– Vida em abundância no amor.

Tenho passado dias cada vez mais intensos com minha caçulinha Maria Estela. Claro que todo pai é babão e se ilude com os caprichos da infância. Mas… quiçá a vida permita tanta doçura e companheirismo até a eternidade.

Dia após dia, surgem sempre coisas novas no desenvolvimento de uma criança. E aí vem a fase que aterroriza os pais: a adolescência!

Ai que medo. Por isso tentarei curtir a pureza dela o máximo possível. Amo demais ela, a irmã dela, a mamãe dela… E que seja sempre assim: um amor pleno.

Imagem

 

– Espirituoso final de semana para o Papa Francisco nos esportes!

A Argentina campeã. Bergóglio feliz.

A Itália campeã. Francisco (o mesmo Bergóglio) feliz.

Talvez ele tenha razão na brincadeira que fez com os brasileiros certa vez: “Muita cachaça, pouca oração” e… acrescentemos: muito pouco futebol, como disse meu amigo Edvaldo Pessoto.

Viva o futebol – para quem gosta do esporte e não se pilha com torcida.

Imagem

– Diferenças do Zorro com o Cavaleiro Solitário

Quando eu era criança, me lembro que o Zorro era chamado de Cavaleiro Solitário. E só agora descobri que não eram o mesmo herói!

Um usa espada; outro revólver. Um tem o cavalo Silver, outro o Tornado. Um tem amigo índio, o outro não.

Zorro é Don Diego de La Vega, o Cavaleiro Solitário é John Reid.

E sabe de onde veio a confusão? Por erro de tradução aqui no Brasil e para se aproveitar do sucesso do herói mais antigo – e já conhecido.

Detalhes abaixo, extraído de: http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/2013/07/1310207- cavaleiro-solitario-era-chamado-de-zorro-no-brasil.shtml

CAVALEIRO SOLITÁRIO ERA CHAMADO DE ZORRO NO BRASIL

O Cavaleiro Solitário (Lone Ranger, em inglês), de George W. Trendle, ficou conhecido entre os brasileiros, durante algumas décadas, como Zorro.

A confusão entre os heróis aconteceu devido aos problemas de tradução da palavra “ranger” para o português. A popularidade que Don Diego, criado por Johnston McCulley em 1919, desfrutava no Brasil também ajudou nessa escolha.

Famoso em novelas de rádio, no cinema e em séries de TV, John Reid, identidade secreta do Cavaleiro Solitário, tem poucas semelhanças com o aristocrata californiano de capa e espada do século 19.

Na produção da década de 1940, “As Aventuras do Zorro – O Cavaleiro Solitário” pode se ver o mascarado ao lado do cavalo e do índio em uma versão mais comportada do que a nova adaptação com John Depp.

Zorro usa espada, algumas vezes um chicote, e é solitário. Reid prefere o revólver e sempre está acompanhado de seu fiel escudeiro Tonto –que, curiosamente, não teve o nome alterado mesmo com a conotação negativa da palavra. Sua montaria, Silver, tem pelo branco. O cavalo de Zorro é representado com pelagem escura, normalmente negra.

Também criado por Trendle, o Besouro Verde (Green Hornet) guarda mais similaridades com o Cavaleiro Solitário. Além da máscara e do chapéu, ambos têm um parceiro não europeu –o asiático Kato é o escudeiro do Bezouro– e são da mesma família: Britt Reid é a identidade secreta do herói.

url.jpg

– O fascínio pela areia.

Brincar com as crianças na areia é algo muito bom. E como elas gostam!

Claro, a areia deve ser limpa e segura. Mas deixá-las tão à vontade permitem que elas ganhem a famosa vitamina S (de sujeira).

Cá entre nós: até os adultos curtem essa brincadeira…

– Você patrocinaria um Influenciador Digital?

Os influenciadores digitais têm sido cada vez mais relevantes no Brasil. Por atingirem especialmente os mais jovens, tornam-se alvos de empresas que querem tê-los como garotos-propaganda.

Entretanto, uma nova modalidade surge: a do “investimento em cotas” desse pessoal.

Abaixo, extraído de: https://economia.uol.com.br/mais/ultimas-noticias/2021/07/10/voce-investiria-em-um-influenciador-digital-e-possivel-a-partir-de-r-10.htm

VOCÊ PATROCINARIA UM INFLUENCIADOR DIGITAL? COM R$ 10,00, É POSSÍVEL.

Os influenciadores digitais querem transformar fãs em sócios. Ao menos essa é a proposta do Divi-Hub, plataforma que permite que qualquer pessoa invista em projetos de influenciadores como a Bibi Tatto, que tem quase 9 milhões de inscritos no YouTube, e 4,5 milhões seguidores no Instagram, ou os Castro Brothers, que contam com quase 5 milhões de inscritos no canal.

Na plataforma, qualquer pessoa pode comprar uma espécie de “ação digital”, chamada DIVI, a partir de R$ 10, limitada a duas transações por mês. Quem assina a plataforma, porém, não tem limites de transações. A ideia é que o investidor receba parte das receitas e dos lucros obtidos pelo projeto do influenciador, assim como acontece com ações da Bolsa de Valores.

Mas será que compensa sair do lugar de espectador para investir o próprio dinheiro em youtubers, gamers e blogueiros? Veja abaixo como a plataforma funciona e quais são os riscos desse tipo de investimento (continua no link).

Digital influencer: o que é? [+ PASSO A PASSO para se tornar um]

– Momento de Paz.

Agora: 16h no Lago do Taboão! Que paz, amigos…

A tranquilidade veio por aqui e resolveu fazer morada. E, por tabela, trouxe a beleza da natureza. 

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #inspiração #mobgrafia #XôStress

– Detox de Internet?

Cada vez mais estamos dependendo da tecnologia no nosso dia-a-dia. Muitas vezes, somos reféns dela. Mas aí vem outra questão: e quando estamos viciados pelos celulares, computadores e outros eletrônicos?

Olha que assunto interessante: Clínicas para Desintoxicação Digital!

QUANTO TEMPO É NECESSÁRIO PARA UMA ‘DESINTOXICAÇÃO DIGITAL’?

DA BBC BRASIL

Na era de “ansiedade digital” em que vivemos, mais e mais pessoas optam por uma medida radical –divulgada por um movimento que começou há cinco anos nos Estados Unidos– para lidar com a dependência da internet e das redes sociais: “desconectar” de tudo.

O princípio é semelhante ao do tratamento de pessoas com adicções a substâncias químicas, a ideia de “limpar” o corpo.

E se você não lembra da última vez que foi dormir sem usar o celular pouco antes de fechar os olhos, e se faz muito tempo que não deixa de conferir as redes sociais ou sai de casa sem o telefone, pode estar precisando de uma “desintoxicação digital”.

“Desconecte para reconectar” é o lema da Digital Detox, uma das organizações que iniciaram o movimento em San Francisco (EUA), em 2012, apenas um ano antes do dicionário Oxford incluir pela primeira vez o termo “desintoxicação digital” em suas páginas.

Seu fundador, Levi Felix, trabalhava 70 horas sem descanso por semana em uma start-up, até ser hospitalizado por exaustão em 2008.

Pouco tempo depois, ele trocou seu computador por uma mochila. Foi com sua namorada viajar pelo mundo e se mudou para uma ilha remota no Sudeste Asiático.

A experiência abriu seus olhos e o inspirou a criar a sua própria empresa –dois anos e meio e 15 países depois– com a ideia de organizar retiros de ioga e meditação para ajudar as pessoas a se desconectar da tecnologia.

Desde então, o número de iniciativas para o mesmo fim não parou de crescer. Veja abaixo algumas delas e o tempo de “desintoxicação” que sugerem:

DESCANSO DIGITAL DE PELO MENOS 3 DIAS

“Vivemos em um mundo cada vez mais digitalizado”, conta à BBC Mundo Martin Talk, fundador da Digital Detoxing, uma empresa com sede no Reino Unido que “ajuda pessoas a encontrar um equilíbrio saudável entre as tecnologias digitais e o mundo não digital.”

Martin organiza “retiros digitais” para que seus clientes possam deixar o mundo tecnológico de lado por um tempo e curar seu vício digital ,”geralmente por um período mínimo de três dias.”

