– As 7 irmãs do Petróleo Mundial e o Cartel de Combustíveis no Brasil

As pessoas de mais idade se lembram das “7 irmãs” do petróleo que dominaram o mundo: Shell, Texaco, Exxon, Standard Oil, BP, Chevron e Gulf Oil. Elas detinham metade das reservas mundiais e comercializavam mais de 70% dos combustíveis do Planeta.

Hoje o cenário mudou lá fora. Mas e no Brasil?

Aqui, se fala de cartel daquelas que compram tudo e mandam “pra valer”: BR, Ipiranga e Shell/Raízen.

Entenda melhor. Abaixo, extraído de: https://istoe.com.br/o-cartel-que-joga-contra-o-pais/

O CARTEL QUE JOGA CONTRA O PAÍS

Por trás dos exorbitantes preços dos combustíveis há um conluio entre as três maiores distribuidoras, donas de 70% do mercado, que impede o alívio no bolso do consumidor. Agora, a Agência Nacional do Petróleo tem a oportunidade histórica de acabar com a farra

A greve dos caminhoneiros mudou a rotina do brasileiro nas últimas semanas, que passou boa parte do dia em fila, com galão na mão à procura de algum posto para lhe vender uns míseros litros de gasolina. O governo, por sua vez, para convencer a categoria a retornar o trabalho, ofereceu descontos generosos na forma de tributação sobre o óleo diesel e, até mesmo, na isenção total de impostos que incidem sobre o produto. Mas as medidas para conter a alta do preço do combustível serão inócuas se não for atacado um problema que corre a céu aberto e à vista da fiscalização: o cartel composto pelas três grandes distribuidoras que dominam o mercado. São elas, a BR Distribuidora, a Raízen/Shell e a Ipiranga. Enquanto elas ditarem o valor cobrado pelo litro que irriga as bombas dos postos, tão cedo o consumidor não sentirá um alívio no bolso. A questão é como mudar essa lógica deletéria se a própria Agência Nacional do Petróleo (ANP), em determinados momentos, tem transigido com o conluio que deu carta branca para as três bandeiras operarem ao sabor de suas conveniências.

A pressão contra o livre mercado

Em 2008, um lobby pesado do Sindicato Nacional das Empresas de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom) junto ao então diretor da ANP, Haroldo Borges Rodrigues Lima, nomeado pelo ex-presidente Lula, hoje preso, fez uma modificação numa estratégica resolução do Ministério de Minas e Energia. Até então, ela garantia aos postos de gasolina escolher de qual distribuidora comprar combustível. Cabia a eles apenas informar na bomba o fornecedor do produto. Assim, poderiam comprar da distribuidora que oferecesse o menor preço, o que barateava o valor final para o consumidor. Com o cavalo de pau na regra, ficou vedada a comercialização de combustíveis automotivos com revendedor varejista, que optou por exibir a marca comercial de outro distribuidor. Na prática, passou a funcionar assim: um posto com o slogan da BR Distribuidora, Raízen/Shell e Ipiranga ficou impedido de comprar combustível de uma distribuidora de bandeira branca. Somente da marca que estampa em sua fachada. Mesmo que o preço do litro dos fornecedores de bandeira branca seja bem mais barato. Com a medida, as grandes distribuidoras, detentoras de 70% de todo o combustível comercializado no País, conseguiram fidelizar 24 mil postos. Dessa forma, mais que dobraram seu faturamento em dez anos, saltando de R$ 78 bilhões em 2007 para R$ 219 bilhões no ano passado. Pior para você, consumidor.

Bom senso da ANP

Com a greve dos caminhoneiros, foi dado o primeiro passo para livrar os empresários do setor de postos das amarras impostas pelas três gigantes do setor de distribuição de diesel e gasolina. Numa iniciativa de raro bom senso, a ANP resolveu suspender em caráter excepcional, ou seja, temporário, a vinculação de marca para vendas de distribuidoras de combustíveis líquidos. O despacho foi assinado pelo diretor-geral substituto da agência, José Cesário Cecchi. Agora, a ANP tem em mãos a oportunidade histórica de corrigir um equívoco de uma década, ou seja, a partir da retomada e da normalização do abastecimento de combustível no País, tornar permanente uma medida que jamais deveria se constituir uma exceção. Em nota enviada à ISTOÉ, a agência se esforça para descaracterizar o “conluio”, o qual com veemência diz não existir, mas admite que os postos bandeirados de fato se comprometem em contrato a comprar combustíveis apenas da distribuidora a que se vincularem. A ANP admite ainda “estudar” a possibilidade de permitir, de maneira definitiva, que os postos de gasolina escolham de qual distribuidora comprar combustível. As três grandes distribuidoras do produto, a BR Distribuidora, Raízen/Shell e Ipiranga, agora reunidas na Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência (Plural), ameaçam reagir. Há até canelada muito abaixo da linha da cintura: representantes das empresas espalham que podem até processar diretores da ANP envolvidos na decisão de alterar a regra que os beneficiam. Jogo baixo, muito baixo. Que a Agência Nacional do Petróleo não repita 2008 e – de novo – dobre os joelhos, em detrimento do consumidor. A sociedade está atenta.

– E se fosse no Brasil? O Imposto para se usar WhatsApp, Facebook, Viber e Twitter.

Uganda, paupérrimo país da África Negra, determinou: para se evitar fofocas sociais e boatarias contra o Governo, taxará os usuários das principais Redes Sociais!

Assustou?

Veja só, extraído de:

https://tecnologia.uol.com.br/noticias/redacao/2018/05/31/e-se-a-moda-pega-uganda-cria-imposto-diario-pra-usar-whatsapp-e-facebook.htm

E SE A MODA PEGA? UGANDA CRIA IMPOSTO DIÁRIO PRA USAR WHATSAPP E FACEBOOK

Imagine você ter que pagar o governo para poder usar o WhatsApp e Facebook. Parece uma coisa absurda, não? Mas se Zuckerberg ainda se recusa a criar uma opção do Facebook pago, outros países estão tornando isso realidade. É o caso de Uganda, que criou um imposto para diversas plataformas de mensagem.

O parlamento local aprovou uma polêmica lei que cobrará 200 shiling (US$ 0.05, cerca de R$ 0,20) diariamente para poder usar plataformas de mensagens como Facebook, WhatsApp, Viber e Twitter. O argumento da lei é que essas redes sociais impulsionam “fofocas” e boatos – aqui no Brasil não é muito diferente, né?

A legislação foi orquestrada pelo presidente local Yoweri Museveni, que iniciou os trâmites do projeto no último mês de março. Na época, ele escreveu para o ministro das Finanças que a renda coletada pelo imposto ajudaria a lidar com as “consequências das fofocas”. A lei deverá entrar em vigor no dia 1º de julho.

Na carta, ele deixou claro que não queria impor impostos nos dados da internet, já que ela é útil para “funções educacionais e de pesquisa”.

Nos últimos anos, as redes sociais viraram uma importante arma política em Uganda tanto para o atual governo quanto para a oposição. O acesso a plataformas do tipo foi derrubado durante a eleição presidencial de 2016 – segundo o atual presidente, isso foi feito para impedir que mentiras fossem espalhadas.

Outras nações da África também têm criado leis que ativistas dizem que afetam a liberdade de expressão. Na Tanzânia, blogueiros são obrigados a pagar uma taxa de licença e devem mostrar quem suporta eles financeiramente.

Já o Quênia criou uma nova legislação de cibercrime, mas jornalistas e blogueiros ganharam na Justiça uma ação que impede que o governo elimine supostas notícias falsas.

COMO O IMPOSTO SERÁ IMPLEMENTADO?

Especialistas e pelo menos um grande provedor de internet, no entanto, levantaram dúvidas sobre como o imposto diário poderia ser implementado, segundo a BBC britânica.

O governo está trabalhando para que todos os chips telefônicos estejam devidamente registrados. De acordo com a Reuters, dos 23,6 milhões de celulares do país, apenas 17 milhões usam a internet. Como o governo de Uganda vai conseguir identificar cidadãos acessando as redes sociais ainda é uma grande incógnita.

