– A aprovação do polêmico Plano Diretor de Jundiaí

Não gosto de radicalismos, pois podem ser perigosos. E esse perigo se observou nos últimos dias com a discussão do novo Plano Diretor da Cidade de Jundiaí e sua aprovação por unanimidade.

Criado para ajudar o município a manter a qualidade de vida para os próximos anos, viu-se um embate muito grande entre a defesa do ambientalismo, o crescimento sustentável e a especulação imobiliária. O bom senso manda que Jundiaí preserve o verde, aproveite a vocação agrícola e colha benesses da sua privilegiada condição logística e industrial. Entretanto, as posições ferrenhas de interesses político-eleitorais versus os comerciais trouxeram à tona a seguinte questão: ninguém quer conciliar o tripé agricola-industrial-comercial, que tanto faz bem para a cidade, pensando no bem de Jundiaí, sem querer tirar proveito pessoal?

Quando vejo manifestações de que o processo foi “democrático e popular”, ouvindo a todos, me assusto. Aqui no Medeiros, por exemplo, às vésperas da votação, tivemos a reunião com o Prefeito e sua secretária Daniela da Câmara Sutti. A dirigente, de maneira nada sútil e democrática, vociferou contra toda e qualquer manifestação educada ou crítica contra o projeto. Alegou que por dois anos os moradores foram avisados na conta do DAE (como se todos tivessem água encanada ou ainda se este fosse o canal ideal de informação). As reuniões ditas “de dois anos” só se tornaram sabidas na iminência do debate final, sem que a maior parte da população da cidade fosse informada e estivesse ciente de tudo. Usando novamente o mesmo exemplo: a maior parte dos comerciantes aqui do bairro, como eu, estabelecidos há muito tempo, não tínhamos ciência! E não vale dizer que haviam delegados encarregados de informar, pois estes nada fizeram.

Não sou contra ou a favor o Plano Diretor, nem contra ou a favor tal ideologia comunista da situação ou capitalista da oposição. Sou um cidadão que se revolta ao ver que o bem da cidade não foi discutido a contento, mas sim os interesses particulares de diversos grupos.

É um tremendo blábláblá dizer que o plano visa a defesa do cinturão verde da cidade e deixar a Serra do Japi de lado, dizendo ser outra alçada / legislação que cuida dela. É demagogia! Se éramos, aqui na minha região, zona urbana, mas voltaremos à zona rural, devolverão o IPTU retroativo e a diferença de imposto paga por todo esse tempo? Derrubarão os prédios e edifícios construídos em meio aos antigos pomares e replantarão árvores?

Durante todo esse tempo, a administração que começou PCdoB e virou PSD nada fez ao Medeiros. Idem à administração anterior do PSDB. Permitiram a chegada de grande contingente populacional (que é normal e que não reclamamos), mas se omitiram na construção de creches, ampliação de escolas e melhora na segurança pública. O Canil da GM foi prometido por inúmeras pessoas e como contrapartida de diversas obras. As construtoras terminaram seus projetos mas o Canil não saiu do papel. E o Centro Olímpico do Sarapiranga para a Olimpíada de 16, cadê? O recapeamento da Avenida Reynaldo Porcari, um engodo da virada das administrações antiga e nova, não saiu do papel.

É cansativo falar em desenvolvimento sustentável se se trava radicalmente o crescimento dos bairros e se deseja o aumento da densidade populacional no Centro. As ruas estreitas de Jundiaí já estão travadas, e o tal Plano incentiva a moradia por lá. Enquanto isso, os bairros como Eloy Chaves e Caxambú, que se tornam distritos acolhedores e aprazíveis, ao invés do crescimento inteligente e sustentável, com benfeitorias a serem realizadas, ficam “congelados”.

Há muita confusão, e repito, radicalismo. Defender o verde não é travar a cidade. A periferia não é só campo! A cidade também não pode ser só indústria. Faltou o meio termo, e a aprovação unânime dos senhores vereadores mostram que tanto oposição e situação estavam fechados previamente, mostrando e provando que toda unanimidade é burra.

Sou nascido e criado no meio do mato. Quero progresso ao lugar que eu nasci, e progresso não é redução de densidade demográfica, mas respeito ao meio ambiente, comércio local e sustentável, além de industrialização com responsabilidade social e ambiental, gerando empregos.

Que sejamos partícipes DE FATO nos rumos de Jundiaí, mas não fanáticos defensores de ideários políticos e manipulados por interesses eleitorais ou comerciais. Sejamos democráticos e INTELIGENTES na busca do bom senso desse plano que desagradou boa parte da cidade.

Obs: não sou candidato a nada e nem escrevo defendendo nenhum partido. Sou apolítico, mas não alienado. E sabemos que é nesse momento eleitoral que ouviremos as mesmas e costumeiras promessas que nunca se realizam. Mas os candidatos virão!

bomba.jpg

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.