– Ser Político ou Apolítico?

Sempre aprendi que a política é a arte de se relacionar. Entretanto, a má prática vira politicagem.

Neste mundo difícil, não devemos ser apolíticos. Podemos ser apartidários, mas não alienados. Gosto desse pensamento:

A política perfeita é um ato de amor ao próximo; não basta viver, é necessário conviver e participar.”

Santo Agostinho, Doutor da Igreja.

Perfeito.

bomba.jpg

Anúncios

– A Operação Game Over continua na ativa!

Que coisa, hein? Quer dizer que apostadores de resultados em jogos de futebol (vindos da Malásia e da Indonésia) queriam até mesmo adquirir um clube para fazer suas artimanhas no Brasil?

Tudo isso já foi descoberto pela Operação “Game Over”, que desde 2015 investiga a manipulação de resultados e que nesta semana trouxe mais novidades.

Sabe-se, agora, que a ideia dos criminosos era de comprar um time em dificuldade financeira. Enquanto isso, a apuração do esquema que envolvia clubes da A2, A3, Segunda Divisão Paulista e Sub 20 em São Paulo, além de outros do Interior do Nordeste, continua tendo desdobramentos até hoje.

No inquérito de mais de 700 páginas, revelou-se que foi oferecido R$ 10.000,00 ao Tupã para perder de 4×0 para o Barretos, pela A3. Ao São José, foi oferecido R$ 50.000,00 para perder de 3×0 para o Corinthians no Sub20. Para um time da A2 (não revelado no inquérito, a proposta foi de US$ 30,000.00). E Márcio Orelha, um dos ex-jogadores envolvidos, afirma que nunca tentaram nada com clubes da A1 devido a visibilidade.

A certeza é: uma derrota por goleada em casa do Atlético Sorocaba frente o Santo André há 3 anos pela Categoria de Jrs, fazia parte da armação, pois o cheque das taxas de arbitragem foi pago por um dos membros da quadrilha

Imprudência ou confiança de que nada aconteceria?

Outras informações do inquérito, cujo julgamento retomou nesta 4ª feira dia 28/11/2018, abaixo,

extraído de: https://globoesporte.globo.com/blogs/bastidores-fc/post/2018/11/28/manipulacao-no-futebol-cheque-de-lider-de-quadrilha-pagou-arbitragem-de-jogo-sub-20-em-sp.ghtml

MANIPULAÇÃO NO FUTEBOL: CHEQUE DE LÍDER DE QUADRILHA PAGOU ARBITRAGEM DE JOGO SUB-20 EM SP

Árbitro relatou informação em súmula de partida que iniciou investigação em 2015; julgamento do caso é retomado nesta quarta

Por Leonardo Lourenço

Um cheque do homem que é apontado pelo Ministério Público como líder de uma quadrilha que manipulava resultados no futebol foi utilizado para pagar a taxa de arbitragem de uma partida do Paulista sub-20, em 2015 – um encargo que geralmente cabe ao clube mandante do jogo.

A goleada do Santo André sobre o Atlético Sorocaba por 9 a 0 foi o estopim de uma investigação que identificou um grupo que fraudava os placares para beneficiar apostadores asiáticos. Treze pessoas foram denunciadas em 2016, e o julgamento, que começou em dezembro do ano passado, foi retomado nesta quarta-feira, em São Paulo. A sentença será conhecida em 2019.

Anderson Silva Rodrigues é acusado de liderar a quadrilha no Brasil sob ordens de dois homens da Malásia. Foi com um cheque dele que o Atlético Sorocaba, mandante daquele duelo, pagou R$ 1.361 à equipe de arbitragem que atuou na partida. A informação, com nome e CPF do titular da conta, está na súmula do jogo.

Ao GloboEsporte.com, em contato realizado por meio de seu advogado, Rodrigues negou “categoricamente” ter emitido qualquer cheque como o citado. Um dirigente do Atlético Sorocaba afirmou não conhecer Rodrigues.

A incomum goleada no estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, gerou um alerta de uma empresa austríaca de monitoramento de indícios de fraude no futebol entregue ao Ministério Público de São Paulo e à Federação Paulista de Futebol (FPF) – um inquérito foi aberto em seguida pela Polícia Civil para investigar o caso.

À época, os investigadores grampearam o árbitro do jogo, Carlos Eduardo Gomes, seis dirigentes do Santo André e outros quatro do Atlético Sorocaba, clube que está licenciado na FPF desde o ano passado. As escutas não produziram provas suficientes, o que esfriou o caso.

A apuração só ganhou força novamente quando, cerca de dois meses depois, dirigentes do Tupã e do São José, ambos do interior paulista, apresentaram denúncia à FPF. Nela estavam mensagens enviadas por Anderson Silva Rodrigues e outros membros da organização em que ofereciam dinheiro para que jogos desses clubes fossem manipulados. 

A partir daí, a polícia iniciou nova série de interceptações telefônicas em que foi possível identificar 11 dos acusados – além deles, os dois malaios, que nunca foram encontrados, tornaram-se réus em 2016 após serem citados em delação premiada de um ex-atleta, Márcio de Souza, envolvido nos crimes.

RELAÇÃO COM O ATLÉTICO SOROCABA

Apesar disso, os investigadores nunca conseguiram demonstrar a participação do grupo no jogo entre Atlético Sorocaba e Santo André. A ligação entre Anderson, o líder da organização, e a partida, porém, esteve sempre à disposição, na súmula do confronto, publicada desde então no site da FPF.

A informação consta no espaço para o relato de “ocorrências/observações”, e a descrição é do árbitro Carlos Eduardo Gomes:

– Informo ainda que a taxa de arbitragem foi paga com cheque único. Cheque: Banco Itaú Agência: 8794 Conta Corrente: 30176-5 N. do Cheque: SA-000099 Nome: Anderson Silva Rodrigues CPF: 036.093.517-64 no valor de R$ 1.361,00.

Trata-se do mesmo Anderson Silva Rodrigues acusado de fraudar resultados, de acordo com pedido de prisão feito pela Polícia Civil, onde aparece o mesmo CPF registrado na súmula.

– Não faço a mínima ideia de quem seja (Anderson) – disse Gomes aoGloboEsporte.com. O árbitro é testemunha de acusação no processo em andamento no Juizado do Torcedor de São Paulo.

Em depoimento, em dezembro do ano passado, o árbitro declarou não ter percebido “nada de anormal”. Em um momento, o juiz pede que ele olhe aos réus, presentes na sala de audiência, e responda se reconhece algum deles. Ele diz que não.

À reportagem, Gomes afirmou que recebeu o pagamento do clube mandante, como é praxe – geralmente, porém, os valores são entregues em dinheiro e repartidos entre árbitro e auxiliares no vestiário.

Gomes contou que relatou o pagamento em cheque na súmula por orientação da FPF e do Sindicato dos Árbitros, que é quem recebe o cheque nesses casos e depois repassa os valores aos árbitros.

– O sindicato verifica se tem fundo, (depois) deposita na conta de cada um.

Situação semelhante ocorreu no jogo anterior do Atlético Sorocaba como mandante, contra o São Caetano. Nesta partida, o cheque que pagou a taxa de arbitragem era de Adilson Moura Damasceno, que não é investigado.

Segundo pessoas que atuavam na comissão técnica da equipe na época, Damasceno era gerente das categorias de base, que era terceirizada. De acordo com esses profissionais, ele dividia essa responsabilidade com Francisco Jamison Gonçalves, um dos alvos da Game Over, como foi chamada a operação, que também é réu no processo – ele é acusado de aliciar atletas para o esquema.

Nesta quarta, após audiência em São Paulo, Gonçalves disse não ter conhecimento sobre o cheque, e que não manteve qualquer relação com Anderson Rodrigues.

No jogo contra o Santo André, Damasceno aparece como auxiliar-técnico do Atlético Sorocaba no relatório da partida – até então, não tinha sido relacionado em nenhuma das súmulas das 20 rodadas anteriores do Paulista sub-20 daquele ano.

No duelo seguinte, outra goleada de 9 a 0, esta sofrida para o São Paulo, em Cotia, Damasceno assina como técnico no lugar de Julimar José Francisco, expulso no confronto sob investigação.

A reportagem tentou contato com Damasceno e Gonçalves, mas eles não foram encontrados.

Vice-presidente executivo do Atlético Sorocaba em 2015, José Rodrigues dos Santos afirmou não ter conhecimento da utilização de um cheque de Anderson Silva Rodrigues para o pagamento da taxa de arbitragem do jogo contra o Santo André:

– É a primeira vez que ouço falar dessa pessoa. Acho estranho (o pagamento da taxa de arbitragem com cheques), normalmente é pago com dinheiro. Para mim é uma novidade – disse ele, questionado pelo GloboEsporte.com.

Anderson Rodrigues se manifestou por meio do advogado de defesa. Em mensagem enviada à reportagem, Marcelo Branco afirmou que o cliente “negou categoricamente de ter emitido um cheque para qualquer pessoa envolvida nesse processo” e que “com certeza esse suposto cheque não existe; se existir, não é de sua titularidade”.

Anderson nunca foi preso pelas fraudes. Quando a operação foi deflagrada, em julho de 2016, ele não foi encontrado. Manteve-se foragido até fazer acordo de delação premiada em que admitiu a intenção do grupo de arrendar um clubepara facilitar os esquemas de manipulação. Ele responde em liberdade.

TÉCNICO BARRADO NO VESTIÁRIO

Ouvido em maio como testemunha durante o processo, o técnico Julimar José Francisco, que comandava o Atlético Sorocaba naquela partida, relatou em depoimento que foi impedido de entrar no vestiário do time no intervalo e que forçou uma expulsão no começo do segundo tempo para não fazer parte do que ele classificou como um jogo “estranho”.

À Justiça, Julimar lembrou que teve que escalar um time formado majoritariamente por atletas do sub-17, já que os jogadores sub-20 tinham sido dispensados às vésperas do confronto com o Santo André – o Atlético Sorocaba já não tinha mais chances de classificação.

O primeiro tempo daquele jogo terminou com uma insuspeita derrota parcial de 1 a 0. Ao deixar o campo após o final da etapa inicial, Julimar contou ter sido surpreendido:

– Chegou o intervalo do jogo, nós estávamos perdendo de 1 a 0, não deixaram nem eu entrar no vestiário. “Pode deixar que agora a gente toma conta”, (disse) o pessoal que coordenava lá – relembrou, sem citar nomes.

– Aí entraram no vestiário, conversaram com os jogadores. (Pensei:) “Eu não vou voltar para esse jogo, tem coisa errada nesse jogo” – completou.

Julimar afirmou que ainda no intervalo procurou o árbitro Carlos Eduardo Gomes e pediu para ele lhe expulsasse, o que teria sido negado pelo juiz. A súmula aponta que o treinador foi excluído do jogo aos seis minutos do segundo tempo ao chamar Gomes de “safado”.

O árbitro disse não se lembrar do pedido de Julimar:

– Não (me lembro). No comecinho do segundo tempo ele me xingou, cheguei até ele, pedi para se acalmar. Eu virei, ele continuou me xingando, eu o expulsei.

Procurado pela reportagem, Julimar se recusou a dar novas declarações:

– O que eu falei, falei na Justiça. Não quero comentar.

Além do técnico, outros três jogadores do Atlético Sorocaba foram expulsos no segundo tempo do jogo contra o Santo André, quando a equipe sofreu mais oito gols.

O Ministério Público de São Paulo denunciou 13 pessoas, inclusive dois malaios, por organização criminosa e por tentativa e fraude de resultados de partidas de futebol.

A quadrilha é acusada de atuar em torneios de menor visibilidade, como as categorias inferiores de São Paulo e em estaduais como os do Ceará e Rio Grande do Norte. Todos respondem ao processo em liberdade; os estrangeiros nunca foram encontrados.

bomba.jpg
Organograma da quadrilha que adulterou resultados no futebol para favorecer apostadores asiáticos operação Game Over — Foto: Reprodução

– Viciados por Redes Sociais?

A Revista Saúde trouxe uma interessante matéria sobre como as Redes Sociais podem fazer mal, principalmente “entristecendo a vida” das pessoas.

Duvida?

Veja, extraído de Revista Saúde é Vital, ed Out/13, pg 90

UM EFEITO COLATERAL DAS REDES SOCIAIS

Por Theo Ruprecht

Entre mais de 500 milhões de internautas interagindo no Facebook, 82 participaram de um estudo da Universidade de Michigan, sobre participam em Redes Sociais. Os cientistas descobriram que os momentos de menor satisfação com a vida coincidiam com os de maior número de visitas às páginas do Facebook. Por outro lado, quando conversavam com amigos pessoalmente ou por telefone, dificilmente as pessoas apresentavam melancolia.

“Em uma primeira análise, o site em questão parece ser um meio valioso de atender à necessidade humana por conexões sociais” afirma o psicólogo Ethan Kross, autor do trabalho. “Mas nossos achados sugerem que, em vez de aumentar o bem-estar, ele pode, na verdade, diminuí-lo”, conclui. Para não sabotar a própria alegria, melhor maneirar no tempo dedicado às redes sociais.

Na Noruega, a Universidade de Bergen detecta o vício pelo Facebook através do seguinte questionário:

  • 1- Você gasta muito tempo pensando no Facebook?
  • 2- Sente anseio de visitá-lo?
  • 3- Utiliza-o com o objetivo de esquecer seus problemas pessoais?
  • 4- Tentou, sem sucesso, controlar o uso do Facebook?
  • 5- Fica agitado ou preocupado se não consegue acessá-lo?
  • 6- Usa tanto que isso impacta no trabalho ou nos estudos?

Resultado de imagem para viciados em Internet

– Mais Filhos, mais Felicidade!

Pesquisa mostra: Mais filhos trazem mais felicidade!

Extraído de Revista Época, Ed 26/09, pg 86-87

MAIS FILHOS TRAZEM MAIS FELICIDADE?

Dois pesquisadores encontraram uma raridade estatística: índices de bem-estar que crescem junto com o número de crianças numa sociedade.

Por Daniella Cornachione

A relação tradicional entre a qualidade de vida de um país e o número de filhos em suas famílias é bem conhecida: em geral, vivem melhor as sociedades que têm menos crianças. A média de filhos por mulher cai conforme avança o desenvolvimento econômico de uma nação. Nessas sociedades, cidadãos mais bem educados levam em conta as responsabilidades e os custos de criar cada filho. As mulheres se preocupam mais com a carreira, decidem com autonomia, têm acesso difundido à informação e a métodos contraceptivos. Os empregos migram para as cidades, e os filhos deixam de ser vistos como mão de obra necessária, como ocorre com as famílias pobres no campo. Por isso, as maiores taxas de fecundidade do mundo estão em países paupérrimos na África, como Níger e Congo. Mas um estudo feito em uma das melhores escolas de negócios do mundo, a espanhola Iese, parece finalmente ter encontrado o papel dos bebês como geradores de felicidade.

A pesquisa foi organizada pelo engenheiro Franz Heukamp, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e pelo matemático Miguel Ariño, da Universidade de Barcelona. O objetivo era encontrar as características não econômicas de cada país que pudessem explicar o fato de as pessoas se dizerem mais ou menos satisfeitas com a vida. Ariño e Heukamp cruzaram dois grupos de informações. O primeiro é de questionários sobre bem-estar subjetivo, combinados com características pessoais como estado civil, idade e gênero. Os dados são da Pesquisa Mundial de Valores, do Unicef, de 1981 a 2004, com informações de 100 mil pessoas de 64 países. O segundo grupo inclui indicadores sociais e econômicos, entre eles natalidade, inflação e PIB.

Eles perceberam que, entre sociedades com o mesmo nível de desenvolvimento econômico, o bem-estar tende a ser maior naquelas com menor nível de corrupção e naquelas em que a religião mais difundida não é o islamismo (atualmente associado, em muitos países pobres, à falta de liberdade política e religiosa). E encontraram também uma tendência, entre países desenvolvidos, de haver maior nível de satisfação onde há taxas de fecundidade superiores. Dinamarqueses e holandeses se dizem mais felizes do que alemães e japoneses, que desfrutam os mesmos confortos materiais. “Baixas taxas de natalidade sempre estiveram associadas a alto nível de desenvolvimento. Mas também podem significar egoísmo em uma sociedade, e isso afeta o bem-estar”, afirma Ariño.

