– Futebol ou Desenho?

Eu até queria assistir o #FlaFluNoSBT, mas essa mocinha quer muito a #Moana (assistiremos pela 1.937.452 vez)…

Tudo bem, esse sorriso me conquista sempre!

Imagem

– Fique atento às Mudanças das Regras do Futebol e as orientações aos Árbitros para o Campeonato Brasileiro 2020

No último dia 08, participei do Webinar da CBF sobre as alterações das regras e a linha de trabalho que será adotada para o próximo Brasileirão. Foram 4 horas intensas de muita conversa com Leonardo Gaciba e Alício Pena Jr, da Comissão de Arbitragem.
Vamos lá:

ALTERAÇÕES DAS REGRAS DO JOGO

Já escrevemos sobre elas quando do anúncio, mas fica o lembrete das mesmas, de uma forma bem didática:

1. Avanço do goleiro em cobrança de pênalti.
A partir de agora, se o goleiro se adiantar e defender um tiro penal, volta-se a cobrança e não se aplica o cartão amarelo. Se numa 2ª cobrança (sendo a repetição desta que ele infringiu ou em um outro pênalti durante o jogo) ele avançar novamente, receberá o cartão amarelo. E, numa 3ª cobrança (ou repetição de algumas destas anteriores) existir novo avanço, receberá o 2º cartão amarelo e consequentemente o cartão vermelho.
Uma novidade: se a partida for decidida por cobrança de pênaltis, os cartões recebidos pelo goleiro por se adiantar em pênaltis são zerados no jogo, e uma nova contagem se faz durante a decisão por tiros penais. Mas atenção: os recebidos no tempo normal e neste momento de cobranças são contados integralmente para a suspensão automática em partidas futuras.

2. Mão deliberada do defensor tira atacante do impedimento.
Sabemos que se a bola for lançada por um atacante a seu companheiro que está em condição de impedimento e ela for tocada por um defensor que tenta disputá-la, esse toque, desde alguns anos, passou a dar condição para o outrora impedido. A partir de agora, se esse toque for com a mão (já que sabemos que não se pode jogar com a mão), também habilitará o atacante.

3. O que é braço / mão? De onde até onde se define isso?
Ficou até mesmo irônico para alguns, mas a FIFA definiu que braço / mão compreende o que não for ombro, e para defini-lo, deve-se levar em conta que “o limite do ombro até o braço ficará definido como a parte inferior da axila”. Ou seja: o braço/ mão na bola será considerado na região desnudada da manga da camisa.

4. Punição à mão de atacante em imediatez do gol.
Antes, “mão na bola” independia de ataque ou defesa, levando em conta apenas a intenção ou não. Anos atrás, acrescentou-se a orientação de verificar o movimento antinatural, que significa tirar proveito de um uso não convencional dos braços. Em 2019/ 2020, a mão do atacante em jogada de ataque passou a ser punida indistintamente como infração (mesmo que involuntária). A partir de 2020/2021, voltamos à condição anterior, diferenciando a situação de uma bola que bater na mão do atacante e dela sair o gol (do próprio atleta – em que a bola mesmo que acidentalmente bater – ou de um companheiro que se aproveite disso). A CBF reforça que os árbitros estão orientados a avaliar a IMEDIATEZ da mão, pois se criar um outro lance, já não se deve punir.

5. Toque de mão do goleiro depois do tiro de meta.
Elucidou-se que, se o goleiro cobrar o tiro de meta e voltar a tocar na bola, marca-se um tiro livre indireto e aplica-se o cartão amarelo (já que anteriormente a bola deveria sair da área para entrar em jogo e isso já deixou de existir há algum tempo).

6. Advertência no Bola ao Chão para reinício da partida.
Com o advento de bola ao chão para “devolver a bola para quem já tinha a posse dela”, feito de maneira mais recente na Regra, exigiu-se uma distância de 4 metros. Agora, quem não respeitar essa distância e interferir no reinício (tanto companheiro quanto adversário) deve receber o cartão amarelo e o bola ao chão será repetido.

7. Ataque promissor com vantagem e retomada de ataque, dispensa advertência.
Se existe um ataque promissor e o árbitro marca a falta, mas antes de aplicar o cartão amarelo ela é cobrada rapidamente (ou seja: houve a vantagem), e voltando a existir um ataque promissor, NÃO SE DEVE DAR O CARTÃO assim que a bola parar, pois voltou a existir um ataque promissor (a não ser que a natureza da falta exija uma punição, como um lance violento).

8. Avanço do goleiro com erro do atacante.
Se numa cobrança de pênalti o goleiro cometer uma infração, mas o cobrador cobrar tão mal o chute que for perceptível que um avanço do goleiro em nada interferiu, não voltará mais a cobrança nem advertirá o goleiro.

9. Em lances de dupla infração (atacante e goleiro) no tiro penal.
Se um goleiro se adiantar para a cobrança do pênalti, porém o batedor praticou uma paradinha, se punirá a 1ª infração (a paradinha), marcando tiro livre direto para a defesa a partir do ponto penal e dando cartão amarelo ao cobrador. Isso (do atacante ser punido) já existia, mas passou a valer também com infração simultânea do goleiro.

10. Avaliação de agarrões.
Só será punido o atleta que segurar um adversário e esse agarrão tiver real influência na jogada. Segurar a camisa por si só não será considerado infração (portanto, o atacante parar de correr deliberadamente porque foi agarrado não vai adiantar mais). Deve existir impacto sobre o agarrado.

11. A substituição de 5 atletas em 3 momentos da partida.
Poderá ser efetuada a troca de até 5 jogadores no intervalo e em 3 paralisações da partida para cada equipe, por conta da pandemia. Vale como alteração TEMPORÁRIA da Regra.

OUTRAS ORIENTAÇÕES

1. O VAR, para lances ofensivos de cartão vermelho, não levará em conta o áudio, mas apenas o gesto / imagem. O que foi dito cabe ao árbitro interpretar.

2. Diferente do que muitos pensam, o VAR pode sim interferir em situações de interpretação, DESDE que exista uma imagem muito interessante e que julgue que o árbitro não a viu.

3. Reforça-se o uso do VAR para a validação de gols, tiros penais, cartões vermelhos e identificação de jogadores.

4. Em comemorações de gol, levantar a camisa e encobrir o rosto é para cartão amarelo (fica o lembrete), mas gestos pejorativos relevantes para uma situação devem ser punidos (por exemplo, se um atleta do Atlético Mineiro imitar um Galo, é uma auto-referência ao seu mascote, algo bom, não se pune; mas se fosse na Argentina e por parte de um jogador do Boca, se pune pois é ofensivo ao River Plate).

5. Não se deve ir às arquibancadas comemorar o gol, pois receberá o cartão amarelo por ir á torcida e incitar o público. Mas em jogos sem torcida, não há sentido em se punir.

6. Usar a mão na bola não é necessariamente lance para cartão amarelo. Deve-se avaliar a ação de bloqueio ou de disputa com o seu uso.

7. Se um jogador marcar um gol de mão e estando impedido, pune-se a mais grave (a tentativa de ludibriar a arbitragem com um gol de mão, aplicando o cartão amarelo).

8. Mão que esteja em frente do corpo e que não tenha influência nenhuma na jogada, obviamente não é infração (assim como as mãos de proteção ao rosto / partes íntimas).

9. Nas disputas de bola, o árbitro deve levar em conta se o atleta que atingir um adversário poderia ter “suavizado” na disputa e também verificar onde atingiu (barriga, pé, cabeça). Avaliar o ímpeto, a velocidade e onde impactou serão determinantes para marcar falta sem cartão, com cartão amarelo ou cartão vermelho.

10. Acabar com o uso do braço no rosto do adversário (isso é uma bandeira da FIFA). Os árbitros deverão verificar se a mão contra a cabeça foi um empurrão (cartão amarelo como punição) ou um golpe (vermelho direto).

ab7e2140-f505-4e1e-8d57-71194993dac7.jfif

– David Luiz + Thiago Silva = Naufrágio?

Há 6 anos, a FF trouxe na sua capa esta marcante montagem… vale refletir sobre ela!

A France Football é uma importante publicação mundial. E na sua última capa, retrata os 2 zagueiros titulares da Seleção Brasileira e do PSG.

Nem precisa de tradução... Veja a imagem:

de34d5cf-4233-3b29-9311-150eec42a455.jpg.gif

– Publicações descuidadas nas redes sociais

Cada vez mais as Redes Sociais podem trazer constrangimentos, saias-justas ou problemas diversos de quem não toma cuidado com elas.

