– O ótimo conselho de… Paulo Maluf!

Veja que sábio conselho sobre como lidar com as críticasadmire-se por quem o disse:

“Quando te criticarem, não justifique. Seus amigos não precisam disso e seus inimigos não acreditarão”.

De Paulo Maluf a Danilo Gentili,  no extinto CQC. 

Imagem relacionada

Anúncios

– E o VAR, José?

Quanta confusão sobre a má utilização do árbitro de vídeo neste domingo, não?

De tal forma, para tentar entender “POR QUÊ” o VAR está neste caos em nosso país, republico dois textos abaixo, publicados outrora nesse espaço: o 1o, de janeiro, falando sobre os desafios a serem enfrentados. O 2o, sobre a vaidade e o mau uso do equipamento, publicado em março.

Eles explicam muita coisa…

COMPETÊNCIA HUMANA VERSUS COMPETÊNCIA TECNOLÓGICA

Assim como não existe e não adianta a competência e/ou capacidade financeira sem a competência administrativa em qualquer organização, isso acontece na mesma proporção no futebol brasileiro com a questão do VAR e os árbitros.

É sabido que a CBF fez uma lambança com a figura do árbitro de vídeo e, cá entre nós, promoveu tudo para não implantá-lo. O que se dizer ao contrário será mentira. Vejamos:

  • Quando disse ter oferecido o projeto pioneiro à FIFA, não era o primeiro modelo oferecido e tampouco o mais oportuno.
  • Levou 3 anos para a primeira experiência off-line, enquanto que outros países já estavam fazendo uso da ferramenta.
  • Marcou diversas datas para a implantação (algumas delas com os campeonatos me vigor – o que não é permitido pelas Regras da FIFA e que todos sabiam, não ocorreria).
  • Após o “todo-poderoso” Eurico Miranda discutir com Marco Polo Del Nero sobre os erros de arbitragem contra o Vasco da Gama, prometeu o uso do VAR em uma semana! Pura conversa fiada…
  • Criou um chamado “Departamento de Desenvolvimento de Árbitro de Vídeo“, alocando Sérgio Correa da Silva (o ex-chefe da Arbitragem). Sérgio supostamente tinha sido demitido da Comissão de Árbitros por pressão dos clubes e no fim ganhou um cargo “só pra ele”.
  • Resolveu implantar o VAR após uma capacitação questionada na aprazível Águas de Lindóia e tendo realizado dois testes apenas em jogos “pra valer” (ambos na final do Campeonato Pernambucano, com erros e mau uso do árbitro de video nas duas contendas).
  • Jogou nas costas dos clubes a decisão de usar ou não o VAR no Brasileirão de 2018, colocando custos altíssimos a serem arcados pelas próprias agremiações.
  • Escalou um octodeceto de arbitragem (sim, 18 pessoas) para cada uma das finais da Copa do Brasil 2018 (Corinthians x Cruzeiro), com VAR, Assistente de VAR, Apoio de VAR, Supervisor de VAR e outros dispensáveis. Todos viram a pavorosa atuação do árbitro Wagner Magalhães e do VAR Wilton Pereira Sampaio, onde em dois lances fáceis (que nem precisariam do uso do VAR) tomaram-se decisões equivocadas. Aliás, repararam quanto tempo o árbitro ficou na rodinha de jogadores conversando pelo rádio, e o diminuto tempo que ele levou para assistir o lance e mudar sua decisão? É claro que já estava decidido a mudar  a marcação quando foi ao monitor; e tão claro é a “obrigação” que ele tinha de fazer uso da tecnologia após tanto gasto bancando pela CBF para esse confronto. Dezoito caras e não vai se usar o VAR nenhuma vez? Então tá…

Não adianta colocar árbitros desmotivados, sem planejamento REAL de carreira e com a meritocracia deixada de lado para fazer uso do equipamento tecnológico. A culpa não é da eletrônica, é do humano que a opera.

O problema maior é: o gerenciamento do futebol brasileiro! Quem comanda de fato se esconde por trás de um Coronel que estava no Pará e se apoia num futuro presidente amigo; sem contar que quem manda na arbitragem nunca colocou um apito na boca…

Esse é o triste rumo da arbitragem de futebol em nosso país. Como disse em trocadilho o espirituoso Zé “Boca-de-Bagre”, o amigo do Professor Reinaldo Basile, “o árbitro de vídeo da CBF é uma VARgonha…”

A VAIDADE E A DURA MISSÃO NA ESCOLHA DAS ESCALAS DO VAR

Ser árbitro de vídeo e bandeira de vídeo são duas funções novas e difíceis no futebol. Digo isso pois o “jogo jogado em campo” tem suor, emoção e vibração. Lá dentro você está no mesmo calor (ou sintonia) dos atletas. Permite-se do gramado ter a melhor leitura do jogo.

Da cabine do VAR, com ar-condicionado e muitas telas, você pode ter a maior frieza e racionalidade para tomar uma decisão; embora, sejamos justos, difere do árbitro que em tese está mais próximo do lance e no clima da partida.

