– As 5 tendências da Educação para 2023.

O ano novo vem chegando, e com ele, algumas sinalizações de como será o cenário da Educação no Brasil. Algumas preocupações: o ensino personalizado e o aprendizado socioemocional!

Extraído de https://exame.com/bussola/5-tendencias-para-a-educacao-em-2023/, um artigo muito interessante:

CINCO TENDÊNCIAS PARA O ENSINO EM 2023

Ensino personalizado, híbrido ou à distância: educação mudou de forma disruptiva e isso vai impactar o futuro do trabalho

Por Fernando Gabas*

Ensino Híbrido, educação socioemocional, E-learning e microlearning, personalização do ensino. Essas são algumas das tendências educacionais para 2023. Cada revolução mundial mudou a natureza do trabalho e do ensino de maneiras disruptivas. A mudança tecnológica, vivenciada hoje, pode impactar até 50% dos empregos, uma vez que leva a mudanças na forma como as pessoas realizam seu trabalho. Com a pandemia de covid-19, e seu consequente isolamento social, esse processo foi ainda mais acelerado. Por isso, é cada vez mais necessário que as salas de aula ofereçam uma educação integrada, com habilidades de autoaprendizagem, e competências socioemocionais.

O Brasil, em especial, é considerado o país mais ansioso do mundo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), com 11,5 milhões de pessoas diagnosticadas com depressão. Uma pesquisa da Unicef revelou ainda que 35% dos jovens se consideram ansiosos e dentre os entrevistados, a metade sentiu necessidade de pedir ajuda em relação à saúde mental, mas 40% deles não recorreram a ninguém.

Outro relatório do Future of Jobs revela que algumas habilidades se tornaram mais importantes no local de trabalho, como: pensamento crítico, resolução de problemas, gestão de pessoas e criatividade. Empregadores querem profissionais que entendam como tomar decisões difíceis e mostrar suas habilidades de liderança. Somando o levantamento realizado pela Humus Connect (2021) – consultoria especializada no desenvolvimento de profissionais de Instituição de Ensino – e a expertise da Academia Soul – empresa especializada em soluções para Educação Socioemocional nas escolas – é possível mapear cinco principais tendências do cenário educacional.

1. Ensino personalizado

É uma estratégia que usa a tecnologia para considerar as características individuais de aprendizagem de cada aluno. Ela se baseia no respeito pela individualidade e na criação de estratégias que levem em consideração os interesses de cada aluno.

2. Ensino híbrido

O formato, que foi adotado de forma emergencial por instituições de ensino, ganhou um protagonismo ainda maior no cenário pós-pandemia. Trata-se de uma metodologia que mescla aulas e exercícios online e presenciais, com auxílio de ferramentas digitais. A Universidade Unigranrio abriu, no segundo semestre de 2022, cinco cursos no formato híbrido, com a intenção de realizar as aulas práticas de forma presencial e as teóricas no formato online. São eles: Biomedicina, Nutrição, Educação Física, Fisioterapia e Farmácia.

3. E-learning

Ou aprendizado eletrônico, uma modalidade de ensino a distância que possibilita a autoaprendizagem, com a mediação de recursos didáticos sistematicamente organizados, apresentados em diferentes suportes tecnológicos de informação.

4. Educação socioemocional

É uma das exigências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e deve estar presente em toda a Educação Básica. Indo além dos muros da escola, o mercado de trabalho tem valorizado profissionais com Soft skills, em vez de diplomas e certificados — tendência que deve continuar no futuro.

5. Microlearning

Parecido com o E-learning, consiste na “quebra” de conteúdos em pequenas unidades, mais focadas e objetivas. As aulas (ou atividades) do Microlearning acontecem em um tempo curto, com uma linguagem simples, de fácil compreensão e podem contar com o apoio de recursos multimídia, como vídeos, por exemplo.

As universidades que já possuíam esse formato híbrido antes da pandemia, ou que investiram em novos modelos de metodologia e acesso digital, estão em vantagem no que diz respeito à adaptação ao novo normal. No mundo conectado em quarentena, a tecnologia tornou-se grande aliada da Educação, ainda que suas barreiras sejam grandes.

Por outro lado, os desafios e complexidades da sociedade do século XXI requerem alunos com inteligência emocional, o que exige um currículo pedagógico cada vez mais voltado para a formação integral.

Uma análise sobre os períodos de atenção entre 2000, que foi o início da revolução móvel, e 2015, realizada pela Microsoft, revela uma diminuição de 4 segundos (de 12s para 8s). Parece pouco, mas a queda é grande parte culpada pela natureza da tecnologia e pelo estímulo constante que ela oferece aos usuários. Os millennials (1981 a 1995), por exemplo, que cresceram junto com a tecnologia, têm características distintas da geração X (1965 e 1981) e dos boomers (1945 e 1964) que vieram antes deles.

Eles relatam que, quando o conteúdo é altamente envolvente, existe o potencial de prestar atenção por períodos mais longos. E a melhor maneira de prender a atenção dos Millennials é utilizando recursos dos quais eles estão adaptados: plataformas digitais; gamificação; inteligência artificial; aprendizagem imersiva; simuladores digitais; softwares.

Em um futuro um pouco mais distante – apesar de já existirem alguns exemplos –, a Realidade Aumentada (RA) e a Realidade Virtual (RV) devem contribuir para uma educação cada vez mais imersiva. Mas o que merece atenção são algumas competências que vão além das habilidades técnicas.

Muitas escolas investem em bons materiais e professores, mas ainda assim o desempenho dos estudantes não melhora e eles estão cada vez mais desatentos, com dificuldades de concentração e desinteressados. Além disso, vimos que os problemas de relacionamento estavam escalando para além dos muros da escola, com casos de bullying e cyberbullying, prejudicando não só a aprendizagem, mas a retenção desses estudantes na instituição.

Com a missão de somar e transformar a cultura da escola, as relações familiares e outros contextos sociais, o programa de Educação Socioemocional da Academia Soul é alinhado com a BNCC e oferece práticas que ensinam os alunos a ter domínio da própria atenção e autoconsciência. Isso significa que eles vão adquirir a capacidade de, entre outras coisas, prestar atenção no que desejarem – como uma aula, uma palestra, um livro ou uma conversa – e vão aprender a ignorar distrações como conversas paralelas. Outro ponto importante é a aprendizagem de como identificar as próprias emoções e padrões de pensamentos, que afetam o bem-estar no dia a dia.

Ou seja, o equilíbrio emocional é fundamental. Precisamos ser educados para aprendermos a lidar com nossos próprios pensamentos e emoções, bem como com o próximo.

*Fernando Gabas é educador e fundador da Academia Soul.

O ensino em 2023 está sujeito a mudanças (Viorika/Getty Images)

O ensino em 2023 está sujeito a mudanças (Viorika/Getty Images)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.