– Análise da Arbitragem de São Paulo 1×0 Liverpool

Calma, você não voltou ao tempo. É que nesta sexta-feira teremos o jogo de despedida de Rogério Ceni, um dos últimos jogadores a labutar por décadas em uma mesma equipe.

Sabe qual a curiosidade inusitada? O árbitro será o mexicano Benito Arcundia, o mesmo da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2005 e que arbitrou São Paulo 1×0 Liverpool.

Detalhe: o árbitro não foi bem naquela partida. Ele não deu um pênalti claro no lateral esquerdo Júnior, prejudicando os brasileiros; na sequência da jogada, armou-se um contra-ataque e Lugano quase quebrou as pernas de Gerard com um carrinho violento e certeiro, não sendo expulso e prejudicando os ingleses. Na época, Rafa Benítez, que era técnico do Liverpool (e que posteriormente perdeu outro Mundial Interclubes, para o Corinthians quando trabalhava no Chelsea) o criticou demais, creditando (injustamente) a derrota ao árbitro mexicano.

O interessante é que Benito Arcundia nem iria participar daquele mundial! Ele entrou na última hora como representante da Concacaf pois o guatemalteco que havia sido indicado lesionou o joelho.

Quem deveria ser convidado, o “bom do jogo” foi o bandeira Arturo Velazquez, que anulou corretamente 3 gols do Liverpool: 1 impedimento fácil, outro dificílimo e o outro por falta de Morientes quando ele tentava fazer a defesa.

bomba.jpg

Anúncios

– Quem seria a sua personalidade do ano de 2015?

A chanceler alemã Ângela Merkel foi eleita pela importante Revista Time como a personalidade do ano em 2015.

Justo. Como exemplo de liderança e serenidade na Europa, em especial ao acolher refugiados sírios (um contraposto magnífico se imaginar o que Hitler fez na própria Alemanha dos anos 40/50, com o propósito de tornar o país exclusivo aos natos).

E aqui no Brasil, quem seria a personalidade do ano?

Para mim, sem vacilar: Sérgio Moro!

– As 10 camisas de futebol mais vendidas do mundo

Segundo o jornal inglês Daily Express, as 10 camisas mais vendidas do mundo até o mês passado (novembro) eram:

1o Lionel Messi (Barcelona),

2o Cristiano Ronaldo (Real Madrid),

3o Memphis Depay (Manchester United),

4o Scweinsteiger (Manchester United),

5o Hazard (Chelsea),

6o Wayne Rooney (Manchester United),

7o Neymar (Barcelona),

8o Aguero (Manchester City),

9o Alexis Sanches (Arsenal),

10O Philippe Coutinho (Liverpool).

Repare que só temos dois jogadores brasileiros, nenhuma camisa de Seleção Nacional e predominantemente são equipes da Espanha e Inglaterra.

Motivo: Os campeonatos de lá são os mais assistidos no mundo, e a Inglaterra vende mais pois predomina disparadamente no mercado asiático, sendo a Premier League o torneio mais popular da maioria dos países daquele continente.

E se Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar se transferirem para a Terra da Rainha? Imaginaram o “boom” de vendas?

Aqui no Brasil, não precisa fazer pesquisa para saber: cada vez mais as equipes estrangeiras estão vestindo nossas crianças. Vide a quantidade de camisas do Barcelona, Chelsea e demais que vemos nas ruas…

bomba.jpg