– Irisation (Rainbow Clouds) / Irisação (Nuvens Arco-Íris).

NATUREZA 🇧🇷- Hoje conseguimos, pela primeira vez, presenciarmos o fenômeno das “nuvens arco-íris”! Sensacional! Não tem como não se inspirar…
Ele se chama IRISAÇÃO (quando os raios do sol atravessam as nuvens e refletem em pequenos cristais de gelo que estavam nelas, funcionando como um prisma).

NATURE 🇺🇸- Here the “rainbow clouds” phenomenon! Sensational! There’s no way not to be inspired …

NATURA 🇮🇹- Ecco il fenomeno delle “nuvole arcobaleno”! Sensazionale! Non c’è modo di non essere ispirato …

🌈📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

(Clique do Aeroporto de Bragança Paulista / Brasil).

– A Nasa desvendando de maneira científica os mistérios do Triângulo das Bermudas.

Desde criança, escuto histórias sobre sumiços nesta região tão misteriosa do Oceano Atlântico: o Triângulo das Bermudas!

Quem já não assistiu filmes sobre os desaparecimentos por lá? E, enfim, a NASA explicou cientificamente o que acontece: magnetismo!

Abaixo, extraído de: https://www.cenariomt.com.br/variedades/revelacoes-surpreendentes-da-nasa-sobre-as-anomalias-do-triangulo-das-bermudas/

NASA EXPLICA O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS

Segundo especialistas da agência espacial, o campo magnético da Terra tem um ponto fraco e estaria localizado neste território atormentado por mistérios.

Um dos lugares mais misteriosos do planeta é, sem dúvida, o Triângulo das Bermudas, localizado entre Miami, Bahamas e Porto Rico, onde barcos e aviões desapareceram, entre outros eventos estranhos que a NASA agora tenta explicar a partir de uma nova descoberta.

De acordo com cientistas da agência espacial, o campo magnético da Terra tem um ponto fraco “do tamanho dos Estados Unidos continentais” que paira sobre a América do Sul e o sul do Oceano Atlântico.

Especialistas da NASA também apontam que estamos a salvo dos efeitos na Terra, mas os satélites não têm tanta sorte: quando passam pela anomalia, são bombardeados com radiação “mais intensa do que em qualquer outro lugar em órbita”.

Esta anomalia, conhecida como Anomalia do Atlântico Sul (AAS), ou “Triângulo do Espaço de Bermuda” mais coloquialmente, é uma região localizada no ponto em que o campo magnético da Terra é particularmente fraco.

Isso significa que partículas de raios cósmicos solares não são retidas no Triângulo das Bermudas da mesma forma que em outras partes do planeta. Como resultado, os raios solares se aproximam de 124 milhas da superfície da Terra, em uma faixa de sondas em órbita terrestre baixa (LEO).

John Tarduno, professor de geofísica da Universidade de Rochester, explicou: “Eu não gosto do apelido do Triângulo das Bermudas, mas naquela região, a menor intensidade do campo geomagnético acaba causando maior vulnerabilidade dos satélites a partículas de energia, a ponto de danificar a nave espacial ao atravessar a área. Assim, os satélites que passam pelo Triângulo das Bermudas experimentarão maiores quantidades de radiação a ponto de ocorrer danos, devido a uma descarga ou arco elétrico”.

Normalmente, o campo magnético da Terra protege a uma altitude entre 620 e 37.000 milhas acima da superfície do planeta, mas a baixa altitude do hotspot de radiação o coloca dentro da órbita de certos satélites, que são bombardeados por prótons que excedem energias de 10 milhões de elétrons volts.

Nos primeiros dias da ISS, uma estação espacial modular de terceira geração, a anomalia do Triângulo das Bermudas bloqueou os computadores dos astronautas, forçando as agências espaciais a desligar seus sistemas a bordo.

Alguns astronautas relataram que viram estranhas luzes brancas piscando diante de seus olhos e, desde então, medidas foram tomadas para protegê-los quando atravessam essa área do planeta Terra.

Para os cientistas da NASA Weijia Quang e Andrew Tangborn, a anomalia do Triângulo das Bermudas se move para o leste e cresce em tamanho. Segundo seus cálculos em cinco anos, ele pode aumentar em cerca de 10% em comparação com os últimos valores registrados em 2019.

O USS Cyclops, um navio de suprimentos militar da Marinha dos Estados Unidos, afundou no triângulo das Bermudas. Foto/Arquivo

– A nota de 1 milhão.

Se até hoje eu não vi uma nota de R$ 200,00, e imagino a dificuldade de troco, imagine na Venezuela, onde se lançou a nota de R$ 1 milhão de bolívares!

E sabe quanto ela vale em reais? Cerca de R$ 2,94. Isso mesmo: 1.000.000,00 = 2,94.

Moedas, provavelmente, não devem existem mais por lá. Mas lembremo-nos: aqui, na época da hiperinflação, cortávamos 3 zeros das notas para não chegar a esse ponto

Venezuela: Nova cédula de 1 milhão de bolívares vale menos que 1 dólar

– Você acredita em Especialistas e sabe tomar decisões sem influência?

Já ouviu falar da economista e consultora britânica Noreena Hertz?

Ela leciona na University College London, e foi orientadora de vários governantes em diversos assuntos: questões econômicas, negociações de paz e imbrólhos diplomáticos. E em entrevista à Revista Época (pg 68-71, ed 824 à Marcos Coronato), falou sobre a idolatria a alguns especialistas e aos modelos pré-definidos para tomadas de decisões. Disse ela:

“É claro que as opiniões, educação e treinamento com especialistas são importantes e devem ser levados em conta, mas especialistas erram muito (…) Nunca ouça um especialista só, questione as opiniões deles e busque informações”.

Mas gostei mesmo sobre quando ela fala da influência digital! Veja:

“Vivemos uma era de distração digital, de e-mails e redes sociais. Mantemo-nos num estado hormonal de estresse constante e podemos ficar viciados. Recomendo que você tire folgas digitais, ao menos uma vez por semana, sem checar e-mail ou entrar nas redes sociais. Um dos melhores procedimentos que você pode adotar antes de tomar uma decisão, privada ou profissional, é delimitar um tempo e espaço para apenas pensar. É incrivelmente difícil fazer isso hoje”.

Concordo e assino embaixo. Precisamos muitas vezes buscar a calmaria para a reflexão e para podermos melhor pensar!

Resultado de imagem para influências

– As coisas que nos deixam sem rumo:

Gostei demais do tuíte do Papa Francisco, postado dias atrás. Escreveu o Pontífice:

A aparência exterior, o dinheiro, a carreira, os passatempos: ‘sereias que nos encantam’ e nos deixam à deriva. A Quaresma é tempo de graça para libertar o coração das vaidades”.

Já perceberam que temos coisas que nos aprisionam e nos deixam “sem pé” quando não são a contento nosso? O que nos leva a ter amarras desnecessárias?

bomba.jpg

– A bola vai rolar no Paulistão ou não?

Assistiram a entrevista do presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, à Jovem Pan?

Para quem não assistiu (link abaixo), saiba: ele quer retomar a competição no próximo meio de semana, em outro estado. Contou que negocia com 3 estados, mas só vai divulgar quando governadores e prefeitos estiverem afinados para a realização e acerto final.

Dá a entender que ele está ofendido com o Ministério Público, por se fazer irredutível, e pelo Governador do Estado de São Paulo, pois quando foi ofertada a proposta de isolamento e concentração total de atletas (a bolha sanitária), gostou da ideia mas não se esforçou por ela.

O que me estranha é: 15 dias sem futebol em SP vale todo o esforço? Não dá para melhorar a tabela / diminuir jogos / reprogramar?

Diante disso, vem a minha impressão: será que ele sabe que a Zona Emergencial se prolongará e o campeonato vai ficar parado pelo mesmo tempo que o ano passado?

Aparentemente, ambos os lados (autoridades públicas e Federação Paulista) sabem de mais coisas… ou não?

O link em: https://www.youtube.com/watch?v=om1ua848opY

– O Cabaré aberto e as Igrejas fechadas: o discurso do vereador de Alhandra (PB).

Viram o discurso do vereador Jeremia Santos, do (PP/PB)?

Sua cidade no litoral sul-paraibano, Alhandra, fechou tudo devido a pandemia, mas ele constatou que há permissão para prostíbulos. Na sessão da Câmara local, fez um discurso exaltado que, apesar de aparentar ser folclórico pela espiritualidade que o faz, merece reflexão.

Em: https://www.youtube.com/watch?v=j8R2Op3ogOU

– O Drama de uma Filha de Pai Viciado em Drogas

Um depoimento que assusta: neta do fundador da Supergasbrás e filha do maior revendedor da Scania no Brasil, jovem conta como é o drama de ter um pai viciado em Drogas!

