– 80 anos do Rei Pelé!

A primeira vez que matei aula na vida, foi para assistir ao jogo dos 50 anos de Pelé no San Ciro, em Milão! Lá ocorreu um amistoso contra a “Seleção do Resto do Mundo” (o time tinha na ponta-esquerda Rinaldo! Aff…).

Tudo o que vi de Pelé em campo foi através de VT. Imagine o que devo não ter visto… Se jogasse agora, com a qualidade da bola, do material esportivo, dos gramados e com a existência dos cartões amarelos e vermelhos (a maior parte da carreira dele aconteceu antes do advento dos cartões), teria passado de 2000 gols!

Parabéns ao Pelé e ao Edison no seu(s) aniversário(s) (como ele mesmo desassociou sabiamente a figura dos dois). Igual outro Pelé, dificilmente teremos. Maradonas e Messis – também raros – surgirão; mas Pelé…

imgres.jpg

– E se o Amor fosse a Conta-Gotas, comprado em Farmácia?

Olha que interessante: a “droga do amor” já é vendida nos EUA, em boa parte das farmácias. Pode ser em gotas ou em spray.

O que ela faz e como age? Simples, relato abaixo (extraído de Revista Superinteressante, Ed Novembro/ pg 68-70):

AMOR DE FARMÁCIA

Já existe um remédio que promete melhorar a vida a dois. E ele não é azul. Veja como a ciência está metendo o bedelho no amor.

Por Carol Castro e Felipe Van Deursen

Amor não é uma vontade incontrolável de ficar com seu amante o tempo todo. O nome disso é serotonina.

Amor não relaxa o corpo, cria laços e deixa os apaixonados felizes. O nome disso é ocitocina. É dopamina!

Biologicamente, paixão é só um jato de hormônios e neurotransmissores disparados pelo cérebro. E que viciam quase como droga – as áreas de prazer e recompensa ativadas são as mesmas. Mas uma hora cansa. Quando a festa hormonal no cérebro acaba, o amor chega ao fim.

Com isso em mente, os neurocientistas Julian Savulescu e Andres Sandberg, da universidade de Oxford, iniciaram a busca pela ciência do amor eterno (…) A ideia deles é incentivar a produção de remédios que supram a escassez dessas substâncias. Para isso, estudam o papel delas no amor, a fim de descobrir como sua falta atrapalha os relacionamentos e como seria benéfico aumentar de novo suas doses no corpo. Porém, enquanto eles cuidam da parte teórica, outro grupo já pôs as ideias em prática. O remédio do amor vem em um recipiente de 7,5 ml, com conta-gotas, ou sob a forma de spray nasal. A ocitocina está no ar! (…)

Em 2010, o psiquiatra americano Bryan Post decidiu sintetizar e engarrafar o hormônio. Diz ele: “não é tóxica, não faz mal e não vira um vício, já que não desperta uma vontade contínua de uso” (…) Ele já pode ser comprado em farmácias nos EUA e custa cerca de R$ 120,00.

O remédio não restaura a paixão. Nem chega perto disso. Mas proporciona uma forte sessão de relaxamento. E isso pode ajudar nos momentos mais tensos da relação. Com duas borrifadas no nariz ou seis gotas debaixo da língua, o hormônio corre pleo sistema sanguíneo e aos poucos entra no sistema nervoso central, reduzindo o nível de cortisol (hormônio do estresse) no sangue. Aí, é só calmaria.

DIAS DE OCITOCINA

Experimentamos a droga do amor. Veja como foi!

Ela tem sabor de menta. Para fazer efeito, você precisa pingar 6 gotas embaixo da língua ou apertar o spray uma vez em cada narina. Após dez minutos, a droga começa a surtir efeito, que dura até quatro horas. Em pouco tempo, o braço amolece e o coração desacelera. Piadas bobas ficam engraçadas. A vontade de defender qualquer assunto beira a zero. Estender uma briga fica muito difícil. De fato, uma discussão acalorada de namorados foi dissolvida no ar quando o spray fez efeito. Por um tempo, tudo é lindo. Sorrisos e abraços ficam fáceis. É bom. Mas basear a tranquilidade do dia-a-dia ou, pior, sustentar um relacionamento nessas gotas soa um tanto assustador.

Guardanapo Decoupage Toke e Crie GUA200346 2 unidades Corações Diversos -  PalacioDaArte

– Boa 6a feira!

👊🏻 Bom dia!
Verticalizando o esqueleto para mais uma oportunidade de se viver.
Vamos começar o dia com um bom #cooper-corujão?
🏃🏻👟 #Fui #RunningForHealth #run #training #corrida #sport #esporte #running #asics
Clique 1:

🙏🏻 Correndo e Meditando:
“Ó #NossaSenhoraDoBomParto, rogai por nós que recorremos a vós. #Amém.”
⛪😇 #Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #BomParto #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade
Clique 2:

🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza da #natureza. Hoje, com #rosas vermelhas.
🏁 🙆‍♂️ #corrida #treino #flor #flower #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #flores #garden #flora #run #running #esporte #alongamento
Clique 3:

🌅 06h00 – Desperte, #Jundiaí!
Que a #SextaFeira possa valer a pena!
🍃🙌🏻 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia
Clique 4:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Dificuldade impulsionando a Criatividade!

A dificuldade pode ser um fator tanto desanimador quanto incentivador. Porém, vemos que muitas pessoas, ao sentirem desafiadas pelos percalços, acabam se superando. Um artigo fala sobre isso, extraído do Caderno Inteligência, da Revista Época Negócios, ed Jan/13, pg 100.

Abaixo, compartilho, sobre “dificuldades desejáveis”:

NÃO FACILITE

A dificuldade estimula a criatividade

Nosso cérebro responde melhor às dificuldades do que imaginávamos. Na verdade, elas estimulam nossa criatividade. O pesquisador Robert Bjork, da Universidade da Califórnia, até cunhou a expressão “dificuldades desejáveis” para defender um intervalo maior entre uma aula e outra, obrigando um esforço adicional dos alunos para lembrar a lição anterior. E cientistas da Universidade de Princeton descobriram que alunos assimilavam melhor os conteúdos impressos em fontes tipográficas mais feias e difíceis de ler. Estudos neurológicos mostram que, confrontadas com obstáculos inesperados, as pessoas conseguem aumentar seu “escopo perceptivo”, recuando seus pensamentos para enxergar o quadro mais amplo.

O poeta britânico Ted Hughes defendia que poesia deveria ser escrita à mão: o esforço para usar uma caneta em uma folha de papel obriga a criar expressões mais densas e sintéticas. Os Beatles são um exemplo de que as “dificuldades desejáveis” ajudam a criatividade: em 1966, depois de lançar Rubber Soul, planejavam gravar seu próximo disco nos Estados Unidos, onde os equipamentos eram muito mais sofisticados. Obrigações contratuais os obrigaram a gravar nos estúdios da gravadora, em Londres. Resultado: com a ajuda de um grande produtor e excelentes engenheiros de som, exploraram todas as possibilidades dos quatro canais de gravação disponíveis e produziram os revolucionários álbuns Sgt. Pepper e Revolver.

bomba.jpg

– O que o Papa Francisco falou sobre os homossexuais não pode ser deturpado.

Li as manchetes envolvendo Francisco e os homossexuais nas páginas da Globo, da Folha e até da Record: a impressão, para o desavisado, é que o Papa iria liberar o casamento gay nas Igrejas. E não era nada disso…

O Papa Francisco declarou num documentário o que sempre vem pregando: acolhimento às pessoas que se descobrem LGBTs, evangelização e respeito à diversidade. Para isso, pregou cidadania e reconhecimento de direitos civis, como a união legal (algo que ele próprio já havia dito).

Não se deturpe uma notícia sensacionalista com um consciente apelo papal como dito por Francisco. Entenda abaixo, sem fake news ou fanatismo,

extraído de: https://www.acidigital.com/noticias/papa-incentiva-uniao-civil-para-casais-homossexuais-uma-mudanca-na-postura-do-vaticano-99893

PAPA INCENTIVA UNIÃO CIVIL PARA CASAIS HOMOSSEXUAIS, UMA MUDANÇA NA POSTURA DO VATICANO

Em um documentário que estreou nesta quarta-feira em Roma, o Papa Francisco se mostrou favorável à aprovação de leis de união civil para casais do mesmo sexo, tomando assim distância da atual posição do Vaticano e dos seus predecessores em relação ao tema.

Os comentários surgiram em meio a uma parte do documentário que reflete, entre outros temas, sobre a pastoral dedicada a pessoas que se identificam como LGBT.

“Os homossexuais têm o direito de fazer parte da família. Eles são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deve ser expulso ou ter uma vida miserável por causa disso”, disse o Papa Francisco no filme ao comentar o trabalho desta pastoral.

Após essas observações, e em comentários que provavelmente causarão controvérsia entre os católicos, o Papa Francisco emitiu uma opinião pessoal sobre o tema das uniões civis para casais do mesmo sexo.

“O que precisamos é criar uma lei da união civil. Dessa forma, eles estarão cobertos pela lei”, disse o Papa. “Eu defendi isso,” asseverou.

Os comentários são expostos no novo documentário sobre o Papa chamado, “Francesco”, que fala sobre a vida e o ministério do Papa Francisco que estreou hoje, 21, no Festival de Cinema de Roma, e está programado para fazer sua estreia na América do Norte este domingo.

O filme narra a abordagem do Papa Francisco às questões sociais urgentes e ao ministério pastoral entre aqueles que vivem, nas palavras do pontífice, “nas periferias existenciais”.

Apresentando entrevistas com personalidades do Vaticano, incluindo o cardeal filipino Luis Tagle e outros colaboradores do papa, “Francesco” analisa a defesa que o Papa faz dos migrantes e refugiados, dos pobres, seu trabalho no tema dos abusos sexuais do clero, o papel das mulheres na sociedade e aqueles que se identificam como LGBT.

O filme aborda o alcance pastoral do Papa Francisco àqueles que se identificam como LGBT, incluindo uma história do pontífice encorajando dois homens italianos a manter um relacionamento do mesmo sexo a criarem seus filhos em sua igreja paroquial, que, segundo um dos homens, era muito benéfico para seus filhos.

“Ele não mencionou qual era a sua opinião sobre a minha família. Provavelmente ele está seguindo a doutrina sobre este ponto”, disse o homem, enquanto elogiava o Papa por sua disposição e atitude de boas-vindas e encorajamento.

Os comentários do Papa sobre as uniões civis aparecem precisamente nesta parte do documentário. O cineasta Evgeny Afineevsky disse à CNA, a agência em inglês do grupo ACI, que o Papa expressou o pedido por uniões civis na entrevista que o produtor conduziu com o pontífice.

O apelo direto do Papa por leis de união civil representa uma mudança da perspectiva de seus antecessores e de suas próprias posições a respeito das uniões civis no passado.

Em 2010, enquanto era arcebispo de Buenos Aires, o Papa Francisco se opôs aos esforços para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Entretanto, Sergio Rubin, futuro biógrafo do Papa, sugeriu que Francisco apoiava a ideia de uniões civis como uma forma de evitar que crianças fossem dadas em adoção massivamente a estes casais, Miguel Woites, que trabalhou diretamente com a Conferência Episcopal da Argentina e a Arquidiocese de Buenos Aires dizia que esta afirmação era falsa.

Porém, o fato do próprio Papa afirmar no documentário ter “defendido” anteriormente as uniões civis homossexuais parece confirmar os relatos de Rubin e outros que afirmavam que, de forma reservada, o então cardeal Bergoglio apoiava a ideia.

No livro “No Céu e na Terra”, de 2013, o Papa Francisco não descarta por completo a possibilidade das uniões civis, mas afirma que as leis que “assimilam” ao casamento as práticas homossexuais eram “uma regressão antropológica”. Ele expressou ainda preocupação de que casais do mesmo sexo “tenham direito a adotar filhos, pois isto poderia afetar as crianças”. “Cada pessoa precisa de um pai e uma mãe que possam ajudá-los a formar sua identidade”, afirmava.

Em 2014, Pe. Thomas Rosica, que então trabalhava na assessoria de imprensa da Santa Sé, disse à CNA que o Papa Francisco não expressou apoio às uniões civis de pessoas do mesmo sexo, depois que alguns jornalistas relataram que ele o teria feito durante uma entrevista. Naquela altura, uma proposta de união civil era debatida na Itália e Pe. Rosica enfatizou que Francisco não iria opinar no debate, mas que ele daria ênfase à doutrina católica sobre o casamento.

Em 2003, sob a liderança do Cardeal Joseph Ratzinger e sob a direção do Papa João Paulo II, a Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano ensinou que “o respeito pelos homossexuais não pode levar de forma alguma à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal de uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, promovam e protejam o casamento como a base da família, a unidade primária da sociedade”.

“O reconhecimento legal das uniões homossexuais ou colocá-las no mesmo patamar do casamento significaria não só a aprovação do comportamento desviante, com a consequência de torná-lo modelo na sociedade atual, mas também obscureceria valores básicos que pertencem à comum herança da humanidade. A Igreja não pode deixar de defender esses valores, para o bem de homens e mulheres e para o bem da própria sociedade”, acrescentou a CDF, chamando estas uniões de “gravemente imorais”.

“Nem mesmo em um análogo sentido remoto, as uniões homossexuais cumprem o propósito pelo qual o casamento e a família merecem reconhecimento categórico específico. Pelo contrário, existem boas razões para sustentar que tais uniões são prejudiciais ao bom desenvolvimento da sociedade humana”, afirma o documento.

A assessoria de imprensa do Vaticano não respondeu às perguntas da CNA sobre os comentários do Papa no filme.

Enquanto os bispos em alguns países não se opuseram às propostas de união civil do mesmo sexo e tentaram diferenciá-las do casamento civil, os oponentes das uniões civis há muito alertam que elas servem como ponte legislativa e cultural para iniciativas de casamento entre pessoas do mesmo sexo, alegando ainda que a sociedade não deve aprovar a imoralidade nem podem deixar de proteger o direito das crianças de serem educadas por um pai e uma mãe.

Afineevsky disse à EWTN News este mês que tentou em “Francesco” apresentar o Papa como ele o viu, e que o filme pode não agradar a todos os católicos. Ele disse à CNA na quarta-feira que, em sua opinião, o filme não é “sobre” o apelo do papa a favor de uniões civis, mas “sobre muitas outras questões globais”.

“Não estou olhando para ele como o Papa, estou olhando para ele como um ser humano humilde, um grande modelo para a geração mais jovem, um líder para a geração mais velha, um líder para muitas pessoas, não no sentido católico , mas no sentido de liderança pura, no terreno, nas ruas ”, acrescentou Afineevsky.

O cineasta disse que começou a trabalhar com o Vaticano para produzir um filme sobre o Papa Francisco em 2018 e teve acesso sem precedentes ao Papa até a conclusão das filmagens em junho, em meio aos bloqueios devido à pandemia na Itália.

Afineevsky, é um cineasta russo que mora nos EUA e que em 2015 foi indicado ao Oscar e ao Emmy pela obra “Winter on Fire”, um documentário que narra os protestos Euromaidan de 2013 e 2014 na Ucrânia. Seu filme de 2017, “Cries from Syria”, foi indicado a quatro prêmios Emmy de notícias e documentários e a três prêmios de escolha da crítica.

Na quinta-feira, Afineevsky receberá nos Jardins do Vaticano o prestigioso Prêmio Kineo Movie for Humanity, que reconhece cineastas que apresentam questões sociais e humanitárias em documentários. O prêmio foi criado em 2002 pelo Ministério da Cultura da Itália.

Rosetta Sannelli, a criadora dos Prêmios Kineo, observou que “cada viagem do Papa Francisco a várias partes do mundo está documentada na obra de Afineevsky, em imagens e notícias, e se revela como um olhar autêntico dos acontecimentos de nosso tempo, uma obra histórica em todos os aspectos”.

– O São Paulo 29×0 Taboão da Serra retrata o futebol feminino brasileiro…

O futebol feminino, todos sabemos, engatinha no Brasil (e sempre foi assim). Falta patrocínio adequado, existe pouco incentivo e não temos um campeonato verdadeiramente profissional. 

Alguns clubes e federações tentam fazer algo sério, mas esbarram em todos esses fatores citados. E quem sofre, evidentemente, são as atletas que se desdobram em conseguirem sobreviver.

Neste cenário, há disparates impressionantes: por exemplo: o bem estruturado São Paulo FC que jogou contra o quase amador CA Taboão da Serra, e venceu por 29×0!

O depoimento da jogadora Nini, do Taboão, à TV FPF,  é um retrato perfeito para se entender o momento:

“A gente sabia que seria difícil, o São Paulo vem treinando há muito tempo, inclusive durante a pandemia, enquanto nosso time é um elenco muito jovem e praticamente nós não tivemos treino. Nós conseguimos um campo recentemente, treinamos três dias antes do início do Campeonato Paulista, nesta semana tivemos mais dois dias de trabalho no campo, então é muito difícil jogar e posicionar taticamente contra um time do nível do São Paulo. Mas em momento nenhum vamos desanimar. Infelizmente a gente usa a camisa do CATs, mas em pouca coisa o clube nos ajuda. É mais a vontade da comissão técnica mesmo, as atletas estão sem ganhar nada, ninguém tem salário, ninguém tem condução, a gente não tem roupa de treino, não tem apoio nenhum do clube. A gente simplesmente usa o nome do clube para participar do Campeonato Paulista porque acredita que é uma oportunidade para as meninas mais novas.”

Mais cristalina do que essa realidade, impossível…

– O novo golpe no WhatsApp que não é por vírus!

Infelizmente, há pessoas que usam a inteligência para o mal. Vejam esse caso: golpistas conseguem roubar a sua conta do WhatsApp sem que você instale vírus sem saber! E aconteceu em 2019, voltando a acontecer agora, em 2020.

Extraído de: https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2019/10/22/entenda-o-golpe-que-rouba-conta-de-whatsapp-sem-usar-virus.htm

ENTENDA O GOLPE QUE ROUBA CONTA DO WHATSAPP SEM USAR VÍRUS

Marcos Lopes, 37, não estranhou quando recebeu uma mensagem em seu celular. Ele havia acabado de publicar um anúncio na OLX, plataforma de comércio online, para vender um relógio. O que aconteceu depois disso é que foi surreal: um WhatsApp clonado e R$ 500 a menos na conta de um amigo.

O especialista financeiro caiu em um golpe que têm crescido bastante ao longo de 2019: o roubo de contas de WhatsApp a partir de números de celular expostos em anúncios na internet. E após obter a posse da conta roubada, os criminosos fingem ser a vítima e pedem dinheiro para os contatos cadastrados.

“Quando coloquei o relógio para anunciar, deu questão de segundos e recebi um WhatsApp. A mensagem tinha uma foto da OLX [com o logo], bem redigida, dizendo que para ativar o meu anúncio eu teria que enviar um código de confirmação para eles”, lembrou Lopes.

Pouco tempo depois, o profissional recebeu um SMS com um número de seis dígitos. Não pensou duas vezes e compartilhou a informação com o responsável pela falsa mensagem. Mal sabia Lopes que o código na verdade era o número de autenticação exigido pelo WhatsApp para concluir a configuração do perfil em outro celular.

“Eu nem me liguei. A partir desse momento, minha conta bloqueou”, contou. Lopes recebeu uma mensagem informando que o seu número telefônico estava sendo usado em outro aparelho, e se deu conta de que o seu perfil havia sido roubado.

A conta só foi recuperada três horas depois, após o envio de um email para o suporte da empresa detalhando o acontecido.

Nesse meio tempo, cerca de 300 pessoas receberam mensagens falsas enviadas como se fossem de Lopes. Todas com pedidos de dinheiro emprestado. Uma delas foi tão convincente que um amigo da vítima transferiu R$ 500.

Uma situação parecida aconteceu com Hugo Matta, 30. Por sorte, ele desconfiou nos primeiros segundos. Era um sábado à noite, e do outro lado da linha uma voz tranquila dizia ser funcionário do Mercado Livre.

Matta estava vendendo o seu carro e havia anunciado realmente na plataforma de comércio online. Mas o fato de a ligação ter sido às 21h de um fim de semana levantou o alerta. A recusa em fornecer os dados resultou em uma série de xingamentos por parte do falso funcionário e um estresse desnecessário. Foi por pouco.

“Fiquei meio desnorteado, sem entender. Levei um susto. Comecei a ser xingado pelo cara. Até pensei em ligar para ele de volta, mas desisti”, contou Matta.

COMO O GOLPE FUNCIONA

Infelizmente, a tentativa de golpe não se restringe à OLX e ao Mercado Livre. Ela pode ocorrer em qualquer plataforma de compra online.

Quando um vendedor vai cadastrar um anúncio, ele precisa deixar geralmente um contato telefônico. Muitas vezes é o número do celular (e do WhatsApp) que acaba ficando disponível. É nessa hora que os criminosos começam a agir.

A tentativa de roubar contas de WhatsApp pode acontecer de duas formas: um primeiro contato do criminoso com a vítima por ligação telefônica, ou por mensagens diretas no WhatsApp.

Nos dois casos, um falso representante da empresa entra em contato com o vendedor e argumenta que alguns dados precisam ser atualizados para que o anúncio permaneça ativo. Ao final, é pedido para a vítima que ela informe naquele momento os dígitos de um código SMS de verificação que ela receberá em instantes.

Em posse do código SMS recebido, o criminoso consegue ativar ali na hora a conta do WhatsApp do vendedor em seu próprio aparelho. Ao fazer isso, automaticamente o usuário deixa de ter acesso às suas conversas.

Enquanto a vítima não recupera sua conta, o criminoso dispara mensagens para os contatos registrados pedindo dinheiro emprestado e se fazendo passar por ela.

Classificamos este golpe como engenharia social, pois usa uma falha no sistema e as emoções da vítima. A autenticação via SMS é algo massivamente disseminada no Brasil pelos bancos e a maioria das pessoas está acostumada. Isso facilita o golpe, pois a vítima não presta atenção na mensagem completa que informa que o código é a ativação do programa de mensagens. A vítima simplesmente reage à abordagem e acaba tendo sua conta roubada
Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky

Em resposta a Tilt, a OLX não comentou o caso de Lopes. Mas reforçou que a publicação de anúncios não está condicionada ao envio de qualquer informação pessoal por telefone, WhatsApp, SMS e redes sociais.

Atualmente, a empresa permite que apenas pessoas logadas na plataforma tenham acesso ao chat de negociação. Em breve, uma validação via telefone será exigida e o usuário só conseguirá visualizar o número de telefone dos vendedores se estiver com o seu perfil conectado ao sistema.

O Mercado Livre não retornou os pedidos de posicionamento.

Como se proteger

A maior característica desse golpe é induzir as pessoas a fornecerem os códigos de ativação do WhatsApp. Por isso, a recomendação dos especialistas é: jamais compartilhe esse dado.

