– No futebol, eu penso como o Paco. E você, leitor?

Sem dúvida essa postagem, abaixo, de 20/03/2015, é atual para se discutir Fernando Diniz, seu estilo de jogo e os resultados. Republico (deste mesmo blog):

“QUERO QUE O JOGO SEJA BONITO PARA O TORCEDOR”

Li na Folha de São Paulo e achei muito interessante: uma entrevista com Paco Jimenez, ou simplesmente Jémes, o treinador do modesto Rayo Vallecano e cujo elenco tem a menor folha salarial da Espanha.

Seu feito?

Defender o jogo bonito e ser o único treinador a vencer o Barcelona impondo ao time catalão menor tempo de posse de bola em um ciclo de 400 jogos (está em: http://is.gd/JyVLF2).

Questionado sobre a beleza do jogo ou a busca de resultados, disse:

Eu não quero jogar simplesmente bem. Quero que seja bonito para o espectador. E, meu Deus, como isso é complicado. Quando alcanço esse nível, você se apaixona. Claro que quero que minha equipe ganhe. Mas acima de tudo que jogue bem e faça coisas esteticamente bonitas. Me importo com a opinião dos outros. Somos atores com proposta de um filme para o público e me importa o que esse público vai pensar. Quero sair do estádio com os torcedores em pé, aplaudindo o que meu time fez.   

Quando perguntado se assiste o Campeonato Brasileiro, Paco disse que:

Não vejo futebol brasileiro. Mas estive conversando esses dias com o meu amigo (treinador espanhol) Miguel Angel Portugal, que esteve treinando um time no Brasil recentemente (Atlético-PR, em 2014) e ele falou muito bem da Liga brasileira. Ele disse: ‘Paco, se tiver a oportunidade, assista. É um campeonato em que há muito talento entre os jogadores’. Só que para nós é um Liga desconhecida. Aqui só sabemos quando aparece um Neymar. E isso é um erro, pois é um campeonato duro, de nível espetacular.”

E aí, o que acha sobre as ideias de Paco Jimenez? Combinam com o ideal contemporâneo no futebol ou não?

Deixe seu comentário:

Resultado de imagem para Paco Jimenez treinador

– Sempre ouça todos os lados antes de fazer juízo! O caso de Suzy, do Fantástico.

Bombou na última semana a história de Suzy, uma detenta transsexual que não recebia visitas, cartas ou qualquer manifestação de carinho. Assim como ela, muitas outras pessoas são esquecidas no mundo e sofrem com a solidão.

O Fantástico mostrou a visita do Dr Dráuzio Varella à penitenciária onde ela está, onde ele deu um abraço afetuoso e contou-se a história dela, que comoveu a todos.

Porém…

O crime dela é pavoroso: estuprou e estrangulou um menino de 9 anos. Teria sido por isso que ela não recebia visitas?

Claro que devemos perdoar, amar ao próximo e exercer o direito / permissão à defesa e reintegração social. Mas não houve, digamos, um excesso de comoção à Suzy? Como teria sido o acolhimento / consolo AOS PAIS da vítima? Na mesma intensidade?

Seria interessante que a Globo (ou qualquer outra emissora) mostrasse a tristeza das vítimas com a ausência da criança. Não por vingança, mas pela necessidade justamente de piedade.

Enfim: a tolerância deve existir, assim como o respeito às leis e à vida alheia. Mas causa-me espanto a não preocupação em vangloriar pseudas-vítimas da sociedade. Suzy cumpre pena por matar uma criança indefesa – e não é Fake News, é o mundo real.

Em: https://www.oantagonista.com/brasil/tia-de-suzy-relatou-que-sobrinha-abusou-de-outras-criancas/

TIA DE SUZY RELATOU QUE SOBRINHA ABUSOU DE OUTRAS CRIANÇAS

No processo em que Suzy foi condenada por estuprar e estrangular um garoto de 9 anos, uma tia da transexual, em condição de testemunha, relatou outras monstruosidades cometidas por sua sobrinha.

“Fiquei sabendo que ele trabalhava na padaria e foi acusado de estar abusando de uma criança de três anos e os parentes da criança foram na minha casa atrás dele, querendo matar ele”, afirmou.

Ela disse ainda que Suzy, cujo nome de batismo é Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos, tentou estuprar um outro sobrinho dela.

“Fiquei sabendo que ele foi passar férias na casa do irmão e tentou estuprar meu sobrinho de cinco anos, quatro a cinco anos. (…) Na escola era acusado de pular o muro da escola, ir no banheiro passar a mão em alguém, roubava os professores, de estupro (…).”

E acrescentou ainda que, quando adolescente, Suzy “foi assaltar, entrou no apartamento e a moça com uma criança novinha no colo se assustou e pulou a janela, e ele estava com a faca na mão”.

Resultado de imagem para suzy oliveira crime

– Entregou o atestado e foi para a praia?

Coisas de um país onde se apronta de tudo, lamentavelmente: o funcionário entregou um atestado médico alegando estar doente, e foi para a… praia! Se não bastasse, postou fotos em sua rede social.

Cara de pau ou não?

Acabou mal. Abaixo, extraído de: https://www.contabeis.com.br/noticias/42239/trabalhador-que-entregou-atestado-e-postou-foto-na-praia-e-multado/

TRABALHADOR QUE ENTREGOU ATESTADO E POSTOU FOTO NA PRAIA É MULTADO

Operador de máquinas postou fotos na praia em dias em que estava afastado por atestado médico.

Um operador de máquinas de Espírito Santo do Pinhal, na região de Campinas, foi condenado a pagar multa de R$ 500 ao empregador por litigância de má-fé após o desenrolar de um processo judicial que comprovou que ele havia postado fotos na praia em dias em que estava afastado por atestado médico.

Adicional de insalubridade

Segundo o acórdão, o caso teve início quando o funcionário foi à Justiça fazer uma reclamação trabalhista contra a empresa, pedindo adicional de insalubridade e alegando que havia desenvolvido doença ocupacional em decorrência do trabalho na empresa, uma fábrica de vidros temperados.

O empregado foi admitido em junho de 2014 e dispensado em novembro de 2015, sem justa causa. Um mês antes da demissão, apresentou atestado médico de dois dias, com a justificativa de “ruptura espontânea de tendões não especificada”.

Além do adicional de insalubridade, o funcionário pediu à Justiça a manutenção do plano de saúde, reintegração ou indenização do período de estabilidade, indenizações por danos morais e materiais e honorários advocatícios.

Redes sociais

Nos autos do processo, a empresa usou como provas postagens em redes sociais do funcionário que, nos dois dias de afastamento, publicou fotos em uma praia.

“O reclamante alega que, em virtude da doença ocupacional, ‘se tornou praticamente inválido’ e terá que se aposentar por invalidez, de modo que as atitudes não se coadunam com os fatos por ele narrados ou até mesmo com os atestados apresentados à empregadora”, diz na decisão a desembargadora Larissa Carotta Martins da Silva.

Decisão

O juíz de 1º grau negou todos os pedidos do trabalhador e o condenou por litigância de má-fé, com condenação de multa de R$ 500 à empregadora.

O TRT-15 (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região) negou o recurso apresentado posteriormente pelo funcionário e manteve a decisão do juíz da primeira instância, mantendo a multa.

“O atestado tinha relação com um dos pedidos da ação, que pretendia comprovar uma suposta doença ocupacional. Como a utilização do atestado visava um benefício no processo, a prova se revelou inidônea, então é perfeitamente cabível a indenização por litigância de má-fé”, explica o advogado Marcos Lemos, do Benício Advogados Associados.

Atestado falso

Apresentar atestado médico falso, além de ser considerada falta grave, pode levar a uma demissão com justa causa do funcionário.

“Nesse caso, o trabalhador não terá direito ao saque do FGTS e à multa de 40% sobre o fundo. Seguro-desemprego e saldo de férias ou 13º proporcionais também não serão recebidos”, explica Lemos.

Outro caso semelhante é quando o funcionário apresenta um atestado médico que é verdadeiro, mas que é incompatível com a sua condição real de saúde.

“Se ele disser que tem uma doença limitante, como uma crise renal aguda, e a empresa ver que, no período de afastamento, ele estava jogando futebol, por exemplo, ela poderá acionar um médico do trabalho para uma análise médica presencial. Se houver base médica para a conclusão, caberá justa causa”, afirma o advogado.

Resultado de imagem para entregou atestado e foi à praia

– Eita, Berlusconi!

Quer dizer que o ex-primeiro ministro italiano e polêmico bilionário Sílvio Berlusconi (aquele mesmo das festas “bunga-bunga”), está com 83 anos e agora solteiro?

Vejam que auto-estima: ele se separou de Francesca, sua jovem esposa de 34 anos (portanto, 50 anos mais nova) e está namorando Marta Fascina, de 30.

O italiano é danado ou não? Cá entre nós, no íntimo deles, será que o amor está prevalecendo apesar de mais de meio século de diferença de idade?

Nada contra amores de grande diferença de idade, mas pelo histórico dele, é algo complicado… Mas não é problema meu, certo? Eu sou um amante a moda antiga: casamento, uma única vez e para sempre!

Informações extraídas de: https://istoe.com.br/berlusconi-encerra-namoro-com-francesca-pascale/

Crédito: Reprodução

– Contra a Depressão, uma esperança: a Ketamina!

Uma droga usada na Guerra do Vietnã torna-se a grande esperança na luta contra a Depressão. Mudando a “percepção do mundo” do paciente, ela segura o fluxo de pensamentos negativos. Está sendo desenvolvida em versões oral, nasal e subcutânea, embora não se saiba os efeitos dela a longo prazo.

Conheça a ketamina, na matéria extraída da Revista Isto É, edição 2516, 14/03, pg 60, por Cilene Pereira:

REVOLUÇÃO CONTRA A DEPRESSÃO

Usada originalmente como anestésico, a ketamina trata os sintomas mais graves em duas horas. É considerada o maior avanço contra a doença desde o Prozac.

Um anestésico usado desde a década de 1960 é a grande aposta da medicina no tratamento da depressão. Na maior parte dos estudos realizados até agora, a ketamina tirou os pacientes de crises graves com rapidez impressionante. A última das pesquisas, feita sob o comando do Instituto Nacional de Saúde (NIH), dos Estados UNidos, revelou que em apenas duas horas a droga reduz sinais graves, como ideias suicidas, e atinge o pico em 24 horas. As medicações tradicionais demoram em média quinze dias para sutir efeito. Por isso, a Ketamina é considerada a maior revolução contra a enfermidade desde o Prozac, lançado em 1986.

Por enquanto, o remédio, que existe nas versões oral, intravenosa, nasal e subcutânea, não foi liberado para uso como antidepressivo por agências regulatórias, incluindo a brasileira. Essa indicação é considerada off-label (fora da indicação original). No entanto, uma de suas derivações, a esketamina, já recebeu, nos EUA, o status de “breakthrough therapy” para uso em indivíduos com risco iminente de suicídio. A classificação significa que, nesses casos, a droga pode ser oficialmente indicada.”Queremos regulamentar seu uso”, escreveu Carlos Zarate, coordenador do levantamento do NIH. “Ela é uma mudança de paradigma.” Nesse momento, a droga é estudada em centros do mundo todo, como no Warneford Hospital, na Inglaterra, onde mais de 40% dos participantes melhoraram de forma significativa. No Brasil, uma das instituições a pesquisá-la é a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os resultados observados são bem animadores. “É uma grande mudança”, afirma o psiquiatra José Alberto del Porto, professor da Unifesp. “Não tínhamos nada parecido.”

Alguns médicos, tanto aqui quanto em outros países, também estão receitando o remédio mesmo fora dos estudos clínicos. Desde que haja supervisão médica rigorosa, não há problemas nisso. Há, porém, questões a serem esclarecidas. Entre elas, os efeitos da utilização da ketamina a longo prazo e o risco de dependência que isso pode trazer.

bomba.jpg

– Dia Internacional da Mulher

Hoje é Dia Internacional da Mulher. Sou meio contra certas comemorações, pois, afinal, deve-se respeitar as mulheres todos os dias, assim como todo dia é dia dos pais, das mães, entre outras datas.

Mas já que existe o simbolismo da data: Feliz Dia das Mulheres!

imgres.jpg

– Simpatia ou Amolação das Empresas nas Redes Sociais? O diálogo com o cliente!

Como uma empresa pode se tornar transparente para o consumidor? Através do diálogo aberto com os seus clientes, as empresas conseguem ganhar a simpatia e a atenção daqueles que, afinal de contas, os sustentam!

John Elkington, um dos gurus da Administração de Empresas, certa vez escreveu sobre a importância dessas ações. Para ele, uma das formas das organizações entrarem em contato com as pessoas é através de redes sociais, como Twitter e Facebook.

Nós temos observados um sem número de empresas que assim procedem. Mas o que lhe parece o fato das mesmas usarem essas mesmas mídias para enviar propaganda de produtos? O contato vira Spam, aborrece e insatisfaz o cliente.

Uma das formas mais eficazes, incontestavelmente, ainda é o boca-a-boca. Independe do tamanho da empresa! A repercussão de um bom produto ou serviço acaba sendo um dos maiores índices de influência na decisão de compra. E esse tipo de mídia social, não virtual mas pessoal, pode ser visto em qualquer canto. Vá ao Centro de Jundiaí e use dos serviços de alguma loja local. Se for bem atendido, você fala aos seus amigos. Se for mal atendido, a cidade inteira saberá!

E você, o que pensa sobre os contatos das empresas: isso traz simpatia ou amolação?

Abaixo o artigo citado, extraído de ELKINGTON, John. A Voz das Empresas. Revista Época Negócios, pg 66., maio/2010:

A VOZ DAS EMPRESAS

O que se requer delas é que dialoguem nas mídias sociais de maneira franca e honesta, em vez de se buscar publicidade.

“Abrir-se é bom; fechar-se é ruim.” Ninguém esperava ouvir isso de um ex-executivo do alto escalão da Shell, mas quando Björn Edlund tomou a palavra durante o congresso “Só Meios”, sobre mídia social, sua franqueza foi brutal. Ele disse que “as grandes empresas têm a obsessão do controle, e não do diálogo”, mas acrescentou que o pensamento corporativo está começando a mudar.

Decorrida uma década de aventuras no mundo hipersaturado e prestes a entrar em colapso da Nova Economia, voltamos ao clima tenso em meados de 2009, com a realização de pesquisas sobre as implicações da nova onda de redes sociais para a transparência e a prestação de contas das empresas, bem como suas possíveis aplicações, tendo sempre a equação da confiança em mente.

Embora a presença das empresas na mídia social ainda esteja no início, são grandes as oportunidades de maior transparência, envolvimento e colaboração. O que se requer delas é que participem desse diálogo, talvez difícil, de maneira honesta e franca, em vez de usar esse canal para fazer publicidade. Na verdade, o conceito mais difícil de entender para muitas empresas é o de que é preciso assimilar uma certa perda de controle, e que deixar o diálogo fluir sem interrupções, filtros e de uma maneira que encontre seu próprio equilíbrio resultará no feedback indispensável tanto de partidários quanto de críticos.

Tome-se como exemplo a Timberland e sua plataforma Vozes do Desafio, que se abriu à discussão e às dificuldades próprias das questões fundamentais de sustentabilidade, que vão desde normas aplicáveis à mão de obra da cadeia de suprimentos até a política de mudança climática.

Mesmo as empresas mais sofisticadas passam, às vezes, por momentos difíceis quando têm de lidar com a mídia social. Quem acompanha a página da Nestlé no Facebook viu, em março, o que pode acontecer quando a empresa tenta controlar a conversa. Em resposta à exigência do moderador de que os participantes parassem de modificar os logos da empresa, um deles tentou, com muito empenho, educar a Nestlé em relação aos benefícios da mídia social. “Participar da mídia social significa abraçar o seu mercado, participar dele e cultivar o diálogo, em vez de passar sermões.” Infelizmente, o moderador não compartilhava desse ponto de vista e deu a seguinte resposta: “Obrigado pela lição de boas maneiras. Considere-se abraçado. Contudo, esta página é nossa, somos nós que criamos as regras, sempre foi assim”. Seguiu-se uma avalanche de comentários que foi acompanhada de um pedido de desculpas da empresa.

Nos dois casos, as empresas fizeram contato – a página do Facebook da Nestlé tem, por incrível que pareça, mais de 90 mil fãs ativos. O impacto de ambas também foi grande, em razão da natureza viral dos blogs e tweets. Ao final, porém, foram o tom e o estilo que deixaram a Nestlé do lado errado da equação e a Timberland, do lado certo.

Imagem relacionada

– Um ótimo domingo para todos (em 5 cliques):

Começando de ontem para hoje: viram que entardecer muito bonito tivemos no sábado?
Vem da Rodovia Bispo Dom Gabriel Paulino Bueno Couto (a Estrada Jundiaí – Itu, antigo trecho da Mal Rondon) o primeiro clique do dia:

Joia! Já chegando ao domingo, na minha costumeira insônia, postando o segundo clique, de incentivo à prática esportiva e convite ao cooper na madrugada. Como é bom correr!
Chamando para a “corrida-corujão”:

Durante a prática esportiva, aproveitando para deixar a mente, a alma e o corpo em total sanidade.
Rezando ao Pai pela intercessão de São João de Deus, o santo português (celebrado hoje) considerado o “Patrono dos Hospitais”, devido a vida devotada ao socorro dos pobres e indigentes doentes. O clique para meditar:

E depois de suar bastante, vale a pena alongar em meio ao jardim, contemplando as roseiras. Ainda no escuro, o 4o clique de hoje é das rosas tão bonitas na alvorada.
Cá entre nós – jardinagem é para quem gosta… olhe a flor na foto com flash:

Por fim, terminando o exercício e curtindo a adrenalina, admirando o amanhecer jundiaiense. Cliques como esse derradeiro que compartilho só me trazem inspiração:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

Ops: e esse sol das 08h?

O 6o clique (extra):