– Minhas impressões sobre a eliminação da Seleção Brasileira, Erros da Cartolagem e do Corpo Diretivo, além dos questionamentos da Arbitragem.

Comecemos pelo fim: leio algumas pessoas comentando sobre os lances reclamados na partida entre Brasil 1×2 Bélgica . São dois pênaltis:

O primeiro, em Gabriel Jesus: que o zagueiro belga toca no centroavante brasileiro, não há dúvida. A questão é: a bola já teria ou não ultrapassado a linha de meta? Acompanhei pelas imagens e pelo que os replays mostraram, não há clareza para mim. Se passou, não é pênalti (pois a bola já estava fora de jogo). Se não passou, tiro penal. Fui perguntado se a mudança da Regra não determina que quando a bola sai do gramado não se deve marcar a falta. NÃO! Nada disso, o que mudou foi exatamente o contrário: se a bola está em campo e quem sai são os jogadores, aí sim deve se marcar a infração (se a bola estava no campo de jogo, reinício com falta na lateral; mas se dentro da área, se marca pênalti). Realmente não consigo uma imagem que mostra onde a bola estava (dentro ou fora) naquela ocasião.

O segundo, em Neymar, no final do jogo, quando o camisa 10 tenta o cabeceio. A mão do seu marcador realmente toca nele, mas não há o desequilíbrio do atleta por conta dela. Ali, perceba que o jogador, ao passar da bola, simula posteriormente a expressão de dor e cai. Uma simulação desesperada em busca do empate.

Aliás, se em 2002 fomos beneficiados pela arbitragem contra a Bélgica (e de fato fomos), nem reclamar poderíamos agora…

SOBRE TITE

Sempre o achei um bom treinador, sujeito sério, respeitoso (ao menos, nas vezes que trabalhei com ele, nunca tive problemas – ele é duro, mas educado nas queixas). Fez uma campanha brilhante, pois lembremo-nos que a Seleção Brasileira corria risco de não se classificar. Mas me importuna três coisas que não me conformo:

A primeira, a assinatura do manifesto contra Marco Polo Del Nero no movimento dos esportistas que visava a sua renúncia, onde foi enfático nas críticas, mas depois aceitou trabalhar para ele recebendo um altíssimo salário com a justificativa de servir o Brasil.

A segunda, a teimosia de não dar uma única oportunidade sequer a Vanderlei, goleiro do Santos (e deu a tantos outros), e se fazer de democrático ao dar chances até mesmo a William José nos amistosos. Faltou coerência. Aliás, ao levar para a Copa do Mundo Fredy e Tyson, por que não os utilizou? Não eram competentes o suficiente?

A terceira, enfim, o discurso de “posse de bola”. Eu ouvi todas as entrevistas pós-jogo e ontem ele alegou que o Brasil foi muito bem, justificando 2/3 da posse de bola. Ora, dias atrás o próprio Tite disse que só se pode usar a porcentagem de posse de bola para analisar o jogo quando está 0x0, pois depois que sai um gol o ímpeto dos clubes muda (o que está com o placar na frente perde a posse para o clube que ataca e busca o empate). Mudou de opinião em tão pouco tempo?

Repito: eu manteria Tite na Seleção Brasileira, mas não se pode poupá-lo ou preservá-lo de críticas apesar do trabalho ter sido bom (não ótimo). Morreu abraçado com essas convicções teimosas.

SOBRE A CARTOLAGEM

Fico triste com a euforia de muitos e a decepção na mesma proporção, em especial das crianças. Afinal, a Copa do Mundo é um evento mágico! Mas não se esqueça: a CBF é uma entidade privada, não é uma instituição pública ou ONG solidária. E ela foi presidida por Ricardo Teixeira, José Maria Marin, Marco Polo Del Nero (ambos reconhecidamente corruptos no futebol) e agora por uma figura exótica, contestada e indevida chamada Coronel Nunes! Sem mais delongas… Sem contar que nenhum jogador é “coitadinho”, ganham milhares (e outros milhões) de dólares em seus clubes, não priorizando a Pátria-Mãe (e aqui é outro ponto a discutir: e deveriam? Afinal, a CBF é uma empresa que os explora pelos seus serviços na Seleção).

Não torço contra, mas o Hexacampeonato não mascararia tudo isso que foi citado?

FUTURO DA COPA

Enfim, repararam que o poderio dos clubes europeus agora reflete também nas Seleções? Assim como a Champions League é o torneio mais balado e organizado do mundo entre equipes, na principal competição entre seleções nacionais restaram somente países da Europa! A propósito, essa Copa tem tudo para a competentíssima geração belga faturar, no maravilhoso trabalho que se vem fazendo na Bélgica para que ela seja uma “nova Holanda” – mais planejada e atualizada.

Como consolo, poderemos ver a arbitragem sulamericana na final. A FIFA dispensou muitos árbitros, assistentes e VARs, privilegiando a permanência de dois combinados da América do Sul que foram muito bem até então: Andrés Cunha e seus bandeiras (Uruguai) e Sandro Meira Ricci (com Emerson Carvalho e Marcelo Van Gassen). Para mim, favoritos nessa ordem para apitar a decisão dia 15/07.

Resultado de imagem para Brasil

Anúncios

Um comentário sobre “– Minhas impressões sobre a eliminação da Seleção Brasileira, Erros da Cartolagem e do Corpo Diretivo, além dos questionamentos da Arbitragem.

  1. Que peninha…. Ficamos mui tristes. Um momento de alegria e confraternização para com uma nação carente de afetos e alegrias. Sem comentários quanto as habilidades de cada um deles. Creio que todos eles gostariam de chegar até a final. Enfim… É isso. Que vença o melhor. Bola para frente…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.