– Análise da Arbitragem de Paulista 2×2 Penapolense.

O árbitro Douglas Marques das Flores “me devia” uma boa arbitragem (estou ironizando, lógico). Mas trabalhei em 12 jogos dele (e assisti alguns outros em lances discutíveis), não conseguindo ver 90 minutos tranquilos. Tenho plena convicção que nesta tarde assisti sua melhor arbitragem (das partidas, repito, que trabalhei por completo ou das outras que assisti parcialmente por lazer).

Aplicou muito bem a lei da vantagem (por exemplo, a 1 minuto com Danilinho-CAP). Correu bastante e se posicionou muito bem em um jogo muito veloz (está bem condicionado fisicamente).

Tecnicamente, existiram dois lances polêmicos e difíceis, que ele acertou:

1 – 32m: acertou no pênalti por movimento antinatural da mão na bola a favor da Penapolense. O atleta do Paulista foi com os braços abertos, não se corre daquela forma de maneira natural. A minha dúvida era: bateu no braço ou no peito? Batendo no braço, não importa se mudou ou não a trajetória, ou qualquer outra coisa que o valha – e havia uma distância razoável para evitar o contato. Lance “esquisito”. E parabéns ao assistente Robson Ferreira Oliveira que ajudou o árbitro indicando o contato infracional no braço.

2- 37m: acertou ao marcar pênalti por movimento antinatural da mão na bola a favor do Paulista, usando o mesmo critério: zagueiro da Penapolense com o braço aberto, correndo com o braço de forma não convencional, bloqueando o chute com a mão. Acertou.

Disciplinarmente, marcou 20 faltas do Paulista e 18 da Penapolense. Acertou e foi correto nos critérios de advertência e expulsão. Foram 4 cartões amarelos ao Paulista e 2 à Penapolense (além de 1 vermelho ao Paulista). E sobre eles, todos por infantilidade do time da casa:
Koyote – evitável por reclamação;
Bruninho – evitável, por reclamação no banco;
Carlos Eduardo – evitável, por ação temerária no meio campo e logo no começo do 2º tempo foi expulso pela reincidência pelo mesmo motivo.
Morungaba – evitável, por “bate-boca” com o adversário (que também recebeu a advertência).

Na análise pré-jogo dessa partida, eu escrevi: Roberval deveria alertar seus jogadores a não se preocuparem com o árbitro para que não tomassem cartões bobos, devido as características do jogo. Talvez tenha avisado, mas jovens sofrem muito com a questão emocional…

Público: 997 pagantes, para R$ 13.650,00 de renda bruta.

No detalhe da foto, clicada da cabine da Difusora: quantos modelos diferentes você consegue enxergar nesse enquadramento nas cativas?

Um comentário sobre “– Análise da Arbitragem de Paulista 2×2 Penapolense.

  1. Tive a satisfação de rever e comprimentar o Grande repórter COBRINHA.
    Depois de algum tempo voltei ao Jayme Cintra.
    Gostei do jogo,bom goleiro,bom quarto zagueiro.
    Acredito que vou começar a frequentar o Jayme Cintra outra vez.
    Rever o COBRINHA e comprar uma camisa nova do Galo já valeu.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.