– A polêmica do Gol de Jô em Corinthians 1×0 Vasco e pitacos de Vitória 1×2 São Paulo

Muitas reclamações contra a arbitragem (novamente) no Campeonato Brasileiro. Vamos a dois jogos com “chiadeira maior”?

EM ITAQUERA…

Na Arena Corinthians, o Timão enfrentou o Vasco e venceu por 1×0. Bastante polêmica sobre um pênalti que o árbitro Elmo Resende, de Goiás (militar, com 42 anos, de tantos outros erros na carreira, mas prestigiado) não marcou sobre Jô. Porém, a maior reclamação foi quanto ao gol do próprio Jô, que decidiu a partida. Hora de discuti-lo?

Eu assisti o lance por 3 imagens:

  • A primeira, no momento da transmissão e que saiu o gol, pareceu-me que o gol foi de cabeça e a bola sem intenção bateu no braço de Jô e entrou. Se realmente fosse isso, o gol era legal (afinal, é movimento natural dos braços, pois ninguém pula com as mãos grudadas ao corpo). Claro que é curioso, mas seria um gol legal de mão (involuntária, é lógico).
  • A segunda, da linha de fundo, onde se vê que o AAA1 Eduardo Tomaz de Aquino Valadão está atento e não se manifesta. Repare que ele está com a trave encobrindo sua visão, mas falha ao se comportar roboticamente, como um cone, sem dar uma “mexidinha no pescoço” para se posicionar melhor. O bandeira 1 Fabrício Vilarinho da Silva nada podia fazer, pois tinha a distância lhe atrapalhando e o próprio AAA1 na frente dele, impedindo a visão. Se o árbitro estivesse melhor posicionado, salvaria o lance. Obs: Sou a favor da utilização do Árbitro Assistente Adicional do modelo europeu, com árbitros mais competentes, atuantes e do outro lado da linha de meta. É burrice mantê-los na mesma reta dos bandeiras, eles tem que estar do lado oposto, como é feito na Europa.
  • A terceira, fundamental para reconhecer que o gol foi ilegal mostrada da esquerda do ataque do Corinthians, mostrada pela Sportv, onde claramente se vê que após Jô furar o cabeceio ele ajeita deliberadamente a bola com o antebraço (e a Regra 12, Infrações e Indisciplinas, que fala do uso indevido das mãos na bola, considera MÃO as mãos, braços e antebraços). A minha dúvida é: aquela bola foi tocada propositalmente sem ter ultrapassado totalmente a linha de meta? Não vi nenhum “tira-teima” nessa linha reta, embora me pareceu que a bola não tinha entrado no gol. Errou a arbitragem em lance decisivo.

NO BARRADÃO…

O árbitro paranaense Rodolpho Toski Marques, que já é da FIFA mesmo sem ter apitado grandes partidas com ótimas atuações, mostrou dois estilos: no 1o tempo, amarrou a partida, picou o jogo. Encostou, ele dava falta. E os jogadores, espertamente, cavavam “faltinhas” ao menor contato físico ao perceber a “mensagem dada pelo juizão”, de que “tocou, apitou“. Só que no segundo tempo, provavelmente alertado por alguém da má conduta da partida, desandou a deixar o jogo correr! É 8 ou 80? O que é isso?

O detalhe que me surpreendeu é que no segundo tempo, numa dividida de Júnior Tavares, ele não atinge significativamente seu adversário que pula para cabecear a bola. Há o leve contato físico, mas não faltoso. Eis que na Globo o ex-árbitro Paulo César de Oliveira, meu colega que tanto trabalhamos e respeito muito, disse ter sido pênalti. Cléber Machado, visivelmente estranhando, ainda pondera: “mas como foi pênalti se ele ainda sobe e cabeceia a bola?”… Aqui vai um conselho ao PC: em jogos que se comenta com TV, faça como o Gaciba: espere a repetição do lance para comentar com mais precisão, sem precisar teimar com a imagem. Afoito em responder, pode se complicar. Eu, que comento na Rádio Difusora, ou o Godoi na Rádio Transamérica, sabemos como o quão é importante acertar na avaliação; mas na TV, é muito mais fácil.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

A Meritocracia e a Gestão da Arbitragem são ruins. Desde que Marco Polo Del Nero trouxe seu homem de confiança, o Cel Marcos Marinho, não se viu nenhuma mudança na administração da arbitragem. Aliás, lembremos-nos: Sérgio Correa da Silva, o ex-chefe da arbitragem e que virou Diretor de Desenvolvimento do Árbitro de Vídeo da CBF, disse em 08 de março de 2016 que o VAR (video arbitro referee) estaria no Brasileirão daquele ano, adiando por diversas vezes o projeto com N desculpas. Na oportunidade, dissemos nesse espaço que era “diálogo flácido para acalentar bovino” (conversa mole para boi dormir), pois era apenas uma demagogia criada para tirar o foco dos problemas da CBF. Eis que de em todas as datas propostas parta a implantação, não se fez nada.

Importante – MAS NÃO ADIANTARÁ A TECNOLOGIA DO ÁRBITRO DE VÍDEO SE NÃO EXISTIR A COMPETÊNCIA NECESSÁRIA PARA JUÍZES E CARTOLAS, QUE A COMANDARÁ!

Se desejar o histórico dos adiamentos, clique aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2017/02/18/comprovada-a-mentira-do-var-que-ha-1-ano-a-cbf-disseminou/

Enfim, ouço muitas críticas de que Jô, beneficiado pelo Fair Play de Rodrigo Caio, deveria fazer o mesmo quando fosse possível. Mas em quantos lances ele já não teve oportunidade de “devolver a gentileza” e não fez? O do jogo de ontem só repercutiu tanto pois foi erro decisivo da arbitragem.

 bomba.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s