Quer exemplos?

Dias atrás, a grande impressa publicou que o INSS cortou o benefício para uma pessoa afastada do trabalho por se sentir depressiva. Peritos entraram no Facebook dela e encontraram fotos de confraternizações, passeios e legendas como “não me agüento de tanta felicidade. Sendo assim, perceberam que a depressão não era mais um problema (ou nunca tinha sido).

Para a contratação de funcionários, além da obviedade do LinkedIn, selecionadores acabam por “fuçar” a vida do candidato em outros canais. Publicações em situações constrangedoras, fotos marcadas com imagens que demonstram bebedeiras, retuítes de mensagens de apologia a causas polêmicasTudo isso é levado em conta na hora da contratação. 

E o que dizer de bate-papos abertos e descuidados? Dias desses presenciei uma pessoa fazendo publicidade de seu negócio e nos comentários a cobrança de alguém: que bom que te encontrei nessa comunidade, você não atende minhas ligações, pague o que me deve pois preciso receber essa dívida“.

Talvez a mais complicada das publicações são as de ostentação! Claro, ninguém tem o direito de criticar o que o outro tem, mas o exibicionismo e a vaidade tornam-se perigosos em dias de tamanha insegurança.

E os desabafos? E as brigas de casais? E as alfinetadas em quem não se gosta?

Instagram, Twitter, Facebook, Google Plus… Tudo isso é muito legal, desde que use com parcimônia e no devido limite de tempo. 

Aliás, perceberam quanto tempo a gente gasta nelas? De maneira produtiva/construtiva, de entretenimento ou desperdiçada?

Vale a reflexão.

Veja as principais atualizações das redes sociais em 2019 - Blog ...

– Os limites da exigência profissional no seu momento de descanso

No discurso, é possível. Na prática, nem sempre: falamos da separação de trabalho e descanso no dia-a-dia!

Já trabalhei como empregado e como empregador (e como ambos simultaneamente) de segunda a segunda. Sempre me atentei a separar o profissional com o pessoal. É difícil obter êxito nesta missão…

Muitas vezes, quando eu falhava nesta distinção, eu pensei até que estava sofrendo de Síndrome de Burnout; noutros momentos, um misto de Depressão e Ansiedade. Afinal, eu não estava conseguindo me desligar dos afazeres e/ou estava impedido de ser desligado. Mas eu gosto muito de trabalhar, sou workaholic! Entretanto, saber ter limites (“meus limites” quando estou no comando ou “dar limites” aos meus comandados e comandantes) é importantíssimo para a saúde laboral e pessoal. Caso contrário, você ocupa o tempo de lazer, do repouso e do convívio com seus familiares para a continuação de serviços aos quais você deveria fazer na sua empresa, nos dias contratados / úteis de trabalho.

Continuar um compromisso fora do ambiente de trabalho, quando não é uma excepcionalidade / emergência, não ajuda a relação de ninguém. Estressa-se com a chefia, enerva-se o cônjuge e desgasta o corpo e a mente.

Tive a oportunidade de trabalhar em uma Instituição de Ensino Superior (nem a relato em meu curriculum, pois foi por pouco tempo), onde, durante a aula e eu estando em classe lecionando, a chefia mandava mensagens de WhatsApp e esperava respostas antes do intervalo – e de situações que poderiam ser depois do término, pois a atenção naquele momento era para os alunos. Ou o professor deve ficar na rede social e/ou nos comunicadores de mensagens on-line durante suas explanações?

O ideal, quando se é necessário algo assim aos finais de semana, o padrão:

“Estou enviando essa mensagem hoje, para na 2a feira discutirmos blá-blá-blá. Quem tiver sugestão e tempo, aproveite e vá pensando. Bom descanso!”

IMPORTANTE: fazer isso e esperar uma resposta no sábado ou domingo (ou dar a entender), não é legal.

