi-mi’ no futebol”. Mas lembremo-nos: estamos falando sobre futebol profissional (business) e de ações referendadas pelas agremiações. Fosse o futebol varzeano, lúdico, descompromissado, seria outro enfoque!

Recordando ainda que, mesmo sem torcedores nos estádios, a Regra do Jogo continua cobrando o zelo contra faixas que incitem a violência, discriminação de qualquer teor ou mensagens de cunho político.

– A reflexão do 2o domingo do Advento.

Endireitemos nossos caminhos, preparemo-nos para a chegada, nos aproximemos das veredas que nos levam ao Menino que chegará!

Neste domingo (o 2o do advento), a Igreja Católica mostra o profeta precursor (São João Batista, primo de Jesus) nos convidando a receber o Cristo.

Fica a reflexão: neste tempo, estamos nos condicionando adequadamente para receber e festejar Nosso Salvador? Como está esse período  de espera em nossa vida?

– Cores para um domingo cinzento.

Que amanhecer escuro temos neste domingo!

Dia frio, vento chato e nenhum azul no infinito céu. Sendo assim, que tal colorir nossa timeline com outro clique um pouco mais “colorê”?

Do ano passado, mas bonito, um amanhecer dominical mais inspirador:

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby