– O problema das SAFs no Brasil: a transparência do vendedor ao comprador.

Eu me assusto quando vejo as pessoas dizendo que um clube “precisa fazer uma SAF” para se dar bem.

Precisa? SAF é sinônimo de solução?

Às vezes sim, às vezes não.

Se temos um clube tradicional do Interior que reluta a um comprador estrangeiro (vide a resistência de alguns com a empresa Red Bull, por exemplo), quem garante que será feliz se virar uma SAF e ser vendida para algum agente de atletas endinheirado (como André Cury, Giuliano Bertolucci, Eduardo Uram, entre outros)?

Cada SAF tem a sua particularidade. Por enquanto, John Textor, dono do Botafogo SAF, está apaixonado pelo seu empreendimento, chegando a dizer que “poderia vender tudo que tem, menos a Estrela Solitária que ficaria para por seus filhos”. O Vasco da Gama é namorado pelos americanos investidores da 777. O Bahia está a passos largos de ser vendido para o City Group. E o Cruzeiro, vendido ao grupo Tara Sports, comandado por Ronaldo Nazário (90% por R$ 400 mi).

A pergunta é: os torcedores não serão iludidos? E quando um grupo pequeno comprar a SAF de um time pequeno e quebrá-la? E quando negociar uma mudança de sede? E se tentar mudar cores e escudos? Tudo isso é negociável no contrato, lógico, mas a verdade é: SAF não “é a solução”, mas sim “poderá ser uma solução” – se bem acertada. Vejam as pendengas que fizeram Ronaldo ameaçar refutar a negociação!

Os clubes grande têm mais apelo. Assim, Flamengo, Corinthians ou Atlético Mineiro seriam mais atraentes pelo enorme mercado de torcedores-consumidores que têm e ao potencial de geração de receitas (em que pese as dívidas que possuem, pois já estariam falidos se fossem uma empresa, vide o quadro do UOL, por Igor Siqueira, publicado no link abaixo: Atlético e Cruzeiro devem mais de 1 bilhão de reais, o Corinthians quase isso!). Mas e qual seria o atrativo para o clube pequeno?

Mogi Mirim, União São João, América de São José do Rio Preto, Paulista de Jundiaí: clubes tradicionalíssimos que amargam a 4a divisão e/ou licenciados, com muitas dívidas, teriam quais vantagens para comprá-los? Dá-los para algum empresário a troco das contas a pagar?

Não sei. Não é uma afirmação. Mas como qualquer negócio, você tem que avaliar o custo-benefício: não seria caro demais para um retorno desproporcional? 

Quanto custaria a SAF do Corinthians, já que o clube deve quase 1 bilhão de reais? Claro, mesmo com a 2ª maior torcida do Brasil, precisaria-se estudar a viabilidade. Ou do Paulista de Jundiaí, que tem uma torcida local? 

Mbappé ganhou do PSG o valor de luvas em 300 milhões de euros (mais de R$ 1,5 bilhão) para renovar. Ronaldo comprou o Cruzeiro por uma valor equivalente a ¼ do prêmio recebido pelo atacante francês… O americano Todd Boehly, dono dos Dodgers, comprou o Chelsea por 25 bilhões de reais (o equivalente a 62,5 times do Cruzeiro).

Lembrando, ainda, um fator importante: quem compra um time de futebol, quer o quê? Lucro, divulgação da marca de um produto, venda de atletas, títulos ou… lavagem de dinheiro, como suspeita-se que muitos fazem na Inglaterra? A torcida comungará do propósito do dono?

Enfim, repetindo: SAF não “é a solução”, mas sim “poderá ser uma solução”.

Link e da citação e da imagem em: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2022/05/13/quem-sao-os-clubes-mais-endividados-do-brasil-e-qual-o-risco-disso.htm?utm_source=twitter&utm_medium=social-media&utm_content=geral&utm_campaign=esporte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.