– Quem poderá salvar os clubes paulistas dos males do Covid-19?

A crise que os clubes de futebol vivem devido a inevitável paralisação pelo Novo Coronavírus possibilitou uma série de necessárias discussões. Uma delas: como manter os pagamentos de salários com o elenco parado e a queda de receitas?

E algo muito importante aconteceu na última sexta-feira, segundo o Portal Terra:

“Os 50 clubes das Séries A, B e C do Brasileirão conversaram sobre o seguinte: um ‘pacote’ aos atletas, com férias imediatas de 30 dias, já a partir desta semana, e, caso a situação não seja normalizada após esse período, uma redução de 50% nos direitos de imagem e salários a partir do 31º dia. Caso após mais 30 dias a situação persista, seria possível suspender os contratos até total normalização.”

O presidente do SAPESP (Sindicato dos Atletas), Reinaldo Martorelli, nesta 2a feira, declarou que “nada será aceito por parte dos jogadores”.

Se os grandões estão passando por isso, imaginem os pequenos e excluídos de qualquer série do Brasileirão, que vivem dos Estaduais e eventualmente da deficitária Copa Paulista?

Com os contratos vencendo no final de Abril (aproximadamente) e sem perspectiva alguma da volta dos Campeonatos Estaduais, as equipes tendem a simplesmente verem seus elencos desaparecerem (com ou sem salários em dia). E o que fazer?

Para a resposta, uma breve história: nos anos 2000, logo após Marco Polo Del Nero e Reinaldo Carneiro de Bastos derem um “passa moleque” em Eduardo José Farah e assumirem conjuntamente a FPF naquela época, participei da Pré-Temporada dos Árbitros da Série A1 por 10 dias em um hotel em SP. Na oportunidade, os cartolas precisavam do apoio dos clubes, já que a entrada deles na gestão da Federação foi polêmica. E me recordo bem claramente da reunião feita nos trabalhos de abertura daquela feita (eu estava lá como novato, por isso foi marcante), onde o hoje atual presidente Reinaldo Carneiro disse em alto, claro e bom som:

“A Federação Paulista é dos clubes, são eles que fazem e formam a FPF. As equipes são a essência da gente existir”.

Ora bolas, rica como é, e sendo a FPF (em tese) uma associação dos clubes (embora, na prática, ela tenha se tornado uma entidade que os regula, não que é formada por eles), deveria ela, dona Federação, se oferecer para bancar uma renovação contratual coletiva dos atletas por mais um período, socorrendo os seus membros. Afinal, como disse naquele dia, a FPF não é dos clubes e existe para eles?

Nada de empréstimo, é para bancar. “Cash na conta”.

E aí vamos para uma lógica: se os clubes não terão dinheiro para gastar por tanto tempo e com as portas fechadas, e como a FPF nunca foi disposta a fazer favor gratuitamente com o dinheiro que possui, é mais fácil, para evitar discussões de contratos vencidos e ajuda financeira, decretar os torneios encerrados na ocasião da data final que seria jogada a A3 (ou A2 e A1).

Como ficaria a situação do Paulista Futebol Clube?

Aquilo que já falamos em hipótese anteriormente, em: https://professorrafaelporcari.com/2020/03/16/a-serie-a3-foi-parada-oficialmente-o-que-pode-acontecer/

Enfim: é aguardar a decisão da cartolagem. Por lógica: clubes não conseguem renovar os contratos ao final de Abril, FPF não bancará e, já que a tendência é o danado do Covid_19 estar em alta, decretar o término dos campeonatos.

Austin_Lane_Crothers,_photograph_of_head_with_top_hat

Um comentário sobre “– Quem poderá salvar os clubes paulistas dos males do Covid-19?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.