– Explicando a expulsão de Fágner no Corinthians 0x2 Atlético Goianiense pela Copa do Brasil.

Num prazo de 4 dias, o Dragão venceu o Timão na sua casa por duas vezes consecutivas.

Não bastasse a campanha ruim do Corinthians (comentamos aqui: https://wp.me/p4RTuC-vfd), há uma expulsão muito polêmica do lateral Fágner. Vamos discuti-la, se foi correta ou não?

Entenda: lances em que se tem sangue, machucaduras diversas ou quedas acrobáticas, no futebol, muitas vezes não justificam as marcações. Digo isso pois Fágner postou nas Redes Sociais um corte, alegando ter sido em consequência da falta em que foi expulso. Não o desminto, mas não posso deixar de considerar que ele possa a ter sofrido em outra situação – e ela não abona o lance que discutiremos.

1- A expulsão do corintiano não foi por Cartão Vermelho direto. Foi pelo Segundo Amarelo, vale lembrar.

2- Fágner sofreu uma falta temerária no 1o tempo, e seu adversário Zé Roberto foi punido corretamente com cartão amarelo. Na primeira oportunidade, Fágner “desforrou” e se vingou com uma falta dura no mesmo atleta, rendendo-lhe uma justíssima advertência (assim como no lance anterior do seu oponente, num critério uniforme do árbitro Bráulio Machado). Fica a pergunta: um atleta experiente como ele, que joga em um clube importante como o Corinthians, não sabia que iria ficar pendurado no começo do jogo por tal ato?

3- No segundo tempo, Fágner vai disputar de novo uma bola com o mesmo Zé Roberto. Simultaneamente, ele atinge a bola com o pé esquerdo, e o adversário com a perna direita, evitando um possível ataque do time goiano. Não é lance violento; é falta comum que, pelo local e pela situação (evitando o avanço adversário) é para Cartão Amarelo. Lembrando: disputar a bola e depois por consequência o outro atleta cair, é lance legal. Mas disputar a bola e atingir simultaneamente bola e adversário, é falta.

4- Repito o que escrevi anteriormente: clubes grandes precisam ter ex-árbitros para orientar os jogadores quanto à Regra do Jogo: desforrar uma falta em que o atleta já tinha amarelo e ficar pendurado, seria evitável – assim como o 2o cartão. Se o Fágner tivesse alguém no dia-a-dia dando dicas de regras e artimanhas, talvez o comportamento tivesse sido outro.

Fágner, lógico, paga o preço da “fama de violento”. Lembro-me de Miranda x Edmundo em um São Paulo x Palmeiras: o são-paulino estava em sua fase “Gamarra”, ganhava todas dos atacantes e não fazia falta alguma. Num Choque-Rei, Edmundo foi disputar com ele e o zagueiro perdeu o tempo da bola, atingindo o palmeirense e cometendo pênalti. O árbitro não teve dúvida: marcou simulação e amarelou Edmundo…

Em tempo: Sylvinho, na coletiva, disse que poderia rever os seus conceitos, mas complementou quesão os jogadores quem efetuam os lances”. Teria ele começado a perder o grupo, ao jogar / dividir a culpa com o elenco?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.