– Lição de Matemática com cocaína?

Coisas ridículas de algum professor insensato: em Itaberaí, interior de Goiás, um professor do 8o ano passou exercícios de matemática baseando os cálculos em… pinos de cocaína!

Que “mestre da Educação“, não?

Extraído de: https://g1.globo.com/google/amp/go/goias/noticia/2021/10/08/pais-se-revoltam-com-licao-de-matematica-envolvendo-calculo-para-colocar-cocaina-em-recipiente.ghtml

PAIS SE REVOLTAM COM LIÇÃO DE MATEMÁTICA ENVOLVENDO CÁLCULO DE COCAÍNA

Questão era a primeira de uma página de exercícios para alunos do 8º ano. Secretaria de Educação de Itaberaí e escola se desculparam e disseram que vão tomar as medidas necessárias.

Por Vanessa Martins e Ludmilla Rodrigues

Pais de alunos da Escola Municipal Padre Elígio Silvestri, em Itaberaí, se revoltaram ao ver, na tarefa de casa dos filhos, uma questão envolvendo cálculo para colocar cocaína em pino de plástico. A pergunta era a primeira da lição de matemática enviada a duas turmas de 8º ano.

Por meio de nota, a escola pediu desculpas à comunidade e disse que a questão “foge do alinhamento do trabalho pedagógico”.

A Secretaria Municipal de Educação (SME) informou à TV Anhanguera, por telefone, que abriu um processo administrativo para apurar o caso e que, ao final da investigação, vai tomar as medidas cabíveis contra os responsáveis – professora, coordenadora e gestora da escola.

Indignado, um dos pais, que preferiu não ter a identidade divulgada, quer que o filho passe a estudar em outra unidade de ensino.

“Olha se tem como uma escola mandar para um menino de 14 anos resolver um problema baseado em pino de cocaína. […] Porque não baseou em outra coisa? Tinha que ser logo cocaína? Não pus meu filho lá para estudar sobre cocaína”, disse. Esse pai contou que alertou o Conselho Tutelar sobre a situação. O órgão disse à TV Anhanguera que está ajudando a família na possibilidade de transferência do adolescente de escola.

Também segundo o Conselho, a escola recebeu uma visita de agentes do órgão assim que soube do que aconteceu. Eles informaram que a diretora reconheceu que houve erro e que o objetivo de propor um problema na questão poderia ser alcançado usando outras substâncias como exemplo.

Mãe de outro estudante que recebeu a lição também achou um absurdo ver a droga ser usada em uma questão.

“A coordenadora disse que isso era um cálculo comum, como se fosse com arroz, feijão. Que não estão influenciando os alunos a vender ou a usar”, reclamou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.