– A Kroton avança na Educação Básica e se agiganta ainda mais!

Repercutiu muito pouco, mas viram mais uma mega-aquisição da Kroton?

É impressionante como o grupo voltado à Educação está crescendo (e em todos os níveis educacionais).

Em: https://g1.globo.com/economia/noticia/kroton-fecha-compra-da-somos-educacao-por-r-46-bilhoes.ghtml

KROTON FECHA COMPRA DA SOMOS EDUCAÇÃO POR R$ 4,6 BILHÕES

Somos é dona do Anglo, Ática, Saraiva e Scipione, e se diz maior grupo de educação básica do país. Com aquisição, Kroton faz sua 2ª compra no segmento de educação básica.

A Kroton Educacional, líder no setor de educação superior privada no Brasil, fechou a compra do controle da Somos Educação, da Tarpon Gestora de Recursos, por R$ 4,6 bilhões, em sua segunda aquisição no segmento de educação básica em menos de um mês.

A Somos Educação, antiga “Abril Educação”, se anuncia como “o maior grupo de educação básica do Brasil” com escolas próprias, cursos pré-vestibulares e idiomas, além de sistemas de ensino e livros. É dona das editoras Ática, Scipione e Saraiva, do Anglo, da escola de inglês Red Ballon, entre outros negócios.

A compra foi realizada por meio da holding Saber, subsidiária de educação básica da Kroton, enquanto a parte vendedora inclui fundos de investimentos geridos pela Tarpon, que detém atualmente 73,35% das ações da Somos.

A aquisição da Somos representa um avanço da Kroton no setor de educação básica após veto do Cade à tentativa de fusão com a Estácio, vice líder no mercado de ensino superior, em operação avaliada em R$ 5,5 bilhões. Com isso, a Kroton passou a mirar outros empresas e segmentos.

Mesmo após a compra da líder no setor, o presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, disse que a companhia vai continuar a comprar escolas menores e locais. Segundo ele, há ao menos duas aquisições para anunciar ainda este ano.

AVANÇO DA KROTON NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Os atuais negócios de educação básica da Kroton englobam os sistemas de ensino Rede Pitágoras, Rede Educação e Valores (RCE) e Rede Cristã de Educação, o Colégio Pitágoras de Belo Horizonte e a operação de escolas sob a modalidade de contratos.

No dia 10, a companhia anunciou a compra do Centro Educacional Leonardo Da Vinci, em Vitória (ES), por valor não divulgado, como parte dos planos de entrada no segmento.

Na apresentação da operação divulgada nesta segunda, a Kroton destaca que o mercado de educação básica no Brasil é 83% maior que o de ensino superior. A Kroton avalia que o mercado da educação básica movimenta R$ 101 bilhões (R$ 96 bilhões em mensalidades e R$ 5 bilhões em livros didáticos).

Segundo a companhia, após a conclusão da aquisição da Somos, a educação básica representará cerca de 28% da receita da Kroton.

A Kroton, dona das faculdades Anhanguera e Unopar e do colégio Pitágoras, fechou o ano de 2017 com 876,1 mil alunos matriculados em seus cursos de Ensino Superior – 383 mil em cursos presenciais e 493 em cursos de ensino à distância. A companhia fechou 2017 com lucro líquido de R$ 2,23 bilhões.

Em valor de mercado, a Kroton estava avaliada no fechamento do pregão da última sexta-feira em R$ 22,14 bilhões, segundo a Economatica.

A Somos informou que, do total, R$ 4,166 bilhões serão pagos à vista na data de fechamento do negócio. O restante será mantido em conta vinculada para garantir pagamento de determinadas obrigações de indenização assumidas pelos vendedores.

O valor representa um prêmio de 66% em relação ao preço de fechamento das ações da Somos na sexta-feira (20), de R$ 14,30. Segundo dados da Economatica, a Somos estava avaliada na B3 em R$ 3,71 bilhões, segundo cotação de fechamento da última sexta-feira (20).

Em até 30 dias após a aprovação da compra pelo Cade, a Kroton precisará fazer uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) aos acionistas minoritários da Somos, com as mesmas condições ofereciadas aos fundos detidos pela Tarpon. Após essa operação, o valor do negócio deve chegar a R$ 6,2 bilhões, segundo Rodrigo Galindo, presidente da Kroton.

A transação deve ser financiada com empréstimo direto e também emissão de debêntures, de acordo com a empresa. “A Kroton tem R$ 1,7 bilhão de caixa líquido e boa capacidade de alavancagem. O acesso ao crédito será fácil”, disse Galindo. Ele emendou que o endividamento líquido da empresa deve ficar em duas vezes o potencial de geração de caixa (Ebitda) após a conclusão do negócio.

Após a conclusão da operação, a Kroton informou que avaliará o fechamento de capital da Saber e “eventual reorganização societária na Somos”. As empresas estimam sinergias e ganhos de eficiência de cerca de R$ 300 milhões a serem capturadas em até 4 anos.

Em comunicado separado, a Tarpon disse que a operação envolve 192.275.458 ações da Somos Educação, ao preço individual de R$ 23,75.

Por volta das 11h05, as ações da Kroton subiam 3,63% na B3, enquanto que as da Somos (que não fazem parte do Ibovespa) disparavam 47,9%.

NEGÓCIO PRECISA DO AVAL DO CADE

Segundo o presidente-executivo da Kroton, a negociação com os controladores da Somos começou somente na sexta-feira (20).

A operação está sujeita a determinadas condições, inclusive a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

bomba.jpg

Anúncios

– A velha polêmica da transfusão de sangue em Testemunhas de Jeová

Sou, há décadas, doador voluntário de sangue e sei o quanto tal causa é importante. Não existe nada que substitua o sangue humano, e ele ajuda a salvar vidas.

Apesar de eu respeitar todas as crenças e costumes, pesa-me ler uma notícia como essa acontecida no Interior de SP: um hospital entrou na Justiça para poder salvar a vida de uma criança que precisava de transfusão de sangue, mas foi proibida pelo fato da religião não permitir.

Abaixo, extraído de: Notícias.uol.com.br/Saúde

JUSTIÇA AUTORIZA TRANSFUSÃO DE SANGUE EM BEBÊ DE PAIS TESTEMUNHA DE JEOVÁ

Por Lucas Borges Teixeira

A Justiça de São Paulo autorizou, na última terça-feira, que a Santa Casa de São José do Rio Preto (SP) realizasse uma transfusão de sangue em um bebê recém-nascido, internado no hospital. Os pais, fiéis da religião Testemunha de Jeová, haviam negado o procedimento. 

Nascido no dia 14 de abril, o bebê foi admitido à UTI Neonatal do hospital após apresentar problemas de coagulação, sangramento digestivo e anemia. De acordo com os médicos do hospital, a transfusão de sangue era indispensável para salvar sua vida.

Ao serem consultados, os pais da criança, Maria Eleni e Reizinaldo, negaram a operação. Em uma carta escrita e assinada por eles, reconheceram o problema do filho, mas não liberaram o procedimento.

“Estou ciente que meu filho corre risco de sangramento ativo a qualquer momento com risco de morte”, diz a mensagem. “E mesmo assim sabendo de todos os riscos e gravidade não autorizo as transfusões sanguíneas.”

De acordo com o processo judicial, o motivo da negativa seria a religião dos pais. “Ressalta que os genitores do menor são seguidores da crença de Testemunha de Jeová e que tal crença não permite o procedimento clínico indicado, posto que seus adeptos não admitem transfusão de sangue”, diz a liminar à qual o UOL teve acesso.

Ciente do risco da criança, a Santa Casa entrou na Justiça para forçar a realização da operação. Em decisão do juiz Lavínio Paschoalão, a 1ª Vara Cível de São José do Rio Preto concedeu o pedido de tutela cautelar antecedente ao hospital para que este realizasse o procedimento.

“A documentação que veio acompanhando o pedido inicial revela o estado grave em que se encontra a criança, de molde a não prescindir da transfusão sanguínea, o que, como alega a autora na inicial, se mostra provável, revelando, pois, a presença do periculum in mora [perigo de demora]”, afirma o juiz a medida liminar.

“Preservada a garantia constitucional do direito a crença e culto religioso, o direito à vida é de ser tutelado em primeiro lugar pelo Estado”, argumentou Paschoalão.

O procedimento foi realizado no mesmo dia. Nesta quinta-feira (26), a assessoria do hospital informou ao UOL que a criança estava em estado estável, mas seguia na UTI Neonatal sem previsão de alta.

– Simon, Obina, Sálvio, Godoi, Belluzzo… quem tem razão?

Por falta de tempo, não escrevi sobre esse fato, e o faço agora: no começo da semana, bombou o assunto “Simon e Obina” nas Redes Sociais.

O motivo?

A admissão de Carlos Eugênio Simon de que errou ao anular o gol de Obina, naquele polêmico Fluminense x Palmeiras em 2009. Isso aconteceu na Fox Sports, emissora onde o ex-árbitro trabalha, durante o novo programa de Benjamin Back, com Obina presente.

Simon não disse que errou de má fé, mas admitiu que percebeu ter errado ao assinalar um escanteio ao Palmeiras ao invés de tiro de meta ao Fluminense. Durante a cobrança, pelo que deu a entender em sua explicação, “consertou o erro” com a marcação da falta, “auto-pressionado” pelo erro.

E o gol?

Ora, não nos esqueçamos que o jogo já estava parado. Mas independente disso, muito se reclamou por parte dos palmeirenses. Um deles em especial: o Professor Luiz Gonzaga Belluzzo, presidente do Palmeiras na época e que “pegou pesado” com ofensas pessoais, foi processado pelo árbitro gaúcho e condenado a pagar indenização.

Muitos reclamam que aquele jogo decidiu a “derrocada do Verdão no Campeonato”. Ora, havia mais jogos e o lance surgira de jogada irregular.

Particularmente, entendo o que Simon fez e o que quis dizer. Assumiu um erro, mas não pode ser condenado “por pecado capital”. Talvez, para quem conhece o Catecismo da Igreja Católica, como “pecado venial” (leve, perdoável).

Belluzzo, agora, disse que pedirá ressarcimento dos R$ 60 mil que teve que pagar na Justiça.

E agora?

Cada um que fique com sua opinião. Sou contra a lei da compensação, mas entendo não ter sido uma “sacanagem de caso pensado”, e sim uma necessidade de consertar um erro (de maneira errada, lógico). Eu não faria. Li que Oscar Roberto Godoi afirmou já ter feito algo parecido. Sálvio Spínola, na ESPN, recriminou.

1. Todos tem lá sua razão.

2. Todos foram grandes árbitros.

3. Todos os árbitros citados aqui são pessoas honestas, respeitáveis, foram grandes apitadores e têm uma visão específica do assunto. E os admiro como comentaristas / jornalistas que hoje são.

4. A questão é: as bobagens quanto a índole de Simon, ditas por Belluzzo (foram grosserias pesadas) são válidas, agora, por tal confissão de erro?

– Para mim, ainda não.

Seriam, se Simon dissesse que estava vendido, que foi cooptado ou algo assim. Parece-me uma justificativa tardia de explicar como se perdeu aquele campeonato, por parte dos ex-dirigentes. Entendo, também, que a expressãoperigo de gol, dita por Simon literalmente e tão pejorativa no futebol, foi motivo de revoltas para muito.

Em tempo:

Puxando pela memória, me recordo: Toninho Cecílio, ex-diretor de futebol do Palmeiras, rasgou elogios ao Simon no microfone da Rádio Jovem Pan, ao repórter Luiz Carlos Quartarollo, minutos antes da partida. E, não nos esqueçamos: um importante dirigente da arbitragem, na oportunidade, disse que para este jogo, a equipe paulista queria um árbitro da FIFA, com experiência de Copa do Mundo, preparado para competições internacionais. Simon era o único a atender tal desejo da cartolagem e coincidentemente foi sorteado.

Não sejamos hipócritas, né? Erros acontecem (não podem acontecer), mas superdimensioná-los é perigoso.

Aliás, convido os amigos a lerem o texto da época no Blog do jornalista Fernando Sampaio: por diversas vezes ele relatou tal situação (assim como tantos outros jornalistas): o jogo estava parado quando sai o gol (então, não foi um gol anulado) e nem escanteio tinha sido. Dessa forma, nada de querer validar um gol irregular (que nem aconteceu), 9 anos depois.

Respeito todas as opiniões em contrário, claro, desde que sejam educadas e com pensamento concatenado.

Resultado de imagem para Simon Obina

– Os países mais poluídos do mundo!

Em tempos de necessidade de se falar cada vez mais sobre a preservação do planeta Terra, leio sobre os países mais poluidores do mundo.

Sabe quais são eles?

Felizmente, o Brasil não está na lista dos “TOP 5”. Mas essa relação de nações é preocupante…

Extraído de: https://veja.abril.com.br/revista-veja/os-campeoes-mundiais-de-mortes-por-poluicao/

OS CAMPEÕES MUNDIAIS DE MORTES POR POLUIÇÃO

1) China
O número de mortes provocadas pela inalação de micropartículas poluentes no país asiático ficou em 1,075 milhão em 2016, de acordo com o último relatório State of Global Air (Estado Global do Ar), publicado anualmente pelo Health Effects Institute, de Boston. O índice chinês de poluição é de 56 microgramas por metro cúbico, mais que o dobro do recomendado pela OMS, de 25. A principal causa da poluição é a queima de carvão.

2) Índia,

3) Rússia,

4) Paquistão,

5) Bangladesh

bomba.jpg

– Boa 6a feira a todos nós!

👊🏻Bom dia!
Acordando com a alvorada para ter tempo de realizar todas as atividades.
Vamos correr?
🏃🏻 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #corrida #sport #esporte #running

bomba.jpg

🙏🏻Correndo e Meditando:
“Ó #Maria, #Mãe da #Igreja, rogai por nós. #Amém.”
#Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

bomba.jpg

🌺Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza das #flores (nossa #roseira, sem filtros).
🏁 #corrida #treino #flor #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento #nofiltro

bomba.jpg

🌅Desperte, Jundiaí!
As cores do #amanhecer embelezam a #TerraDaUva.
🍃 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #mobgraphy #mobgrafia #FotografeiEmJundiaí #AmoJundiaí #Jundiaí

bomba.jpg

Ótima Sexta-Feira para a gente!