– O avanço do Manchester City na compra de times mundo afora e os novos donos do futebol

Um fenômeno nos negócios em esportes nesses dias atuais é a aquisição de clubes de futebol, que nada mais são do que empresas que buscam lucro, e não necessariamente títulos.

Veja alguns exemplos: o Chelsea pertence ao russo Abramovich; Milan e Internazionale foram adquiridos por dois grupos chineses das mãos de Sílvio Berlusconi e de Mássimo Moratti, respectivamente. O PSG, como é sabido, pertence à família real catariana. O Lille a um investidor que outrora empreendia na Fórmula 1. O Manchester United é do grupo empresarial americano dono do Tampa Bay. Até os emergentes dos novos mercados, como o Orlando City (EUA) vive esse fenômeno lá na MLS (o time é do brasileiro Flávio Augusto da Silva, ex-proprietário da Wizard).

Digo isso pois vejo o que vem fazendo o endinheirado Manchester City FC da Inglaterra, do emir Mansour bin Zayed Al-Nahyan, da família real dos Emirados Árabes Unidos. Ele é prefeito de um dos emirados, o de Abu Dhabi (no qual é proprietário da maior parte das terras, dos empreendimentos turísticos e do petróleo). Estima-se que sua fortuna pessoal seja de US$ 41 bilhões de dólares e a da sua família atinja 1 trilhão de dólares. Ele tem 6 filhos com suas duas atuais esposas (a lei islâmica permite tal situação). Gosta de jatos e barcos, sendo que sua última aquisição, o iate Topaz, custou 0,5 bilhão de euros (é o 7o mais caro do mundo).

Mansour bin Zayed Al-Nahyan criou uma holding chamada City Football Group para administrar seus negócios no futebol. E agora registra um processo expansionista, adquirindo clubes mundo afora. Além do Manchester City, ele já é dono do New York City FC nos EUA, do Melbourne City FC da Austrália e do Yokohama City FC do Japão (o antigo Yokohama Marinos). No meio do ano, ele adquiriu o controle do pequeno River, do Equador, mudando o nome para Guayaquil City FC. Nos últimos meses, investiu no Atlético Venezuela e na compra do Atlético Torque do Uruguai.

Dinheiro, obviamente, não deve faltar para tais aquisições. E repare que ele transforma equipes com nome de cidades homônimas identificando-as com o grupo (Manchester, New York, Melbourne, Guayaquil, Yokohama – ganhando o sobrenome City).

Nessa fase de entrada na América do Sul (adquirindo clubes fora da 1a divisão nacional – do interior do Equador, da Venezuela e do Uruguai), a tentação na pergunta é inevitável:

Se, por acaso, hipoteticamente, desembarcasse alguém do conglomerado internacional City Football Group no Brasil, viesse aqui na Terra da Uva e desejasse a compra do Paulista Futebol Clube, transformando-o em Jundiaí City FC (é praxe do grupo mudar o nome do time para a cidade-sede como acabamos de ler, e transformar as cores do time no conhecido azul do time-mãe inglês, o MCity). Qual deveria ser a reação da diretoria e dos torcedores?

– ACEITAR A PROPOSTA IMEDIATAMENTE

– DISPENSAR A OFERTA POR ORGULHO PRÓPRIO

– NEGOCIAR CALMAMENTE

Assim como penso ser fundamental a entrada de investidores sérios no esporte (não recusaria o “Red Bull Paulista” caso isso fosse possível), acho também que a profissionalização é inevitável.

Aliás, o que você pensa sobre clube-empresa?

A propósito, o principal motivo dos investimentos, segundo o próprio City Football Group, é de “adquirir talentos a custo mais baixo direto das suas filiais. Guardiola deve agradecer…

Em tempo: o Girona, da Espanha, um time que agrega jogadores em observação na Europa, pertence 44% ao Manchester City, outros 44% a Pere Guardiola (irmão de Pep Guardiola) e o restante a investidores diversos. O controle majoritário não pode estar nas mãos do City por conta da proibição da UEFA (que não permite que um grupo controle duas equipes por lá). Mas, sabidamente, são clubes com ótimo relacionamento, sendo que o Manchester City envia atletas em observação para o time espanhol.

bomba.jpg
Na foto, Mansour bin Zayed com Stefano Domenicali, da Ferrari, durante o Grande Prêmio de F1 em Abu Dhabi, no autódromo Yas Marina Circuit, que é dele próprio.
Com informações da ESPN.com, Gazeta Esportiva.com.br, OESP e Wikipedia.

Anúncios

Um comentário sobre “– O avanço do Manchester City na compra de times mundo afora e os novos donos do futebol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.