– O Padre Milagreiro

Eugênio Maria La Barbera, da Fraternidade Monástica dos Discípulos de Jesus, é retratado nessa matéria sobre seu dom da cura. Há relatos impressionantes desde Medjugorje até São Paulo.

Compartilho em: http://istoe.com.br/o-padre-dos-milagres/

O PADRE DOS MILAGRES

Filho de um empresário italiano e hare krishna na juventude, Eugenio Maria La Barbera reúne milhares de pessoas em celebrações de cura na Fraternidade Monástica dos Discípulos de Jesus, em São Paulo.

Por Camila Brandalise

Eugenio Maria La Barbera, 67 anos, desliza a ponta dos dedos da mão direita de um lado ao outro da gola da batina enquanto pergunta a uma das assistentes que lhe acompanham durante sua missa: “Como se fala isso em português?”. Os mais de 30 anos morando no Brasil não foram suficientes para que o italiano dominasse o vernáculo. “Gola!”, ele exclama, para em seguida se dirigir novamente aos fiéis. “Eu quero que venha até aqui a pessoa que está com uma foto de um menino usando uma camiseta branca de gola azul com um desenho de um ‘piu-piu’, um pintinho metade amarelo, metade azul.”

Várias pessoas levam fotos até o altar, onde o padre espera, apreensivo. Pelo menos três vezes, repete: “Não é essa”. A imagem, diz ele, foi enviada por Jesus. No meio do corredor apinhado de gente, uma moça surge chorando enquanto estica a mão até que o religioso veja a foto que ela segura. “É essa”, afirma, apontando com o dedo. “Venha até aqui.” A mulher é Paula Rodrigues Santos, 28 anos. Acompanhada do pai, Quirino Rodrigues Pereira, 61 anos, ela saiu de São José dos Campos, interior de São Paulo, para rezar pelo sobrinho autista de 7 anos que não fala e sofre crises de ansiedade.

Como Paula e Quirino, milhares de pessoas se reúnem para a missa dos enfermos, celebrada todo primeiro domingo do mês (exceto em janeiro e julho), às 14h30, na Fraternidade Monástica dos Discípulos de Jesus, no Jardim Mirna, em São Paulo. O local existe desde 1997 e se tornou um ponto de peregrinação, atraindo fiéis em busca de cura para si ou para alguém próximo. Em 5 de junho, antes do meio-dia, sete ônibus de turismo ocupavam o estacionamento, ao lado de uma van e de um micro-ônibus. Chovia.

Como os assentos da igreja não seriam suficientes para todos, um espaço coberto foi montado do lado de fora com cadeiras e um telão para que os fiéis pudessem acompanhar a celebração. O lugar lembra um monastério europeu. Ocupa uma área ampla e arborizada de 53 mil m2 e foi construído com um investimento de U$ 3 milhões tirados da herança de La Barbera, filho de um empresário têxtil do norte da Itália. A missa segue estritamente a liturgia convencional, com folheto e orações comuns ao ritual da Igreja Católica.

A diferença é o momento que o padre chama de bênçãos de cura. É quando se nota desespero nos olhares. Há joelhos dobrados e mãos unidas, apertadas uma contra a outra com força. Outras estão erguidas para cima. Fiéis sobem nas cadeiras para ver La Barbera. Do altar, ele proclama frases para que todos as repitam. Desce e atende um por um os que estão sentados na primeira fileira: pessoas em cadeiras de rodas ou com doenças graves que antes da missa são selecionados por membros da equipe para ficarem próximos ao sacerdote.

“Você está curada”

Sentada de frente para o altar, Antônia de Matos Barbosa, 72 anos, tem feridas no rosto, nas pernas, nos pés e nas axilas. Portadora de pênfigo, uma doença de pele fatal, rara e autoimune, sofre de dores constantes há cerca de três anos. O padre a levanta, caminha de costas, de frente para Antônia, de mãos dadas com ela. “Você está curada”, diz, no momento em que ela olha pra cima. De volta ao altar, ele inicia as curas coletivas. “Pessoas que não enxergam, que tem dificuldade para ver. Fechem os olhos. Agora abram.

Quem consegue ver perfeitamente o santíssimo sacramento?”, pergunta o padre, segurando a imagem e estendendo-a para o alto. “Levantem as mãos”, pede, para em seguida contar 23 fiéis curados. A sessão segue, no mesmo modelo, com curas para sinusite, dores nos pés e no céu da boca. Muitas mãos se levantam ao final para entrarem na contagem. “Esse é um dom que Deus me deu para fazer o bem para os outros”, afirma La Barbera em seu escritório, horas antes de começar a missa. Italiano, veio ao Brasil logo depois de se tornar padre, em 1978. Tinha 28 anos quando decidiu mudar de vida.

Diz ter acumulado vários pecados na juventude e ri ao relembrar que foi hare krishna, participou de encontros de nudistas e chegou a ir à Índia atrás do guru dos Beatles, Maharishi Mahesh Yogi. A primeira missa a que assistiu foi já adulto, quando desconfiou da noiva que frequentava demais a Igreja. Ao participar da liturgia, decidiu que era aquele o futuro que queria. Rompeu o noivado e abdicou da boa vida que o dinheiro da família permitia. Já no Brasil, diz ter feito seu primeiro milagre no início da década de 1980, durante a Páscoa. Duas adolescentes lhe procuraram pedindo para que abençoasse a mãe com feridas nas pernas.

“Fiz o sinal da cruz apressado. De repente, as chagas tinham se fechado. Me assustei”, diz. Na hora, deu um grito: “Saiam daqui, na minha igreja não existe milagre.” Foi uma vidente de Medjugorje, na Bósnia-Herzegovina, conhecida por ter visto uma aparição de Nossa Senhora, que anos depois o convenceu de que ele estava no mundo para curar as pessoas e fazê-las rezar. “Voltei ao Brasil e criei a Fraternidade.” A Igreja Católica é extremamente rígida quanto à atribuição de milagres. Há um caminho longo e burocrático a ser percorrido para a comprovação, que deve ser feita por equipes de cientistas e testemunhas.

“Por isso leva muito tempo para o milagre ser atestado, o que costuma acontecer somente depois da morte da pessoa”, afirma o sociólogo da religião Francisco Borba, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Segundo Borba, há milagres que acontecem sem o reconhecimento institucional da Igreja, e nem por isso deixam de ter seu valor. “Muitas doenças psicológicas são somatizações. O poder da missa de cura não estaria numa intervenção extraordinária de Deus, mas na capacidade do padre de fazer com que forças psicológicas aparentemente adormecidas na pessoa sejam mobilizadas para resolver o problema”, afirma.

Exorcismo

Para quem critica sua atuação, o religioso italiano tem uma só resposta: “Que venham assistir a uma missa de cura. Eu não tenho sobre o que me explicar, eu faço”, diz. Turrão, afirma que suas celebrações lotam porque as pessoas precisam de fé. “Ficar com muita cantoria, sem seguir a celebração tradicional, não dá”, afirma, em clara alusão a celebridades católicas como o padre Marcelo Rossi. Prestes a encerrar o domingo e se dirigir ao quarto, padre Eugenio La Barbera pega um livro com orações em latim e o exibe à reportagem. “Esse eu uso para as sessões de exorcismo.”

Naquele mesmo escritório em que trabalha e concede entrevistas, uma vez por mês recebe alguém que ele julga estar possuído por um espírito do mal. Chama colegas para ajudá-lo nos casos em que a pessoa se debate com muita agressividade. Se não, trabalha sozinho. Descreve a função com a normalidade de quem a pratica cotidianamente. Aparecida Olívia Narciso, 67 anos, de São Paulo, diz ter sido curada pelo padre. No começo dos anos 2000, descobriu um nódulo grande no seio esquerdo. Com medo, foi até a missa. Voltou ao médico e o tumor havia sumido. “Quando o padre falou comigo, vi um coração enorme, o Senhor proclamou que aquele caroço ia sumir”. Aparecida deu seu testemunho ao final da missa acompanhada pela reportagem, em frente aos fieis.

Acolhimento e perdão

A dona de casa Marisa Rebouças, 47 anos, conta que um milagre aconteceu em sua vida há 15 anos, quando a filha nasceu. “Era um bebê lindo, mas com problemas no coração e no esôfago. Um dia, fizeram raio-x por contraste, mas a substância não saía do corpo dela e não era possível fazer a cirurgia por isso. Tínhamos pouco tempo, fiquei desesperada e chamei o padre para que fosse até o hospital dar uma bênção nela”, diz Marisa, que ainda chora com a história a ponto de ter que fazer uma pausa na fala. “No mesmo dia da visita, o contraste saiu, ela foi operada e sobreviveu.” Hoje, ela é voluntária na Fraternidade.

Para o sociólogo da religião Francisco Borba, o sucesso das missas de cura é explicado, em parte, porque as pessoas se afastaram da Igreja e não vivenciam mais manifestações religiosas cotidianas e, com isso, procuram celebrações na qual possam presenciar a religiosidade e o misticismo vindo à tona de maneira intensa. “Mas há outro dado que explica o fenômeno: todos nós queremos nos sentir amados, acolhidos e perdoados. Mesmo que não sejamos o doente curado, ao presenciar essa graça, de alguma maneira entendemos que Deus também me ama e me acolhe. É isso que as pessoas procuram.”

bomba.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.