“As pessoas precisam de tempo para se adaptar”, diz ele. “A reação inicial é o horror de ter o telefone longe ou efeitos como a ‘vibração fantasma’ no bolso, o que os faz pensar que o dispositivo está tocando, mesmo quando ele não está lá.”

No entanto, e apesar do sofrimento inicial, Martin diz que as pessoas começam a se sentir “muito mais relaxadas” à medida que o processo avança.

“Muitos descrevem a sensação como uma respiração profunda de ar fresco. As pessoas se sentem mais envolvidas com o mundo ao seu redor”, diz o especialista.

RETIRO DE SILÊNCIO: 10 DIAS

Carla, uma jovem espanhola que mora na Holanda, teve uma experiência semelhante há apenas um mês em Mianmar. Durante 10 dias, desligou completamente seu telefone e as redes sociais e participou de um retiro de silêncio em um monastério budista. Longe da tecnologia, com o único propósito de meditar e se “reconectar” com ela mesma.

“Nos primeiros cinco dias, eu estava querendo fazendo as malas para ir embora. Foi difícil. Mas eu não desisti e decidi viver a experiência até o fim”, disse ela à BBC Mundo.

Geralmente, esse tipo de retiro não pode durar menos tempo. A experiência implica em levantar-se todos os dias às 4h00 e meditar por duas horas, tomar café da manhã, fazer meditação em grupo, comer, e meditar até o fim do dia (e ir para a cama sem jantar).

Mas como é voltar ao “mundo digital”, depois de uma experiência como essa?

“Eu me senti diferente, como se estivesse faltando alguma coisa, como se não estivesse conectada com o mundo”, diz Carla.

“Usar o celular de novo foi o mais estranho. Não tinha certeza se queria ligar de novo. Mas acho que mais pessoas deveriam ter a mesma experiência para aprender a controlar o hábito.”

Carla fala do retiro como uma provação –que ela não se arrepende de ter enfrentado.

TERAPIA DE DESCONEXÃO: AO MENOS 6 MESES

Marc Masip, psicólogo e diretor do Instituto de Psicologia Desconecta, em Barcelona, ​​disse à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, que “é muito difícil largar [o telefone e redes sociais], mas é muito fácil voltar a se envolver”.

Masip diz que a “intoxicação digital” é tratada como qualquer outro vício, embora, neste caso, sem substâncias relacionadas a ele, mas comportamentos.

Ele enfatiza que cada caso é diferente, mas é necessário ao menos seis meses de terapia cognitiva-comportamental para mudar de hábitos e o tratamento ser eficaz.

“Na verdade, não se trata de quanto tempo de terapia é necessário. Trata-se de averiguar por que houve tal vício e que conflitos ele causou”.

Seu programa inclui acampamentos de desintoxicação, com esportes, meditação e sessões psicológicas.

“No início, os pacientes nos dizem que têm ansiedade, mas, em seguida, se sentem mais relaxados. Eles melhoram todos os aspectos de sua vida, do trabalho às relações sociais”, explica Masop.

“A conscientização social é necessária para percebermos que temos um problema e fazer um plano individualizado para cada pessoa. Há um perfil de um viciado e um roteiro, mas cada caso é diferente.”

A parte mais difícil, diz Masop, é perceber que existe uma dependência.

ADOTAR A IDEIA: 1 DIA

Frances Booth, especialista em desintoxicação digital e autora de “The Distraction Trap: How to Focus in a Digital World” (A Armadilha da Distração: Como se Concentrar em um Mundo Digital, na tradução livre) diz que precisamos nos desconectar do mundo digital por razões de “saúde e produtividade.”

“Muitas pessoas estão estressadas e sobrecarregadas pelo excesso de informação e sofrem pela demanda de estar constantemente conectada. Precisamos alcançar um melhor equilíbrio”, disse a jornalista à BBC Mundo.

Booth aponta que fazer uma desintoxicação digital “pode ​​ajudá-lo a recuperar o equilíbrio e, quando você retornar ao trabalho, você estará mais produtivo.”

Mas por quanto tempo é necessário?

“É incrível a diferença que pode fazer apenas um dia sem estar constantemente conectado”, diz a autora.

“Você começa a ter a noção de ter tempo para outras coisas e pensar sem interrupções constantes.”

