– Um clique de carinho!

É muito carinho da bebê com a cachorrinha. Já ouviram a expressão de “querer amassar de tanto amor”?

Imagem

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– O maior Chefe de Estado brasileiro foi…

Sem dúvida, Dom Pedro II, nosso último imperador. Mas sabe por quê?

Dom Pedro foi o governante que sonhava em tornar o Brasil um país avançado na Educação e nas Ciências. Construiu escolas, laboratórios, museus e bibliotecas. Ao morrer, doou seu amplo acervo ao Museu Nacional. Como havia muita coisa, o Museu Nacional virou a sua casa, o Paço de São Cristóvão (pois era uma quantidade incrível de artefatos e documentos para levar)!

Dom Pedro II era apaixonado por fotografia e por astronomia (foi ele quem bancou as pesquisas que descobriram a origem do meteorito de Bendegó na Bahia; até então, achavam que era uma mineral gigante desconhecido e que nada caía do espaço).

O imperador falava: inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e latim. Estudou e tinha noções de tupi-guarani, hebraico, grego e árabe. Ficou amigo de Graham Bell, e foi ele quem testou o telefone quando exposto publicamente numa feira de invenções nos EUA. Visitou a casa de Darwim em suas andanças e financiou todos os estudos de Louis Pasteur, criando a fundação do mesmo nome.

O primeiro projeto público de financiamento de cientistas foi criado por ordem de Dom Pedro II: o “Ciência sem Fronteiras” de 1885. Foi declarado antiescravagista e tinha vergonha, segundo os relatos, da resistência dos anti-abolicionistas. Por fim: sempre foi tido por um intelectual que não gostava de formalidades quando se encontrava com autoridades estrangeiras.

Dito tudo isso, fico pensando: e a gente vê tanto fanático brigando por Lula ou Bolsonaro? Tenha santa paciência…

Em tempo: A Proclamação da República, em 1889, sabidamente foi o acúmulo de uma série de fatores que se transformou em uma medida drástica na Convenção de Itu. O certo é: não se tinha um herdeiro à altura para Dom Pedro II, devido seus ideais. (Os marechais Deodoro e Floriano Peixoto, lembremo-nos, unicamente asseguraram a nova forma de Governo e a unidade do país, cessando os investimentos da Coroa na Educação e Ciência).

Dom Pedro II amava os banquetes

– O egoísmo em plena Pandemia

Todos nós estamos sofrendo, de uma forma ou de outra, com a reclusão por conta da Covid_19. Social, física, financeira ou mentalmente, todos acabamos nos sacrificando.

Entretanto, chega a ser irritante você tomar tantos cuidados e ver as praias cariocas lotadas, não? Estou ansioso para ir à praia, mas sei que não é pertinente nem oportuno neste momento.

As imagens da areia cheia de gente mostram que “pensar no bem comum” está fora de moda. Parece que o que manda é: “cada um por si” e “não estou nem aí”!

Veja a foto de ontem na Praia de Ipanema:

Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (30.ago.2020)

– Pistola Rodoviária: como funciona?

Já repararam na ‘pistola’ que vemos nas estradas por aí, nas mãos dos policiais rodoviários?

Na verdade, ela se chama Radar Trucam: possui mira a laser, medidor de velocidade, câmera de vídeo digital e gravador de imagens. O radar tem capacidade de fazer até 30 autuações por minuto!

Olhe ele por dentro:

 

Todo cuidado para evitar multas é importante… economia no bolso e segurança no trânsito.

– A demora do VAR estraga o espetáculo

Já falamos algumas vezes de como o VAR está sendo mal usado no Brasil, dosado de maneira errada (vide aqui: https://wp.me/p55Mu0-2Cq). O cerne da questão é: a ajuda ao árbitro virou “caçada a detalhes”, desde quando implantado (leia também aqui: https://wp.me/p4RTuC-nTH)?

A demora no uso do equipamento, além de quebrar o encanto do jogo, esfria o ritmo da partida. Estraga a emoção da disputa, deixa a imprensa confusa e os torcedores à mercê do que está acontecendo.

Se fosse mais rápido, o “VAR à brasileira” não seria contestado. Os jogadores não teriam tempo de discutir e reclamar, pois, afinal, se a decisão é rápida, traz a sensação de que o árbitro consultou o VAR e indubitavelmente viu a necessidade de corrigir um lance. Se há tanto tempo avaliando, é porque a dúvida persiste demais.

Enfim: precisamos copiar o que dá certo no Exterior e adaptar à nossa realidade. Vale levantar a pergunta: por quê o VAR é um sucesso na Europa (apesar de ter começado questionado na Inglaterra, mas que depois se emendou) e aqui no Brasil não?

Seria pelo fato das pessoas que estão à frente da Direção de Arbitragem (e em especial do VAR) desde a década de 90 (sempre sendo contestadas pela competência) terem total e irrestrita carta-branca para cometerem equívocos?

Fica a dúvida. Respeito o “chefe do VAR”, Sérgio Correa da Silva, mas por todos os cargos que passou, fica a questão da capacidade técnica (nunca discutindo aqui a honestidade, que creio, é inquestionável).

Os dois memes abaixo podem ser auto-explicativos pela demora…

  • Estaria com dificuldade no menu?
  • Ou estaria vendo a novela?

– Sobre a espera da chegada do bebê pré-maturo ao lar!

Algo que eu e minha esposa vivenciamos: quando a gravidez é interrompida antes da hora e a chegada do bebê ao lar é maior do que se aguardava.

Extraído de OESP, 14/05/2017

QUANDO SER MÃE ENVOLVE ESPERA MAIOR QUE 9 MESES

Por Fabiana Cambricolli

Mulheres que tiveram bebês hospitalizados falam da alegria de passar o primeiro Dia das Mães em casa

SÃO PAULO – Quando engravidou, em 2015, a bibliotecária Tatiane Mendes de Souza Rocha, de 34 anos, mãe de primeira viagem, já imaginava quantas tarefas novas teria de assimilar para cuidar de Estevão. Não desconfiava, porém, que o maior desafio seria o de aprender a esperar. E ela aprendeu. Após dar à luz, foram 70 dias até Tatiane ser autorizada pelos médicos a pegar o filho no colo. Nove meses se passaram até que ela pudesse levar o menino do hospital para o lar. Um ano foi necessário para que Tatiane, enfim, comemorasse hoje seu primeiro Dia das Mães com o filho em casa.

Estevão é considerado – pela mãe e pelos médicos – um milagre. Nasceu no dia 25 de abril do ano passado, na Pro Matre Paulista, pesando 680 gramas, aos cinco meses de gestação. “Minha gravidez era de risco porque eu podia ter trombose. Fiz repouso e me cuidei, mas, com 23 semanas, meu colo do útero não aguentou e ele nasceu”, conta Tatiane.

Duas semanas depois, no primeiro Dia das Mães da bibliotecária, a angústia predominava. Estevão continuava na UTI neonatal, entubado. “Era um misto de alegria com frustração e medo. Ele era muito pequenininho, parecia que ia sumir. Meu marido me deu um presente, almoçamos em família, mas não consegui celebrar de verdade. Sabia que era mãe, mas a maternidade não era palpável. Eu nem tinha sequer segurado meu filho no colo ainda.”

Os meses seguintes foram de mais dificuldades. O bebê precisou ser submetido a três cirurgias e, em duas delas, desenvolveu infecções generalizadas. “A fé virou o nosso último recurso. Ele continuava na UTI, e eu estava lá todos os dias, das 7 às 21 horas. Ficava ao lado da incubadora, cantava para ele, conversava. A gente foi acreditando na recuperação, e ele foi crescendo, ganhando peso”, relata.

No dia 27 de janeiro, Estevão finalmente foi para casa com a mãe. A data de hoje será comemorada por Tatiane com o mesmo almoço em família do ano passado, desta vez com Estevão tentando engatinhar entre os pés dos pais, rindo e batendo palmas. “Agora, a maternidade me parece completa.”

Presente. Poder ver de perto o sorriso, o olhar e os primeiros passos dos filhos tornou-se o maior presente de Dia das Mães para a dona de casa Karina Caitano Lopes Basílio, de 30 anos. No ano passado, ela também passou a data em uma UTI neonatal, com os gêmeos Gustavo e Isabella, nascidos prematuros de 32 semanas. Eles ficaram internados por 46 dias no Hospital Metropolitano. “Era muito sofrido. Ninguém espera ver o filho na UTI, com acesso (venoso) na cabeça. Mas, por outro lado, cada grama de peso que eles ganhavam era uma comemoração”, conta Karina.

Segundo Mariana Bonsaver, psicóloga da Pro Matre Paulista, a presença dos pais nesse período de internação é importante para a recuperação da criança. “Os bebês que têm esse carinho apresentam uma melhora clínica e de ganho de peso.”

Para o primeiro Dia das Mães de Karina com os filhos fora do hospital, a família planejou um piquenique no parque. “Vamos juntar a minha mãe, os meus irmãos e os meus filhos para essa festa. Demorei dez anos para conseguir engravidar e vivi um medo tão grande de perdê-los, mas agora vejo que é a coisa mais maravilhosa do mundo. Me tornei uma pessoa melhor”, diz ela.

Visão de mundo. É a mesma impressão que tem a representante comercial Aline Bertolozzi, de 35 anos, mãe de Leonardo, de 2 anos e 3 meses. Para ela, o filho chegou para mudar sua visão da vida. “Enxergo tudo de forma mais positiva e colorida. Antes eu me estressava com problemas no trabalho. Hoje vejo que não é nada”, comenta ela, que, depois de dois Dias das Mães no hospital, passará a data em casa com Léo e o marido.

Diagnosticado no pré-natal com atresia de traqueia – condição em que o órgão fica obstruído –, o menino precisou ser submetido a uma traqueostomia ainda na barriga da mãe. Foi o segundo procedimento do tipo feito no mundo. Uma semana depois da intervenção, porém, quando Aline estava com 25 semanas de gravidez, foi necessário um parto de emergência.

Durante a internação, Léo apresentou uma complicação que levou à remoção do seu intestino. O bebê se recuperou e, um ano depois do nascimento, foi para casa. Em maio do ano seguinte, pouco tempo antes do Dia das Mães, Léo foi internado de novo, com febre.

Nada grave, mas Aline mais uma vez passava a data dentro do Hospital Samaritano. “O que conforta é que a gente monta uma rede de apoio entre as mães. Eu mesma formei um grupo de mensagens com mais de 500 mães no mundo cujos filhos têm o mesmo problema no intestino”, conta ela. Léo, embora já em casa, ainda precisará de um transplante do órgão. O procedimento é feito somente nos Estados Unidos e custa US$ 1 milhão. No Facebook, a família faz campanha para arrecadar a quantia em uma página batizada de ‘Juntos pelo Léo’.

E é pensando no filho que Aline celebrará a data de hoje. “A gente não vai almoçar fora porque preferimos ficar em casa por causa da imunidade dele. Mas, na nossa vida, todo detalhe é comemorado. Com o Léo feliz, tenho certeza de que o dia vai ser incrível.”

bomba.jpg

– Controlando as Emoções no Ambiente de Trabalho

Em tempos de Assédio Moral em alta, ter equilíbrio emocional na vida profissional é fundamental para a qualidade de vida não só no trabalho, mas também na vida pessoal. Assim, reproduzo interessante entrevista da pedagoga Rosana Spinelli dos Santos, realizada à jornalista Ellen Fernandes do Jornal de Jundiaí (edição de 03/01/2010, caderno Comportamento, pg 4) sobre esse importante assunto.

COMO CONTROLAR AS EMOÇÕES NO TRABALHO

“Se soubermos conduzir os pensamentos, poderemos direcionar nossas emoções”. É com essa definição que a pedagoga Rosana Spinelli dos Santos, professora da Contmatic Phoenix enfatiza que em um mercado corporativo cada vez mais competitivo, conhecer e dominar os sentimentos são condições essenciais para o sucesso profissional e pessoal.Segundo ela, todas as emoções  surgem por meio dos pensamentos. Dessa forma, quando se pensa em algo triste ou irritante, as emoções imediatamente sentidas são de tristeza e raiva. A emoção pode ser definida, de acordo com a psicologia, como uma reação orgânica de intensidade e duração variáveis, de grande excitação mental e, geralmente, acompanhada de alterações respiratórias, circulatórias, entre outras.

Vale ressaltar que, se não dominadas, as emoções consideradas negativas colocam em risco a saúde física, o equilíbrio emocional e, consequentemente, podem diminuir a produtividade e a assiduidade no trabalho.

A pedagoga diz que os indivíduos emocionalmente inteligentes são os que usam a razão para compreender e lidar com as emoções, que recorrem a elas para interpretar o meio envolvente e tomar as melhores decisões. “Os que não conseguem exercer controle sobre a própria vida emocional, travam batalhas internas, não se concentram no trabalho e, assim, perdem a capacidade de pensar com clareza”, afirma.

Vida profissional – A inveja e a raiva estão entre os sentimentos que mais atrapalham a vida profissional, independente da área de atuação. Rosana diz que a inveja faz com que a pessoa queira algo que é do outro, como um cargo. “Esse sentimento faz com que as pessoas se tornem cegas ao ponto de não perceberem que têm as mesmas condições que o outro para alcançarem seus objetivos.

Ao invés de lutar por esse objetivo, os invejosos passam a falar mal do profissional ou até mesmo tentam puxar o tapete”, explica. Na opinião da profissional, a raiva é considerada o pior sentimento porque destrói a própria pessoa. Ela alerta ainda que a mágoa profunda e o rancor podem resultar na raiva, muitas vezes desencadeada no ambiente profissional por coisas que podem ser superadas como o adiamento de uma promoção, o tratamento diferenciado por parte de um colega de trabalho.

“O grande problema é a pessoa ficar minando esse sentimento pelo outro por muito tempo ou até mesmo após se afastar da pessoa ou sair da empresa. Uma das consequências desse sentimento são as doenças emocionais. A raiva só faz mal para a pessoa que sente. Ela acaba se tornando vítima porque o nosso corpo não foi treinado nem adaptado para ter emoções extremas. Nosso corpo e nossa mente foram feitos para ter equilíbrio. Com raiva você não alcança esse equilíbrio de forma alguma”.

A professora enfatiza que o Q.I. elevado (Quociente de Inteligência), pode gerar um bom emprego, mas é o Q.E. (Quociente Emocional), que garante uma promoção, pois quem sabe lidar com as próprias emoções tem mais facilidade de resolver problemas e encontrar soluções. “Indivíduos providos de Q.E. sabem gerir um conflito, impor autoridade, prestar atenção aos outros e ao que se passa à sua volta.”

bomba.jpg

– Começando a Segundona com muito ânimo!

👊🏻 Bom dia.
Ôba! Semana nova começando e a vontade de fazer muitas coisas boas a 1000/h.
S’imbora para um #cooper bem motivador, a fim de ter muita #endorfina?
🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #training #corrida #sport #esporte #running #adidas #mizuno #treino
Clique 1:

🙏🏻 Correndo e Meditando:
Ó #ImaculadoCoraçãoDeMaria, rogai por nós que recorremos a vós. #Amém.”
⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade
Clique 2:

🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da #natureza. Hoje, com as #roseiras da #madrugada.
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento
Clique 3:

🌅 Desperte de maneira inspiradora, ó #Jundiaí!
Que a #SegundaFeira possa valer a pena.
🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia
Clique 4:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Depende do ângulo…

Dependendo de como você vê uma imagem ou ouve uma história, a percepção de algo se cria e você começa a crer naquilo.

Calma lá: veja, escute e leia todas as percepções para não criar julgamentos e preconceitos.

A imagem abaixo mostra bem isso: o animal está comendo um filhote? Não! Ele está salvando um indefeso…