– Sabe a vontade que o árbitro tem quando isso (relatado abaixo) acontece?

O Paulista consegue se superar na jornada, respira, traz esperança e… aí vem um bobão e dá uma de valente, estragando tudo! Explico:

Quando eu apitava, uma das coisas que menos importava eram xingamentos das arquibancadas. Isso era irrelevante (e é ainda hoje) para a maioria dos juízes (embora, na cabeça do torcedor, faz diferença).

O que irrita, não intimida mas deixa com raiva, é gente querendo aparecer, dando uma de machão e chutando porta do vestiário. Tem dirigente que é tão babaca que depreda o patrimônio do próprio clube.

ACABOU esse tempo em que se resolve as coisas na porrada no futebol profissional.  Entre os árbitros, cartola que faz isso é chamado de trouxa; um conta para o outro e o árbitro do próximo jogo fica louco de vontade em afrontar um cidadão assim. Principalmente pelo ato babaca, por saber que se colocar na súmula a FPF vai multar e se carregar nela, pode até fazer perder o mando ou jogar de portões fechados.

Digo tudo isso pois cansei de ver clube se ferrando por causa de chutes na porta do vestiário. E repito: o árbitro não está nem aí pra isso, pois sabe que nos tempos de hoje ele tem o poder da caneta e a consequência é a de escrever direitinho na súmula para o Tribunal punir. E como o TJD gosta de fazer isso…

O que é que o cara ganha em tal ato idiota, o de chutar a porta? Estamos em 2020! Achar que vai sair por aí contando vantagem para os outros, dizendo que pressionou o juiz e por isso o time ganhou? Sério? Pobre coitado…

Sabe o que é pior? Quando o árbitro vai muito bem na partida (e foi), e que quem esteve representando a FPF no jogo tem relevância na opinião (e ele tem) e ainda mais quando o time ganha (e ganhou), alguém vai chutar a porta do vestiário, certamente o “ferro” a ser levado é maior.

Assim, acionem os advogados: o árbitro do jogo Paulista 1×0 Primavera relatou que no intervalo (quando vimos uma movimentação da Polícia indo aos vestiários), uma pessoa IDENTIFICADA chutou a porta dos vestiários e encheu o saco da arbitragem com ofensas. Apesar do presidente Rogério Levada ir pedir desculpas, é como um atleta agredir um adversário e o capitão do time lamentar.

Quando as coisas parecem que vão engrenar, aparece caras sem noção… Lamentável! Fico revoltado com esse tipo de burrice. Tomara que a pena seja a mínima possível.

ATUALIZANDO: a súmula com o indivíduo identificado em: http://conteudo.fpf.org.br/sumulas/2020/4676/75.pdf

Como esse agente de jogadores foi parar lá? Ele é empresário de quem?

Resultado de imagem para burro

– Análise da Arbitragem de Paulista 1×0 Primavera

Uma arbitragem criteriosa nesta tarde no Jayme Cintra. Gostei do que vi!

Rodrigo Gomes Paes Domingues esteve muito bem em campo, apitando com segurança e atenção.

Logo aos 5m, após dar vantagem e não marcar uma falta temerária, aplicou corretamente o Cartão Amarelo na 1ª paralisação. Mas errou aos 10m, quando o jogador Victor (PRI) deu uma solada perigosa e nada marcou. Os outros cartões (que foram muitos), tanto no 1º quanto no 2º tempo (incluindo as expulsões de José Augusto e Johnson), foram todos corretos. Também coibiu a cera e lances de simulação (em especial, as de Robinho no final do jogo). Uma arbitragem correta e que merece elogios.

Bom trabalho também do assistente 1 Wellington Bragantim Caetano; idem ao assistente 2 Ricardo Luis Buzzi, que aos 50 minutos acertou ao não marcar impedimento do ataque do Primavera, num lance muitíssimo ajustado.

Ridícula a postura do 4º árbitro Gustavo Holanda de Souza, que estando perto ou estando longe da bola,  ficava sinalizando com os braços algumas “marcações”. Do outro lado do campo, se acontecia uma falta, ele apontava o chão. Pra quê? Na lateral, como um bandeira sem o instrumento, indicava o lado juntamente com o assistente 1 Wellington Bragantim. Até que, aos 15 minutos, o bandeira marcou um lateral a favor de uma equipe, e ao seu lado, com o braço estendido, o 4º árbitro marcava para outro! Imagine as reclamações dos atletas… foi uma cena “pastelão”, atrapalhando o assistente que houvera marcado corretamente. A impressão que deu é que ele é um árbitro sem apito, com muita vontade de entrar em campo. Essa “vontade de ajudar demais” prejudica os bandeiras e o árbitro, além de irritar os jogadores. Certamente, seus colegas de arbitragem o alertaram disso no intervalo, pois voltou menos atuante nesses erros.