Um interessante estudo da Universidade de Illinois mostra como é importante “combinar” bem essa situação. Abaixo:

(Extraído de: https://valor.globo.com/carreira/noticia/2020/07/03/limitar-a-comunicacao-on-line-com-chefes-apos-o-expediente-reduz-o-estresse.ghtml)

LIMITAR A COMUNICAÇÃO ON-LINE COM CHEFES APÓS O EXPEDIENTE REDUZ O ESTRESSE

Pesquisa da Universidade de Illinois investiga impacto das mensagens e pedidos fora do horário de trabalho

Por Barbara Bigarelli

Em um cenário com tecnologia disponível e profissionais conectados o tempo todo, aqueles capazes de estabelecer limites bem definidos entre vida pessoal e trabalho lidam melhor com o estresse ocupacional e efeitos negativos decorrentes, como a insônia. Essa é a conclusão de um estudo recente, realizado por pesquisadores da área de estresse ocupacional e bem-estar da Universidade de Illinois. A análise parte da noção de que os celulares e as novas tecnologias, ao permitir o trabalho onipresente, embaralham o tempo dedicado à vida pessoal. A conveniência tecnológica gera em muitos casos sobrecarga psicológica, aumentando o estresse e atacando a saúde mental.

“Essas tecnologias são tão onipresentes quanto convenientes, mas podem levar pessoas a pensarem que seus funcionários estão sempre disponíveis. Mas essa intromissão além do expediente, adentrando o tempo pessoal, é muito danosa à saúde e nossa pesquisa mostra que derrubar totalmente a fronteira, estando disponível sempre que necessário, eleva o estresse causado pelo trabalho”, diz YoungAh Park, professora de Illinois.

No estudo, os pesquisadores analisaram a rotina de 546 professores em tempo integral para medir as consequências de uma intromissão fora do horário de trabalho, por meio de alguma plataforma ou tecnologia, por cinco semanas consecutivas. Avaliaram se eles foram contatados principalmente fora do expediente normal e se era esperado deles responderem à mensagens e e-mails imediatamente. Os resultados indicam que aqueles que utilizaram técnicas para manter um limite de acesso a eles, como manter as notificações dos emails desligadas ou mesmo os celulares, relataram uma menor intromissão ao longo da semana. E, principalmente, que esse “controle” dos limites era um mecanismo importante para avisar o ‘outro lado’: sejam diretores das escolas, os chefes, ou os pais, os clientes, de que aquele momento não deveria ser usado para o trabalho. Ao ficar claro para todos os lados, o estresse dos professores semanal diminuiu.

Ficou claro aos pesquisadores também, através das evidências coletadas que o apoio de um gestor que zela pelo equilíbrio entre vida pessoal e profissional, e que permite aos funcionários criar soluções para estabelecer as fronteiras, é fundamental, avalia YoungAh. Também é necessário que a outra ponta do negócio respeite esses limites. Neste caso, o estudo recomenda que as escolas, por exemplo, estabeleçam regras para quando e com qual frequência a comunicação entre professor e pais deveria ocorrer.

Os pesquisadores escolheram estudar a rotina de professores por entender que a profissão consegue separar mais claramente o que é tarefa profissional de pessoal – e, assim, seria possível medir o impacto da intromissão tecnológica. “Embora essa descoberta seja específica dos professores, esse é um desafio a todos que permanecem conectados ao trabalho após o horário regular”, diz a pesquisadora.

Uma pesquisa no início do ano, realizada pela consultoria Randstad em 34 países, indicou que responder e-mails o tempo todo é uma prática entre os brasileiros. Segundo o estudo, 59% dos brasileiros entrevistados afirmam que seus empregadores esperam que eles estejam disponíveis fora do expediente e 62% respondem imediatamente a solicitações de trabalho, e-mails ou mensagens de texto quando não precisaria estar trabalhando.

Em entrevista recente ao Valor, Erin Kelly, professora de trabalho e organizações do MIT na Sloan School of Management, chamou atenção para a sobrecarga dos profissionais durante a pandemia e que seria importante as empresas terem políticas mais flexíveis e, principalmente, em prol do equilíbrio entre vida pessoal e trabalho.

Portal Contábil SC

– Telemarketing que cansa!

Não participei de nenhum concurso, mas recebi a ligação de um curso de inglês que me sorteou! Ganhei um curso totalmente grátis, com material de apoio incluso. Apenas eu tinha que pagar uma “taxa de adesão”, segundo a moça do telefonema que atendi.

Quando perguntei quem me sorteou ou passou meus dados, a atendente fez cara de espanto (deu até para imaginar do outro lado da linha) e disse: “mas como o senhor não quer ganhar, é grátis!”