E para descobrir se você precisa da desintoxicação, recomenda fazer a pergunta: “Você é capaz de ir até a loja da esquina sem levar seu smartphone?”

Tanya Goodin, fundadora da empresa especializada em desintoxicação digital Time To Log Off (Hora de desconectar), em Londres, diz que “inclusive uma hora ou duas são suficientes para se ‘reiniciar’ e acalmar a mente da constante estimulação digital.”

“Mas para melhores benefícios (especialmente um melhor descanso) recomendamos 24 horas”, diz à BBC Mundo.

Em seus retiros especializados, Goodin garante que os hóspedes ficam longe de “todos os dispositivos digitais” e os armazenam em um lugar reservado, a sete chaves.

Mas não há necessidade de ir a um retiro para fazer uma desconexão digital.

“Se você quiser fazer isso em casa, basta colocar todos os seus equipamentos em uma gaveta ou em um armário fechado. Não tente desconectar do mundo digital com seu celular e laptop por perto”, recomenda Goodin.

E, para ser eficaz, precisa “desligar completamente o seu telefone, tablet, computador ou qualquer outro aparelho digital. Isso significa não se conectar a redes sociais e se isolar completamente [de forma temporária] do mundo digital.”

E para quem ainda tem dúvidas sobre a necessidade ou não de se desconectar ou mesmo “desintoxicar”, Goodin oferece o seguinte conselho: “Se você perceber que você tem falta de sono e que você tem dificuldade para se concentrar ou que seu humor se deteriora sempre que você usa redes sociais, uma desintoxicação digital será, sem dúvida, de grande ajuda.”

bomba.jpg

– Vamos curtir a tarde de domingo?

Com um céu tão bonito como esse, numa tarde de domingo tão aprazível, é impossível ficar em casa, não?

Curtir a família em parques e lugares gostosos se faz necessário!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– A auto-estima para a conquista do Sucesso.

Muitas vezes a confiança exacerbada é confundida com arrogância. Mas não é bem assim: recente pesquisa mostra que ser altivo é importante para a conquista do sucesso!

O texto que compartilho abaixo já tem algum tempo, mas é bem atual quanto ao sentido da autoestima. Segue, extraído de: http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2058/artigo131898-1.htm

A REABILITAÇÃO DO ORGULHO 

Nem pecado nem falha de caráter. Pesquisas mostram que o sentimento de altivez só faz bem

por Verônica Mambrini 

Os dias de falsa modéstia estão contados. O orgulho está saindo do limbo reservado aos vícios de comportamento considerados pecado ou falha de caráter graças a uma série de estudos psicológicos que acabam de sair do forno. Eles mostram que, ao contrário do que sempre se pregou, é bom se orgulhar de si mesmo e de suas conquistas e expor aos outros com altivez. Encontraram também uma função social para ele. Tradicionalmente tido como uma emoção muito individualista, o orgulho tem sido avaliado como um sentimento de importante componente agregador e um protetor natural do amor próprio.

Nas últimas semanas, o exemplo mais evidente é o do artista plástico Max, vencedor da nona edição do Big Brother Brasil, exibido pela Rede Globo. Um dos gestos característicos do novo milionário no reality show era bater o punho fechado no peito. “Desde adolescente digo que tenho orgulho de ser quem eu sou”, diz. “Minha autoestima sempre foi muito grande.” Um estudo de 2008, feito pelos pesquisadores Jessica L. Tracy, da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, e David Matsumo, da Universidade de São Francisco, nos EUA, demonstrou que os gestos associados ao orgulho são parecidos em praticamente todas as culturas. Os especialistas compararam as expressões faciais de atletas dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2004. Competidores de 37 países, incluindo cegos, exibiram feições muito semelhantes no momento da vitória.

Outra descoberta da professora Jessica, junto com o psicólogo Richard W. Robins, da Universidade da Califórnia, é que há dois tipos de orgulho: um é a soberba, em que a pessoa se sente superior aos outros.

O outro é o autêntico, que está ligado às realizações pessoais, motivado pela sensação de dever cumprido, de ser capaz de realizar bem as tarefas.

A redatora Cíntia Costa usa esse sentimento a seu favor. Quando decidiu se casar, há pouco mais de um ano, começou o blog Planejando meu Casamento, com as dicas para fazer as núpcias desejadas sem se endividar. “Muitas noivas não queriam mais casar porque não tinham dinheiro para a festa”, lembra. “Lendo o blog, elas recuperaram a confiança”. Outra característica do orgulho bom, afirmam os estudos, é a capacidade de inspirar e motivar outras pessoas que estão à sua volta.

O único lugar em que Cíntia é mais moderada é no trabalho. “Comemoro as vitórias em equipe e escolho com cuidado o que vou falar.”

As precauções de Cíntia no ambiente profissional fazem sentido – a psicóloga especializada em seleção e recrutamento Ana Carolina Maffra, da consultoria Equipe Certa, reforça que é preferível falar de resultados obtidos em um trabalho específico a desfilar qualidades que você acredita ter. “Mas é bom ter orgulho de fazer algo benfeito, da profissão, da empresa”, reforça Ana Carolina. “Isso indica autoestima.”

Outra pesquisa da Universidade da Columbia Britânica, feita pela pesquisadora Jessica L. Tracy e pelo psicólogo Azim Shariff, mostrou que, nos testes, os participantes deram mais valor a um entregador de pizzas orgulhoso do que a um executivo abatido. As expressões de orgulho transmitem aos outros a impressão de sucesso, o que melhora o status social no grupo. O fotógrafo André de Menezes Trigueiro sabe do poder que exerce sobre as pessoas ao redor. “Ouço bastante que contagio os outros quando estou falando de um assunto que gosto”, diz. “Não me inibo em ser o centro das atenções.” André gosta de mostrar suas criações para os amigos e se considera feliz com seu trabalho.

A professora de psicologia social da Universidade de São Paulo Sueli Damergian acredita que uma das coisas que diferenciam o orgulho positivo do negativo é a postura que se tem com o outro. “O orgulho positivo implicaria ser capaz de reconhecer o valor das coisas que se fez, sem se sentir superior ou com maiores direitos do que os outros”, afirma Sueli.

Em outro estudo, Lisa Williams e David DeSteno, psicólogos da Northeastern University, nos Estados Unidos, convidaram 62 estudantes para um teste de QI. Depois, cumprimentaram alguns como se tivessem obtido os resultados mais altos.

Na sequência, todos foram convidados a realizar mais uma série de tarefas intelectuais. Os que foram elogiados, se mostraram mais orgulhosos e confiantes. A surpresa é que esse grupo foi também o mais gentil. Para os psicólogos, o resultado indica que as pessoas se sentem mais fortes quando superam problemas.

A professora Sueli alerta, contudo, para as implicações éticas desse sentimento. “O orgulho é o oposto da vergonha, ele tem uma implicação moral”, afirma. Em outras palavras: orgulho é bom e todo mundo gosta – só não vale deixá-lo virar arrogância.

Resultado de imagem para confiança

– Dia de São Bento, Abade

Hoje é dia de São Bento. É dele a linda oração:

A Cruz Sagrada seja minha Luz / Não seja o Dragão meu guia / Retira-te Satanás / Nunca me aconselhes coisas vãs / É mal o que tu me ofereces / Bebe tu mesmo do teu veneno.“

Conheça sua história (extraído de CançãoNova.com):

SÃO BENTO

São Bento nasceu em Núrcia, próximo de Roma, em 480, numa nobre família. Diante da decadência do Império Romano (e também moral e espiritual) o jovem Bento abandonou todos os projetos humanos para se retirar nas montanhas da Úmbria, onde dedicou-se à vida de oração, meditação e aos diversos exercícios para a santidade. Depois de três anos numa retirada gruta, passou a atrair outros que se tornaram discípulos de Cristo pelos passos traçados por ele, que buscou nas Regras de São Pacômio e de São Basílio uma maneira ocidental e romana de vida monástica. Foi assim que nasceu o famoso mosteiro de Monte Cassino.