Mas sabe qual o grande problema das Comissões de Arbitragem? A ESCOLHA (não é sorteio) de quem irá para o vídeo!

Como é difícil escalar um VAR!

  • Se ele for menos experiente de quem apita, o árbitro desconfiará das suas informações e sugestões.
  • Se for muito experiente, o árbitro obedecerá cegamente.
  • Teriam eles que ter igualmente a mesma competência? E como achar colegas de naipe parecido? Ou ainda: aceitar uma correção de quem teoricamente é do seu mesmo nível e acatá-la sem vaidade?

Eu vivi algo parecido na função de quarto-árbitro em um jogo da série A1: foi em São Caetano do Sul, quando a maca entrou para retirar um jogador supostamente lesionado (estava dando pinta que era simulação só para fazer cera) e, ao sair pela linha lateral, o atleta saltou da maca pedindo para retornar ao campo, dispensando qualquer atendimento médico. O árbitro central (ele estava apenas a uma posição acima do que eu estava no ranking – que sempre foi fajuto) não percebeu. Avisei-o pelo rádio e… a resposta foi: “Se você acha que apita mais do que eu, toma o apito”.

Resolvemos depois a questão no vestiário de uma forma um pouco conturbada, mas fica a dica: existe o componente humano terrível chamado VAIDADE, ou, se preferir, a falta de HUMILDADE no trabalho em equipe.

Ainda vai demorar para se achar o bom termo de escalas para o VAR. Afinal, toda a vaidade é burra (inclusive a daqueles que gerenciam a carreira dos árbitros).

Imagem relacionada

– #YEStoLIFE: o Papa Francisco pela Vida, orientado os Médicos e criticando o Aborto como “cultura do descarte”.

No “Yes to Life”, um encontro pelo direto de viver e de defender a vida incondicionalmente, onde o Papa Francisco disse: “o aborto não é uma questão de fé, é um problema humano (…). Nunca ele deve ser uma resposta para as dificuldades da vida”. Lembrou ainda que não se pode tratar as crianças numa espécie de “cultura do descarte”, e aconselhou os médicos.

Vale a pena a leitura atenta para as frases do Pontífice, neste momento tão complicado de discussão sobre o Aborto. Abaixo:

(Extraído de: https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2019-05/papa-francisco-audiencia-dicasterio-leigos-familia-vida.html)

O ABORTO NUNCA É O IDEAL

O Papa recebe participantes do Encontro internacional “Sim à vida: cuidado com o precioso dom da vida na fragilidade” e afirma: “a profissão do médico é uma missão, uma vocação para a vida. Eles estão cientes de que são um dom para as famílias. A vida humana é sagrada e inviolável. O aborto nunca é a resposta ideal que as mulheres e as famílias buscam”.

O Santo Padre recebeu, na manhã deste sábado (25.5.), na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 300 participantes no Encontro Internacional intitulado «“Yes to Life” (“sim à vida”): cuidado com o precioso dom da vida na fragilidade». O encontro é promovido pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida e pela Fundação “O Coração em uma gota”, que acolhe as crianças recém-nascidas em extrema fragilidade.

Em seu discurso, o Papa disse que as “crianças, em alguns casos, são definidas, pela cultura do descarte, como “incompatíveis com a vida”. E retrucou:

“ Nenhum ser humano jamais pode ser incompatível com a vida, seja pela sua idade, pela sua saúde e pela qualidade da sua existência. Toda criança, desde o seio da sua mãe, é um dom, que muda a história de uma família. Ela deve ser sempre bem-vinda, amada e cuidada. ”

Quando uma mulher descobre que está esperando um filho, sente a profunda sensação de um mistério, que cresce dentro de si, permeia todo o seu ser e a torna mãe. Entre ela e a criança instaura-se um intenso diálogo, uma relação real desde o momento da concepção. E Francisco explicou:

Esta capacidade comunicativa não é só da mulher, mas, sobretudo, da criança, que, em sua individualidade, envia sinais da sua presença e das suas necessidades à mãe. Hoje, as técnicas modernas fazem um diagnóstico pré-natal, prevendo malformações e patologias, que poderiam comprometer a vida da criança e a serenidade da mulher”.

Porém, afirmou o Papa, a autenticidade da sua evolução é muito subjetiva e, eventualmente, pode ser resolvida com as devidas terapias. Por isso, os médicos jamais devem esquecer o valor sagrado da vida humana e a sua proteção. E lhes disse:

A profissão do médico é uma missão, uma vocação para a vida. Eles devem estar conscientes de que são um dom para as famílias. Por isso, devem assumir a vida dos outros, enfrentar a sua dor; serem capazes de tranquilizar e encontrar soluções sempre no respeito da dignidade da vida humana”.

Ao cuidar das crianças terminais, ressaltou Francisco, os médicos devem ajudar os pais a aceitarem a realidade e a aliviar sua dor. Mas, infelizmente, a cultura dominante, hoje, não promove este aspecto. Em nível social, o temor e a hostilidade, diante da deficiência física, podem levar, muitas vezes, à escolha do aborto, como prática de “prevenção”. Aqui, Francisco recordou o ensinamento da Igreja:

“ A vida humana é sagrada e inviolável e o uso da diagnose pré-natal, para propósitos seletivos, deve ser fortemente desencorajado. O aborto nunca é a resposta ideal que as mulheres e as famílias buscam. Neste sentido, as ações pastorais são sempre urgentes e necessárias para criar espaços, lugares e “redes de amor”, aos quais os casais podem se dirigir, além de dedicar tempo para acompanhar as famílias.”

O Santo Padre concluiu seu discurso aos participantes no encontro internacional, agradecendo a todos os que trabalham para a defesa da vida, em particular, às famílias, mães e pais, que acolheram a vida frágil e, agora, são solidários e ajudam outras famílias. Seu testemunho de amor é um presente para o mundo!

Imagem relacionada

– E quem são os parceiros de Roni?

Que feio, hein? Ontem, o ex-jogador Roni, que atua como empresário no futebol comprando mandos de jogos e ganhando com a bilheteria local, foi preso por fraude.

O esquema dele era graúdo. Ele era o dono dos mandos de quase todas as partidas que eram vendidos. Em tese, maquiava os custos e receitas para que os borderôs fossem baixos e se pagasse muito menos impostos, ganhando mais dinheiro.

Se mancha pela ganância… Não poderia ter trabalhado honestamente, ganhando um pouco menos e estar tranquilo?

Que entregue os “parças” agora. Um, em Brasília, já foi preso. E os demais? Será que os presidentes de clubes que negociaram com ele “ganharam algum por fora”?

Resultado de imagem para roni preso

– As queixas sobre Botafogo 0x1 Palmeiras procedem?

Não acompanhei totalmente a partida do sábado entre Botafogo x Palmeiras, então não posso avaliar a arbitragem de Paulo Roberto Alves Junior como um todo – só assistindo os 90m, e, cá entre nós, assistir “jogo passado” do atual Brasileirão é dose… dá quase 180m! Demora demais até na função FF. 

Mas algumas coisas podem ser ditas pelo que li e pelo pouco que vi. Por exemplo, se o placar em faltas realmente foi BOT 13×14 PAL e existiram, em cartões BOT 10×0 PAL, além de 2 expulsões da Comissão Técnica, é lógico que houve algo errado:

  1. Ou o time que recebeu todas essas punições foi muito indisciplinado e praticou anti-jogo,
  2. ou o árbitro tem uma dificuldade absurda na leitura da partida e condução disciplinar.

Sobre o lance de Gabriel em cima de Deyverson, que gerou muita reclamação: num primeiro momento, me pareceu uma encenação. Entretanto, se percebe, com a repetição por ângulo melhor, que há uma infração por imprudência do zagueiro (não quis fazer a falta, foi sem intenção, mas toca e desequilibra). Se é no meio do campo, marca-se tiro livre direto. Na área, pênalti sem mostrar cartão. E aí entra a questão do árbitro de vídeo. Existem duas situações:

A 1a, é a do árbitro estar em dúvida e solicitar a revisão da imagem.

A 2a, é a do VAR entender que houve equívoco e sugerir que o árbitro reveja o lance pelas imagens que foram geradas.

É importante esclarecer que o VAR não marca ou desmarca nada, apenas sugere. Quem decide é o arbitro. E, nesse caso, a sugestão para rever a jogada e a modificação da decisão, seguindo o protocolo FIFA, foram corretas!

Resultado de imagem para Botafogo x Palmeiras

– O altíssimo valor da corrupção resgatada da Petrobras

Recebi esse recorte de tuíte, creditado ao procurador Deltan Dallagnol, que é um dos nomes mais importantes da Lava Jato.

Tomei cuidado para verificar se era montagem ou dados fraudulentos, só que não são! São reais e ANTIGOS!

A conta, abaixo (2,5 bilhões de reais), se refere ao dinheiro recuperado até o ano passado da corrupção praticada contra a Petrobras, e que voltou aos cofres públicos. Neste ano, já aumentou o montante.

Qual será o valor total desse golpe dado, não?

– Domingo é dia de se Inspirar!

Bom dia amigos esportivas, leitores e amantes da fotografia!

O domingo está gelado, mas isso não impede de nos motivar para um bom cooper, certo?

Motivando no clique 1:

Durante o exercício físico, manter em alta a endorfina com mente, alma, e corpo em harmonia. Por isso, vou conversando com Deus através do Sagrado Coração de Jesus, seu filho Amado e Nosso Senhor.

Meditando no clique 2:

Pós-treino, vale a pena relaxar e alongar. No meu jardim, tomando um ar fresco (apesar do frio), junto com as flores. E a nossa roseira abaixo?

Contemplando no clique 3:

Legal, né? E para ajudar a aquecer o dia (e os corações), o sol vai surgindo. Veja que magnífico (às 07h15):

Admirando no clique 4:

Beleza! Para encerrar as imagens fotográficas dominicais, apenas uma lembrança: é que vi essa review aparecer e acho inspirador: há 2 anos, na Serra do Japi, “acertei” a lente nesse clique perfeito da borboleta (pousou e fez uma pose):

Curtindo no clique 5:

Ótimo domingo a todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby