– A minha feliz alienação do BBB

Não curto o programa “Big Brother Brasil”, mas respeito quem possa gostar. Pelas redes sociais, muita gente citando nomes como Babu, Prior ou Manu, que nem imagino quem sejam.

Aliás, mesmo alienado, impossível não saber que um dos eliminados teve mais de 1,5 bilhão de votos (nem sei o que pensar sobre esse número: a pessoa podem ligar quantas vezes quiser num mesmo número?).

Imaginei que Prior, o último eliminado, fosse um “mocinho”, pois vejo muita gente lamentando sua saída, inclusive jogadores de futebol. Mas, ao ler a notícia de que ele foi acusado de estupro anteriormente, fico pensando: “era vilão”?

Sei lá. Mas que é um negócio tremendamente chato para mim, ô se é!

BBB': com a saída de Prior, relembre as músicas de todas as ...

– Não se pode morar (nem morrer) na rua!

Viram as imagens de Las Vegas (EUA), onde um grande estacionamento foi demarcado com retângulos a fim de que os moradores de rua possam dormir “seguros” e não contrair o Novo Coronavírus?

Puxa… me chocou. O que acontecerá ao mundo?

Assistir cenas como essa, ver os caixões empilhados no Equador ou o desespero de espanhóis e italianos, traz uma grande tristeza.

Há pouco, no noticiário noturno, tanto o presidente americano Donald Trump pediu para pessoas ficarem em casa quanto Boris Johnson, primeiro-ministro inglês, que acrescentou “ficar em casa é salvar vidas”.

Não existe muita saída: é uma bola de neve, que arrasa economias, destrói sonhos e, principalmente, mata!

Ouvir os relatos de quem morre pela insuficiência respiratória causados pelo Covid-19 dá medo. É ser sufocado e nada poder fazer.

1585714047846.jpg

– O que pode significar o não-pagamento da Globo quanto a parcela dos Estaduais aos clubes? Acabou ou não o torneio?

Com a informação de que a Rede Globo suspendeu o pagamento das últimas parcelas dos Campeonatos Estaduais (está na mídia tal informação, embora eu não tenha lido nenhuma nota oficial), imagino o desespero dos clubes de futebol. 

Penso que, se os Regionais voltarem, automaticamente o valor restante a pagar é quitado; se não tem restante de torneio, não tem restante de pagamento. É um produto: entregou a mercadoria, recebeu o pagamento. Se ele está em partes, o saldo a pagar deve ser igual. 

Porém, apesar dos clubes do RJ se reunirem e mostrarem que querem acabar o campeonato dentro de campo, e os paulistas estando em férias, fica a grande questão (especialmente aos grandes clubes): quando jogar, sem sacrificar ainda mais outras competições?

Só o tempo dirá. Enquanto isso, a angústia dos cartolas em acabar logo com a quarentena e retomar aos trabalhos (devido a dificuldade financeira) deve ser enorme. É o inevitável “Custo-Covid”.

Não posso deixar de importunar: e os clubes pequenos nessa hora tão difícil, não? Para esses, as Federações precisam olhar ainda mais com carinho neste momento delicado  (entendendo que: quem formam as federações são os clubes, independente de tamanho ou idade).

8F2D2CD7-EDD2-47EE-9E0E-7ECB1E3D156F

– Dia do Padroeiro dos Doentes Incuráveis e Portadores de HIV: São Luís Scrosoppi

Hoje é dia do padroeiro dos doentes incuráveis, dos portadores do vírus HIV e dos caridosos: São Luís Scrosoppi.

Com a busca incessante de ajuda incondicional aos pobres, sempre buscando promover a Caridade, tornou-se Santo por João Paulo II, após milagrosa e inexplicável cura de um devoto sulafricano. Abaixo, extraído de iTerço:

SÃO LUÍS SCROSOPPI

Luís nasceu em 4 de agosto de 1804, em Udine, cidade do Friuli, no Norte da Itália. Foi o último dos filhos de Antônia e Domingos Scrosoppi, cristãos fervorosos que educaram os filhos dentro dos preceitos da fé e na caridade. Aos doze anos, Luís ingressou no seminário diocesano de Udine, e, em 1827, foi ordenado sacerdote.
A região do Friuli, a partir de 1800, mergulhou na miséria em conseqüência das guerras e epidemias, o que serviu ao padre Luís de estímulo para cuidar dos necessitados. Dedicou-se, com outros sacerdotes e um grupo de jovens professoras, à acolhida e à educação das “derelitas”, as mais sozinhas e abandonadas jovens de Udine e dos arredores. A elas ele disponibilizou todos os seus bens, suas energias e seu afeto, sem economizar nada de si. Quando foi preciso, ele não hesitou em pedir esmolas. A sua vida foi, de fato, uma expressão palpável da grande confiança na Providência Divina.
Com essas senhoras, chamadas de “professoras”, hábeis no trabalho de costura e de bordado, que estavam aptas à alfabetização, dispostas a colocarem suas vidas nas mãos do Senhor para servi-lo e optando por uma vida de pobreza, padre Luís Scrosoppi fundou a Congregação das Irmãs da Providência. Mas notou que necessitava de algo mais para dar continuidade a essa obra. Por isso, aos quarenta e dois anos de idade, em 1846, tornou-se um “filho de são Felipe” e, através do santo, aprendeu a mansidão e a doçura, qualidades que lhe deram mais idoneidade na função de fundador e pai da nova família religiosa.
Todas as obras feitas por padre Luís refletiram sua opção pelos mais pobres e necessitados. Ele profetizou certa vez: “Doze casas abrirei antes da minha morte”, e sua profecia concretizou-se. Foram, realmente, doze casas abertas às jovens abandonadas, aos doentes pobres e aos anciãos que não tinham família. Porém Luís não se dedicava apenas às suas obras de caridade. Ele também oferecia seu apoio espiritual e econômico a outras iniciativas sociais de Udine, realizadas por leigos de boa vontade. Era dele, também, a missão de sustentar todas as atividades da Igreja, em particular as destinadas aos jovens do seminário de Udine.
Depois de 1850, a Itália unificou-se, num clima anticlerical, e os fatos políticos representaram um período difícil para Udine e toda a região do Friuli. Uma das conseqüências foi o decreto de supressão da “Casa das Derelitas” e da Congregação dos Padres do Oratório, de Udine. Após uma verdadeira batalha, conseguiu salvar as “Casas”, mas não conseguiu impedir a supressão da Congregação do Oratório.
Já no fim da vida, padre Luís transferiu a direção de suas obras às irmãs, que aceitaram a missão com serenidade e esperança. Quando sentiu chegar o fim, dirigiu suas últimas palavras às irmãs, animando-as para os revezes que surgiriam, lembrando-as: “… Caridade! Eis o espírito da vossa família religiosa: salvar as almas e salvá-las com a caridade”. Morreu no dia 3 de abril de 1884. Toda a população de Udine e das cidades vizinhas foram vê-lo pela última vez e pedir-lhe ajuda do paraíso celeste.
No terceiro milênio, as irmãs da Providência continuam a obra do fundador nos seguintes países: Romênia, Moldávia, Togo, Índia, Bolívia, Brasil, África do Sul, Uruguai e Argentina.
Padre Luís Scrosoppi foi proclamado santo pelo papa João Paulo II em 2001. Nessa solenidade estava presente um jovem sul-africano que foi curado, em 1996, da Aids. Por esse motivo, esse mesmo pontífice declarou São Luis Scrosoppi padroeiro dos portadores do vírus da Aids e de todos os doentes incuráveis. O jovem sul-africano que se curou desse vírus entrou no Oratório de São Felipe Néri, tomando o nome de Luís.

bomba.jpg

– Bom dia, 6a feira!

Apesar do céu escuro, há algumas cores para deixá-lo mais animado.

Que tenhamos todos uma ótima 6a feira, inspirados nestas flores que desabrocham mesmo sendo outono!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby