Análise da Arbitragem de Paulista/SP 0x1 São José/RS

Em um primeiro tempo onde só deu Galo da Japi”, mas com um segundo tempo totalmente diferente no qual o “Zequinha soube matar a partida”, tivemos uma irregular atuação do árbitro Daniel Sotille, que começou vacilante, se acertou durante os 90 minutos mas depois bobeou.

Vamos ao jogo?

Numa contenda que começou fácil para apitar, o juiz optou por deixar o jogo correr. Entretanto, deixou de marcar algumas faltas reais existentes, preferindo ora a vantagem, ora ignorando-as. Da metade do primeiro tempo até o término da etapa, o árbitro foi muito bem, sem exigências e dada a ajuda do comportamento dos atletas (6 faltas apenas nos 45 minutos iniciais).

No segundo tempo tudo mudou. O gol do São José no começo da etapa fez com que os ânimos se acirrassem, tanto que com apenas 5 minutos de jogo da etapa final, tínhamos o mesmo número de faltas que o 1o tempo inteiro!

Alguns lances pontuais:

1- Em determinado momento da partida, o goleiro do São José, Lorenzo (que estava de camisa branca com detalhes azuis, e os atletas de linha com camisa branca xadriculada em azul – deveria trocar seu uniforme), se lesionou após um chute do ataque do Paulista. Mas ao invés do tiro de meta ser cobrado, o árbitro deu a bola para Lorenzo reiniciar a partida; só que, desatento, segurou-a com a mão e saiu jogando assim mesmo. Ou seja: não se cobrou o tiro de meta, o goleiro saiu jogando com as mãos e passou batido. Não pode acontecer tal erro…

2- Lucca (SJO) estava no ataque e foi derrubado por Evandro (PFC). Nesse momento, acerto do árbitro em marcar a falta fora da área, ajudado pelo bom bandeira Adilson Anderson Rosa (que colaborou bastante com o árbitro em lances de dificuldade). Correta marcação.

3- Todos os cartões amarelos foram bem aplicados, exceto a Daniel Torquato. Explico: o jogador gaúcho foi dividir a bola e com as travas da chuteira atingiu a cabeça do adversário. Se é nessa altura e atingido com a sola, não importa se “sangrou ou não”. Não se mede a violência para tal situação, mas a natureza do ato. Era cartão vermelho mas ficou no amarelo.

4- Houve um recuo de bola deliberado aos 35 minutos do segundo tempo. O zagueiro olha para o goleiro, chuta para ele e o goleiro agarra-a com a mão. Não foi chute involuntário para trás, foi bola recuada mesmo e o goleiro nem se importou (aliás, viram como o goleiro Lorenzo protagonizou dois lances curiosos: a saída de bola com a mão no tiro de meta e tal defesa de recuo?).

Embora esses lances tenham chamado a atenção, o árbitro não foi um desastre. Correu bastante e se posicionou muito bem sob o forte sol em Jayme Cintra. Foram situações pontuais – mas existentes, que devem ser evitadas. E lembrando que, neste confronto, tivemos uma disputa particular entre o zagueiro portoalegrense Douglas e o atacante jundiaiense Luizinel. Por diversas vezes tentou-se cavar a falta para o ataque e o árbitro não se deixou levar. Nessa, ponto para o juizão

O bandeira 1 Ademilson Lopes foi pouco exigido, mas atuou bem. Já o quarto árbitro Leonardo de Jesus Sampaio teve muito trabalho com a Comissão Técnica do São José, mas ficou lamentavelmente só na conversa. Aliás, Leonardo tem um excelente porte físico, “é grandão”, mas foi passivo demais em sua função. Por duas vezes o treinador João Pedro Lock chutou com raiva copinhos de água para dentro do campo, e inúmeras vezes abria os braços contestando as marcações. DEVERIA chamar o árbitro para expulsá-lo, e não o fez.

IMPORTANTE: o gol do São José (um pouco discutido) foi legal – mais um acerto do bandeira 2 (Adilson Anderson Rosa) que confirmou que estava na mesma linha dos zagueiros. O problema (para o time de Jundiaí) é que o atacante soube colocar o pé na hora certa, e os zagueiros da casa não.

Enfim, que a Copinha sirva para ajustar times, atletas e arbitragens!

Em tempo: está enchendo o pacová saber do rigor da Polícia Militar, que tanto respeito, em segurar demasiadamente os torcedores para a revista. Há muito pai de família (junto dos seus filhos) sendo revistado como se estivesse levando granadas e fuzis ao estádio. Menos, pessoal…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.