Faltas: 24×20

Cartões Amarelos: 4×2

Cartões Vermelhos: 1×1

Renda: R$ 7.670,00

Público Pagante: 632 pessoas

Atualização – IMPORTANTE: o Paulista foi citado na súmula com destaque negativo pela irresponsabilidade de alguém que ficou chutando a porta do vestiário da arbitragem. Aqui: https://professorrafaelporcari.com/2020/03/07/sabe-a-vontade-que-o-arbitro-tem-quando-isso-relatado-abaixo-acontece/

88175523_3778177308889570_3229902865011048448_n

– Parabéns Nando Reis! Drogas, não.

Estava ouvindo o ex-Titãs Nando Reis no Programa Morning Show da Rádio Jovem Pan, meses atrás. E questionado sobre as frequentes declarações de compositores que fazem canções sob efeito de drogas (que elas inspirariam), ele declarou:

Eu não posso dizer que usava para compor, já fiz boas a más canções com elas. Mas para você sair é difícil, foi uma luta para eu parar. Você não precisa da droga. Eu usava para fugir do mundo, mas para isso existe outras coisas como ginástica por exemplo. E as drogas fazem muito mal!“.

Se eu já o admirava, admiro muito mais!

Xô, drogas!

bomba.jpg

– Telê Santana no Roda Viva

Sensacional para quem gosta de futebol: o Mestre Telê no Programa Roda Viva, nas edições totalmente disponibilizadas na íntegra pela TV Cultura, sob o título de “Roda Viva Retrô”.

Nela, há aquela famosa afirmação do mítico treinador de que o São Paulo foi rebaixado para a 2a divisão do Campeonato Paulista. Mas isso nem importa, importa é reviver um dos defensores do futebol-arte e mentor da lendária Seleção Brasileira de 1982. Aproveite para rever o Luís Volpe, falecido recentemente, além do saudoso Roberto Avallone e o brilhante Osmar Santos.

Aqui: https://www.youtube.com/watch?v=yxlt_jZceQI

– Design Inteligente, Ciência e Fé. Qual o problema?

Hoje, a Teoria do Design Inteligente (TDI) traz à luz um novo debate: a Ciência e a Religião ainda são taxadas como inimigas?

Para muitos, sim. Há aqueles que procuram um meio-termo, e outros, ainda, sustentam que elas se complementam. Há séculos, foram notórios os conflitos entre estudiosos e religiosos. 

A TDI tem trazido uma certa polêmica por desconhecimento de pessoas que não sabem o que ela defende. Para muitos, a TDI é puramente criacionista – embora isso não seja verdade. Há radicais também, como em toda e qualquer, e isso pode assustar quem não a conhece. Bem simploriamente: o homem e a mulher foram desenhados, criados, guiados por uma mão poderosa, dentro de um processo evolutivo.

Porém, pelo menos 3 Papas se pronunciaram sobre ela, e todos de forma positiva:

O falecido Papa João Paulo II, no começo do seu pontificado, proclamava a belíssima encíclica de que “a Fé e a Razão são duas asas que nos elevam para o Céu”. Em 1996, declarou que:

A Teoria da Evolução das Espécies era mais do que uma hipótese”.

Isso não impede que o Livro do Gênesis deixe de ser respeitado, já que é uma versão poética inspirada à luz do Espírito Santo sobre a Criação do Mundo, mostrando que tudo foi formado por Deus a seu tempo, mostrando por Adão e Eva (referindo-se aos primeiros homens e mulheres) como o pecado entrou na humanidade.

Já o Papa Emérito Bento XVI demonstrou muita simpatia ao declarar que:

O Design Inteligente sustenta a evolução, já que a idéia de que a seleção natural por si só é insuficiente para explicar a complexidade do mundo”.

Seu mais próximo auxiliar, o Cardeal Schoenborn, em 2005, foi perfeito em sua objetiva mensagem, a qual comungo, escrevendo que:

A evolução no sentido da ancestralidade comum pode ser verdade, mas a evolução no sentido neo-darwinista – um processo não planejado e sem guia – não é”.