Desconfie se:

  • Receber ligações e mensagens de pessoas em nome dos sites de comércio online (de bancos e outras empresas também)
  • Fique ainda mais em alerta se neste contato for pedido para você instalar algum programa em seu aparelho, exigirem pagamento e/ou informações pessoais (senhas, documentos pessoais);
  • O uso de gírias, frases informais demais e erros de ortografia, no caso de mensagens de textos, também indicam que algo está errado;
  • Para aumentar a proteção, ative a verificação em duas etapas do WhatsApp (aprenda a configurar aqui). Ela funciona como uma camada a mais de segurança. Mesmo que uma pessoa obtenha o código de verificação, ela vai precisar inserir também uma senha de seis dígitos criado por você. Ou seja, só sabendo essa informação para conseguir roubar o seu perfil.

Fontes consultadas: Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, e André Munhoz, country manager da Avast.

celular-smartphone-bateria-desespero-panico-mensagem-whatsapp-1542287220896_v2_900x506

– Ouçamos o Papa João Paulo II

Hoje a Igreja Católica celebra São João Paulo II, o carismático amigo dos jovens – e meu Papa da infância até a idade adulta.

É dele o conselho:

Não tenham medo. Abram, ou melhor, escancarem as portas para Cristo”.

Sigamos tal encorajadora mensagem do “Papa Peregrino”.

bomba.jpg

– O problema é: treinadores ou contratantes de técnicos? Precisamos de um Béla Guttmann no século XXI?

Os treinadores estrangeiros estão fazendo sucesso no Brasil: recentemente Jorge Jesus, agora Sampaoli e Domme… o Vasco trouxe Sá Pinto (uma incógnita), o Palmeiras procura um não-brasileiro, e por aí vai.

Será que nossos treinadores, na maioria, estão tão defasados, ou os cartolas dos clubes é que contratam mal e/ou não tem paciência e nem dão boas condições de trabalho aos técnicos nacionais?

Confesso que não sei. Me parece um misto das duas coisas, com algumas situações excessivas.

Dizem (a história em geral) que o húngaro Béla Gutmann, quando dirigiu o São Paulo FC, influenciou toda uma geração (incluindo a Seleção de 58 com Vicente Feola e de 62 com Aymoré Moreira). Precisaremos de um evento impactante assim nos dias atuais?

Bela Guttmann | Amazon.com.br

– A população é quem aguentará a picuinha de Dória e Bolsonaro sobre a vacina? Uma guerra de vaidades…

Sejamos bem objetivos: há três vacinas “adiantadas no seu desenvolvimento” envolvendo brasileiros:

1. A da AstroZeneca / Oxford / Unifesp (que tem apoio do Governo Federal);
2. A da Sinovac / Instituto Butantã (que tem apoio do Governo do Estado de São Paulo);
3. A da Gamaleya / Governo Russo / Governo do Estado do Paraná.

Na 3a feira, o Ministro da Saúde Eduardo Panzuello disse que iria comprar a Sinovac e assinou um protocolo de intenção da aquisição (lembrando que ela é de origem chinesa) para vacinar a população (não descartou as demais vacinas). Logo em seguida, João Dória (Governo Paulista) gravou um vídeo elogiando o Ministro e dando uma “cutucada” no seu atual desafeto, o presidente Bolsonaro.

Na 4a cedo… Bolsonaro detonou literalmente o seu subordinado, escrevendo no twitter que desautorizava o Ministério da Saúde e que a população não seria cobaia dos chineses. Mais tarde, no programa “Pingos nos Is”, da Jovem Pan, acrescentou que um dos motivos seria de falta de credibilidade e que em hipótese alguma compraria a vacina do laboratório Sinovac (que se chama Coronavac). Ressaltou, por fim, que ela não tem comprovação científica e que demorará para ter.

Portanto, nesta guerra de vaidades, onde Dória se fez de vencedor e Bolsonaro quis mostrar que é ele quem manda, o brasileiro vê essas bizarrices: a hidroxicloroquina pode, mesmo sem comprovação científica. A vacina, mesmo quando comprovada, não poderá. E os fanáticos se digladiam na Internet por esses senhores políticos…

Doria tenta se afastar de Bolsonaro e faz duras críticas ao presidente -  CartaCapital