– Dois Pênaltis Inexistentes em Dois Dias. Vamos entender?

Na quarta-feira, pênalti inexistente que poderia decidir em favor do Brasil. Na quinta-feira,pênalti inexistente que decidiu contra um time do Brasil. O que dizer dos lances de Brasil X Colômbia e Millonarios X Grêmio?

Nas duas partidas, observamos lances de erros técnicos de árbitros. Interpretaram mal as jogadas e caíram na simulação dos atletas. Vamos lá:

Brasil X Colômbia: aqui, o erro foi motivado pela inexperiência do árbitro americano em partidas envolvendo sulamericanos. Na cultura esportiva dos EUA, há pouco espaço para simulações. Em particular, no futebol, ludibriar o árbitro não é coisa comum por lá. Sendo assim, na jogada em que o atleta colombiano atinge somente a bola, legalmente tirando-a da posse de Daniel Alves, o contato físico entre o colombiano e o brasileiro é inevitável e normal de jogo. Porém, o lateral da Seleção Brasileira simula que o braço do atleta que o atinge na disputa de bola (sem força para derrubá-lo, involuntariamente), o impede de jogar e cai como se fosse empurrado propositalmente na disputa de bola. O árbitro caiu nesse golpe e marcou o pênalti. Erro pela falta de rodagem do apitador e por estar desacostumado com tal situação de unfair play.

Millonarios X Grêmio: Carlos Vera, equatoriano, sempre foi um árbitro comum, sem destaque internacional, embora com boa rodagem. O jogo pela Sulamericana foi de muito contato físico, e erros de marcação de supostas e verdadeiras cotoveladas (para ambas equipes) deixaram de ser anotadas. Porém, o lance decisivo ocorreu no final do jogo: o gremista Werley acompanha seu adversário, chega a colocar o braço no peito do colombiano, e este dobra as duas pernas e cai no chão dentro da área. Clássica simulação, o braço não impediria o jogador de seguir na jogada, não sendo infração; e o árbitro, que estava bem posicionado, marcou pênalti. Errou pela falta de coragem em mandar seguir o lance, situação inadmissível para quem ostenta o escudo FIFA e já tem experiência suficiente me competições internacionais, apesar da deficiência técnica.

E você, o que achou desses lances? Deixe seu comentário:

– Dois Pênaltis Inexistentes em Dois Dias. Vamos entender?

Na quarta-feira, pênalti inexistente que poderia decidir em favor do Brasil. Na quinta-feira, pênalti inexistente que decidiu contra um time do Brasil. O que dizer dos lances de Brasil X Colômbia e Millonarios X Grêmio?

Nas duas partidas, observamos lances de erros técnicos de árbitros. Interpretaram mal as jogadas e caíram na simulação dos atletas. Vamos lá:

Brasil X Colômbia: aqui, o erro foi motivado pela inexperiência do árbitro americano em partidas envolvendo sulamericanos. Na cultura esportiva dos EUA, há pouco espaço para simulações. Em particular, no futebol, ludibriar o árbitro não é coisa comum por lá. Sendo assim, na jogada em que o atleta colombiano atinge somente a bola, legalmente tirando-a da posse de Daniel Alves, o contato físico entre o colombiano e o brasileiro é inevitável e normal de jogo. Porém, o lateral da Seleção Brasileira simula que o braço do atleta que o atinge na disputa de bola (sem força para derrubá-lo, involuntariamente), o impede de jogar e cai como se fosse empurrado propositalmente na disputa de bola. O árbitro caiu nesse golpe e marcou o pênalti. Erro pela falta de rodagem do apitador e por estar desacostumado com tal situação de unfair play.

Millonarios X Grêmio: Carlos Vera, equatoriano, sempre foi um árbitro comum, sem destaque internacional, embora com boa rodagem. O jogo pela Sulamericana foi de muito contato físico, e erros de marcação de supostas e verdadeiras cotoveladas (para ambas equipes) deixaram de ser anotadas. Porém, o lance decisivo ocorreu no final do jogo: o gremista Werley acompanha seu adversário, chega a colocar o braço no peito do colombiano, e este dobra as duas pernas e cai no chão dentro da área. Clássica simulação, o braço não impediria o jogador de seguir na jogada, não sendo infração; e o árbitro, que estava bem posicionado, marcou pênalti. Errou pela falta de coragem em mandar seguir o lance, situação inadmissível para quem ostenta o escudo FIFA e já tem experiência suficiente me competições internacionais, apesar da deficiência técnica.

E você, o que achou desses lances? Deixe seu comentário:

– Israel e Palestina: a Insistente Guerra sem Diálogo

Após Israel matar o líder do Hammas, os palestinos revidaram com mísseis sobre Tel-Aviv.

Esse roteiro de ataque e contra-ataque entre os povos judeus e palestinos não cansou?

Quando usaram o diálogo?

Quando realmente se sentaram para discutir a paz, e não um cessar-fogo com tempo limitado?

Sabemos que a pendenga vem dos tempos bíblicos, pois todos se acham donos da terra, mas chegará um momento (se é que já não chegou) que a coisa se tornará insustentável. Que tal a concórdia urgente?

– Associação dos Árbitros quer R$ 4 milhões para Melhorar a Arbitragem Brasileira

Dinheiro traz competência?

-Talvez.

Capacitação técnica de empregados deve ser feita pelos patrões?

-Provavelmente.

Treinar in loco é condição sine qua non para qualquer profissional?

– Sem dúvida.

Após esses questionamentos, fica a reflexão: a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF) quer melhorar a qualidade da arbitragem brasileira, solicitando do Governo 4 milhões de reais para formação de árbitros a distância.

Ora, não seria melhor que a CBF, que é quem administra a arbitragem brasileira via Comissão de Árbitros, cuidasse da capacitação dos mesmos? E com treinos presenciais, nunca a distância? E por quê com dinheiro público, se são entidades de direito privado, e que possuem boas receitas?

Eu sou contra tal receita a Associação dos Árbitros e a atribuição dessa responsabilidade a ela. E você?

Extraído de: http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/brasileiro/serie-a/ultimas-noticias/2012/11/15/anaf-que-r-4-milhoes-do-governo-federal-para-formar-arbitros.htm

APÓS PRESSÃO POR ERROS, ANAF QUER R$ 4 MILHÕES DO GOVERNO FEDERAL PARA FORMAR ÁRBITROS

por Rodrigo Matos

Sob pressão após erros recentes de arbitragem no Brasileiro-2012, a Anaf  (Associação Nacional dos Árbitros de Futebol) reivindica que o Governo Federal dê R$ 4 milhões para projetos de formação de juízes no Brasil. Uma parte sairia diretamente do caixa do Tesouro Nacional e outra por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.

Os pleitos dos árbitros já foram oficializados no Ministério do Esporte, que considera legítimos os pedidos e promete analisá-los. A CBF (Confederação Brasileira de Futebol), que é responsável pela qualidade dos juízes, entende que a iniciativa é louvável.

Um dos projetos é para a viabilização de cursos de formação para árbitros à distância. Seu custo previsto é R$ 2,7 milhões, que, no plano da Anaf, deveriam ser bancado em convênio com o governo.  Uma universidade de Santa Catarina ficaria responsável por centralizar os cursos.

O outro projeto é para aperfeiçoamento de juízes, com um custo de R$ 1,3 milhão. A intenção é que seja colocado em prática por meio da Lei de Incentivo ao Esporte. Sob pressão após erros recentes de arbitragem no Brasileiro-2012, a Anaf  (Associação Nacional dos Árbitros de Futebol) reivindica que o governo federal dê R$ 4 milhões para projetos de formação de juízes no Brasil. Uma parte sairia diretamente do caixa do Tesouro Nacional e outra por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.