Recentemente, o Papa Francisco declarou que:

Deus não usa uma varinha mágica capaz de fazer tudo (…) Ele criou os seres humanos e deixou que eles se desenvolvessem de acordo com as leis internas que ele deu a cada um para que eles cheguem ao seu cumprimento. O Big Bang, que hoje temos como a origem do mundo, não contradiz a intervenção do Criador Divino, mas sim o exige”.

Em suma, podemos sintetizar numa única questão: tudo foi uma grande coincidência?

Me custa crer que uma força maior – e na minha fé, um Criador (Deus, Nosso Pai) – não tenha sido o grande responsável pelo Universo. Imaginar que os milhares de seres surgiram pela combinação aleatória de forças químicas, biológicas e inanimadas, é ser, até certo ponto, forçoso.

Para crer em evolução das espécies não precisa ser ateu. Ao contrário: aquilo que Deus construiu aos poucos, evoluiu conforme seus anseios. Ou foi um grande acaso que após milhões de anos o homem reina sobre a Terra?

Ainda sobre esse assunto, o professor Marcos Eberlin, uma autoridade sobre TDI (e um dos homens mais respeitados no Brasil e no Exterior sobre a área de Química, com inúmeros trabalhos importantes apresentados), falou na página 3 da Folha de SP, em “Tendência e Debates”.

Abaixo, em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/02/o-design-inteligente-tido-como-vertente-do-criacionismo-e-uma-teoria-cientifica-valida-sim.shtml

DEBATE: O design inteligente, tido como vertente do criacionismo, é uma teoria científica válida?

  • SIM. É a maior novidade científica sobre nossas origens

(Expressa a opinião do autor do texto: Marcos Eberlin)

Ciência é busca da verdade, que liberta de superstições. É confronto de hipóteses à luz dos dados. A teoria do design inteligente (TDI) é ciência de detecção de design, que distingue efeitos de causas naturais daqueles de causas inteligentes. 

A TDI argumenta com leis (exemplo: biogênese) e critérios (complexidade irredutível, informação, antevidência e ajuste fino), segue o método científico (observação, hipótese, experimentos e conclusão) e se alicerça só em dados: da física, da bioquímica, da biologia, da cosmologia e de ciências afins. 

É falseável, pois detalha suas teses; faz previsões acertadas, como a riqueza genética do “DNA ex-lixo” e a utilidade dos “órgãos vestigiais”, como o apêndice. É defendida por milhares de cientistas, alguns laureados com o Nobel, que publicam artigos e livros, como “A Caixa Preta de Darwin”, “Signature in the Cell”, “Darwin’s Doubt”, “Darwin Devolves” e “Foresight”. TDI é ciência, e em sua mais pura essência.

A TDI defende Deus? Falso! Se Ele é Deus, não carece de defesa. Defendemos a ciência. Aponta para um criador? Fato! Mas a evolução não aponta para a inexistência dele? O biólogo Richard Dawkins não se declarou intelectualmente realizado como ateu após Darwin? Seria a evolução uma vertente do ateísmo? Cientistas como Francis Collins são criacionistas evolutivos. Eu, teísta, assim o fui. Seria a evolução uma vertente do criacionismo? Antony Flew —o maior ateu do século 20— tornou-se um defensor da TDI. O astrônomo Fred Hoyle era ateu, mas optou pelos ETs como seu designer.

Seria a TDI uma vertente do ateísmo ou da panspermia? O filósofo David Berlinski e o bioquímico Michael Denton são agnósticos e defendem a TDI. Seria a TDI uma vertente do agnosticismo? Sejamos honestos: tanto a evolução quanto a TDI, enquanto ciência, acomodam diferentes posições filosóficas e teológicas: é inevitável! É desonesto invocar essas posições no debate.

Um designer metafísico não pode ser estudado pela ciência? Fato! Mas a TDI não estuda o designer, nem se arrisca; avalia só a obra —o universo e a vida. A TDI é ciência análoga ao programa Seti (Busca por Inteligência Extraterrestre, na sigla em inglês), às ciências forenses e à arqueologia. Aplicaram a metodologia de detecção de design do Seti ao DNA e publicaram o artigo “The ‘Wow! signal’ of the terrestrial genetic code” (Icarus, 2013). Há design inteligente (DI) detectável no DNA.

A teoria da evolução é consenso e mais lei do que a gravidade? Falso! Veja os “Dissidentes de Darwin”: mais de mil bravos cientistas. Sociedades de DI se espalham pelo mundo. Quem ousaria desafiar Darwin, se absoluto fosse? Congressos tentam “salvar” a evolução, como o “New Trends in Evolutionary Biology” (Royal Society, 2016). Lá, disseram: “Não sabemos como a evolução fez, só não foi por DI!”

Adaptações ocorrem? Fato! Mas são frutos de “DI genético” e se limitam às famílias, como experimentos equivalentes a “milhões de anos” demonstraram. Tentilhões continuam tentilhões; vírus, vírus; celacanto, celacanto. Mutações criam máquinas moleculares de novo e sofisticam a vida? Falso! Não há sequer um exemplo disso na literatura. 

O registro fóssil confirma Darwin? Falso! A explosão cambriana —o surgimento repentino de diversos e complexos animais no período Cambriano— e a carência de formas transicionais demonstram que não.

Não se iluda com “discursos”. Ninguém desqualifica adversários como “hereges religiosos” se fosse possível refutar suas teses.

A TDI é a maior novidade científica sobre nossas origens. Revigora a ciência; a resgata do dogma materialista. Cresce no mundo todo, pois é ciência pura. O filósofo Thomas Kuhn previu o “pânico acadêmico” de quebras de paradigmas, como esse que o design inteligente causa, e a dificuldade de desviar o “Titanic darwinista”. Mas estamos virando o leme! A verdade vencerá —quem viver, verá!

Marcos Eberlin

Presidente da Sociedade Brasileira de Design Inteligente (TDI Brasil), é doutor em química pela Unicamp e pós-doutor pela Universidade de Purdue (EUA)

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

di+di+di+di+di+um.jpg

– A cobrança do trabalho fora do expediente (e via WhatsApp)

Aconteceu no ano passado, mas como o assunto permanece atual, vale o destaque: muitas vezes destacamos como é ruim o fato de funcionários usarem o seu telefone e/ou aplicativos e redes sociais durante o expediente. Mas e quando a empresa o faz fora do horário de trabalho, cobrando metas do empregado?

Um caso real, acontecido no Brasil, que gerou indenização,

Extraído da Folha de São Paulo, página A28, Caderno Mercado, 26/11/18

COBRAR EMPREGADO POR WHATSAPP GERA INDENIZAÇÃO

A Terceira Turma do TST (Tribunal Superior do Trabalho) condenou a Telefônica a pagar indenização a um vendedor, porque seu chefe enviava mensagens de WhatsApp cobrando metas e resultados fora do expediente.

A decisão, unânime, fixou indenização de R$ 3.500.

Para o Tribunal Superior, a conduta extrapolou os limites, além de gerar apreensão, insegurança e angústia no funcionário. A Vivo, marca comercial do grupo Telefônica Brasil, disse que não comenta processos judiciais.

No processo, o vendedor disse que sofria assédio moral, com pressões excessivas por resultados e ameaças de demissão caso não atingisse as metas. A pressão, afirmou, afetou sua vida privada e sua integridade psicológica.

As testemunhas relataram que havia cobranças durante e depois do horário de expediente, via WhatsApp.

Além disso, foi dito que o desempenho de cada vendedor era afixado no mural da empresa e exposto pelas mensagens do aplicativo. O gerente, afirmaram, também cobrava respostas às mensagens enviadas fora de hora.

Inicialmente, o pedido havia sido negado. Para a primeira instância, não havia pressão excessiva. O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região disse que havia opção de não ler ou não responder.

Já no TST, o relator, ministro Alexandre Agra Belmonte, entendeu que é preciso estabelecer limites e que a conduta invade a privacidade.

“Se não era para responder, por que enviar a mensagem por WhatsApp? Mandou a mensagem para qual finalidade? Se não era para responder, deixasse para o dia seguinte. Para que mandar mensagem fora do horário de trabalho?”, questionou.

bomba.jpg

– E a reunião da IFAB 2020 não trouxe novidade ao Futebol

A reunião anual da International Board, que discutiu mudanças da Regra do Futebol no último dia 29 de Fevereiro em Belfast, na Irlanda, não trouxe novidades.

Algumas das propostas (as principais em: https://wp.me/p4RTuC-oSw) não saíram do papel. Mas o que foi discutido e será retomado:

  • A realização de testes para as mudanças do impedimento, mas sem previsão / prazo para que aconteçam, visando, segundo o IFAB, maior ofensividade (ideia de Arsené Wenger, no link acima).
  • A permissão para uma 4a substituição em casos de concussão de atletas, desde que uma junta médica comprove a lesão e com prazo para ser estudado e implantado até os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Desta vez, poucas modificações. Será que as excessivas mudanças dos últimos anos fizeram com que nessa oportunidade as alterações foram mais lights?

Resultado de imagem para Regras do Jfutebol

– Não existindo o preservativo masculino…

… o que aconteceria ao mundo?

Olhe só que curioso: uma reportagem de como seria provavelmente nossa sociedade se não tivesse sido criada a Camisa de Vênus?

Ops: para os mais jovens, é o nome da “camisinha”.

Extraído de: https://super.abril.com.br/comportamento/e-se-todo-mundo-parasse-de-usar-camisinha/

E SE…TODO MUNDO PARASSE DE USAR CAMISINHA?

Por Ana Carolina Leonardi

Você chega ao pronto-socorro e encontra um conhecido. “Essa onda de gripe me pegou”, você puxa papo. “Vim só tratar uma clamidiazinha”, ele responde. Nenhum dos dois pisca. O papo segue normalmente. O diálogo parece de outro mundo – e é.

Vem de uma realidade paralela em que a população inteira abandonou a camisinha. Olhando para o mundo real, nem é difícil imaginar o motivo. A verdade é que desde que a camisinha surgiu, há 3 mil anos, com os egípcios enrolando suas partes íntimas com retalhos de linho, muito pouco mudou no “design” do preservativo. A camisinha ficou, sim, mais fina. Mais higiênica. Mais barata. Mais eficiente. E nem assim pegou como deveria. Apenas 5% dos homens no mundo usam preservativos com uma mínima regularidade. Os solteiros são mais assíduos, porém igualmente inclinados a abandoná-los ao primeiro sinal de compromisso. Só um em cada dez casais, diz a ONU, se interessam por eles. E o medo das doenças sexualmente transmissíveis, diferentemente do que se pensa, não é um grande motivador: mesmo com tanta oferta de camisinha a preço de banana, 100 milhões de pessoas por dia são diagnosticadas com DSTs. Muito por isso, a dimensão imaginária na qual a camisinha foi ostracizada é bem menos hipócrita que a nossa. Um mundo sem camisinha teria mais gente, claro. 15% das mulheres dependem só dela para evitar a gravidez. Isso significa 275 milhões de mulheres em idade fértil. A probabilidade de engravidar em um ano de sexo completamente desprotegido é de 85%. Seriam 233 milhões de pessoas a mais no mundo (…). O inusitado é que já existem tecnologias sendo testadas para tornar a camisinha obsoleta. Uma delas é um spray, em desenvolvimento pela Universidade de Oregon (EUA): você aplica sobre o pênis com algumas horas de antecedência. Ele se transforma só na hora H em um preservativo 100% sob medida. E 0% inconveniente. Enquanto nada disso fica disponível na farmácia, por favor, não pare de usar camisinha.

Resultado de imagem para Camisinha

– Paulista: somos todos nós!

Hoje, diante do Primavera de Indaiatuba, o Paulista precisa ganhar para tentar sobreviver na Série A3. Se perder, ficará muito difícil o não-rebaixamento. E é por isso que o Galo precisa do apoio de todos nós.

O Paulista é um patrimônio de Jundiaí, mas, ao mesmo tempo, uma entidade privada. Não pode depender de apoio político (embora ele possa aparecer em momentos oportunos e demagogos). O Paulista precisa de ajuda da comunidade! Dos torcedores assíduos e dos eventuais, das empresas grandes e das pequenas locais (respeitando, claro, a dificuldade financeira que cada uma delas têm, pois o retorno econômico muitas vezes não compensa).

