– Se fosse jogador, você aceitaria uma proposta da China?

Claro que a resposta à pergunta-título é: DEPENDE. Sim, ela é condicionada a uma série de coisas: valores, empregador, tempo de contrato, condições de trabalho e perspectiva de vida pessoal e profissional.

E se faz necessário criar tais questionamentos para se avaliar as propostas que surgem aos montes para trabalhar no Futebol da China, devido as diversas realidades de cada jogador. Quer um rápido exercício comparativo?

Veja esses 3 diferentes panoramas e perspectivas dos jogadores brasileiros:

1) Erick Mamadeira, desconhecido da grande imprensa da capital, é um jovem jogador do Paulista de Jundiaí. Diferenciado dentro de campo, é questionado fora dele. Pode ser um sucesso se chegar a um time expressivo, pois tem bola para ser craque. Mas pode virar um grande fiasco se não for orientado à exaustão. E se ele recebesse uma proposta vantajosa de dois anos para jogar na China? Deveria ir ou não?

Acho que deveria ir correndo… Garantiria-se financeiramente e ainda teria tempo para voltar a jogar no Brasil.

2) Lucas Lima é o “bola da vez” na Seleção Brasileira. Quando convocado, tem correspondido positivamente. Com boataria de venda futura para a Europa, ainda joga no Santos FC e exerce seu ofício em alto nível. Mas e se oferecessem a ele o mesmo que Jadson (mais de R$ 2 milhões/ mês)?

Teria dúvida em decidir. Abrir mão da vaidade e do sonho da Seleção Brasileira e de uma carreira no Velho Continente para ganhar dinheiro na poluída Shangai ou Pequim?

3) Luís Fabiano, ex-SPFC, aceitou a segunda divisão da China. Vítima de lesões e em final de carreira, faz bem para garantir sua aposentadoria (e o futuro aos filhos e netos). Já imaginaram ele, ganhando bastante dinheiro, treinado por Luxemburgo e em meio a zagueiros chineses?

A grande questão é: PROJETO DE CARREIRA OU REALIZAÇÃO FINANCEIRA?

Sem dúvida alguma, o jogador vai se esconder por lá. E os treinadores brasileiros dos times grandes chineses optam por atacantes e meias ofensivos daqui pois sabem que o baixo nível da zaga de jogadores locais permitirá resultados expressivos em números de gols. Só que ele sumirá da grande mídia. Além da CCTV para o território da China e Hong Kong (a emissora estatal de lá), qual canal transmitirá o Campeonato Chinês no Brasil? Você pagaria para assistir o “Chinesão 2016”?

Aliás, é algo curioso: Felipão foi taxado de ultrapassado, mas é o atual Campeão da Copa da Ásia. Ele está se reciclando como treinador no Guangzhou Evergrande ou apenas “fazendo o feijão-com-arroz”?

O que tenho muito medo em relação a China se resume a MÁFIAS. Não me esqueço dos casos de combinação de resultados, de sites de apostas envolvidos, de atletas que entregavam o jogo e árbitros que manipulavam placares. E tudo isso na primeira década dos anos 2000. O cenário mudou tão rapidamente? Sem falar, claro, da origem do dinheiro.

Se eu fosse boleiro, o contrato deveria ser curto, extremamente rentável, metade dele antecipado e com inúmeras cláusulas de alta exigência protecionista. Um bate-volta honesto, para sentir o que realmente tem por lá e não fugir dos holofotes ou da Seleção.

E você: o que pensa sobre a invasão chinesa no futebol brasileiro?

bomba.jpg

Anúncios

– Sean Penn e a entrevista com El Chapo

Nesta semana, noticiou-se que o traficante mais procurado do mundo, o mexicano Joaquim Guzmán “El Chapo”, foi enfim preso (havia fugido de maneira incrível de sua cela em 2015).

O curioso é que o famoso Sean Penn, ator consagrado de Hollywood, declarou que se encontrou com o bandido quando ele era foragido da Polícia, no meio de uma selva mexicana.

Motivo: estava fazendo um “laboratório” para criar o personagem protagonista do filme que conta a história de Guzmán…

E aí? Pela liberdade artística, vale ocultar das autoridades o paradeiro de tal importante criminoso?

Mais ainda: o encontro foi intermediado pela atriz Kate Dell Castillo.

Daqui, se conclui que: ou os artistas tinham acesso fácil ao bandido ou a Polícia Mexicana não queria o prender…

bomba.jpg

– A confissão de que o Cruzeiro comprou um juiz!

Está dando o que falar! Benecy Queiroz, dirigente do Cruzeiro/MG há mais de 40 anos, deu uma entrevista mais do que polêmica: confessou que já comprou árbitro no final da década de 80/início dos anos 90.

Tal declaração ocorreu no programa Meio de Campo, da Rede Minas de TV.

Disse ele:

“Só vou citar um caso específico, não falo o nome, aqui em Minas Gerais. O treinador era Ênio Andrade. E nós, através de indicação de uma pessoa, achamos que compramos um juiz. E o juiz falou: ‘olha, fique tranquilo que o time do adversário não sai do meio-de-campo’. Então, nos 45 primeiros minutos, ele deu muita falta só no meio-de-campo. Então, falei com ele: ‘é, o negócio, acho que vai dar certo’. Só que, por azar nosso, o adversário chutou uma bola do meio-de-campo, o goleiro, eu posso falar o nome, Vitor, no ângulo e gol. E o juiz, então, o que foi que ele fez? Continuou dando falta só no meio. Só no meio. Só no meio. E uma hora, antigamente podia entrar dentro de campo, eu falei: ‘velho, eu paguei você, vê se você dá o pênalti’. Ele falou assim: ‘manda o seu time lá para frente que eu dou o pênalti’. Aí falei com o capitão: ‘olha, manda todo mundo para frente, temos que empatar o jogo’. Aí foi para frente, toda bola ele dava falta contra o Cruzeiro. Eu cheguei à conclusão de que eu empreguei um dinheiro errado.

Eu já ouvi muitas histórias de compra de árbitros que nunca ocorreram na prática. A mais notória publicamente foi a do Ivens Mendes, diretor de árbitros da CBF, que houvera vendido Oscar Roberto de Godoy e tantos outros nomes (episódio em que a Rede Globo conseguiu gravações onde Dualib oferecia “1-0-0” para a campanha de Ivens a deputado federal). O árbitro, porém, nem sabia que estava sendo vendido e apitava corretamente.

Quem vende resultado, vende para os dois times sem o árbitro saber. Para quem ganha, ele diz que o negócio realmente era quente. Para quem perde ou se há empate, diz que o jogo estava “difícil” para fazer o placar.

Se há árbitro que negocia de fato, faz bem feito e de maneira escondida de muita gente. É difícil provar. Mas a questão é: e o dirigente que negocia a compra de um resultado? Existe isso ainda hoje?

No caso específico de Benecy Queiroz, o que se deve fazer? Ele é réu confesso! Ficará assim mesmo ou não? Foi só uma vez?

E agora?

bomba.jpg