– O Fim do “X,999”

O impacto psicológico de certos preços muitas vezes funciona na cabeça do consumidor. Mas como ilusão…

Um tênis que custa R$ 300,00, se anunciado por R$ 299,99, pode parecer mais barato. E se pagar em dinheiro, não verá o R$ 0,01 de troco.

São estratégias comerciais. Uma outra, com respaldo governamental, é a 3a casa do Real nos preços dos combustíveis. O litro do combustível não costuma ser anunciado por R$ 4,00, mas sim por R$ 3,999. Porém, aqui vai algo importante: permite-se o aumento das casas decimais monetárias por fins econômicos! O custo do combustível às vezes tem 5 ou 6 dígitos à direita do zero para o revendedor, impactando a economia, já que como o produto é vendido em grande quantidade, o acumulado das vendas faz relevante diferença. Uma carreta de gasolina pode variar em até R$ 100,00 a mais, por culpa desse milésimo.

Agora, uma novidade: o Governo, através de debates com a ANP (Agência Nacional de Petróleo) estuda proibir a subdivisão dos centavos, arredondando os valores.

Fatalmente, alguém vai perder e alguém vai ganhar dinheiro com isso…

Resultado de imagem para 1,99

– Epifania do Senhor Jesus Cristo!

Neste domingo, a Igreja Católica celebra a festa da Epifania de Jesus, ou seja, a manifestação da divindade de Cristo como Senhor do Universo.

Compartilho, abaixo, o Evangelho desta bela solenidade dominical:

(SÃO MATEUS 2, 1-12)

Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, perguntando: ‘Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo.’
Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado assim como toda a cidade de Jerusalém. Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer.
Eles responderam: ‘Em Belém, na Judéia, pois assim foi escrito pelo profeta: E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo.’
Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. Depois os enviou a Belém, dizendo: ‘Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo.’ Depois que ouviram o rei, eles partiram.
E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.
Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram.
Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.
Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

img_3725

– Qual a melhor equipe de futebol de todos os tempos (segundo Tostão)?

Dias atrás me questionei sobre qual seria o melhor escrete de futebol já montado: o Santos de Pelé, a Seleção de 70, o Real Madrid de Di Stéfano, o Barcelona de Guardiola ou o de Luiz Henrique.

Tostão tirou minhas dúvidas. Apesar da resposta não ser objetiva, é uma AULA de quem viveu dentro das 4 linhas e entende muito do assunto. Abaixo, extraído de Folha.com, (de 2015):

ENCONTROS E REENCONTROS

Aconteceu o mais provável. O Barcelona ganhou, com facilidade, do River Plate. A diferença entre os maiores da Europa, ainda mais o Barcelona, e os melhores sul-americanos é enorme.

Um leitor me perguntou quem é melhor, a seleção brasileira de 1970 ou o Barcelona? Não sei. Tentei comparar e desisti. O futebol mudou muito, embora existam semelhanças entre os dois times. Jogam no mesmo sistema tático, com quatro defensores, três no meio-campo e três atacantes (4-3-3).

As duas equipes têm apenas um volante, além de um armador de cada lado, e não possuem o clássico meia de ligação, uma tendência mundial. A maioria dos atuais times joga com dois volantes, três meias, sendo um centralizado e próximo ao centroavante (4-2-3-1). O que é mais moderno já existia 45 anos atrás.

Na prancheta, o sistema tático é o mesmo, mas o Barcelona é mais bem dividido em campo. O armador mais marcador e mais recuado, Busquets, joga pelo centro, com Rakitic de um lado e Iniesta de outro.

Na seleção de 1970, quando o time perdia a bola, Gerson, o mais organizador, era o armador central. Clodoaldo, o mais marcador e mais recuado, atuava de um lado, e Rivellino, de outro. Gerson e Rivellino tinham as mesmas funções de Rakitic e de Iniesta, de marcar e de avançar.

Independentemente do desenho tático, o Barcelona, assim como o Real Madrid, o Corinthians e outras equipes, joga com apenas um volante, um centroavante e mais quatro jogadores entre eles, que atuam de uma intermediária à outra. Marcam e atacam com cinco, além do avanço dos laterais. Na seleção de 1970, um time revolucionário, não havia nem o centroavante fixo.

O Barcelona possui características marcantes. Uma é marcar por pressão e recuperar a bola onde a perdeu. Outra é trocar passes desde o goleiro, mesmo se o adversário avançar a marcação. Raramente, dá chutões ou cruza a bola na área, para contar com a sorte. Para isso, é preciso muito talento individual e também treinamentos.

Quando vejo o Barcelona trocar passes, lembro-me do Santos de Pelé, que fazia o mesmo, cadenciava a partida, parecia lento e, de repente, acelerava até fazer o gol.

Durante muito tempo, o Brasil dividiu o meio-campo entre os volantes que marcavam e um único meia, responsável por toda a armação das jogadas. Desapareceram os meio-campistas, como Gerson, Rivellino, Rakitic, Iniesta e outros. Sem armadores habilidosos para sair com a bola, passaram a predominar os chutões. Foi um longo atraso em nosso futebol.

O Santos de Pelé, a seleção inglesa de 1966, a brasileira de 1970, a holandesa de 1974 e o Barcelona, base da seleção da Espanha nas conquistas do Mundial de 2010 e das Eurocopas de 2008 e 2012, revolucionaram o futebol, porque atuaram de maneira diferente do habitual da época e porque influenciaram transformações no estilo de se jogar em todo o mundo. Houve outros excepcionais times, mas não com a mesma importância.

Resultado de imagem para seleção de 70

– O nosso belo domingo começa a acontecer!

Para viver, tem que estar vivo – logicamente. Então vamos fazer o domingo valer a pena?

Como de costume, bem cedinho, fui suar a camisa. O clique motivacional do indispensável cooper:

Imagem

Durante a atividade física, pensando nas coisas do Alto e adorando em coração o Cristo Eucarístico, vivo e presente em todos os sacrários da face da Terra

O clique meditacional de fé (clicado ontem na Capela do Santíssimo Sacramento da Comunidade São Paulo, do Bairro do Paiol Velho, em Jundiaí):

Imagem

Depois de correr, é ótimo alongar entre as flores do jardim.

Contemplando nossa rosa tão vibrante neste clique tão belo:

Imagem

Por fim, espairecendo e admirando no horizonte o amanhecer.

Inspirando neste clique derradeiro, abaixo:

Imagem

Ótimo dia a todos nós!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby