– A Expulsão no vestiário de Léo Citadini em Nacional 1×0 Santos.

Há alguns anos, a Regra 5 (o árbitro) ganhou um complemento em seu texto que alegava que os poderes do árbitro se iniciavam antes e terminavam depois da partida. Trocando em miúdos: ele tem autoridade antes do apito inicial e depois do apito final, podendo punir disciplinarmente atletas (claro que não pode fazer nada tecnicamente, pois o jogo está encerrado).

Prova disso é o que aconteceu no Uruguai, pela Libertadores, na noite passada. Wilmar Roldán, experiente árbitro colombiano, bobeou e deu o segundo cartão amarelo ao jogador santista Léo Citadini, não percebendo que tinha que expulsá-lo. Simplesmente esqueceu que já houvera dado um amarelo a ele.

Após a partida, alertado de seu equívoco (por conferência própria ou por um dos seus auxiliares), foi ao vestiário do time brasileiro e comunicou a expulsão.

Ele pode fazer isso?

Sim, devido ao texto citado acima. Percebendo que errou disciplinarmente, pode corrigir isso até depois da partida encerrada. Lembrando novamente: tecnicamente, depois do jogo, “Inês é morta”.

Em tempo: o que apanhou Rodrygo, não? Fizeram um duro rodízio de faltas que culminou na lesão após a entrada de Fucile. Um árbitro de Copa do Mundo como Roldán não poderia ter permitido isso…

Resultado de imagem para Nacional x Santos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.