– Cortada e religada a energia elétrica do Paulista FC!

Que triste. Devendo “a conta de luz” desde abril (R$ 19 mil reais), a CPFL cortou a energia elétrica do Estádio Jayme Cintra. Depois do fato lamentável, conseguiu-se dinheiro para pagar as contas, o que fez que se restabelecesse a força nessa tarde de 5a.

Parece que o fundo do poço é ainda mais adiante…

bomba.jpg

– Paternidade faz o Papai Engordar?

Pesquisa da Universidade de Northwestern comprova: ser pai aumenta alguns quilos na barriga!

  • Posso usar como desculpa pelo excesso de peso?

Extraído de: http://t.co/RZyHpNIt2D

PATERNIDADE FAZ OS HOMENS ENGORDAREM, APONTA PESQUISA

Se é na gravidez que muitas mulheres engordam, com os homens o ganho de peso vem depois que o bebê nasce. Segundo uma pesquisa da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, ser pai engorda. O estudo foi publicado recentemente no Jornal Americano de Saúde Masculina.

O estudo acompanhou por 20 anos o peso de 10 mil homens, da adolescência até a fase adulta, e concluiu que os homens engordam mais quando se tornam pais, comparado aos homens sem filhos.

O peso destes homens foi medido em quatro momentos diferentes da vida deles: no início da adolescência, depois da adolescência, meados dos 20 anos e início dos 30, assim como o IMC (índice de massa corporal).

Os homens foram classificados como: pai, não-pai, pai que mora com o filho e pai que não mora com o filho.

Na média padrão do estudo, um homem de 1,83 m, que vive com o filho, ganhou, em média, dois quilos depois de se tornar pai. Já o homem com a mesma altura, mas que não vive com o filho, engordou, em média, 1,5 quilo depois de ter se tornado pai.

Em termos de IMC (índice de massa corporal), o estudo apontou um aumento de 2,6% no IMC de homens que vivem com os filhos ante um aumento de 2% do IMC entre os homens que não vivem com suas crias.

Já os homens com o mesmo padrão de altura e sem filhos perderam 650 gramas no mesmo período.

Este é um dos primeiros estudos a analisar a forma como a paternidade afeta o IMC, um importante marcador biológico da saúde, que classifica se estamos no peso considerado ideal, acima dele ou obesos.

Além do IMC, outros fatores foram levados em conta: idade, raça, escolaridade, renda, atividade diária e estado civil.

Estudos anteriores já relacionaram o casamento ao ganho de peso em homens, mas na paternidade ele se mostrou mais marcante.

Mais responsabilidade

“A paternidade pode afetar a saúde de homens jovens, efeito já conhecido  no casamento”, disse o principal autor do estudo, o professor de pediatria Craig Garfield, da Universidade de Northwestern.

“Quanto mais peso os pais ganham e quanto maior o IMC, maior é o risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas, bem como diabetes e câncer”, completa.

A mudança no estilo de vida e dos hábitos alimentares podem ser a causa do aumento no número do manequim, sugere o pesquisador.

“Você tem novas responsabilidades quando você tem seus filhos e pode não ter tempo para cuidar de si mesmo. A família se torna a prioridade”, afirma Garfield.

bomba.jpg

– Nós é quem pagaremos a gastança dos políticos? Sobre o aumento dos impostos dos combustíveis!

Esse país é uma brincadeira. Tempos atrás, Paulo Skaf (talvez em campanha política) saía às ruas para protestar contra o aumento de impostos, levando seu emblemático Pato. E cadê ele agora?

O Ministro Henrique Meirelles confirmou que aumentará os impostos para cobrir o déficit dos cofres da União e conseguir cumprir a meta fiscal. Ou seja: nós vamos pagar o dinheiro (que já era nosso) sumido na corrupção poli-partidária deste país!

Ora bolas, e a grana distribuída esses dias às emendas dos deputados que estavam em dúvida se apoiam ou não Temer? Como é que fica?

O PIS, a COFINS e a CIDE da Gasolina e do Diesel serão aumentados, onerando, possivelmente, em mais de R$ 0,10 os produtos. O objetivo é cobrir o buraco de (PASMEM) R$ 139 bilhões em 2017!

Entra Governo, sai Governo, e o modo como saqueiam a população, é o mesmo…

bomba.jpg

– Unicamp supera USP e é eleita a melhor da América Latina!

O renomado Times Higher Education divulgou: entre as 10 melhores universidades latino-americanas, metade são brasileiras e o topo é ocupado pela UNICAMP.

Extraído de: https://educacao.uol.com.br/noticias/2017/07/20/unicamp-ultrapassa-usp-e-ocupa-1-lugar-em-ranking-de-universidades-latinas.htm

UNICAMP PASSA USP E É A MELHOR INSTITUIÇÃO DA AMÉRICA LATINA SEGUNDO RANKING

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) é a melhor universidade da América Latina, segundo avaliação de um dos principais rankings universitários do mundo, o Times Higher Education, divulgado nesta quinta (20).

Com isso, a universidade ultrapassou a USP (Universidade de São Paulo), uma das instituições de ensino mais tradicionais do Brasil, que ocupou a primeira posição no ranking do ano passado e aparece em segundo lugar na avaliação de 2017.

O Times Higher Education é uma publicação britânica, considerada uma das principais avaliações educacionais do mundo todo, que analisa universidades desde 2011. No ranking global, a USP sempre esteve à frente da Unicamp. No ano passado, por exemplo, ficou no grupo das instituições entre o 251º e o 300º lugar, enquanto a universidade do interior paulista ficou no grupo 401º-500º. A classificação é feita em grupos a partir da posição 200.

Em 2016, a publicação britânica passou a fazer um recorte específico sobre as instituições de ensino superior da América Latina. 

Na avaliação, critérios como ensino, pesquisa, citações, visão internacional e transferência de conhecimento são utilizados como indicadores de desempenho das universidades.

Para Marcelo Knobel, reitor da Unicamp, a liderança da instituição na América Latina “é um orgulho”. Ele afirma que a universidade se destaca por ser inovadora desde a sua fundação, mantendo “um foco muito grande nas ciências aplicadas”, e por seu pioneirismo na criação da Inova, uma agência de inovação que estimula a pesquisa e o empreendedorismo dentro da própria Unicamp.

Knobel diz ainda que a “flutuação” de posições entre a USP e a Unicamp é algo que “faz parte do processo de rankings”. “As duas têm um corpo de professores, estudantes e funcionários de excelência”, avalia.

O reitor destaca que o desafio atual da Unicamp e de outras universidades paulistas é manter a qualidade de ensino em um momento “dramático” de crise financeira.

Assim como a USP, a Unicamp afirma ter um comprometimento com a folha de pagamento dos servidores superior à verba repassada pelo Estado de São Paulo, que vem de impostos como o ICMS.

Atualmente, o deficit da universidade está previsto em R$ 250 milhões. “A principal preocupação, agora, é atingir o equilíbrio financeiro”, afirma Knobel.

Procurada pelo UOL, a reitoria da USP ainda não comentou a listagem.

O Brasil no ranking

Ao todo, o Times Higher Education avaliou 81 universidades da América Latina. No quadro das 10 melhores instituições, o Brasil é o país mais presente, com 5 universidades na lista: além da Unicamp e da USP, aparecem no topo a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a Ufrj (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e a PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro).

Considerando as 50 melhores universidades da região, 18 são brasileiras –uma piora em relação ao ano passado, quando eram 23 instituições nesse quadro. 

“Muitas destas universidades melhoraram a sua pontuação total desde o ano passado, mas perderam terreno devido ao aumento da concorrência e porque outras instituições melhoraram em um ritmo mais rápido”, afirmou Phil Baty, editor dos rankings da Times Higher Education, em relatório.

Entre os países que ascenderam rapidamente no ranking da América Latina estão o Chile, com 15 universidades entre as 50 melhores (11 a mais do que no ano passado), a Colômbia, com cinco (no ano passado eram quatro), e a Argentina, que entra na avaliação pela primeira vez, com duas colocações nessa lista.

Segundo Baty, apesar de o Brasil gastar mais em pesquisa e desenvolvimento do que os outros países da região, o investimento ainda é pequeno. “Os salários dos pesquisadores também são muito baixos para os padrões internacionais e estão entre os mais baixos da região”, disse.

A análise do Times Higher Education é de que junto ao pouco financiamento para pesquisas, ao excesso de burocracia e a políticas mal-definidas para pesquisas, os baixos salários dos pesquisadores podem incentivar a saída desses estudiosos do país.

– Afinal, quais as cores do Corinthians?

A Itália tem a bandeira de cores verde, branca e vermelha, mas joga de azul em homenagem a cor predominante da Casa Real de Savóia. Os clubes que se chamam “Internacional” jogam normalmente de vermelho, pela origem socialista-proletária, exceto a Internazionale de Milão, que veste azul e preto em homenagem a região de Santo Ambrósio. Assim também o América Mineiro é exceção em não utilizar a cor do sangue rubro dos seus co-irmãos Brasil afora.

E por quê o Corinthians não é tricolor, já que tem a bandeira do Estado de São Paulo em seu distintivo, além de remo e timão nas cores vermelhas?

O time do Parque São Jorge adotou o preto e branco como cores oficiais, mas mantém o Vermelho em seu escudo; afinal, se chama Corinthians Paulista.

Qual a vergonha, repulsa ou medo em usar a cor tão discriminada? De o chamarem de tricolor como seu arquirrival São Paulo Futebol Clube e ser ironizado?

Pura bobagem. Se o alvinegro do Parque São Jorge quiser assumir outra identidade – a de 3 cores, deveria fazer. O Atlético Mineiro, o Botafogo ou o Santos são puros alvinegros. O Corinthians, pelo emblema, de fato não é. Ou deveria pintar os adornos em preto e branco também?

Seria utopia o Mosqueteiro usar uma camisa vermelha? Talvez. Certamente não o veríamos de verde. Lembrando que o time já usou roxo (em alusão do torcedor ser “corinthiano roxo”), usou vinho (em homenagem a São Jorge e ao… Torino !?), usou amarelo (pela honraria da Seleção Brasileira) e até o laranja, lembrando do famoso Terrão de Itaquera.

Gostou dessas cores de camisa? E o que você pensa sobre a identidade tricolor do Corinthians? 

Deixe seu comentário:

bomba.jpg

– Relembrando a 1a Promessa Não Cumprida de Marco Polo Del Nero

Há exatamente 3 anos, publicávamos uma entrevista do então recém empossado presidente Marco Polo Del Nero, em que louvava Ricardo Teixeira e prometia como “1o ato” profissionalizar a arbitragem!

Extraído de: http://wp.me/p4RTuC-6Kn , de (22/07/2014).

O 1o ATO DE MARCO POLO

Passou batido devido à Copa do Mundo. Mas foi de extrema cara-de-pau a entrevista do Presidente da FPF e já eleito mandatário da CBF, Marco Polo Del Nero, à Revista Isto É (ed 2325 de 18/06/2014, pg 6-12 à Rodrigo Cardoso e Yan Boechat).

Nela, louvou a administração Ricardo Teixeira e defendeu sua honestidade; disse não precisar de auditoria numa entidade tão (acreditem) transparente como a CBF!

Questionado sobre qual será o seu primeiro ato como Presidente, disse:

Melhorar a arbitragem nacional. Temos de preparar os árbitros à altura. Profissionalizar os árbitros. Fizemos uma experiência na Federação Paulista de Futebol com 20 árbitros. Pagamos salários a eles por um determinado tempo e a qualidade da arbitragem não melhorou. O que fizemos aqui foi dar assistência psicológica e técnica para prepará-los. Penso em trios de arbitragens fixos. (…) E o segundo ato é fomentar o futebol da melhor maneira possível“.

Ora, ele quer profissionalizar mas alega que a tentativa da FPF não melhorou a qualidade da arbitragem! Incoerente…

O problema é: qual o conceito de profissionalização de Marco Polo? Na Federação Paulista, pagou R$ 1.300,00 a “10 árbitros ouro” e R$ 800,00 a “10 árbitros prata” por mês. Em troca, os árbitros deveriam ter disponibilidade para reuniões e treinamentos quando solicitados.

Ora, R$ 1.300,00 mensalmente é salário digno de árbitro profissional de elite? Qual médico, advogado, professor ou administrador largará mão de sua atividade por esse valor, arcando com as viagens a SP, despesas diversas e falta de registro na carteira de trabalho (sem direito a Férias, INSS e 13o)?

Profissionalizar é dedicação plena à atividade, com salário equivalente ao esforço e a responsabilidade da função, com encargos trabalhistas sendo pagos pelo empregador. Só com tal empenho poderá se cobrar o árbitro de verdade.

Para mim, discurso demagógico de Del Nero. E para você?

Aliás, por fim, confesso: como assinante da Revista Isto É, fiquei frustrado por não ter uma pergunta incisiva, dura, firme sobre polêmicas que norteiam a CBF, tampouco contra-argumentos às respostas. A publicação ficou a dever…

Abaixo, fotos dos árbitros profissionais europeus:
1792301_w2.jpg

– De 4a para 5a em 5 cliques!

Começando o dia de hoje com o término de ontem: olha só o nosso entardecer na 4a feira! Clique 1:

bomba.jpg

Agora sim: começando a 5a feira com muito ânimo para suar. Frio? Onde? Clique 2:

bomba.jpg

Durante o treino, correndo com Santo Aurélio, um homem caridoso e que desejava viver intensamente a pureza no dia-a-dia. Clique 3:

bomba.jpg

Pós-treino, alongando com nossas flores. Essa roseira creme é a de botões mais belos! Clique 4:

bomba.jpg

Hora de labutar! E no meu caminho, esse lindo cenário no clique 5:

bomba.jpg

Ótimo dia de vida (de luta, de sorrisos, de choros e de esperança) à todos nós!