Nessa última semana recebi uma mensagem da Claro TV, que dizia repetidas vezes com voz automática: “Você ganhou, você ganhou”! Quando questionei o atendente humano, descobri que “também fui sorteado” e ganhei uma instalação totalmente grátis e com ponto de extra para tv por assinatura. Não iria gastar nadas, exceto um “pequeno investimento” daqui 45 dias.

Pô, será que essas empresas pensam que todos somos trouxas e duvidam da nossa capacidade de percepção desse golpe nojento e fraquinho?

Xô, dona Claro. O seu telemarketing foi o mais repugnante dos últimos dias.

Resultado de imagem para claro tv

– Que decepção, SAFESP!

No dia 05 de março de 2019, escrevi sobre a Eleição do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo, entidade ao qual pertenci por mais de uma década (de maneira obrigatória, pois assim funcionava o sistema) quando era árbitro de futebol.

Quando me questionado sobre “apoiar algum candidato” fiz questão de deixar o seguinte registro, publicado em: https://professorrafaelporcari.com/2019/03/05/carta-aberta-de-um-nao-eleitor-nao-militante-nao-sindicalizado-e-nao-entusiasta-do-safesp-nem-de-coafesp-ou-orgao-apocrifo/

Convido a leitura atenta do link acima. E reitero: não me posicionei a favor de ninguém.

Depois de muito tempo, torcendo para que o candidato que vencesse fizesse algo revolucionário e incontestável ética e politicamente (no caso, o vitorioso foi Aurélio Sant’Anna Martins, mas poderia ter sido Renato Canadinho ou José de Assis Aragão – torço sempre  para que tudo dê certo, seja quem for o vitorioso, e se não fizer certo, aí valem as críticas) gostaria de registrar duas grandes atitudes que me decepcionaram:

1- A escolha de José Aparecido de Oliveira como membro do TJD-SP. A justificativa não foi convincente, extremamente superficial. E aqui vai a crítica respeitosa que fiz na ocasião, em: https://professorrafaelporcari.com/2020/07/01/por-que-os-arbitros-escolheram-jose-aparecido-de-oliveira-para-o-tjd-sp/
Lembro que, no último domingo, Daniel Destro do Carmo, em meu YouTube, postou uma mensagem de desagravo (provavelmente por simpatizar com Aparecido). Aqui:

“Porcari, não bastava ter perguntado diretamente pro SAFESP ou algum representante da entidade sobre o mérito ou motivos da indicação? Como sei que não fez isso, sua opinião fica vazia, sem fundamento e sem valor. O José Aparecido é do meio da arbitragem, é formado em direito e tem curso em direito esportivo. Dos nomes disponíveis, quem talvez fosse mais indicado? Arrisca sugerir algum nome, já que disse existir tantos?”

Ué, no texto que escrevi está claro, talvez ele possa ter interpretado de outra forma, motivado pela paixão da direção sindical: a justificativa é muito simplória, mas respeito a opinião de Daniel (que é apoiador ferrenho da atual diretoria, mesmo não tendo cargo constituído), embora ele ache que a minha opinião é vazia, e não a resposta dele. Em tempo: como meu Vlog é público, não tem porquê se questionar a publicação da mensagem deixada, não é algo particular. Também não vou fazer propaganda de nome a ser indicado (pois é evidente que nada vai mudar), né?

2- A licença de Aurélio Sant’Anna Martins para concorrer às eleições municipais: quer dizer que, depois de tanta pendenga, o novo presidente já sai da presidência para tentar a sorte em sua cidade? Deveria ter sido claro e enfático aos seus eleitores de que não seria um presidente Full Time no seu mandato. Ele desejar ser vereador, prefeito, vice, o que quiser, é um DIREITO que ele tem. Mas não deveria ter se aventurado a assumir o SAFESP para deixá-lo, por mais que a óbvia justificativa será a de que a “sua chapa” continuará no comando (já que, se eleito, não poderá exercer simultaneamente com competência necessária as duas atividades, pois terá que se dedicar ao que foi proposto).

E quem assume em seu lugar? Regildênia de Holanda, que até há pouco tempo trabalhava como observadora na FPF e é instrutora FIFA. Nada contra ela, que é honesta e trabalhadora, assim como Aurélio. Só que cairemos, então, na mesma incompatibilidade de cargos tão criticada por mim em muitas postagens: Arthur Alves Júnior, o antigo presidente, trabalhava como membro da CEAF-SP e presidente do SAFESP. Se um árbitro se sentisse prejudicado pela Comissão de Árbitros e quisesse se queixar do “funcionário da FPF Arthur”, iria até o Sindicato reclamar dele para o… “Arthur sindicalista”? Foi assim quando Sérgio Correia trabalhava nas duas funções ou também Silas Santana com a Cooperativa!

Por mais que se diga que existe a independência, fica o dilema da real compatibilidade ou não da função. Eticamente, para mim, indevido. Mas eu sei que há quem pense diferente. Porém, vide que novamente, por via direta de ofício exercido como funcionário ou prestador de serviços, o chefe do Sindicato / Cooperativa estará tendo uma relação umbilical com a Federação Paulista de Futebol. Se quiser ser totalmente desprovida de críticas, abra-se mão desta relação para mostrar independência total.

Enfim: os eleitores é que devem se pronunciar se gostam ou não desta situação.

ACRÉSCIMO: não é de hoje que falamos sobre a necessidade de separar as instituições e dos membros pertencentes à elas. Lembram da “COAFESP”? Refrescando a memória (e entendendo o que é incompatibilidade de cargos), um texto de 2011, em: https://professorrafaelporcari.com/2011/03/18/fpf-coafesp-e-safesp-incompatibilidade-que-atormenta-os-arbitros-paulistas/

São Paulo e sua Síndrome da Bola Murcha - texto de Fábio Steinberg

– E depois de algum tempo, a Índia se contradiz com a explosão de casos de Covid_19

Dias atrás, reproduzi uma matéria do Cônsul indiano no Rio de Janeiro, onde o mesmo explicava os baixos números do Novo Coronavírus em seu país: uso de hidroxicloroquina preventivamente, alimentação à base de especiarias, medicina alternativa, cultura, hospitais sobre trilhos e outras tantas coisas. E considere: o país é próximo territorialmente da China.

Relembre-a em: https://professorrafaelporcari.com/2020/05/27/o-que-explica-os-baixos-indices-de-coronavirus-na-india/

Agora, a Índia se tornou o 3o país do mundo em casos de contaminação nesta pandemia! Quer dizer que tudo aquilo que foi justificado, na verdade, era uma impressão da realidade e não uma condição de proteção?

A verdade é: em todo lugar que subestimou-se o Covid_19, cedo ou tarde essa praga chegou. Vale sempre o alerta para se proteger usando máscaras e não se aglomerar.

Com 1,3 bi de habitantes, a Índia será o novo epicentro do ...

– Olá moçada. Começando a 4a feira!

👊🏻 Bom dia, pra quem é do dia!
Acordar cedo sempre faz bem. Sendo assim, vamos ao “cooper-corujão” para começar a labuta com muito ânimo?
Apesar do ventinho chato lá fora, vale a pena ir suar.
🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #training #corrida #sport #esporte #adidas #running
Clique 1:

🙏🏻 Correndo e Meditando:
Ó #NossaSenhoraDeGuadalupe, #Padroeira da #AméricaLatina, rogai por nós que recorremos a vós. #Amém.”
⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #Guadalupe #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade
Clique 2:

🌺 Fim de #cooper, ainda na #madrugada.
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da #natureza. Vide essa #roseira do nosso #jardim: as #pétalas de seus #botões são incríveis!
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétala #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento
Clique 3:

🌅 Desperte, #Jundiaí, mesmo com esse #céu carrancudo e com um pouquinho só de #azul…
Que a #QuartaFeira possa valer a pena!
🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia
Clique 4:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Tomara que volte logo a normalidade dos passeios também!

Dia sim, dia não, minha caçula pede para passear “no carrinho de coração do parquinho do shopping”, retratado na imagem mais adiante.

O que falar, senão for jogar a culpa o Novo Coronavírus?

Vai passar. Aguentemos!

ED0459D3-616E-445D-9771-80F48B9F0C3E

– Não tenha vergonha de rezar!

Crer é importante! E, muitas vezes, buscamos palavras bonitas para as nossas orações. Será que isso é necessário?

A simplicidade de uma prece também vale! Aliás, o que conta, é a força do coração.

Reze com (abaixo) e tenha um ótimo dia: