– Supremo Tribunal de Justiça avacalhado pelo Congresso?

A briga entre os Poderes ganhou novo capítulo nessa semana: não é que a CCJ dos Deputados (Comissão de Constituição e Justiça) quer que as decisões finais do STJ (Superior Tribunal de Justiça) sejam submetidas a plenário?

Parece o fim da picada: o Poder Legislativo simplesmente quer mudar resultados do Poder Judiciário. E sabe quem faz parte da CCJ? José Genoíno e João Paulo Cunha (mensaleiros interessados no caso e no caos…)

Por quê será que propuseram tal idéia, hein? Querem limitar Joaquim Barbosa???

imgres.jpg

– A Triste Situação do Paulista de Jundiaí

Que situação constrangedora… Depois de anos de sucesso (campeão da Copa SP Jr, Vice-Campeão Paulista em 2004, campeão da Copa do Brasil 2005), considerado um emergente no futebol, o centenário Paulista FC, equipe profissional de Jundiaí, parece estar se tornando uma equipe amadora!

Se não bastasse o corte de energia elétrica e dos telefones no ano passado por falta de pagamento, agora os jogadores reclamam o salário atrasado. E segundo a mídia jundiaiense, até cotas de 2014 já foram usadas para sanar dívidas.

A parceria com os empresários do “Campus Pelé” foi tão nociva a tal ponto de falir o time? E os diversos atletas vendidos: Marcinho, Nenê, Mossoró, Victor, Rever? O dinheiro foi curto ou mal gasto?

Que pena. Agora, os jogadores reclamam (justamente) os salários não pagos, e se a Federação Paulista de Futebol fazer valer a regra de rebaixamento para clubes que devem, o Tricolor da Terra da Uva pode ser rebaixado para a A2 por perder pontos.

Uma coisa que me cutuca: e os demais times (incluindo as outras divisões): nada devem? Ou os jogadores não acionaram o Sindicato dos Atletas Profissionais?

Avante, Galo da Serra do Japi. As pessoas que compõe a diretoria são gente de bem. Esperemos a recuperação financeira.

A questão é: como sobreviver, sem torneios lucrativos e elenco reduzidíssimo?

url.jpg

– Anhanguera + Kroton = Fim das Pequenas Universidades?

O que falar sobre a fusão da Anhanguera com a Kroton? As duas gigantes do Ensino Superior formam agora um megaconglomerado de escolas.

Fica a dúvida: o que acontecerá com as pequenas faculdades? Serão obrigadas a crescer e resistir ao assédio, ou o caminho será a futura incorporação por grupos maiores como esse?

Extraído de: http://is.gd/kb7j2a

FUSÃO DE KROTON E ANHANGUERA CRIA GIGANTE DA EDUCAÇÃO

A mineira Kroton Educacional, que tem como marca principal a Pitágoras (colégios e faculdades), informou  na última segunda-feira (22) a assinatura de acordo de associação com a Anhanguera Educacional, na maior operação desse tipo já ocorrida no setor de educação do país. Se aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a operação resultará na criação de uma empresa de educação de tamanho sem precedentes no Brasil.

A fusão das empresas é mais um desdobramento do movimento de consolidação do setor educacional brasileiro, em andamento desde os anos 90 e do qual Kroton e Anhanguera são os principais protagonistas. O negócio também é bastante lógico na ótica de complementariedade e estabelecimento de sinergias. Apesar de atuarem nos mesmos nichos educacionais e com perfis de clientes semelhantes, atuam em áreas geográficas diferentes. Com um somatório de mais de 800 escolas no país, apenas quatro cidades abrigam ao mesmo tempo unidades da Kroton e da Anhanguera.

O acordo foi facilitado pelo perfil diretivo das empresas. Além da forte pulverização de ações (as duas estão no novo mercado da Bovespa, onde todas as ações são ordinárias – com direito a voto), ambos os grupos de controle são compostos por membros fundadores, mais direção de empresas incorporadas e fundos de private equity (investidores que prepararam a abertura do capital das empresas).


Prazos

O Cade tem prazo máximo de 330 dias para se pronunciar sobre a fusão, ou seja, até abril do próximo ano. Mas, segundo analistas, a aprovação deverá ser pouco problemática. “Não há sobreposição geográfica nem concentração de concorrência. Nas quatro cidades onde as duas possuem unidades, o Cade poderá pedir uma contrapartida, mas esse é um problema menor”, disse Bruno Giardino, analista de educação do Santander.

O mercado reagiu positivamente ao anúncio da fusão. As ações ON da Anhanguera subiram na última segunda-feira (22) 7,34%, e as ações ON da Kroton, 8,07%.

A fusão entre as companhias se dará mediante a incorporação de ações da Anhanguera pela Kroton. Conforme o fato relevante publicado na última segunda-feira (22), a troca considerou a média do preço das ações das companhias ponderada pelo volume financeiro dos últimos 30 pregões anteriores à assinatura do acordo.

imgres.jpg