O principal: nesse momento, o clube não pode se dividir. O Paulista não tem “um dono”, então a união é fundamental! E quando ameaça ter dono, a coisa complica. Lousano e Parmalat foram parceiros que deixaram frutos, passaram e o clube ainda está vivo (há mais de 100 anos, lembremo-nos). Tivemos a Magnata e o Campus Pelé, que passaram também e os frutos não foram bons. Por fim, tivemos a Kah Sports, que quando alertávamos ser uma agência de jogadores sub 23, acabamos tendo até mesmo a repulsa de muita gente que passou a idolatrar os membros dessa parceira. Na 4a divisão, Sub 23 contra Sub 23, com elenco e jogadores agenciados aos montes, o acesso veio. Mas na 3a divisão (que eles nunca jogaram e nunca tinham interesse em ter veteranos experientes, já que não daria lucro) fizeram esse papelão e deixaram um elenco sem as características do torneio. Elogiei o Edson Fio e o Hikmat quando merecedores anteriormente, mas isso não pode se tornar gratidão eterna, pois, afinal, eles estavam num negócio, não fazendo um favor e nem sendo assistencialistas. Por mais que não gostassem de críticas e quisessem cooptar adoradores (ou não criaram quase uma legião de seguidores de uma “Kah FC” dentro do Paulista?), agora estão aguentando as críticas daqueles que se sentiram traídos e que têm razão de estarem bravos (e que, cá entre nós, foram enganados com palavras doces, tentativas de jogar a imprensa contra a torcida e outros blablablás bem elaborados).

O Paulista não é dos torcedores da cativa ou da arquibancada, é de todos, incluindo os que torcem por Rádio ou pela TV. Não é só da Raça ou da Gamor, é do anônimo também. Não é da imprensa ou da cartolagem, é de quem gosta do clube. Não é do Cobrinha (que vive a maior parte do dia dentro do Jayme Cintra e devota uma paixão imensurável) ou do setorista que vem só no dia de jogo porquê a TV o mandou, mas de todos do entorno.

O Paulista NÃO PERTENCE a ninguém desses, pois o Paulista SÃO esses. Não é de alguém, pois é um sentimento. O Paulista SOMOS TODOS NÓS!

Torça do seu jeito, una-se com os amigos que quiser, sente no lugar que for, escute onde quer que esteja, mas hoje, especialmente hoje, TORÇA! O estrago deixado foi grande, e depende da nova e da velha guarda se unirem para minimizar os danos.

No meu tempo, o Paulista caía da 1a para a 2a divisão e voltava. Era normal pela força do Paulistão na época. Mas cair para a 3a divisão era condenável. Para a 4a, uma eventualidade para respirar fundo e recomeçar. Mas ser io-iô da penúltima para a última divisão não é da grandeza do Tricolor de Jundiaí. O abalo moral de uma segunda queda para a Bzinha seria maior do que o da 1a vez (lembrando que teremos em breve 5 divisões).

Um clube dividido não chega a lugar algum. É hora de torcedores comuns, organizados, uniformizados, anônimos, eventuais, saudosistas e novatos se darem as mãos, esquecerem as divergências e torcerem juntos. Todos querem o bem do Galo e enxergam soluções por caminhos diferentes, mas, de forma unânime, todos querem isso: o sorriso no rosto de volta ao torcedor!

– Ufa! O tempo passou e…

Quando a cabeça ajuda, a barriga encolhe. Quando o sorriso é puro, cresce e se mantém!

Emagreci de uma foto para outra algumas “dezenas de quilos”. O sobrepeso deveu-se a vários fatores, embora, creiam, corri igualmente todos os dias (a prática diária do cooper sempre existiu). Hoje, voltando à normalidade, muito feliz.

Mas sabe o que chama a atenção? Minha Marina continua com o mesmo sorriso encantador, com a diferença que de banguelinha passou a usar aparelho.

O tempo passa… vale a pena aproveitá-lo e viver a vida!

IMG_3404

– Por um bom sábado!

👊🏻 Bom dia!
Bem disposto para uma nova oportunidade que a vida nos dá… que tal viver?
S’imbora correr para ter ânimo na labuta?
Fui!
🏃🏻👟 #RunningForHealth #run #cooper #corrida #sport #esporte #running #adidas #asics

🙏🏻 Correndo e Meditando no dia das virtuosas mártires e santas: #Perpétua e #Felicidade, que tanto sofreram por não negar a #fé em #Cristo.
A história delas em: http://santo.cancaonova.com/santo/santas-perpetua-e-felicidade/
⛪😇 #Santidade #Catolicismo #Jesus #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza das #flores. E a singeleza e a diversidade dessas #pétalas?
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétala #jardim #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento

🌅 Despertando, #Jundiaí.
Que o sábado possa valer a pena!
🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia

Ótima jornada para todos nós!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby