– Jundiaí, cidade da Grande São Paulo? Não, Revista Veja…

A Veja SP da última semana retratou o quão tem surgido start-ups na cidade de São Paulo, e citou várias empresas que se tornaram “unicórnios” (termo que designa o negócio que ultrapassou valor de mercado em 1 bilhão de reais).

Dentre essas iniciativas, é citada a da criação do iFood, por Fabrício Bloisi, para a entrega rápida de comida. Na matéria, se diz que tudo começou em um prédio comercial com apenas 10 funcionários na cidade de Jundiaí, na Grande Sao Paulo!

Ôpa! Quer deixar um morador do município de Salto irritado, é perguntar-lhe se ele é de “Salto de Itu”. Também o pessoal de Aparecida-SP não gosta muito que se chame a cidade-santuário de “Aparecida do Norte”. Da mesma forma, é irritante um jundiaiense ouvir falar que a cidade pertence à “Região de Campinas” ou “Grande SP”. Jundiaí é a pujante cidade do Aglomerado Urbano, que lidera o bloco que compreende outros tantos municípios.

Que a Editora Abril está “mal das pernas” e em grave crise financeira, é sabido. Mas custa dar uma revisada melhor nos textos? Aliás, nessa mesma revista o super-herói Shazam foi citado como personagem da Marvel (não, é da DC Comics).

Cadê o redator-chefe?

Imagem relacionada

– Uma foto com o Papai Noel e a Revolta dos bebês!

Olhe só esse bate-papo entre as crianças, na tentativa de fotografar com o Papai Noel. Minha filha Estela e meu sobrinho Miguel forçosamente foram visitar o shopping e acabaram se revoltando.

Traduzindo do “nenenês”:

  • Miguel (olhando para sua prima Estela): Prima, que mico! Eu não quero tirar foto com esses velhinhos!
  • Estela (inquieta): Nem eu, é a tia Pipa e meu Papi que querem. Eu queria estar no pula-pula do Parquinho!
  • Miguel: É mesmo, olha a cara dos dois. Eles dizem para os outros que a foto é nossa, mas são eles que estão dando risada.
  • Estela: E acham que a gente troca sorvete por foto.
  • Miguel: Pois é. Revoltante.
  • Estela: Da próxima a gente estoura a fralda e faz xixi neles, primo.

Claro que é brincadeira, mas que os adultos é que querem forçar a foto das crianças, ô se é!