– Reinventando-se depois dos 50 anos

Leio uma matéria bacana que aborda a transformação dos ideais depois de uma certa idade. É sobre como as pessoas mudam de vida depois dos 50 anos. Ou ao menos, querem mudar!

Aqui, um elenco de exemplos sobre quem conseguiu reinventar-se depois dessa idade. Mas vale pensar: precisamos esperar esse aniversário simbólico ou precisa ser em qualquer época tal mudança de propósitos?

O acesso em: https://vejasp.abril.com.br/cidades/reinvencao-apos-os-cinquenta-anos/

Celso Loducca, 60, consegue dedicar mais tempo ao seu cachorro Pipoca e à Casa do Saber, seu projeto social (Alexandre Battibugli/Veja SP)

Anúncios

– Os 74 anos da Bomba de Nagasaki e os questionamentos pelo lado dos japoneses

No dia 08 recordou-se a 2a bomba atômica lançada pelos EUA contra o Japão. No dia 06, a 1a bomba atingiu Hiroshima (1945).

Nos livros de história sabemos do ataque japonês na base americana do Hawaí e de tudo mais que se fala sobre a aliança com a Alemanha e a Itália. Mas… o que pensavam os japoneses que comandavam o país? Por que uma aliança com o nazi-fascismo? Nunca vi ninguém falar sobre isso.

Vejo muita gente falando da necessidade das bombas para acabar com a Segunda Guerra Mundial. Mas o comportamento dos políticos locais também não era fundamental para o estabelecimento da paz?

bomba.jpg

– A Esperança contra o Câncer: a Erva de São Simão

Da terra tudo se tira. Prova disso é a nova descoberta no litoral brasileiro: o uso da Erva de São Simão (aquele matinho que mais parece uma praga, encontrada nas praias virgens) pode ser essencial para matar células e tumores cancerígenos.

A explicação sobre seus efeitos, extraído de: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3656904-EI8147,00.html

ERVA COMUM NO BRASIL PODE SER ESPERANÇA CONTR AO CÂNCER

por Gonçalo Valduga

Uma erva comum no Brasil e que cresce na mata pluvial da costa litorânea pode se tornar futuramente uma aliada dos especialistas na luta contra o câncer. Análises feitas por uma equipe de pesquisadores de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Santa Catarina, demonstraram que compostos isolados da erva-de-são-simão (Vernonia scorpiodes) são capazes de destruir vários tipos de células tumorais, sem causar efeitos expressivos às células não tumorais.

“Uma das frações dos extratos da planta mostrou bons resultados em camundongos e quando testada em três tipos de células cancerígenas”, explicou Tania Mari Bellé Bresolin, coordenadora do Mestrado em Ciências Farmacêuticas da Univali. Segundo a professora, algumas análises da erva-de-são-simão alcançaram uma atividade seletiva, destruindo células de melanoma e adenocarcinoma e estimulando células do sistema imune, que auxiliam na defesa do organismo.

Sabe-se que, entre os efeitos colaterais da maioria dos agentes quimioterápicos utilizados atualmente, está a destruição de células de defesa, o que torna o paciente mais suscetível às infecções. “Se comprovada a seletividade dos compostos, futuramente pode-se desenvolver um quimioterápico mais seguro”, analisou.

Apesar de estarem confiantes com a pesquisa, os cientistas catarinenses garantem que os resultados ainda são preliminares. “Potencial a erva tem, mas até chegarmos a um medicamento existe um longo caminho a percorrer para sabermos se a planta pode servir como fonte de um fármaco contra a doença”, destacou Tania.

Ela também alertou sobre os riscos da ingestão da erva-de-são-simão devido à sua toxicidade, que pode ser nociva ao ser humano em caso de uso indiscriminado. “Alguns compostos isolados afetam também células não-tumorais”, avisou.

Por temer a utilização inadequada pelas pessoas, Tania optou por não divulgar uma imagem da planta, pois ela é facilmente encontrada em pastagens, terrenos baldios e beiras de estradas.

De acordo com a pesquisadora, o objetivo da equipe não é estimular o uso, mas tentar despertar o interesse da indústria farmacêutica para investir em estudos aprofundados da Vernonia scorpiodes – que tem mais de 200 variações no País. “Os estudos são iniciais e ainda serão necessários testes complementares para garantir a efetividade e segurança da sua utilização”, completou.

Resultado comum

Uma pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que não quis se identificar, afirmou que muitas ervas encontradas no País e estudadas em laboratório possuem potencial para destruir células cancerígenas. “É possível uma erva como a Vernonia Scorpiodes ter capacidade antitumoral, no entanto, não quer dizer que ela vá ajudar na prática a acabar com o câncer”, alertou.

Para a especialista, os resultados obtidos com a erva-de-são-simão surpreendem pouco a comunidade científica. “Os efeitos podem ser negativos no organismo do ser humano, quando envolve todo um conjunto de fatores, do que nos testes in vitro, onde é feita a cultura de células e o isolamento de compostos”, explicou. Segundo ela, “a possibilidade da planta um dia ser utilizada em medicamentos ainda é uma incógnita”.

– Política e Futebol são parceiras em “produtividade”? Quando alguém sai de cena…

Não dá para desprezar tal lógica:

Quando José Ferreira Pinto era presidente do Juventus, sabidamente “o time não caia nunca”. Vide a inspiração de um dos quadros do filme boleiros, gravado justo na Rua Javari…

Quando o “Caixa D’Água” era presidente da FFERJ, o Americano de Campos estava em alta no Campeonato Carioca. Depois que saiu de lá…

Quando Eurico Miranda era forte deputado e estava na ativa com muita saúde, o Vasco da Gama era imbatível. Depois que adoeceu, o Time da Colina mudou.

Quando o senador Luiz Estevão era senador influente em terra candangos, o Brasiliense surgiu e se apresentou ao país. Depois que o corrupto foi preso, puff! Parece que como mágica perdeu relevância!

Quando Zezé Perrella era forte e influente político mineiro, o Cruzeiro era incontestável dentro e fora de campo. Depois que os escândalos mostraram uma verdadeira faceta até então obscura… degringolou! Ou alguém acha que a queda de rendimento do Cruzeiro de Mano Menezes (culminando na sua demissão) é puramente esportiva, pelos maus resultados?

Resultado de imagem para Mano Menezes Cruzeiro

– Pais, cuidado com a música “Bob”

Atenção: se você preza bela boa educação dos seus filhos e tem valores de valorização da vida, cuidado com a canção do Bob. Com letra de sentido duvidoso, mensagem negativa e palavras fortíssimas, é extremamente perigosa para as crianças, dando a entender em certos momentos que “um capetinha” travestido de “amigo imaginário” a orienta.

Ridícula a letra e a música!

Extraído de: https://www.1news.com.br/noticia/565702/curiosidades/saiba-mais-sobre-a-musica-bob-muitos-pais-estao-assustados-com-a-letra-da-cancao-02082019/amp

SAIBA MAIS SOBRE A MÚSICA BOB; MUITOS PAIS ESTÃO ASSUSTADOS COM A LETRA DA CANÇÃO

Uma música que aparentemente é inofensiva está causando muito alvoroço nas redes sociais e grupos do WhatsApp. Lançada neste ano, a música Bob, composta por Rafa Kamaitachi, tem uma batida suave, mas arrepia qualquer pessoa que presta atenção em sua letra, que contém mensagens fortes e já alcançou milhares de visualizações nas redes sociais. 

Por ter sido deixada de lado, a criança encontrou “Bob”, seu amigo imaginário, o qual muitas pessoas estão associando a um demônio por dizer que ele “é filho de um anjinho que foi caído” e estaria preso dentro da criança. 

Aos poucos a música vai revelando o ambiente macabro e depressivo no qual esta criança vive. “Ele não quer sair de mim / Já achou sua morada aqui / Ele quer que você vá embora / Bate a porta do meu quarto e nunca mais tente essa porta abrir”. 

Além do quadro de depressão, o suposto demônio revela mais detalhes do lar desajustado em que a criança vive, com uma mãe que faz uso de remédios antidepressivos e um pai que é um adúltero com vício em cocaína. “Papai tenho que te apresentar o Bob / Ele vem cuidar de mim enquanto tu dorme / Diz que eu tenho outras mamães que tu esconde até da morte / E o teu nariz fica branquinho usando algo que não pode.” 

Outra ponto forte da música é quando se fala sobre aborto. O filho diz que precisa apresentar o “Bob” ao pai, que ele “vai para o inferno”, pois seus irmãos eram fetos que ele ordenou que abortasse.

“É uma letra que reflete a realidade de muitos lares. É chocante, mas é exatamente o que acontece. Enquanto os pais negligentes, com a vida conturbada, conflituosa e cheia de pecados dormem, o “BOB” toma conta dos filhos”, disse um internauta. “Mas gente, ele não falou nada mais nada menos do que a realidade de alguns casos de família por aí. Isso realmente existe, a diferença é que as pessoas ficam chocadas quando se fala sobre isso, e ainda mais dessa forma aí”, comentou outra. 

Na descrição do vídeo no YouTube, Rafa Kamaitachi deixou um aviso claro sobre o conteúdo: “Na música “Bob” foram usadas palavras que podem causar desconforto em pessoas mais sensíveis. Estas citações foram feitas apenas para fins artísticos, caso tenha se sentido ofendido(a), saiba que essa não foi a intenção.”

Vídeo em: https://youtu.be/Q5SNSMJwias

– A Perfeição da Natureza!

Flores do nosso jardim, para alegrar e embelezar nossa 5a feira!

Meus grandes hobbies são: esportes, fotografia e jardinagem. Assim, enquanto me preparo para minhas atividades físicas diárias, aproveito para conciliar as outras duas paixões. Prova disso é esse click da roseira abaixo:

Ótimo dia a todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby