– Seara, Sadia e Perdigão… todas serão uma só?

Um dos negócios mais surpreendentes do ano pode acontecer: a fusão da BRFoods com a Marfrig. Imaginem que gigante do ramo alimentício teríamos!

Abaixo, extraído de: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,brf-e-marfrig-anunciam-estudos-para-uma-fusao,70002850430

DONA DA SADIA E PERDIGÃO, BRF ESTUDA FUSÃO COM MARFRIG

Companhias combinadas criariam quarta maior produtora global de carnes – atrás de JBS, Tyson e Smithfield, com receita de R$ 76 bi, 136 fábricas e 137 mil funcionários; negócio pode ser porta de saída de fundos de pensão e BNDES do setor

As gigantes BRF (dona da Sadia e Perdigão) e Marfrig estão negociando uma combinação de seus negócios, que poderá criar a quarta maior companhia global de carnes, com receita líquida de R$ 76 bilhões. As empresas anunciaram nesta quinta-feira, 30, que os conselhos dos dois grupos estão discutindo uma fusão, na qual a BRF terá 85% da nova empresa, e a Marfrig, 15%.

A companhia resultante da fusão terá 136 fábricas e 137 mil funcionários. Com a união dos negócios, a gigante das carnes ficará atrás somente da JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, da americana Tyson Foods e da chinesa Smithfield.

As conversas entre as companhias começaram nos últimos meses, apurou o Estado. No fim do ano passado, a BRF vendeu sua fábrica da Argentina, a Quickfood, para o grupo comandado por Marcos Molina, que também ficou com a fábrica de carne processada do Mato Grosso da gigante do frango. A Marfrig fornece carne bovina para a produção de alimentos industrializados, como hambúrgueres, à BRF.

Os executivos Pedro Parente, à frente do conselho de administração da BRF, e Lorival Luz, presidente do grupo, deram início às conversas com o empresário Marcos Molina, fundador da Marfrig, e Antonio Maciel, que faz parte do conselho da companhia de carnes, dizem pessoas familiarizadas com o negócio. O banco JP Morgan deverá ser contratado para assessorar a Marfrig no processo, e o Citi, a dona da Sadia e da Perdigão.

Exclusividade

Em nota, a BRF informou que prevê contrato de exclusividade de 90 dias para as negociações com a Marfrig, prazo que pode ser prorrogado por mais 30 dias, caso as negociações avancem.

A BRF, que enfrenta dificuldades financeiras e de operação há dois anos, com prejuízo acumulado de R$ 5,5 bilhões em 2017 e 2018, espera que a combinação reduza a exposição a riscos setoriais e gere alguns ganhos de sinergia. A Marfrig, que nos últimos anos passou a vender negócios para reduzir suas pesadas dívidas, expandirá suas áreas passando a ser produtora de frango e carne suína.

As companhias informaram esperar “sinergias operacionais e financeiras em virtude do equilíbrio e complementariedade de produtos, serviços e diversificação geográfica com relevância no Brasil, Estados Unidos, América Latina, Oriente Médio e Ásia”.

A união dos negócios é vista pelo mercado como porta de saída dos fundos de pensão Previ (Banco do Brasil) e Petros (Petrobrás), que são os principais acionistas da BRF, e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), um dos maiores sócios da Marfrig. Os fundos de pensão Previ e Petros foram os maiores opositores à gestão do empresário Abilio Diniz e da Tarpon, à frente da BRF, que em 2016 registrou seu primeiro prejuízo da história, e teve seu nome envolvido nas operações Carne Fraca e Trapaça. A empresa negocia acordo de leniência.

BRF

Anúncios

– Os Elementos mais Presentes nas Reuniões

Nas empresas, sempre há aquelas “figurinhas carimbadas” que se tornam marcantes. Compartilho uma matéria bacana sobre os tipos mais comuns, suas características e como lidar com eles.

Extraído de Revista Superinteressante, ed Dezembro/2012, pg 86-89, por Bruno Garattoni

SALA DE GUERRA

Os tipos mais comuns nas reuniões – e como você pode lidar com eles

1) O REVOLTADO: Está insatisfeito com a empresa e quer angariar companheiros de luta. Faz pose de irritado e reclama de praticamente tudo.

COMO LIDAR: Ignore o sujeito. Não tome as dores dele. Se você der corda, ele irá tumultuar a reunião, e acabará reclamando até você.

2) O PUXA-SACO: Não tem idéias próprias e fica quieto até que o chefe abre a boca. Aí, começa a concordar com todos os argumentos dele.

COMO LIDAR: Elogie a ideia do seu chefe e estimule o puxa-saco a desenvolvê-la. Ele não vai conseguir e se enforcará com a própria corda.

3) O PUXADOR DE TAPETE: Em vez de propor coisas novas , parece mais interessado em detonar todas as sugestões que você está dando.

COMO LIDAR: Responda com dados e argumentos objetivos. Se isso não for possível, mude de assunto.

4) O TÍMIDO: Costuma ter boas sugestões, mas não abre a boca. Quando vira centro das atenções, fica vermelho e balbucia argumentos que ninguém entende.

COMO LIDAR: Ajude-o a desenvolver a própria idéia. Se for você o tímido, lembre-se que é apenas uma reunião.

5) O HUMORISTA: Fica interrompendo a reunião com piadinhas que já contou trocentas vezes e não tem a menor graça.

COMO LIDAR: Continue o que estava dizendo. Se você pedir para o sujeito calar a boca, ficará com fama de mal-humorado.

6) O TAGARELA: Fala sobre o que sabe e o que não sabe, tem opinião sobre tudo. Monopoliza as discussões e se acha o dono da verdade.

COMO LIDAR: Evite bater de frente com ele: isso só fará o sujeito falar ainda mais. Dirija-se aos demais participantes para o rumo da conversa.

7) O WORKAHOLIC: Trabalha muito e conhece tudo da empresa, mas tem pouca paciência com a opinião dos outros. Pode ser grosseiro.

COMO LIDAR: Tenha paciência, principalmente se ele estiver certo. Se ele for indelicado com você, rebata com bom humor.

imgres.jpg

– Principais Causas de Demissões no Mundo Organizacional

Pense rápido: qual seria o maior motivo para se demitir nas empresas? Incompetência do funcionário, redução de custos, ou alguma outra coisa?

Pois bem: a consultora Waleska Farias, segundo Ancelmo Gois em sua coluna no antigo jornal Diário de São Paulo (26/04, pg 09), detectou em grandes empresas como Pão de Açúcar, Globosat, Habib’s, Contax, que os dois maiores motivos de demissão são:

– FOFOCAS NO TRABALHO;

– JEITO DO FUNCIONÁRIO SE VESTIR.

Depois desses motivos, aí sim vem a questão da capacitação. Até certo ponto, dado surpreendente! Isso quer dizer que a boa conduta no ambiente de trabalho é cada vez mais necessária, não bastando apenas a competência. Independente do ramo de atividade ou tipo de trabalho, o comportamento adequado é uma vantagem competitiva cada vez maior.

Uma interessante reflexão: e em sua atividade profissional, qual tem sido sua vantagem competitiva ou sua conduta? Faz jus à sua permanência nela?

carreira.jpg

– Como cuidar bem de seu veículo

Compartilho um ótimo Guia da Revista Veja sobre “Cuidados na Manutenção do seu Carro”, publicado na edição 2341, com dicas de economia, desmistificação de certos assuntos e alguns macetes bem bacanas. Abaixo:

GUIA PRÁTICO

1. PARE DE MALTRATAR SEU CARRO

A forma de dirigir é fator determinante no tempo de vida útil dos componentes de um veículo, a embreagem, por exemplo, pode durar 100.000 quilômetros no carro do motorista cioso — ou exigir uma cara e inesperada troca já no primeiro ano do veículo mal conduzido.

Acidentes também podem ser evitados com medidas simples. Um estudo realizado pela Fiat mostrou que 70% das batidas leves não ocorreriam se o motorista pisasse com vontade no freio. E, acredite, uma das causas do acionamento inadequado do pedal é a má postura. Ou seja, sentar-se como se estivesse no sofá de casa afeta o tempo e a força da reação para brecar o carro — o ideal é dirigir com a coluna ereta e os braços e pernas levemente flexionados. Com a ajuda de especialistas, VEJA indica sete vícios comuns que podem prejudicar a manutenção do veículo e ocasionar acidentes.

PEGAR DESCIDAS NA BANGUELA

O equívoco: descer uma serra ou uma ladeira em ponto morto ou na posição neutra para economizar combustível.

Por que deve ser evitado: nos carros com injeção eletrônica (caso dos modelos fabricados nos últimos vinte anos), a economia de gasolina na banguela é um mito – essa possibilidade morreu junto com o uso de carburador. E, como o carro tende a ganhar velocidade em declives, o motorista precisa frear durante todo o trajeto, o que desgasta os freios. Em caso de superaquecimento do óleo dos freios, estes podem até falhar. Portanto, a banguela não só não economiza combustível como desgasta pneus e freios e pode causar acidentes.

Para não errar: o corte de queima de combustível ocorre, sim, quando o motorista usa o freio-motor para desacelerar. Ou seja, descer engrenado economiza freios e combustível.
Dica – “Usar as marchas manuais do câmbio automático ajuda a reduzir a velocidade do carro e, assim, poupa combustível e o sistema de freios”, ensina César Urnhani, piloto de testes da Pirelli

VIRAR O VOLANTE COM O CARRO PARADO

O equivoco: ao manobrar, o motorista vira o volante com o carro completamente parado.

Por que deve ser evitado: mover as rodas com o carro imóvel aumenta muito o atrito dos pneus no asfalto, o que acelera o desgaste. “O hábito também pode afetar a caixa de direção, tanto nos veículos com direção mecânica como naqueles com direção hidráulica ou elétrica”, diz o engenheiro Alfredo Vieira das Neves, supervisor de relacionamento com o cliente da Honda.

Para não errar: um mínimo de movimento, para a frente ou de ré, já é suficiente para reduzir o atrito dos pneus no solo

CRUZAR AS LOMBADAS DE VIÉS

O equívoco: atravessar uma lombada na diagonal, na crença errônea de que isso força menos o carro.

Por que deve ser evitado: porque, que ironia, o que realmente força a carroceria e a suspensão é o movimento de torção em que se incorre ao pegar a lombada de lado. Embora os veículos novos apresentem maior rigidez estrutural, o hábito pode ser responsável por rangidos e quebras em pontos de solda na carroceria. Dependendo da velocidade, o impacto em apenas uma das rodas danifica a suspensão do veículo.

Para não errar reduza a velocidade e passe sobre as lombadas de frente

DISPENSAR OS FREIOS NA SUBIDA

O equívoco: manter o carro parado na ladeira sem usar o freio de mão ou, pior, evitar que o carro ande para trás controlando-o no jogo com os pedais da embreagem e do acelerador.

Por que deve ser evitado: embora o motorista brasileiro considere vergonhoso recorrer a ele, o freio de mão é aliado em diversas situações. Em vias em aclive, arrancar com o carro sem a ajuda do freio de mão exige esforço redobrado da embreagem. Pior ainda é “segurar” o veículo pisando na embreagem e no acelerador. Esse esforço extra pode reduzir em até 50% a vida útil do conjunto ou queimar o disco da embreagem. E ainda entra na conta o consumo desnecessário de combustível para evitar que toda aquela tonelada de carro se renda à força da gravidade.

Para não errar: além de poupar a embreagem, acionar o freio de mão ao parar na subida ajuda o motorista a controlar a saída do carro e, portanto, evita acidentes

TRANSFORMAR PEÇAS EM APOIO DE PÉ E MÃO

O equívoco: apoiar o pé esquerdo na embreagem ou descansar a mão direita sobre o câmbio.

Por que deve ser evitado: com o tempo, o peso da mão acaba danificando o trambulador, sistema composto de molas e buchas que liga a alavanca à caixa de câmbio. O pé apoiado no pedal da embreagem, por sua vez, mantém o sistema pré-acionado e gera atrito nos componentes do conjunto, sobrecarregando peças como o disco e o platô. Desenvolvido para rodar 100.000 quilômetros, o sistema pode acabar necessitando de troca aos 10.000 quilômetros.

Para não errar: mais simples, impossível: acione os pedais e a alavanca do câmbio apenas quando necessário

ESNOBAR O FREIO DE MÃO

O equívoco: quem dirige um carro automático pode cair na armadilha de não acionar o freio de mão quando estaciona, uma vez que o câmbio no modo parking (posição P) mantém o veículo parado.

Por que deve ser evitado: “O câmbio no modo parking ajuda a imobilizar o veículo, mas não é sua função substituir o freio de estacionamento. Essa atitude pode comprometer o conjunto de transmissão, como engrenagens e semieixos”, diz Ricardo Dilser, assessor técnico da Fiat.

Para não errar: em ladeiras, o correto é parar o carro na posição N (neutro), puxar o freio de mão e tirar o pé do pedal do freio, para certificar-se de que o carro não se move – e só então levar a alavanca do câmbio para a posição P

DEIXAR O TANQUE NA RESERVA

O equívoco: percorrer vários quilômetros com o tanque de combustível na reserva.

Por que deve ser evitado: a bomba que suga gasolina, etanol ou diesel do tanque para o motor fica submersa no combustível, o que mantém a peça resfriada. Quando o tanque está quase vazio, corre-se o risco de ela superaquecer, o que reduz sua vida útil e pode até queimá-la. “Em curvas ou ladeiras, o movimento do combustível no tanque pode ocasionar uma pane seca. Ou seja, a bomba perde o contato com o combustível e suga ar para o motor, o que impede o veículo de acelerar ou pode desligá-lo completamente”, diz o engenheiro Alfredo Neves, supervisor de relacionamento com o cliente da Honda. Por fim, com pouco combustível no tanque aumenta a probabilidade de que entre sujeira na bomba, o que danifica o filtro do combustível.

Para não errar: o ideal é manter o tanque com pelo menos metade de sua capacidade.

2. COMUM, ADITIVADA OU PREMIUM?

Antes de abastecer o carro, entenda os principais mitos e dúvidas sobre cada tipo de gasolina disponível nos postos.

DESEMPENHO

A octanagem classifica o combustível por sua resistência à detonação no motor. Ou seja, quanto mais alto é o índice de octanas, maior é a eficiência da combustão e, assim, melhor é o desempenho do motor. Na gasolina comum e na aditivada, esse índice é de no mínimo 87. A premium tem a partir de 91 octanas e a podium, vendida apenas nos postos da bandeira BR, tem 95. Para que o motorista perceba uma diferença significativa no desempenho do carro, o motor deve ter uma taxa de compressão superior a 10:1, informação que consta no manual do veículo

PORCENTAGEM DE ETANOL

“A legislação brasileira prevê uma mistura de 25% de etanol na gasolina. Essa porcentagem vale para todos os tipos, desde a comum até a podium, sem distinção”, explica Izabel Lacerda, coordenadora de qualidade de produtos automotivos da Petrobras Distribuidora

LIMPEZA DO MOTOR

A gasolina aditivada contém substâncias detergentes e dispersantes que não interferem no desempenho do carro, mas ajudam a remover impurezas e evitar que depósitos do combustível se acumulem no motor. “Para obter os benefícios da gasolina aditivada, opte por ela uma a cada cinco vezes que encher o tanque”, diz o piloto César Urnhani.

ATENÇÃO! Não deixe o frentista encher o tanque “até a boca”. O ideal é interromper o abastecimento no primeiro clique da bomba, pois a partir daí o combustível deixa de entrar no reservatório para cair no cânister, um filtro responsável por evitar que gases tóxicos cheguem ao meio ambiente. Além de não ser aproveitado, esse combustível encharca o filtro, que perde assim sua capacidade de absorção

3. CUIDADOS COM OS PNEUS

O rodízio de pneus deve acontecer no máximo a cada 10.000 quilômetros. Como a grande maioria dos carros de passeio possui tração dianteira, o desgaste maior ocorre nos dois pneus da frente. Quem adquire dois pneus novos deve, portanto, montá-los no eixo dianteiro, certo? Errado! Os pneus meia-vida vão para o eixo dianteiro do carro, enquanto os novos vão para o traseiro. “Os pneus novos possuem maior aderência e, na parte de trás do veículo, dão mais estabilidade nas curvas e em freadas bruscas”, explica César Urnhani, piloto de testes da Pirelli. Se tiver pouca aderência atrás, o carro tende a rodar na curva e, durante a frenagem, as rodas traseiras podem perder o contato com o solo, já que o peso do veículo é jogado para as rodas da frente. Para manter a saúde dos pneus em dia, sempre que realizar o rodízio faça também alinhamento e balanceamento. A calibragem deve ser semanal, inclusive do estepe, para evitar o gasto excessivo de combustível. Mas atenção: como o ar quente se expande, o pneu deve estar frio no momento da calibragem. “O ideal é fazê-la nas primeiras horas da manhã ou à noite – nunca depois de dirigir por vários quilômetros”, completa Urnhani

4. FREIOS INTELIGENTES

A partir de janeira de 2014, todos os carros fabricados no Brasil deverão estar equipados com freios ABS. Ao contrário do tradicional, esse sistema permite que o motorista controle a direção do veículo e desvie do obstáculo enquanto breca bruscamente. Mas, para conseguir a eficiência que o ABS promete, o condutor deve fazer a sua parte. Como o pedal desse tipo de freio trepida quando acionado, não é raro que o motorista tire o pé ao sentir a vibração ou pise e solte repetidamente, como se estivesse bombeando o sistema. Segundo os especialistas, o freio ABS não tem segredo: o correto é pisar até o fim e segurar firme até a parada do veículo.

Outras fontes consultadas: General Motors e o químico Ricardo França, da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva

mascote_amarelo_m_os.jpg

– Teremos a gigante Renault Fiat Chrysler?

Depois da italiana FIAT adquirir a americana Chrysler e formar o grupo FCA, a francesa Renault estuda se associar às marcas e formar o 3o maior grupo automobilístico do mundo!

Extraído de: https://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,fiat-chrysler-apresenta-proposta-de-fusao-com-renault,70002844950

FIAT CHRYSLER PROPÕE FUSÃO COM A RENAULT

Segundo o projeto, a montadora ítalo-americana seria dona de 50% das ações e o restante seria de propriedade da companhia francesa; governo da França se diz favorável à aliança

MILÃO, ITÁLIA – A montadora Fiat Chrysler (FCA) apresentou nesta segunda-feira, 27, uma proposta de fusão com a francesa Renault, o que criaria o terceiro maior grupo mundial do setor.

Segundo a proposta da FCA, a montadora ítalo-americana seria dona de 50% das ações e o restante seria de propriedade da Renault. As ações teriam cotações nas bolsas de Nova York e Milão, explicou a Fiat Chrysler em um comunicado. O conselho administrativo da Renault se reunirá ainda nesta segunda para avaliar a proposta de fusão.

Segundo a FCA, a fusão criaria o terceiro maior grupo automobilístico do mundo, com vendas anuais de 8,7 milhões de veículos e “uma forte presença em regiões e segmentos chave”. A fusão não provocaria o fechamento de fábricas, afirmou a companhia.

Uma fonte próxima às negociações afirmou que não se espera uma decisão nesta segunda-feira, o que deve “demorar dias, até semanas”. O conselho de administração da Renault definirá apenas se estuda a proposta.

As ações dos dois grupos operavam em alta após o anúncio. O título da FCA chegou a registrar avanço de 18% na Bolsa de Milão, antes de recuar para 14,30%, a € 13,094. A ação da Renault subia 13,65%, a € 56,81.

Aprovação da França

O governo francês é favorável à aliança, mas “é necessário que as condições da fusão sejam favoráveis ao desenvolvimento econômico da Renault e evidentemente aos funcionários da Renault”, afirmou a porta-voz do governo francês, Sibeth Ndiaye.

A Fiat Chrysler indicou que a linha de produção das duas empresas é “ampla e complementar, e daria uma cobertura completa ao mercado, do segmento de luxo até o voltado para o grande público.

FCA e Renault produzem automóveis de nível intermediário e populares, o que significa que poderiam compartilhar os avanços tecnológicos, afirmam analistas.

A Renault poderia contribuir com sua tecnologia para o desenvolvimento de motores elétricos, enquanto a Fiat Chrysler entraria com sua conta no mercado americano e seus veículos 4×4 e picapes. / AFP

Companhias em números

Valor na Bolsa
Renault: € 17 bilhões / FCA: € 19 bilhões = Total: € 36 bilhões

Volume de negócios
Renault: € 57,4 bilhões em 2018 / FCA: € 110 bilhões = Total: € 167,4 bilhões

Volume de vendas anuais
Renault: 3,9 milhões de veículos vendidos em 2018 / FCA: 4,8 milhões = Total: 8,7 milhões

Lucro por veículo vendido
Renault: € 930 por veículo / FCA: € 848 por veículo

Principais marcas
Do grupo Renault: Renault, Dacia, Alpine, Lada e Samsung Motors / Da FCA: Fiat, Chrysler, Alfa Romeo, Jeep, Abarth, Lancia, Maserati, Dodge e Ram

(Fontes: fabricantes e Center Automotive Research)

Fiat Chrysler e Renault

– Rumos da Carreira Profissional: Generalista ou Especialista?

Especialista ou generalista? O que fazer na Carreira? Como Fazer? Onde Fazer?

Tais dúvidas foram muito bem abordadas nesse ótimo texto de Adriano Silva, do “Blog do Executivo Ingênuo”, voltado aos estudantes de Administração de Empresas, jovens executivos e pós-graduandos.

Pela irreverência e ótima qualidade, dentro de um assunto corriqueiro à nossa formação profissional, compartilho com os amigos:

QUANTAS ALMAS VOCÊ TEM?

Tem gente que é especialista. Que define desde o comecinho da carreira o que deseja fazer da vida e decide, sobretudo, o que não quer fazer. Essas pessoas enveredam por um caminho profissional bem definido e não se afastam dele por nada. Costumam pensar o seu talento como uma coisa única e, portanto, recusam tudo que não for precisamente aquilo que escolheram fazer. Dizem para os outros e para si mesmas que só sabem fazer aquilo, que não sabem fazer outra coisa, e avançam por aquela carreira, vida afora, sem olhar para trás.

E tem gente que é generalista. Que gosta de fazer uma coisa mas não descarta fazer outras. Essas pessoas investem num caminho profissional mas mantêm sempre um olho nas alternativas, nas realidades paralelas. Costumam pensar seu talento como uma coisa multifacetada e, portanto, não raro, decidem ir lá ver que outra vida poderiam ter se tomassem outros rumos, se tentassem a mão em outras áreas. Alguns podem até ver profissionais desse naipe como inconstantes, como gente que antes de avançar demais em um determinado caminho, troca de caminho e começa tudo de novo. Mas eles preferem se ver como talentos irrequietos, profissionalmente curiosos, ávidos por conhecer mais e viver coisas novas. E, assim, tratam de viver várias vidas numa só.