A conclusão de que maior natalidade traz maiores chances de bem-estar deve ser vista com cuidado, já que outras variáveis não contempladas no estudo poderiam influir no resultado. Mas incluir a natalidade como fator de bem-estar coletivo é uma abordagem nova e promissora para a economia da felicidade, um campo que mistura psicologia e economia. Seu precursor é John Helliwell, professor da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá. O palpite dele para explicar a conclusão do estudo é que quando um país sofre privações de alguma ordem, mesmo que seja desenvolvido, a sensação de bem-estar subjetiva cai e acelera a redução da taxa de natalidade. “As conclusões desse tipo de estudo não encontram, necessariamente, uma relação de causalidade direta. Nosso desafio é entender o que causa o quê”, afirma o economista Alois Stutzer, coautor do livro Economics & hapiness (Economia & felicidade). “Quando o filho nasce, mesmo que não tenha sido planejado, as pessoas tendem a racionalizar como algo bom. Já ter menos filhos do que se gostaria pode causar a sensação de infelicidade”, diz o demógrafo do IBGE José Eustáquio Alves.

Nas últimas décadas, a fecundidade caiu tanto na Europa que se tornou um problema. Em muitos países, como França, Holanda, Dinamarca e Reino Unido, existem políticas de incentivo à natalidade. O governo oferece benefícios à família e à criança, às vezes até a idade adulta. Mesmo assim, os casais europeus, na média, têm bem menos de dois filhos, um fenômeno que os demógrafos chamam de fecundidade indesejada por falta, quando a mulher tem menos filhos do que gostaria. A demografia diz que a “taxa de reposição” de uma população tem de ser, em média, de 2,1 filhos por mulher, para que não desapareça em algumas centenas de anos. Também há prejuízo econômico em ter mais idosos aposentados do que jovens trabalhando.

Há alguns sinais de reação a essa tendência. As taxas de fecundidade de alguns países estão estabilizadas ou cresceram. Um deles é a Dinamarca, que pertence ao grupo de países mais felizes, de acordo com o estudo. “Até 1985, cada dinamarquesa tinha durante a vida, em média, 1,4 filho. O número foi para 1,8 em 2010”, afirma o demógrafo Ralph Hakkert, consultor da ONU. “Na Suécia, a taxa de fecundidade era de 1,5 entre 1995 e 2000 e foi para 1,9 em 2010. É uma evolução importante.” A explicação pode estar na mudança do estilo de vida das europeias, segundo Hakkert. Nos anos 1980, elas estavam em plena disputa por espaço no mercado de trabalho. Como os países nórdicos avançaram rapidamente em oferecer oportunidades iguais, mais mulheres podem voltar a pensar em ser mãe e manter a vida profissional. Ainda não se pode dizer que seja uma tendência global, mas trata-se de uma mudança promissora – e bem simpática.

Resultado de imagem para Filhos

– Estamos no Tempo do Advento. Como está sua relação com Deus?

Estamos no Tempo do Advento, que significa: “espera por aquele que há de vir”!

É uma espécie de “ano novo litúrgico” para os católicos, tempo de aguardar o Natal do Senhor Jesus. Época de esperança, de fé, de conversão.

Há 1600 anos aproximadamente, num primeiro domingo do advento como esse, um jovem chamado Agostinho, após ouvir a leitura de Romanos 13, 11-14 (que é a mesma hoje), convertia-se. E desregrado cidadão passa a ser um grande santo, doutor da Igreja: Santo Agostinho!

A Leitura é essa (Carta de São Paulo aos Romanos):

“Irmãos: Vós sabeis em que tempo estamos, pois já é hora de despertar. Com efeito, agora a salvação está mais perto de nós do que quando abraçamos a fé. A noite já vai adiantada, o dia vem chegando: despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da luz. Procedamos honestamente, como em pleno dia; nada de glutonerias e bebedeiras, nem de orgias sexuais e imoralidades, nem de brigas e rivalidades. Pelo contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo.”

E nós, estamos prontos para a conversão nesse belo tempo litúrgico?

kjbsduf.jpeg