– Mais de 1300 mortos por Covid hoje, e a nossa diplomacia padecendo junto…

No dia em que quebramos um recorde negativo de falecidos por Covid no ano, penso que precisamos de um Barão do Rio Branco. Explico: 

Há 3 meses, o Brasil não apoiou a Índia na OMC. As relações com o país (que pertence ao BRICS) esfriaram. Eles estão produzindo a vacina da AstraZeneca / Oxford, que um dia Bolsonaro achou que conseguiria mandar o avião para lá e buscar. Deu errado, pois os indianos recusaram a entrega.

Desde que eleito, o Brasil criticou por várias vezes (através do executivo maior do Itamarati, Ernesto Araújo, e dos filhos do presidente da República), a relação com os chineses. Nenhuma queixa à China contra a defesa dos Direitos Humanos, Liberdade de Expressão ou em favor da Democracia por lá (os pecados gravíssimos que o Partido Comunista Chinês comete e que poderiam ser discutidos), mas apenas a elementos olavistas de teorias conspiratórias. Agora, os insumos de vacinas que precisaríamos estão sendo produzidos lá…

Meses atrás, a norte-americana Pfizer ofereceu a vacina para o Brasil, que recusou a compra com argumentos estapafúrdios (o negacionismo da doença Covid-19 falou mais alto), e o Chile, Peru e outras nações vizinhas ficaram com ela.

Cerca de 50 países começaram a se vacinar antes do que nós, dos desenvolvidos aos pobres, dos capitalistas aos comunistas. Mas a justificativa é que “não precisamos ser os primeiros”, como se as mortes e as lotações de hospitais pudessem esperar. 

No ano passado, o Brasil comprou briga com Macron, presidente francês, e agora temos como 2o maior produtor de insumos no mundo, a… França. Obviamente, a preferência será das nações alinhadas com ela.

Por fim, ousamos (ou melhor, o presidente) falar de “pólvora contra os EUA”, após um discurso de Biden (pedindo proteção à Amazônia) – ele que é o presidente eleito da nação mais poderosa do mundo. Dispensa comentários.

O Brasil já foi exemplo mundial de acolhimento, respeito às diferenças, simpatia e harmonia. Uma nação “de bem” com todos, sem inimigos comerciais, onde o exemplo de bom relacionamento por aqui existia. Osvaldo Aranha foi o primeiro presidente da ONU! Sempre tiramos nota 10 em diplomacia. E agora, perdemos todo esse capital intangível?

Uma pena que estamos fazendo “papel de bobo” no cenário mundial, e ao mesmo tempo criando um lugar de animosidade, repleto de fake news e teorias conspiratórias. O “nós” contra “eles” versão radical de esquerda do lulopetismo mostra sua versão de extrema-direita bolsonarista.

Cansa ver, ler, ouvir e presenciar tanta bobagem. Um país tão harmonioso tornou-se um lugar de fanáticos políticos briguentos (e de qualquer ideologia). São elementos barulhentos, mas, felizmente, não são a maioria. A maioria dos brasileiros ainda é sensata – e as urnas mostram isso

Ops: antes da contestação: as urnas mostram que os presidentes eleitos nos últimos pleitos não tem a maioria dos votos da população, pois a maioria não quer ele. Os presidentes têm vencido com a MAIOR parte, o que é bem diferente. A maioria dos votos é composta pelos adversários, mais brancos e nulos.

Aguentemos o tranco e torçamos para que a vacina (uma vitória da Ciência, sem ideologia ou dono político) seja ampla.

Nos falta um Barão do Rio Branco (que dá o nome do Instituto que forma diplomatas), que levou a imagem de pacifismo do Brasil ao redor do planeta, numa época em que não existia a globalização ou os meios de comunicação. As coisas seriam bem diferentes se nos relacionássemos bem nesse momento…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.