Eu acho que, no fundo, tenho alma de especialista. Sinto uma certa inveja de quem se embreta num só fazer sem medo algum de abrir mão do descortínio, de não contar com tantas rotas de fuga e saídas de incêndio caso aquela carreira deixe de oferecer boas oportunidades e simplesmente vá para o vinagre. No entanto, minha carreira tem sido bastante generalista. Devo ter também, em algum lugar (não precisa dizer onde), um bichinho que me faz sempre romper o horizonte, quebrar as paredes e colocar as minhas eventuais competências sempre em vários cestos ao invés de jogá-las integralmente num cesto só. Ainda não sei se isso mais me ajuda (tenho de fato construído algumas obras relevantes ao longo da carreira) ou mais me prejudica (será que eu poderia ser muito melhor em alguma coisa específica se eu tivesse me entregado a ela de corpo e alma há duas décadas?)

Enquanto não sei responder a isso, vou vivendo. Escapando do tédio do especialista – às vezes com nostalgia de uma carreira com um escopo menor. E vivendo as turbulências dos vários recomeços do generalista – às vezes com vontade de ter um pouquinho mais de mesmice e calmaria em minha rotina.

E você?

Resultado de imagem para generalista ou especialista

– A sacada genial da Renault com a Caverna do Dragão!

Que jogada genial da Renault!

A montadora, a fim de lançar uma nova linha do modelo Kwid, soltou alguns dias antes o que seria um trailer do filme “Caverna do Dragão”, um desenho que foi sucesso dos anos 90 exibido no Brasil (mas que não teve último episódio).

Com personagens humanos, tudo é muito bem feito. Cartazes, imagens e spoilers foram divulgados, até que… era uma peça publicitária. Até revelar tal fato, tudo já tinha viralizado na Internet, sem a desconfiança dos fãs.

Em: https://www.youtube.com/watch?v=kC9-bfsNne8&feature=youtu.be

– A Centauro atravessou o Magazine Luiza na compra da Netshoes?

Dias atrás, falamos da praticamente fechada negociação de compra da Netshoes, por parte do Magazine Luiza.

Porém, uma surpresa: oferecendo 40% a mais, a Centauro entrou forte no negócio, que poderá ter os rumos mudados.

Será que vale a pena, se levando em conta a situação financeira da Netshoes?

Extraído de: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/05/24/internas_economia,757037/centauro-entra-na-briga-por-netshoes.shtml

GANHA QUEM DÁ MAIS

por Jaqueline Mendes 

O empresário Sebastião Bomfim, fundador do Grupo SBF e controlador da rede varejista de materiais esportivos Centauro, costurou nas últimas semanas — discretamente, como manda a etiqueta mineira — a mais agressiva manobra dos 38 anos de existência da companhia.

Nesta quinta-feira (23/5), três semanas depois da assinatura de um acordo para a venda do site de artigos esportivos Netshoes para a rede Magazine Luiza, a Centauro oficializou uma oferta de compra do maior e-commerce do segmento na América Latina por um valor 40% superior. Em comunicado ao mercado, o grupo SBF informou que ofereceu US$ 2,80 por ação da Netshoes, que tem capital aberto em Nova York. Isso representa US$ 87 milhões, contra US$ 62 milhões do contrato com a empresa comandada por Frederico Trajano.

De acordo com o comunicado da SBF, a operação de compra de todas as ações do capital social da Netshoes foi aprovada por unanimidade pelo conselho de administração. E a decisão agitou o mercado. No meio da tarde desta quinta-feira (23/5), as ações da Netshoes em Nova chegaram a subir 43,8%.

A conclusão da compra do site de artigos esportivos pelo Magazine Luiza estava em modo “standby”, ou seja, aguardando o sinal verde dos acionistas da Netshoes e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Poucas horas antes da proposta da Centauro, o Cade havia endossado a união das operações.

Antes de formalizar a venda no Brasil, a Netshoes se desfez da operação no México e na Argentina. Os dois países foram citados, na época do IPO (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês), como destino da aplicação dos recursos levantados na operação.

A Netshoes abriu seu capital na bolsa de Nova York em 2017, precificando suas ações em US$ 18. Na época, a empresa captou cerca de US$ 140 milhões com a operação.

Seja quem for o vencedor da disputa pela Netshoes, o valor do negócio é considerado baixo pelo porte e potencial da loja virtual. De acordo com a XP Investimentos, em cálculo feito antes do início das negociações, a compra poderia valer US$ 107 milhões. Essa conta considera o endividamento na casa dos US$ 37 milhões ao fim do terceiro trimestre de 2018 (o mais recente disponível), acrescentado do valor de mercado, próximo dos US$ 70 milhões. Com a contínua queda das ações, o preço pode ser mais baixo.

Potencial

A dívida, por outro lado, pode crescer, pois a Netshoes ainda não anunciou os resultados do quarto trimestre do ano passado. Segundo a empresa, isso deve acontecer em uma semana. “Quem levar a Netshoes levará um ativo barato. O mercado se desencantou com a empresa e, quando isso acontece, é difícil reverter”, diz Alberto Serrentino, fundador da consultoria Varese Retail. “Mas o comprador vai levar um negócio com potencial de valorização e uma estrutura robusta. No dia seguinte à compra, ela já estará valendo mais”.

De acordo com Serrentino, a Netshoes tem uma boa reputação de marca e alcançou bom nível de serviço, incluindo os processos de pós-venda e entregas, além de um faturamento anual bilionário, porém, insuficiente para gerar lucro.

Em 2018, a empresa atingiu receita líquida de R$ 1,2 bilhão, queda de 1,7% em comparação ao mesmo período de 2017. “Quem levar poderá evoluir para um modelo de negócios por ecossistema, uma migração do varejo para se tornar plataforma de serviços e negócios”, afirma Serrentino.

Esse conceito prega que, em vez de deter os produtos que serão vendidos em um grande centro de distribuição, a empresa possa ser um marketplace que interliga vendedores e compradores. Procuradas, Centauro e Netshoes não comentaram as negociações.

Resultado de imagem para centauro netshoes magazine

– Meu inventário comportamental pela metodologia DISC

Realizei uma entrevista para a criação do meu inventário comportamental, através da empresa DomIneSCo – Soluções em Gestão de Pessoas. E achei espetacular!

Tal trabalho visa analisar o comportamento pessoal e profissionalse bom ou ruim – através da metodologia DISC (Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade), em relacionamentos na estabilidade e na instabilidade de situações diversas. Você explora suas potencialidades e fraquezas voltadas para a proatividade, autonomia, extroversão, animação, segurança, perseverança, acolhimento, vigilância e tantas outras. 

Por não ter nada comprometedor, publico sem ressalvas (abaixo). É algo muito bacana para as empresas que querem avaliar o comportamento de seus colaboradores sem medo de errar na busca de talentos!

A propósito, essa metodologia para a formação do inventário comportamental DISC foi criada pelo psicólogo Dr Willian Moulton Marston, inventor do polígrafo / detector de mentiras e da personagem do universo das HQs… Mulher Maravilha!

Taí o motivo da heroína ter o laço da verdade! Ou não, amigos nerds?

O meu perfil aqui: DISCRafael

octogonoDomIneSCo

– A Inter de Limeira virará clube-empresa? A experiência do Paulista FC

Nos anos 2000, minha dissertação de mestrado (“O Novo Processo Administrativo do Futebol Brasileiro Frente a Profissionalização do Gerenciamento dos Clubes”) abordava os vários tipos / modelos de gestão dos clubes de futebol.

Destacavam-se, na época, como exemplo maior a co-gestão Palmeiras/Parmalat (onde eram sócios que tocavam o time com cada um tendo sua área bem definida). Havia também a HMTF no Corinthians (aqui, uma terceirização do futebol por parte de um clube e um fundo de investimentos, com Kia Joorabchian à frente). No interior, alguns casos de terceirização do futebol se tornaram mais comuns (como acontece hoje em Jundiaí com a Kah Sports, através da Fut Talentos, que vem tendo sucesso desde que asusmiu).

Pois bem: nesta época em que se fala de fusões de equipes (Red Bull Bragantino), na abertura de “filiais” (veja o que o Citi Group vem fazendo: o Manchester City sendo a matriz e o NY Citi, Girona-ESP, Yokohama-JAP e tantos outros sendo clubes filiais / satélites) ou ainda a aquisição de grandes empresas comprando conglomerados esportivos (os chineses que compraram a Inter de Milão – que era da Pirelli, o Milan que era do magnata Sílvio Berlusconi), ainda resistem clubes associativos: (Barcelona, Real Madrid) ou os de resistência a novos donos (como a Juventus, que é historicamente da família Agneli, da FIAT).

E nesse “resistir”, muita coisa acontece! Para os grandes poderosos estrangeiros, o dinheiro entra. Para os pequenos do Brasil, haja criatividade e competência. Um desses casos tem sido a Internacional de Limeira (Campeã Paulista de 86), que ressurgiu da 4a divisão para a 1a regional (falando, em especulação, de contar com Adriano Imperador em breve).

Enrico Ambrogini será o CEO da Inter, tendo como missão profissionalizar os processos administrativos do clube e torná-lo um clube-empresa.

Mas que modelo?

Aqui em Jundiaí, ainda existe o Paulista Futebol Clube Ltda, onde a parte “empresarial” está devendo muito e isso afasta qualquer membro associativo de querer a presidência sem pensar milhares de vezes (Rogério Levada está de parabéns por assumir a responsabilidade). Na prática, quem preside a Ltda assume a co-responsabilidade das ações e pode ser processado. Um pouco diferente de S/A, onde se pulverizam ações societárias e você tem um presidente nomeado / contratado pelos acionistas (mas que também tem responsabilidades na gestão financeira).

Se os clubes-empresas forem bem administrados, não há o que temer! Tornam-se ainda mais valorizados. O problema é que quando tudo isso dá errado, pois uma empresa pode falir! Taí o motivo de muitos clubes NÃO DESEJAREM “SER EMPRESA”, pois o receio de faltar competência é grande.

A experiência do Paulista FC, enquanto empresa parceira da Lousano Fios e Cabos ou como Etti Jundiaí (da associação com a Parmalat) foram excepcionais. Andando com as próprias pernas como Ltda no período de 2000 – 2005, muito bom. O problema foi a associação com o Campus Pelé / Banco Fator, um tremendo desastre com efeitos até hoje…

O modelo bacana de time empresa hoje é o da Ferroviária de Araraquara, como Ferroviária Futebol S.A., com empresários locais sendo “partes de dono” da equipe.

CLUBE-SA

– Por 11 bilhões de dólares, a brasileira Natura compra a internacional Avon!

Uau! Que negócio entre gigantes espetacular!

Já imaginaram o número de lojas, funcionários, distribuidores, faturamento e onde estará entrando a nova empresa formada pela Natura e Avon?

Impressione-se com a enorme corporação que está nascendo na área dos cosméticos, abaixo,

Extraído de: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/05/22/natura-anuncia-compra-da-avon.ghtml

NATURA ANUNCIA COMPRA DA AVON

Fechamento do negócio ainda depende de aprovações; companhia combinada tem valor estimado em US$ 11 bilhões.

A fabricante de cosméticos Natura anunciou nesta quarta-feira (22) a aquisição da Avon, em uma operação de troca de ações. Segundo a companhia, a operação cria o quarto maior grupo exclusivo de beleza do mundo.

A partir da transação, será criada uma nova holding brasileira, Natura Holding. Os atuais acionistas da Natura ficarão com 76% da nova companhia, enquanto os atuais detentores da Avon terão os demais cerca de 24%.

No negócio, o valor da Avon é estimado em US$ 3,7 bilhões, e o da nova companhia combinada em US$ 11 bilhões. Os papéis da Natura Holding serão listados na B3, a bolsa brasileira, e terão certificados de ações (ADRs) negociados na bolsa de valores de Nova York (NYSE). Os acionistas da Avon terão opção de receber ADRs negociados na NYSE ou ações listadas na B3.

Em comunicado, a Natura informa que a transação permanece “sujeita às condições finais habituais, incluindo a aprovação tanto pelos acionistas da Natura quanto da Avon, assim como das autoridades antitruste do Brasil e outras jurisdições”. A conclusão da operação é esperada para o início de 2020.

“A união de hoje cria uma força importante no segmento”, afirma em nota Luiz Seabra, cofundador da Natura. Acreditamos que os negócios podem ser uma força para o bem e, com a Avon, ampliaremos nossos esforços pioneiros para levar valor social, ambiental e econômico a uma rede em constante expansão”.

Já o presidente do conselho da Avon, Chan Galbato, afirma que “o Conselho da Avon está confiante que a Natura será uma parceira poderosa para a marca, ao mesmo tempo em que oferece mais escala, operações e oportunidades ampliadas para colaboradores e Representantes, além de tremendo potencial de ganho para acionistas de ambas as empresas”.

Negócios combinados

No comunicado enviado ao mercado, a Natura aponta que o negócio cria um grupo com mais de 6,3 milhões de representantes e consultoras, com 3,2 mil lojas.

“Com a Avon, a Natura &Co terá faturamento bruto anual superior a US$ 10 bilhões, mais de 40 mil colaboradores e presença em cem países”.

A expectativa é que o negócio gere sinergias entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões anuais, “que serão parcialmente reinvestidos para aumentar ainda mais sua presença nos canais digitais e mídias sociais, em pesquisa e desenvolvimento, iniciativas de marca e expansão da presença geográfica do grupo”, diz a companhia.

As ações da Natura fecharam o dia em alta de 9,4%, atingindo o recorde de R$ 61,50. Já as ações da Avon saltaram cerca de 9%, cotadas a US$ 3,49.

Resultado de imagem para NATURA AVON

– Melhorar a Qualidade de Vida dos Funcionários e a Produtividade nas Empresas

Um modismo que está dando certo: as empresas liberam parte da jornada de trabalho dos funcionários em troca de maior eficiência no trabalho.

Abaixo, extraído de Isto É, ed, 2333, pg 74-76

OS FUNCIONÁRIOS FOLGAM, AS EMPRESAS LUCRAM

Uma tendência ganha espaço no mundo corporativo brasileiro: companhias de todos os portes reduzem o horário de trabalho dos empregados e recebem em troca o aumento da produtividade

Por Luísa Purchio

São quase oito horas da manhã e Weenna Ribeiro, 36 anos, já deixou a filha Júlia, de 6, na escola. De lá, a analista de recursos humanos segue para a Bosch, multinacional alemã de engenharia e eletrônica sediada em Campinas (SP). Ao meio-dia, Weena termina o expediente, desliga o computador e vai buscar Júlia no colégio. O resto do dia elas passam juntas. A jornada reduzida é fruto de uma negociação que a executiva fez depois que Júlia ficou doente. “Tive que repensar a vida”, diz. Replanejar tudo significou pedir demissão da própria Bosch. O afastamento, porém, durou apenas um ano. De volta à multinacional, Weena trabalha atualmente quatro horas por dia. O salário caiu, mas a vida melhorou. “Conviver com uma criança não tem preço”, afirma. A história descrita acima representa uma tendência cada vez mais presente nas empresas brasileiras. Elas descobriram que, ao fazer concessões na jornada de trabalho, é possível manter os melhores quadros. Mais do que isso: horários flexíveis podem até aumentar a produtividade – e, portanto, trazer melhores resultados para os balanços.

Um caso interessante é o da empresa de recrutamento Vagas.com, uma das líderes do setor no País. A Vagas não estabelece horários fixos de entrada e saída e muitas das hierarquias foram suprimidas. O modelo, que recebe o nome de holocracia, estimula o surgimento de líderes naturais e não os impostos pela direção. “Eu não saio da empresa nem por um salário mais alto”, diz Marina Corrêa Peliello, 26 anos, responsável por intermediar os contatos entre um candidato a uma vaga e futuros empregadores. O resultado desse jeito diferente de ser está na performance econômica: há muito tempo a Vagas cresce acima de 20% ao ano. No Brasil, a flexibilidade da jornada tem sido adotada por empresas de todos os portes. A Mondelez, multinacional americana que detém marcas como Lacta e Trident, dispensa de trabalhar depois das 13h, em duas sextas-feiras do mês, os 1,5 mil funcionários da área administrativa de São Paulo.

Estimular a felicidade dos funcionários não é uma questão de bondade por parte das empresas. Trata-se, acima de tudo, de uma preocupação financeira. Presidente do Google, que adota uma política de flexibilidade total nos horários de trabalho, Larry Page defende que, no futuro próximo, quem não entender isso ficará condenado ao fracasso. O mexicano Carlos Slim, o homem mais rico do mundo, vai além. Segundo ele, em breve os finais de semana terão de ser ampliados para que as pessoas desfrutem de tempo livre e, assim, se sintam estimuladas a produzir mais no horário do expediente. O recado é claro. Não interessa manter um empregado12 horas dentro de um escritório fechado se ele não produz a contento. No mundo do trabalho moderno, o funcionário fica na empresa apenas o tempo realmente necessário – simular eficiência não vai funcionar mais. “A ideia é fazer com que a pessoa fique na empresa o tempo que quiser, mas produzindo”, afirma Alexandre Teixeira, jornalista e autor do livro “Felicidade S.A.”.

As novas relações entre funcionários e empregadores estão sendo construídas com a ajuda da internet. Graças a ela, é possível trabalhar remotamente, numa praia distante ou num prédio comercial, e em qualquer horário, de manhã ou de madrugada. O próximo desafio será evitar que a facilidade proporcionada pela tecnologia não tenha um efeito adverso – o de fazer com que as pessoas trabalhem o tempo todo, em qualquer lugar. No Brasil, outra dificuldade é adaptar a legislação trabalhista para as novas demandas do mercado. “Pela CLT, a empresa tem de controlar o número de horas que o funcionário trabalha”, afirma o especialista Alexandre Teixeira. “Se não controlar, ela fica sujeita a uma ação trabalhista.” Para o professor de gestão de pessoas da USP Wilson Amorim, o ideal seria deixar o funcionário escolher em qual regime deseja trabalhar. “O modelo pode ser vantajoso para uns, mas prejudicial a outros”, afirma. Outro entrave é a cultura organizacional da maioria das empresas brasileiras. No ano passado, o Banco Mundial promoveu em São Paulo um projeto-piloto com 20 companhias interessadas em flexibilizar os horários de trabalho dos funcionários. Depois de seis meses de estudos e discussões, só duas empresas adotaram novas práticas de gestão.

bomba.jpg

– Tipos de Boa Ajuda Corporativa

Ter ajuda é bom na Administração de Empresas. Mas ter alguém chato, crítico, sempre contrário a você, faz bem também!

Extraído de: http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI292507-16366,00-TRES+TIPOS+DE+AJUDA.html

TRÊS TIPOS DE AJUDA

Você precisa de um coach, de um empreendedor… e de um ‘do-contra’

Por Paulo Eduardo Nogueira

Reza um aforismo de Peter Drucker, um dos padroeiros da administração moderna: “Cultura começa com as pessoas certas e cultura se alimenta de estratégia no café da manhã”.

Mas quem são as pessoas certas? Os consultores de inovação G. Michael Maddock e Raphael Louis Vitón sugerem três tipos que podem ajudar muito na transformação de ideias em produtos ou serviços inovadores.

O primeiro é o coach desafiador, que instiga os funcionários a ir além dos limites autoimpostos e a correr riscos que normalmente evitariam.

O segundo é o empreendedor, aquele que enxerga oportunidades de negócios onde outros veem dificuldades, e adora desafios.

O terceiro é alguém que seja o seu oposto. A experiência mostra que empresas de grande sucesso combinaram executivos com mentalidades diferentes para gerar choque criativo de ideias: se você é yang, procure seu yin.

bonequinhosss2.jpg

– A Escolaridade do Trabalhador Brasileiro!

Segundo números do IBGE, publicados pelo Linkedin:

Cerca de 35% dos trabalhadores brasileiros não têm ensino fundamental, segundo dados referentes ao primeiro trimestre divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No Nordeste, a porcentagem de pessoas com mais de 14 anos de idade que ainda não tem o diploma é de quase 38%, enquanto a porcentagem ultrapassa 44% na região Norte. A taxa é mais baixa no Sudeste (29,2%), seguida por Centro-Oeste (33,5%) e Sul (34%).

Preocupante demais, não? Estudo e trabalham se casam perfeitamente, e o desequilíbrio (ou a falta) entre eles acarretas prejuízos demais à nação.

Outros dados no link em:

https://g1.globo.com/google/amp/educacao/noticia/2019/05/16/35percent-dos-brasileiros-com-mais-de-14-anos-nao-completaram-o-ensino-fundamental-aponta-ibge.ghtml

Resultado de imagem para trabalho no Brasil

– O Casamento da Siri com a Alexa

Haverá em Viena, a Capital da Áustria, um evento continental voltado ao público gay e seus simpatizantes: a EuroPride (a Parada LGBTQIA+). E duas gigantes mundiais, Apple e Amazon, a fim de incentivar o acontecimento (e ganhar novos consumidores com a estratégia de reconhecimento como “empresas amigas da casa”) promoveram uma ação de marketing impressionante: CASARAM as suas “inteligências artificiais”, a Siri e a Alexa!

Duvida?

Olhe aqui, extraído de: https://bhaz.com.br/2019/05/09/siri-iphone-casada-esposa-video/

A SIRI DO IPHONE AGORA É CASADA E A CERIMÔNIA FOI MUITO CHIQUE

A Siri, assistente pessoal de dispositivos da gigante Apple, agora é casada. Isso mesmo. Não estamos falando da mulher que emprestou a voz para a tecnologia, mas sim do sistema operacional em si. Ela foi oficializada esposa de outra assistente virtual, a Alexa, da Amazon. A ação foi promovida pela secretaria de turismo da Áustria em parceria com o estúdio Plan.net, a revista Vanguardist e a agência alemã Serviceplan. Vem ver o vídeo da cerimônia.

O objetivo da união das agora esposa e esposa é mostrar que todas as formas de amar são válidas. O casamento é o primeiro entre inteligências artificiais de todo o mundo. O evento ocorreu em 2 de abril, mas só foi divulgado oficialmente nos últimos dias.

Durante o matrimônio, Siri e Alexa foram pré-gerenciadas para ler um script personalizado. A iniciativa foi lançada para anteceder o Europride, a Parada LGBTQIA+ de Viena, a capital da Áustria. O vídeo que mostra o elance, cheio de convidados e com uma decoração de luxo, já foi visto mais de 2,2 milhões de vezes. Assista abaixo!

A ação, no entanto, trata-se de uma publicidade e não influenciou de forma prática a interação entre usuários da Siri e da Alexa. A assistente da Apple segue respondendo que está “casada com o trabalho” caso o status de relacionamento dela seja questionado.

Em: https://youtu.be/wG-l8YiQEs4