– Dois Arns no Céu

Uma das pessoas que eu considerava SANTO já nesse mundo era a Dona Zilda Arns, que à frente da Pastoral do Menor salvou milhares de vidas de crianças carentes que nasciam desnutridas. Faleceu vítima do terremoto do Haiti, onde levava uma palavra de esperança ao pobre povo daquele local.

Ontem, 14 de dezembro (Dia de São João da Cruz) veio a óbito seu irmão, Dom Paulo Evaristo Arns, um religioso de coragem e muita ação social. Uma das figuras mais relevantes do nosso Brasil, tão santo quanto sua saudosa irmã.

Para os mais jovens que não o conheceram, um relato bem fiel sobre esse ilustre brasileiro, extraído do Portal “Klick Educação”:

DOM PAULO EVARISTO ARNS, “O CARDEAL DA ESPERANÇA”

Vinte e oito anos à frente da segunda maior comunidade católica do mundo, a Arquidiocese de São Paulo, com cerca de 7,8 milhões de fiéis, perdendo apenas para a da Cidade do México, dom Paulo Evaristo Arns foi uma das mais expressivas lideranças religiosas do Brasil. Logo que assumiu o cargo de arcebispo da cidade, em 1970, vendeu o Palácio Episcopal por 5 milhões de doláres e empregou o dinheiro na construção de 1.200 centros comunitários na periferia. Impressionou o país e o mundo pelas suas atividades em defesa dos direitos humanos durante o período da ditadura militar, quando combateu a intransigência do regime militar e agiu em favor das vítimas da repressão. Defendeu também os líderes sindicais nas greves, apoiou a campanha contra o desemprego e o movimento pelas eleições diretas. Sua luta em defesa dos direitos dos pobres e pelo fim da desigualdade social lhe valeu dezenas de prêmios no mundo: título de doutor honoris causa em universidades dos Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Holanda; prêmio do Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (1985), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), entre outros. Filho de pequenos agricultores, nasceu em Forquilhinha, interior de Santa Satarina, e ordenou-se padre em 1945. Religioso com formação erudita e ligado ao setor progressista da Igreja, doutorou-se com o mais alto grau acadêmico, três “honorable”, em Letras pela Universidade de Sorbonne, em Paris, na França, com a tese A Técnica do Livro de São Jerônimo, em 1952. De volta a Petrópolis, trabalhou como professor de Teologia, como jornalista e como vigário nos subúrbios da cidade. Foi promovido à condição de bispo em 1966. Quatro anos depois, o papa Paulo VI nomeou-o arcebispo de São Paulo, e, em 1973, cardeal. Pediu demissão do cargo de cardeal-arcebispo em 1998, como determinam as normas da Igreja. Incentivando a integração entre padres, religiosos e leigos, criou 43 paróquias e apoiou a criação de mais de 2 mil Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) nas periferias da metrópole.

bomba.jpg

Anúncios

– Papa põe o Dedo na Ferida em Cuba

Parabéns ao Papa Bento XVI pela coragem de criticar a ditadura marxista-castrista em plena Havana!

É essa coragem que se espera de um líder mundial pela paz. Nada de discursos à distancia, mas sim proclamação da necessidade de mudança e respeito aos Direitos Humanos cutucando o problema in loco, ou seja, estando em Cuba!

E há um sem-número de políticos brasileiros que idolatram a ilha de Fidel e seus mandatários…

– Yoani Sánches não poderá vir ao Brasil

A blogueira que contesta mundo afora o regime castrista e a ditadura em Cuba, Yonai Sánches, não poderá visitar o Brasil. Seu país negou o pedido. Dilma, que esteve por lá nessa semana, também não a recebeu, embora deu visto de entrada.

É em nessa nação que o nosso Brasil quer investir? Tenha dó…

Extraído de: http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2012/02/03/cuba-nega-permissao-para-yoani-visitar-o-brasil/

YOANI TEM O VISTO NEGADO

A ditadura de Cuba negou o pedido da blogueira cubana Yoani Sánchez para viajar ao Brasil. A própria jornalista trouxe a novidade à luz por meio de nota veiculada em seu twitter.

Yoani anotou: “Não há surpresas. Voltaram a me negar a permissão de saída. É a ocasião de número 19 na qual me violam o direito de entrar e sair do meu país.”

A jornalista viria ao Brasil para participar, na Bahia, do lançamento de um documentário que inclui depoimento dela. Por ordem de Dilma, a embaixada brasileira em Havana concedera o visto de entrada.

É datado de 25 de janeiro. Uma semana depois, Dilma voou para Cuba. Na ilha, foi instada a comentar o caso. Saiu-se com uma frase protocolar: “O Brasil deu seu visto para a blogueira. Agora, os demais passos não são de competência brasileira.”

Àquela altura, a decisão já estava tomada. Embora divulgado apenas nesta sexta, o documento que formaliza a resposta negativa da ditadura é datada de 27 de janeiro. Quer dizer: foi expedida dois dias após a emissão do visto brasileiro. Antes da visita de Dilma.

Yoani solicitara uma audiência com Dilma. Não foi recebida. Esperava que a mandatária brasileira intercedesse por ela junto ao regime dos irmãos Fidel e Raúl Castro. Dilma não se animou a fazê-lo.

– Dilma em Cuba

Dilma Roussef disse que:

Direitos Humanos só podem ser discutidos multilateralmente (…) todos violam os direitos humanos

E essa verdade é para ser aceita passivamente? Claro que não: uns violam mais, outros menos. E Cuba, que indubitavelmente viola bastante, foi poupada no discurso da presidente.

Aliás, como esses caras gostam de Cuba, hein? Ninguém do Governo Brasileiro fala que lá é uma ditadura? A quem interessa tal laço de amizade tão íntimo com um país pequeno, falido e comunista?

Deveríamos gastar tempo, recursos e fala com coisas mais úteis.