A Regra Beneditina, devido a sua eficácia de inspiração que formava cristãos santos por meio do seguimento dos ensinamentos de Jesus e da prática dos Mandamentos e conselhos evangélicos, logo encantou e dominou a Europa, principalmente com a máxima “Ora et labora”. Para São Bento a vida comunitária facilitaria a vivência da Regra, pois dela depende o total equilíbrio psicológico; desta maneira os inúmeros mosteiros, que enriqueceram o Cristianismo no Ocidente, tornaram-se faróis de evangelização, ciência, escolas de agricultura, entre outras, isso até mesmo depois de São Bento ter entrado no céu com 67 anos.

São Bentorogai por nós!

Hoje é festa de São Bento, padroeiro da Europa e patriarca dos ...

– Sobre Björn Kuipers, o árbitro de Itália x Inglaterra, a final da Eurocopa.

O holandês Björn Kuipers (com duas Copas do Mundo no seu currículo) é veteraníssimo, e penso que fechará sua carreira com chave de ouro: será o árbitro da final da Eurocopa 2020, entre Itália x Inglaterra.

Dos jogos que assisti dele, apitou (muito bem) a final da Copa das Confederações entre Brasil x Espanha e razoavelmente a final da Liga dos Campeões envolvendo Real Madrid x Atletico Madrid. Em 2013, deve ter sido o melhor árbitro do mundo, já que não tem uma entidade que avalia globalmente a arbitragem (especulou-se aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2013/12/30/quem-foi-o-melhor-arbitro-do-mundo-em-2013/).

Hoje, Kuipers é uma espécie de Pierluigi Colina, nos últimos jogos que trabalhou: apita bem (não é um fenômeno), mas sua maior virtude é o respeito adquirido: e isso é ótimo, pois seus erros passam despercebidos.

Em tempo: ele tem 48 anos, é formado em Administração de Empresas e é muito rico, sendo sócio de uma rede de mercados. Ficou conhecido como “Rei dos Supermercados” na Holanda.

– Sol muito bonito neste domingo.

07h00 em Bragança Paulistasol muito bonito de natureza e beleza indescritíveis.

Obrigado, Mãe-Terra, por um dia quente em meio a tanto frio que tivemos.

Imagem

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#inspiração #amanhecer #morning #fotografia #paisagem #sun #céu #landscapes #BragançaPaulista #domingo #Sunday

– E se você fosse em linha reta pelo mar?

Sempre que estou no Litoral, penso: e se eu for reto, pararei em que lugar?

Como gosto de Santos e Guarujá, logicamente sei que é no continente africano. Mas em qual país?

Aí também é fácil, é só pegar o mapa-mundi. Mas veja que interessante: se você estiver sentado em qualquer praia de todos os países litorâneos da América e resolver atravessar o mar, sairá em…

Na figura, a resposta:

DhtXtsHW4AA4qv_

– Dó Ré Mi!

Repost: há 5 anos…

Coisas prazerosas da vida: ver a filhota tocando graciosamente “The Sounds of Music” (a popular Dó-Ré-Mi) é um “colírio” para os meus ouvidos.

Senhoras e senhores, com vocês, a tecladista e pianista mirim Marina Porcari!!!

Vídeo em: http://www.youtube.com/watch?v=G_NcxND3h_M

– Bom domingo (Parte 4 de 4).

🌅 Desperte, Bragança Paulista.
Que o domingo possa valer a pena! E valerá: olhe só esse horizonte no céu infinito!
Ótima jornada para todos.
Inspirando-me no clique 4 de 4:

🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia #BragançaPaulistaSp #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Bom domingo (Parte 3 de 4).

🌺 Fim de cooper! Chega de correr por hoje.
Estou suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da natureza, ao lado das mini-rosas tão delicadas.
Contemplando no clique 3 de 4:

🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #roseira #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento 

– Bom domingo (Parte 2 de 4).

🙏🏻 Enquanto vou correndo, estou meditando com a Virgem Maria:
“Ó Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós que recorremos a vós. Amém.”
Rezando no clique 2 de 4:

⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Padroeira #Aparecida #Cristo #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

– Bom domingo (Parte 1 de 4).

👊🏻 Olá amigos!
Uma madrugada agradável destinada à atividade física surgiu lá fora. Para controlar o cortisol, vamos correr a fim de produzir e curtir a tão necessária endorfina?
Quem gosta de corrida, venha junto. Motivando no clique 1 de 4:

🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #training #corrida #sport #esporte #running #adidas