– Fernando Diniz (o veterano-aprendiz) e Rogério Ceni (o novato-rodado).

Fernando Diniz e Rogério Ceni tem semelhanças e diferenças curiosas quanto às suas carreiras tão contestadas. Vale uma rápida abordagem:

O primeiro é treinador há muito mais tempo: tem 12 anos de carreira, e há 3 anos mudou de patamar, ao começar a trabalhar na série A do Brasileirão. Nos anos anteriores, a passagem de Diniz foi em clubes emergentes de São Paulo (lembre-se: no pós-momento Zetti / Mancini no Paulista de Jundiaíanos dourados do time – Fernando Diniz assumiu o Galo da Japi e conquistou a Copa Paulista, o “Paulistão de 2º semestre sem os grandes”, além de trabalhos vitoriosos anteriores no Votoraty Atlético Sorocaba, depois o vice-campeonato paulista no Audax – que estavam em seu melhor momento na época dele como treinador). Nos clubes menores, “permitia-se errar”, pois trabalhou em equipes que eram bem superiores aos seus adversários (diferente do São Paulo, pois o nível do Campeonato Brasileiro é bem mais equilibrado). O mesmo esquema criticado que supostamente foi responsável pela eliminação do Tricolor Paulista frente ao Mirassol, o levou à liderança do Brasileirão com 7 pontos de vantagem! E, agora, sucumbiu de vez…

O segundo é treinador em formação e tem muito mais vivência com conquistas e competições internacionais. Viajou o mundo como goleiro, aceitou o desafio de ser treinador do São Paulo sem nunca ter sido em outro momento da sua carreira. Ceni é um novato na função, não há o que contestar sobre isso. Foi bem no Fortaleza nas suas duas passagens, ruim no Cruzeiro e oscilante no Flamengo. Aliás, há duas semanas, de “pré-demitido” voltou a ser o “mestre, bola da vez”. Coisas do futebol brasileiro…

Enfim:

  • Fernando Diniz tem experiência como treinador, embora esteja aprendendo a sê-lo em time grande.
  • Rogério Ceni tem experiência em time grande, embora esteja aprendendo o ofício de treinador.

O que os une é: a impaciência por resultados da cultura do futebol brasileiro, além do não aceite da instabilidade de trabalhos. Ou ganha-se sempre, ou o destino é certo: demissão. Isso é Brasil.

Rogério Ceni não se pressiona por volta ao São Paulo: 'Se sou diretor, ficaria com o Diniz'

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.