O imposto é polêmico por muitos acreditarem que é uma tentativa do governo reduzir a liberdade na internet. A lei ainda cria outras taxas, como 1% sobre transações financeiras realizadas pelo celular. Grupos civis sociais dizem que esse imposto vai afetar principalmente cidadãos mais pobres do país, já que eles raramente usam serviços bancários.

bomba.jpg

– Como o craque português Cristiano Ronaldo não sofreu um aborto da mãe!

Você conhece a história da dona Dolores Aveiro?

Ela é mãe de Cristiano Ronaldo, o craque português que por várias vezes foi eleito o melhor do mundo. E veja que curioso: CR7 era o 4º filho de uma gravidez indesejada, e dona Dolores tomou vários chás para abortar!

Quando foi ao médico, ela foi repreendida por ele e dessa forma decidiu levar até o fim a gestação. Assim que Cristiano nasceu, “houve um arrependimento profundo, um remorso, uma vontade de apagar tudo o que aconteceu ao ver aquele bebezinho indefeso e maravilhoso”, como diz em seu livro (abaixo).

Reflita: quantas pessoas talentosas de bem, que poderiam ajudar a humanidade com sua inteligência na promoção social, na descoberta de medicamentos ou na luta pacífica engajada por um mundo melhor, não nasceram por conta do aborto desejado de suas mães?

(Extraído de: https://esporte.uol.com.br/futebol/copa-do-mundo/2018/noticias/2018/05/22/mae-de-cristiano-ronaldo-diz-por-que-pensou-em-aborto-e-desistiu-da-ideia.htm)

MÃE DE CRISTIANO RONALDO DIZ POR QUE PENSOU EM ABORTO E DESISTIU DA IDEIA

Quando Maria Dolores dos Santos Aveiro, 63, assiste a um lance como a fabulosa bicicleta que Cristiano Ronaldo acertou contra a Juventus, se enche de orgulho. Afinal, é seu filho. Mas também bate uma grata sensação de surpresa, não importando quantos títulos e recordes o craque já tenha acumulado. Por mais que soubesse que, desde muito cedo, o garoto da ilha da Madeira só queria saber de futebol, ela admite que jamais imaginava que a vida deles desembocaria aqui.

Aqui, no caso, vale para São Paulo, onde, nesta terça-feira (22), Dolores Aveiro vai lançar no Brasil sua biografia. “Mãe Coragem” é o título, escrito em parceria com Paulo Sousa Costa. Mas também pode valer para Gramado (RS), a atraente cidade turística em que, por iniciativa de uma das irmãs do astro, Katia, a família prepara o lançamento de um restaurante. O estabelecimento será aberto em julho, com a Copa em andamento, chamado “Dona Dolores”. Não só pelo fato de a matriarca ser a cozinheira oficial do clã, mas também para homenagear uma trajetória ainda mais sinuosa que a do prodígio.

Órfã de mãe aos 6 anos, foi abandonada pelo pai em sequência, educada em rigoroso orfanato e, na volta para casa, acabou submetida a condições ainda mais inóspitas para uma criança. Quando deu o próximo passo, casada com José Dinis Alveiro, teve os dois primeiros filhos e viu o marido ser chamado às pressas para uma guerra em Angola. Quando voltou, era outro homem, tomado pelo alcoolismo. Com dificuldades financeiras e afetivas, considerou seriamente o aborto daquele que seria seu quarto filho, Cristiano Ronaldo, cujo talento causaria reviravolta na vida da família 17 anos depois.

“Contamos o que senti na minha vida, para dar um exemplo às mulheres”, disse ao UOL. “Não foi um livro para criar fama. Até vamos ajudar algumas instituições, com as quais já havia colaborado. Tem uma para câncer de mama, uma cirurgia que fiz nas duas. Também quero ajudar instituições de meninos deficientes e órfãos, desprezados como fui. Não quero ser conhecida como a mãe de Ronaldo, mas pelo que sinto de coração e me faz bem.”

Hoje um fenômeno no Instagram, com 1,4 milhão de seguidores (@doloresaveiroofficial), ela dá autógrafos por onde quer que passe. Seu neto, Cristiano Ronaldo Júnior, o Cristianinho, 7, até brinca sobre quem seria o membro mais famoso da família. “Estou orgulhosa porque noto que têm um carinho especial por mim. Tento responder algumas coisas porque não consigo com todas. Estou muito consciente de ser a mãe de quem sou, mas, para mim, o Ronaldo é como outro filho qualquer. É diferente para o mundo, mas para mim é igual aos outros”, disse.

Aos 30 anos, Dolores Aveiro engravidou pela quarta vez, e não estava nos planos. A família vivia em condições precárias em Funchal, e ela chegou a procurar um médico para forçar um aborto, depois de ter tomado chás e ou até mesmo cerveja preta, que a crença local dizia facilitar a eliminação do feto:

Cristiano Ronaldo realmente mudaria a vida da família. Mas demoraria um pouco. Aos seis anos, só queria saber de futebol, recusando qualquer presente que não fosse uma bola. Era um sinal do que estava por vir, embora mal suspeitassem:

Aos 11, Cristiano Ronaldo foi liberado pela mãe para deixar a Madeira rumo a Lisboa, fisgado pelos olheiros do Sporting. Não que fosse uma decisão fácil, assim como foi difícil a adaptação do filho à capital portuguesa:

Em 20 de agosto de 2003, Cristiano Ronaldo estreou pela seleção portuguesa contra o Cazaquistão, aos 18, para deleite dos pais. Cinco anos depois, seria eleito o melhor do mundo pela primeira vez. Mas o pai já não estava mais lá para ver, tendo morrido em 2005 por complicações hepáticas e renais:

Agora dando nome a restaurante em Gramado, Dolores Aveiro assegura que lá será servido o prato preferido de Cristiano Ronaldo, um craque também de garfo e faca na mão.

bomba.jpg
Maria Dolores dos Santos Alveiro, mãe de Cristiano Ronaldo Imagem: Juliana Fumero/UOL

– Dos 81 do Senado, somente 25 não possuem processos contra eles!

Como é que vamos mudar o Brasil?

Apenas 30% dos Senadores da República não estão sendo processados por algum tipo de crime.

Pode?

Extraído de: https://istoe.com.br/um-senado-comprometido/

UM SENADO COMPROMETIDO

Quase 70% dos senadores estão sendo investigados pela Justiça. As acusações vão do recebimento de propina à violência contra mulheres. É o exemplo mais bem acabado da falência política

O quadro é desalentador. O Senado brasileiro virou a síntese da decadência da política. Levantamento feito por ISTOÉ revela que 69% dos 81 senadores possuem alguma pendência judicial. Os números mostram que 56 estão encrencados com a Justiça. Os crimes envolvendo os parlamentares da Câmara Alta são de fazer inveja aos ocupantes de qualquer penitenciária brasileira. Há casos de violência contra a mulher, ocultação de bens, peculato, crimes contra a fé pública, ocupação ilegal de apartamentos funcionais, crimes eleitorais, enriquecimento ilícito, corrupção, lavagem de dinheiro, além de muitos inquéritos derivados das delações premiadas da Odebrecht. O delito preferido dos senadores, no entanto, é a corrupção ou atos de improbidade administrativa: 49 deles respondem por crimes dessa natureza. A maioria, no entanto, se esconde atrás do foro privilegiado e os processos abertos para que possam ser julgados e condenados caminham a passos de cágado.

Desse cenário lamentável, porém, sobressai um dado positivo: os resultados da Operação Lava Jato no processo de saneamento da política brasileira. Afinal, houve um aumento significativo no número de senadores investigados após a deflagração da operação pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. Seis senadores, inclusive, já se tornaram réus no Supremo Tribunal Federal: Aécio Neves (PSDB-MG), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fernando Collor (PTC-AL), José Agripino Maia (DEM-RN), Romero Jucá (MDB-RR), Renan Calheiros (MDB-AL) e Valdir Raupp (MDB-RO). Collor foi denunciado por propinas de R$ 26 milhões desviadas da BR Distribuidora. Gleisi, Agripino, Jucá e Raupp se tornaram réus por repasses ilícitos de empreiteiras para suas campanhas eleitorais. Jucá também é investigado em outros 12 procedimentos. Agripino, por propinas na construção da Arena de Dunas, estádio de Natal da Copa do Mundo de 2014. Já Aécio foi acusado por pedir R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, da JBS, em março de 2017. O tucano é alvo de mais nove inquéritos, que vão desde propinas para campanhas até fraude na licitação da cidade administrativa de Minas Gerais.

NEM O PRESIDENTE ESCAPA

A Lava Jato também levou o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), a ser investigado no STF. Delatores da Odebrecht revelaram repasses de R$ 2 milhões a ele. O ex-diretor de Relações Institucionais da Hypermarcas Nelson Mello, também em delação premiada, detalhou pagamentos de R$ 5 milhões em despesas de empresas que prestavam serviços à campanha de Eunício em 2014. Quem também está enrolado na Lava Jato é Renan Calheiros (MDB-AL), alvo de pelo menos 15 inquéritos no STF. Ele já é réu por usar recursos ilícitos da construtora Mendes Júnior para pagar a pensão de uma filha. Ainda na Lava Jato, há os casos dos senadores Benedito de Lira (PP-AL), incluído no chamado ‘quadrilhão do PP’ e Edison Lobão (MDB-MA), alvo de quatro inquéritos. José Serra (PSDB-SP) é investigado por fraudes na licitação do Rodoanel Sul.

O senador Telmário Mota (PTB-RR) é dono de um prontuário de corar a face: é investigado por violência contra a mulher. Uma universitária de 19 anos fez a denúncia em 2016 e disse ter sido agredida pelo senador, depois de viver maritalmente com ele por três anos. Na verdade, espancada a chutes e socos, que a fizeram desmaiar. Ele nega a agressão. “Desafio provar”, diz.
Entre os processos por atos de improbidade administrativa, chama atenção os do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). São pelo menos 12 procedimentos contra ele no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por irregularidades na sua gestão como prefeito de Nova Iguaçu, se é que é possível chamar aquela barafunda administrativa de gestão.

Todos os parlamentares citados, por óbvio, refutam as acusações. De qualquer forma, o eleitor precisa ficar atento ao passado dos candidatos. Em outubro, cada brasileiro escolherá dois senadores para representá-los em Brasília. Dos 54 com mandatos terminando neste ano e que pretendem disputar a reeleição, 24 são investigados na Lava Jato. É possível que até a eleição algum deles já esteja condenado pelo STF. Aí viram fichas-sujas. De caras limpas.

– Ótima 6a, Amigos (em 7 mobgrafias):

👊🏻Bom dia!
O mês de #junho está começando e as tarefas se reavivando.
Vamos correr logo cedo para produzir #endorfina a fim de ter pique?
🏃🏻 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #corrida #sport #esporte #running

bomba.jpg

🙏🏻Correndo e Meditando:
Ó #EspíritoSanto, Paráclito Divino, ajudai-nos. #Amém.”
#Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

bomba.jpg

🌺Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza do #jardim. Hoje, rememorando os #girassóis de outra estação!
🏁 #corrida #treino #flor #flowers #pétalas #pétala #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento

🌅Desperte, Jundiaí!
Que a #alvorada ilumine nossa jornada.
🍃 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia #Jundiaí #AmoJundiaí

bomba.jpg

☀️#Sol muito bonito, com esta #natureza de #beleza indescritível.
Obrigado, #MãeTerra.
🌱 #inspiração #amanhecer #morning #fotografia #paisagem #sun #céu #landscapes

bomba.jpg

🎨 E para quem, assim, como eu, gosta de fotografia, dois cliques do maravilhoso #entardecer de ontem pelos lados da Divisa de #Itupeva com #Jundiaí (ilustrados aqui), desejando que o dia de hoje seja bonito (uma verdadeira pintura) como o do dia que passou. Abaixo, em dois horários:
🌄 #natureza #inspiração #fotografia #cores #mobgraphia #infinito #nuvens #sol #sky #sun #house #landscape

Às 16h30:

Às 17h30:

Ótima #SextaFeira a todos.