E tem gente que curte…

Extraído de: Revista Época, ed 08/04/2013, pg 80-82

COMO SOBREVIVI AO VÍCIO DO MEU PAI

As pessoas dizem não entender por que eu, “bonita e de boa família”, morando em Beverly Hills, tive bulimia e depressão. Estava tentando salvar meu pai do crack

Por Ana Luiza Cardoso e Marcela Buscato

Tinha 14 anos quando descobri que meu pai, o empresário João Flávio Lemos de Moraes, fumava crack. Ali, minha infância acabou. Só pensava em como poderia tirá-Io daquela situação. Os especialistas chamam isso de codependência. Eu e toda a minha famÍlia – meus avôs paternos, minha mãe, meus três irmãos – sofremos com isso. Você anula sua vida para cuidar da outra pessoa, e é frustrante porque não se pode fazer muito. O codependente também fica problemático. Cada filho adoeceu de alguma maneira. Comecei a desenvolver bulirnia aos 12 anos. Aprendi com meu pai o que ele chamava de truque: provocar vômito para não absorver calorias. Ele tinha bulimia desde os 18 anos, e sempre o vi vomitando. Aos 17 anos, fiquei três meses internada para me tratar. Cheguei a pesar 47 quilos, muito pouco para o meu 1,69 metro.Ainda tenho pensamentos obsessivos com magreza, mas consigo me controlar. Aos 33 anos, pedi para ser internada numa clínica psiquiátrica porque achava estar deprimida. As pessoas não entendiam: “Por que você está assim? É bonita, de boa fanúlia!’: Sofri preconceito. Não escolhi ter esses problemas.

Minha família é bem-sucedida há três gerações. Meu avô, Wilson Lemos de Moraes, morto em 2011, fundou a Supergasbras, empresa de distribuição de gás de cozinha. Hoje, minha família não é mais a dona. Agora, temos a WLM, a maior representante de veículos Scania da América Latina. Temos fazendas, agronomia, pecuária. Por causa do vício e de outros transtornos p9iquiátricos, meu pai torrou milhões. Não sei quantos, mas foram muitos. Hoje, ele está longe das drogas, e a mãe dele o ajuda a administrar seus bens.

O primeiro contato dele com as drogas foi com 31 anos. Havia fundado uma empresa distribuidora de titulos, a Universal, e ficou em evidência. Como sempre foi tímido, começou a usar cocaína para ficar desenvolto. Desde os 10 anos, eu desconfiava que tinha algo errado em casa. Sentia que tinha perdido aquele pai carinhoso. Quase não o via trabalhando, ele vivia trancado no quarto. Até que, aos 14 anos, achei dentro do carro um estojo de maquiagem com cocaína pura. Hoje, as pessoas compram a pedra de crack pronta. Mas, em 1989, cozinhavam a cocaína e fumavam a pedra. Naquela época, morávamos nos Estados Unidos, para onde tínhamos nos mudado em 1983. Um pouco era para fugir de ameaças de sequestro. E era também uma tentativa dos meus avós de manter meu pai afastado das drogas. Mas foi pior.

Entre idas e vindas, moramos 14 anos na Califórnia, em Bever1y Hills, conhecida por suas mansões. Foi lá que meu pai conheceu o crack. Ele tinha amizade com muitos artistas de cinema, com o ator e cantor Sammy Davis Jr., o pessoal todo da droga. Meu pai também andava muito com Sylvester Stallone, Julio Iglesias e Alain Delon, mas não sei se eles se drogavam.

A gente sempre passava as férias no Brasil, e às vezes meu pai esticava o período aqui. Eu e meus irmãos perdíamos aula. Meus pais nos deram muito amor, mas nunca limites. Tínhamos um ônibus casa, com dois quartos, sala, micro-ondas, televisão. Fazíamos muitas viagens a Brasília, para as fazendas. Ficávamos naquele mundo de fantasia. No Rio de Janeiro, tínhamos um barco ancorado no Iate Clube. Saíamos para o mar junto com o Lady Laura, de Roberto Carlos, padrinho do meu irmão. Parávamos os barcos lado a lado e ficávamos mergulhando.

Meu pai e Roberto Carlos se conheceram antes de ele ser famoso. Ele ficava em nossa fazenda em Itaipava, onde escrevia músicas. Quando morávamos nos Estados Unidos, fazia muitos shows lá. Roberto sabia do vício do meu pai e sempre tentou ajudar. Inclusive escreveu para ele a música “O careta” (talvez você ache uma droga essas coisas que eu falo/Mas certas verdades nem sempre são fáceis de ouvir/Não custa pensar no que eu digo/Eu só quero ser seu amigo/Mas pense no grande barato de ser um careta). Roberto acabou se afastando porque era uma pessoa pública. Não podia andar com meu pai, principalmente porque o comportamento dele piorou. Ele começou a ter alucinações. A droga potencializou outros distúrbios psiquiátricos. Meu pai achava que falava com Elvis Presley, o ídolo americano morto em 1977. Ele dizia perceber nas músicas frases como “God gave João Flávio daughter”.

Numa de suas crises de paranoia lá nos EUA, meu pai cismou que minha mãe tinha fugido com meus irmãos. Dizia que iria matá-Ia quando a encontrasse. Como nessa época eu já estava morando sozinha – tinha saído de casa aos 16 anos, porque não suportava ver meu pai levar suas amantes -, ele achou que minha mãe estava escondida lá. Arrombou a porta e encostou o revólver em minha barriga. Eu sabia que aquela explosão de raiva tinha um limite. Não queria acreditar que ele fosse capaz de algo tão violento com a própria filha. Eu e meus irmãos crescemos acostumados com ele armado pela casa. Tín amos medo de ele nos machucar sem querer.

Aos 17 anos, eu não aguentava mais aquele estresse todo nos EUA e voltei para o Brasil. O resto da família ficou nos EUA, e um dia minha mãe descobriu que minha irmã, então com 13 anos, estava usando drogas com meu pai. Ele ficou com medo de que ela exigisse a guarda dos filhos e resolveu (ugir. Saiu de casa num Rolls- Royce cheio de drogas levando meus três irmãos. Viajou sem rumo pela Califórnia por 14 dias. Minha mãe havia dado queixa, e ele foi preso quando o carro quebrou. Ele ficou pouco tempo preso, porque foi considerado um dependente químico, não traficante. Meus irmãos ficaram sob tutela do Estado americano por 15 dias, até nossa mãe conseguir provar que era seguro eles ficarem sob a responsabilidade dela.

Meu pai parou de usar drogas há cinco anos, depois de 25 anos. Foi quando ele realmente percebeu que tinha perdido a família e resolveu mudar. Hoje, ele está com 62 anos. Minha mãe se casou há dez anos com um cara superlegal, está feliz. Moro num apartamento com meu filho de 17 anos, do namorado que conheci aos 19 na clínica para tratar a bulimia. Minha família me deu o apartamento em 2006 e me ajuda ainda, mas eu controlo minha vida. Por muito tempo, morei com meu filho no apartamento do meu pai. Vivia com medo de que o menino, então com 6 anos, sofresse o que eu sofri e se tornasse uma pessoa insegura como fui, com problemas de identidade e medos. Parti para o ataque, escrevendo cartas para vovó e mamãe, telefonando todos os dias, implorando que me dessem uma condição de sair dali. Minha avó finalmente comprou um apartamento em meu nome. Consegui minha independência e passei a ter noção do que era ter uma vida real, com limites, compromissos, responsabilidades. Foi como acordar para a realidade.

Acordei ainda mais quando comecei a fazer psicanálise, há quatro anos. Minha avó não queria, porque não tinha noção de quanto a história de meu pai fizera mal aos netos. Achava que tínhamos de ajudar meu pai, não a nós mesmos. No desespero, ameacei: se não me ajudasse a pagar, iria aos jornais dizer tudo o que passei. Comecei a fazer psicanálise cinco vezes por semana. Finalmente, pensava em mim. Só recentemente passei a prestar atenção a minha cor preferida, ao barzinho aonde eu gosto de ir, livros, discos e decoração da casa. Eu não sabia nada do meu gosto pessoal. Se a empregada perguntava o que meus irmãos queriam comer, eu explicava minuciosamente. Se perguntavam sobre mim, não sabia direito.

Nunca gostei de depender dos outros. Trabalhei muito como modelo, período em que conheci meu ex-marido, Eduardo Rodrigues, com quem fui casada por cinco anos. Entrei para a faculdade, cursei quatro anos de Direito, dois de moda. Eu seria uma ótima advogada, mas não consegui levar para a frente. Tive de parar tudo e cuidar de mim. Agora, quero terminar a faculdade de jornalismo e fazer pós em psicanálise. Penso em criar uma clínica para dependentes químicos. Só consigo ver meu pai umas duas vezes por semana para não me envolver na vida dele de novo. Não que eu não queira, mas não posso. Amo meu pai mais do que tudo, ele é meu amor. Mas também preciso cuidar de mim.

imgres.jpg

– Bom dia, Sábado.

Desperte, Bragança Paulista.

Que o sábado bonito possa valer a pena!

🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia